Loading
 
 
 
Loading
 
“É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca”, afirma o arcebispo de Maringá
Loading
 
16 de Agosto de 2012 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Maringá (Quinta-Feira, 16/08/2012, Gaudium Press) A Semana Nacional da Família (SNF), que iniciou no dia 12 de agosto e segue até o dia 18, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe como temática o trinômio a Família, o Trabalho e a Festa. Dom Anuar Battisti aborda o assunto em seu mais recente artigo, intitulado "A Família, o trabalho e a festa": o modo de viver os relacionamentos (a família), de habitar o mundo (o trabalho) e de humanizar o tempo (a festa).

De acordo com o texto do subsídio Hora da Família, a SNF procura motivar momentos, encontros e celebrações com o desejo de despertar todas as pessoas de boa vontade para o valor único e próprio da família.

Para o prelado, chegada à plenitude dos tempos Deus envia seu Filho ao mundo, e o filho é acolhido no seio de uma família, a Família de Nazaré. Dom Anuar afirma que esta família torna-se modelo para as famílias porque constrói sua santidade acolhendo Aquele que é Santo.

Jesus pede que a família seja lugar de acolhida e geradora de vida em plenitude.

"A família não gera apenas a vida física, mas também aqueles valores que são essenciais a cada pessoa e a todas as pessoas: a justiça, a fraternidade, o perdão, a acolhida.

Na família se aprende o significado da ternura, do aconchego, da renúncia, da paciência. É lugar de crescer em idade, sabedoria, e graça diante de Deus e diante dos homens", completa.

O arcebispo lembra uma frase que o beato João Paulo II escreveu em um documento sobre a Família: "animada e sustentada pelo mandamento novo do amor, a família cristã vive a acolhida, o respeito, o serviço para com o homem, considerado sempre na sua dignidade de pessoa e de filho de Deus. Isto deve acontecer, antes de tudo, no e para o casal e para a família, mediante o empenho cotidiano de promover uma autêntica comunidade de pessoas, fundada e alimentada por uma íntima comunhão de amor" (Familiaris Consortio 64).

E ainda com base no documento, esse empenho deve existir porque a humanidade da família pode renovar a sociedade. "A família é a primeira escola dos afetos, o berço da vida humana, onde o mal pode ser enfrentado e superado. A família é um recurso precioso de bem para a sociedade. Ela constitui a semente da qual nascerão outras famílias, chamadas a melhorar o mundo." "A família constitui a célula primeira e vital da sociedade" (Familiaris Consortio 42).

Dom Anuar enfatiza que, criado à imagem e semelhança de Deus, o homem, como Deus, trabalha e descansa. De acordo com ele, o resultado do ‘trabalho' de Deus é a vida plena, e assim o trabalho humano deve ser também gerador de vida, especialmente para a família e consequentemente para a sociedade, sem que o trabalho o sufoque.

"Para poder viver, o homem deve trabalhar, mas de forma que sejam salvaguardados os seus direitos e sua dignidade. Muitas pessoas sofrem porque as condições de trabalho não lhes garantem a formação e sustento de uma família. Mecanismos de tutela adequados devem garantir esse direito para todos", destaca.

Por fim, o prelado ressalta que assim como não só de pão vive o homem, o descanso de Deus recorda a necessidade de suspender o trabalho para que a vida religiosa e lúdica pessoal, familiar e comunitária não seja sacrificada aos ídolos do acúmulo da riqueza, do progresso da carreira e do incremento do poder.

Para dom Anuar, o homem não vive só de relações de trabalho, em função da economia. É necessário tempo para cultivar as relações gratuitas dos afetos familiares e dos vínculos de amizade e parentesco.

"O homem moderno perdeu o sentido da festa. O tempo livre passou a ser o tempo do cultivo do narcisismo. Às vezes dentro da própria família, o tempo do descanso passa a ser momento de isolamento e egoísmo. É preciso recuperar o sentido do domingo como o dia para a família. O homem não descansa somente para voltar ao trabalho, mas para fazer festa. É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca", conclui. (FB/JS)

Loading
“É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca”, afirma o arcebispo de Maringá

Maringá (Quinta-Feira, 16/08/2012, Gaudium Press) A Semana Nacional da Família (SNF), que iniciou no dia 12 de agosto e segue até o dia 18, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe como temática o trinômio a Família, o Trabalho e a Festa. Dom Anuar Battisti aborda o assunto em seu mais recente artigo, intitulado "A Família, o trabalho e a festa": o modo de viver os relacionamentos (a família), de habitar o mundo (o trabalho) e de humanizar o tempo (a festa).

De acordo com o texto do subsídio Hora da Família, a SNF procura motivar momentos, encontros e celebrações com o desejo de despertar todas as pessoas de boa vontade para o valor único e próprio da família.

Para o prelado, chegada à plenitude dos tempos Deus envia seu Filho ao mundo, e o filho é acolhido no seio de uma família, a Família de Nazaré. Dom Anuar afirma que esta família torna-se modelo para as famílias porque constrói sua santidade acolhendo Aquele que é Santo.

Jesus pede que a família seja lugar de acolhida e geradora de vida em plenitude.

"A família não gera apenas a vida física, mas também aqueles valores que são essenciais a cada pessoa e a todas as pessoas: a justiça, a fraternidade, o perdão, a acolhida.

Na família se aprende o significado da ternura, do aconchego, da renúncia, da paciência. É lugar de crescer em idade, sabedoria, e graça diante de Deus e diante dos homens", completa.

O arcebispo lembra uma frase que o beato João Paulo II escreveu em um documento sobre a Família: "animada e sustentada pelo mandamento novo do amor, a família cristã vive a acolhida, o respeito, o serviço para com o homem, considerado sempre na sua dignidade de pessoa e de filho de Deus. Isto deve acontecer, antes de tudo, no e para o casal e para a família, mediante o empenho cotidiano de promover uma autêntica comunidade de pessoas, fundada e alimentada por uma íntima comunhão de amor" (Familiaris Consortio 64).

E ainda com base no documento, esse empenho deve existir porque a humanidade da família pode renovar a sociedade. "A família é a primeira escola dos afetos, o berço da vida humana, onde o mal pode ser enfrentado e superado. A família é um recurso precioso de bem para a sociedade. Ela constitui a semente da qual nascerão outras famílias, chamadas a melhorar o mundo." "A família constitui a célula primeira e vital da sociedade" (Familiaris Consortio 42).

Dom Anuar enfatiza que, criado à imagem e semelhança de Deus, o homem, como Deus, trabalha e descansa. De acordo com ele, o resultado do ‘trabalho' de Deus é a vida plena, e assim o trabalho humano deve ser também gerador de vida, especialmente para a família e consequentemente para a sociedade, sem que o trabalho o sufoque.

"Para poder viver, o homem deve trabalhar, mas de forma que sejam salvaguardados os seus direitos e sua dignidade. Muitas pessoas sofrem porque as condições de trabalho não lhes garantem a formação e sustento de uma família. Mecanismos de tutela adequados devem garantir esse direito para todos", destaca.

Por fim, o prelado ressalta que assim como não só de pão vive o homem, o descanso de Deus recorda a necessidade de suspender o trabalho para que a vida religiosa e lúdica pessoal, familiar e comunitária não seja sacrificada aos ídolos do acúmulo da riqueza, do progresso da carreira e do incremento do poder.

Para dom Anuar, o homem não vive só de relações de trabalho, em função da economia. É necessário tempo para cultivar as relações gratuitas dos afetos familiares e dos vínculos de amizade e parentesco.

"O homem moderno perdeu o sentido da festa. O tempo livre passou a ser o tempo do cultivo do narcisismo. Às vezes dentro da própria família, o tempo do descanso passa a ser momento de isolamento e egoísmo. É preciso recuperar o sentido do domingo como o dia para a família. O homem não descansa somente para voltar ao trabalho, mas para fazer festa. É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca", conclui. (FB/JS)


 

Deixe seu comentario
O seu endereco de email nao sera publicado Campos obrigatorios sao marcados *




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Dom Orani João Tempesta ressaltou que “a Igreja do Rio de Janeiro tem uma grande responsabilidade ...
 
Dom Urbano Allgayer, Bispo Emérito de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, escreveu um artigo sobre o ...
 
A governante também teve um encontro com o Secretário para as Relações com os Estado, Dom Domini ...
 
O Arcebispo de Singapura, Dom William Goh, advertiu que a Consagração de Singapura à Santíssima ...
 
O purpurado esteve presente na abertura do Núcleo de Estudos de Doutrina Social. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading