Loading
 
 
 
Loading
 
“É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca”, afirma o arcebispo de Maringá
Loading
 
16 de Agosto de 2012 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Maringá (Quinta-Feira, 16/08/2012, Gaudium Press) A Semana Nacional da Família (SNF), que iniciou no dia 12 de agosto e segue até o dia 18, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe como temática o trinômio a Família, o Trabalho e a Festa. Dom Anuar Battisti aborda o assunto em seu mais recente artigo, intitulado "A Família, o trabalho e a festa": o modo de viver os relacionamentos (a família), de habitar o mundo (o trabalho) e de humanizar o tempo (a festa).

De acordo com o texto do subsídio Hora da Família, a SNF procura motivar momentos, encontros e celebrações com o desejo de despertar todas as pessoas de boa vontade para o valor único e próprio da família.

Para o prelado, chegada à plenitude dos tempos Deus envia seu Filho ao mundo, e o filho é acolhido no seio de uma família, a Família de Nazaré. Dom Anuar afirma que esta família torna-se modelo para as famílias porque constrói sua santidade acolhendo Aquele que é Santo.

Jesus pede que a família seja lugar de acolhida e geradora de vida em plenitude.

"A família não gera apenas a vida física, mas também aqueles valores que são essenciais a cada pessoa e a todas as pessoas: a justiça, a fraternidade, o perdão, a acolhida.

Na família se aprende o significado da ternura, do aconchego, da renúncia, da paciência. É lugar de crescer em idade, sabedoria, e graça diante de Deus e diante dos homens", completa.

O arcebispo lembra uma frase que o beato João Paulo II escreveu em um documento sobre a Família: "animada e sustentada pelo mandamento novo do amor, a família cristã vive a acolhida, o respeito, o serviço para com o homem, considerado sempre na sua dignidade de pessoa e de filho de Deus. Isto deve acontecer, antes de tudo, no e para o casal e para a família, mediante o empenho cotidiano de promover uma autêntica comunidade de pessoas, fundada e alimentada por uma íntima comunhão de amor" (Familiaris Consortio 64).

E ainda com base no documento, esse empenho deve existir porque a humanidade da família pode renovar a sociedade. "A família é a primeira escola dos afetos, o berço da vida humana, onde o mal pode ser enfrentado e superado. A família é um recurso precioso de bem para a sociedade. Ela constitui a semente da qual nascerão outras famílias, chamadas a melhorar o mundo." "A família constitui a célula primeira e vital da sociedade" (Familiaris Consortio 42).

Dom Anuar enfatiza que, criado à imagem e semelhança de Deus, o homem, como Deus, trabalha e descansa. De acordo com ele, o resultado do ‘trabalho' de Deus é a vida plena, e assim o trabalho humano deve ser também gerador de vida, especialmente para a família e consequentemente para a sociedade, sem que o trabalho o sufoque.

"Para poder viver, o homem deve trabalhar, mas de forma que sejam salvaguardados os seus direitos e sua dignidade. Muitas pessoas sofrem porque as condições de trabalho não lhes garantem a formação e sustento de uma família. Mecanismos de tutela adequados devem garantir esse direito para todos", destaca.

Por fim, o prelado ressalta que assim como não só de pão vive o homem, o descanso de Deus recorda a necessidade de suspender o trabalho para que a vida religiosa e lúdica pessoal, familiar e comunitária não seja sacrificada aos ídolos do acúmulo da riqueza, do progresso da carreira e do incremento do poder.

Para dom Anuar, o homem não vive só de relações de trabalho, em função da economia. É necessário tempo para cultivar as relações gratuitas dos afetos familiares e dos vínculos de amizade e parentesco.

"O homem moderno perdeu o sentido da festa. O tempo livre passou a ser o tempo do cultivo do narcisismo. Às vezes dentro da própria família, o tempo do descanso passa a ser momento de isolamento e egoísmo. É preciso recuperar o sentido do domingo como o dia para a família. O homem não descansa somente para voltar ao trabalho, mas para fazer festa. É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca", conclui. (FB/JS)

Loading
“É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca”, afirma o arcebispo de Maringá

Maringá (Quinta-Feira, 16/08/2012, Gaudium Press) A Semana Nacional da Família (SNF), que iniciou no dia 12 de agosto e segue até o dia 18, promovida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) propõe como temática o trinômio a Família, o Trabalho e a Festa. Dom Anuar Battisti aborda o assunto em seu mais recente artigo, intitulado "A Família, o trabalho e a festa": o modo de viver os relacionamentos (a família), de habitar o mundo (o trabalho) e de humanizar o tempo (a festa).

De acordo com o texto do subsídio Hora da Família, a SNF procura motivar momentos, encontros e celebrações com o desejo de despertar todas as pessoas de boa vontade para o valor único e próprio da família.

Para o prelado, chegada à plenitude dos tempos Deus envia seu Filho ao mundo, e o filho é acolhido no seio de uma família, a Família de Nazaré. Dom Anuar afirma que esta família torna-se modelo para as famílias porque constrói sua santidade acolhendo Aquele que é Santo.

Jesus pede que a família seja lugar de acolhida e geradora de vida em plenitude.

"A família não gera apenas a vida física, mas também aqueles valores que são essenciais a cada pessoa e a todas as pessoas: a justiça, a fraternidade, o perdão, a acolhida.

Na família se aprende o significado da ternura, do aconchego, da renúncia, da paciência. É lugar de crescer em idade, sabedoria, e graça diante de Deus e diante dos homens", completa.

O arcebispo lembra uma frase que o beato João Paulo II escreveu em um documento sobre a Família: "animada e sustentada pelo mandamento novo do amor, a família cristã vive a acolhida, o respeito, o serviço para com o homem, considerado sempre na sua dignidade de pessoa e de filho de Deus. Isto deve acontecer, antes de tudo, no e para o casal e para a família, mediante o empenho cotidiano de promover uma autêntica comunidade de pessoas, fundada e alimentada por uma íntima comunhão de amor" (Familiaris Consortio 64).

E ainda com base no documento, esse empenho deve existir porque a humanidade da família pode renovar a sociedade. "A família é a primeira escola dos afetos, o berço da vida humana, onde o mal pode ser enfrentado e superado. A família é um recurso precioso de bem para a sociedade. Ela constitui a semente da qual nascerão outras famílias, chamadas a melhorar o mundo." "A família constitui a célula primeira e vital da sociedade" (Familiaris Consortio 42).

Dom Anuar enfatiza que, criado à imagem e semelhança de Deus, o homem, como Deus, trabalha e descansa. De acordo com ele, o resultado do ‘trabalho' de Deus é a vida plena, e assim o trabalho humano deve ser também gerador de vida, especialmente para a família e consequentemente para a sociedade, sem que o trabalho o sufoque.

"Para poder viver, o homem deve trabalhar, mas de forma que sejam salvaguardados os seus direitos e sua dignidade. Muitas pessoas sofrem porque as condições de trabalho não lhes garantem a formação e sustento de uma família. Mecanismos de tutela adequados devem garantir esse direito para todos", destaca.

Por fim, o prelado ressalta que assim como não só de pão vive o homem, o descanso de Deus recorda a necessidade de suspender o trabalho para que a vida religiosa e lúdica pessoal, familiar e comunitária não seja sacrificada aos ídolos do acúmulo da riqueza, do progresso da carreira e do incremento do poder.

Para dom Anuar, o homem não vive só de relações de trabalho, em função da economia. É necessário tempo para cultivar as relações gratuitas dos afetos familiares e dos vínculos de amizade e parentesco.

"O homem moderno perdeu o sentido da festa. O tempo livre passou a ser o tempo do cultivo do narcisismo. Às vezes dentro da própria família, o tempo do descanso passa a ser momento de isolamento e egoísmo. É preciso recuperar o sentido do domingo como o dia para a família. O homem não descansa somente para voltar ao trabalho, mas para fazer festa. É mais oportuno do que nunca que as famílias voltem a descobrir a festa como lugar do encontro com Deus e da proximidade recíproca", conclui. (FB/JS)


 

Deixe seu comentario
O seu endereco de email nao sera publicado Campos obrigatorios sao marcados *




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

A exibição do Santo Sudário que ocorrerá de 19 de abril até 24 de junho de 2015, dará também ...
 
Movimento apostólico “Jovens Adoradores ao Rei” promove o momento religioso direcionado aos jov ...
 
Arquidiocese de Maringá, realiza Missa Campal na memória liturgica de São João Paulo II. ...
 
A Companhia japonesa NTT Data ficou encarregada da publicação na internet dos oito primeiros manus ...
 
Nessa data, em 1978, João Paulo II celebrou a Missa de Início de seu Pontificado, seis dias depois ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading