Loading
 
 
 
Loading
 
Homilia do Papa Francisco na Missa de Quinta-feira Santa
Loading
 
28 de Março de 2013 / 1 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 28-03-2013, Gaudium Press) - "As leituras nos falam dos ‘Ungidos': o servo de Yahvé de Isaías, David e Jesus, Nosso Senhor. Os três têm em comum que a unção que recebem é para ungir o povo fiel do Deus que servem; sua unção é para os pobres, para os cativos, para os oprimidos", disse o Papa na homilia que fez hoje na Basílica de São Pedro, em Roma, por ocasião da Missa de Quinta-feira Santa e da qual publicamos excertos.

papa_francisco.jpg
Foto Gustavo Kralj/Gaudium Press

O Pontífice prosseguiu dizendo que o óleo com que é perfumado o ungido e que se difunde sobre ele, "é a imagem da unção sacerdotal que, através do ungido, chega até os confins do universo".

Da "beleza do litúrgico" que é "presença da gloria de nosso Deus resplandecente em seu povo vivo e consolado", se parte para a ação, "A unção não é para perfumar nos a nós mesmos, nem muito menos para que a guardemos em um frasco, já que se poria rançoso o azeite... e amargo o coração".

"Ao bom sacerdote pode-se conhecer por como anda ungido seu povo. Quando nossa gente anda ungida com óleo de alegria, isso é notado: por exemplo quando sai da missa com o rosto de quem recebeu uma boa notícia. Nossa gente agradece o evangelho anunciado com unção, agradece quando o evangelho que pregamos chega a sua vida cotidiana, quando baixa o óleo de Aarão até os bordes da realidade, quando ilumina as situações limites, ‘as periferias' onde o povo fiel está más exposto à invasão dos que querem saquear sua fé".

Quando uma pessoa procura um sacerdote, às vezes pedindo orações, ou inclusive coisas materiais ou que parecem banis, o que no fundo querem é "ser ungidos com o óleo perfumado, porque sabe que nós o temos". "Temos que sair e experimentar nossa unção, seu poder e sua eficacia redentora: nas ‘periferias' onde existe sofrimento, existe sangue derramado, cegueira que deseja ver, onde existem cativos de tantos maus patrões", expressou o Papa.

O Pontífice afirmou que na busca das almas "o poder da graça" se "ativa e cresce na medida em que saímos com fé para nos dar e dar o Evangelho aos demais; a dar a pouca unção que tenhamos aos que não tenham nada de nada".

"O que não sai de si, em vez de mediador, -adivertiu o Papa Francisco-, vai convertendo-se pouco a pouco em intermediário, em gestor. Todos conhecemos a diferença: o intermediário e o gestor ‘já têm seu pagamento', e posto que não poem em jogo a própria pele nem o coração, tampouco recvebem um agradecimento afetuoso que nasce do coração". Temos que ser 'pastores' com 'cheiro de ovelha', pastores no meio de seu rebanho , e não pescadores de homens".

quinta_feira_santa_1.jpg
Foto Gustavo Kralj/Gaudium Press

O Pontífice concluiu a sequencia argumentativa de sua homilia assinalando que "es bom que a realidade mesma nos leve a ir ali onde o que somos por graça se mostre claramente como pura graça, nesse mar do mundo atual onde só vale a união -e não a função- e tornem fecundas as redes lançadas unicamente em nome d'Aquele de quem nos temos confiado: Jesus".

O Papa pediu que os fiéis acompanhem seus sacerdotes com afeto e oração, e para os sacerdotes desejou que Deus Pai renove o Espirito de Santidade com que foram ungidos.

No final da eucaristia dessa manhã, na procissão de encerramento, o Pontífice despediu-se calorosamente de todos.

Gaudium Press / S. C.

Loading
Homilia do Papa Francisco na Missa de Quinta-feira Santa

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 28-03-2013, Gaudium Press) - "As leituras nos falam dos ‘Ungidos': o servo de Yahvé de Isaías, David e Jesus, Nosso Senhor. Os três têm em comum que a unção que recebem é para ungir o povo fiel do Deus que servem; sua unção é para os pobres, para os cativos, para os oprimidos", disse o Papa na homilia que fez hoje na Basílica de São Pedro, em Roma, por ocasião da Missa de Quinta-feira Santa e da qual publicamos excertos.

papa_francisco.jpg
Foto Gustavo Kralj/Gaudium Press

O Pontífice prosseguiu dizendo que o óleo com que é perfumado o ungido e que se difunde sobre ele, "é a imagem da unção sacerdotal que, através do ungido, chega até os confins do universo".

Da "beleza do litúrgico" que é "presença da gloria de nosso Deus resplandecente em seu povo vivo e consolado", se parte para a ação, "A unção não é para perfumar nos a nós mesmos, nem muito menos para que a guardemos em um frasco, já que se poria rançoso o azeite... e amargo o coração".

"Ao bom sacerdote pode-se conhecer por como anda ungido seu povo. Quando nossa gente anda ungida com óleo de alegria, isso é notado: por exemplo quando sai da missa com o rosto de quem recebeu uma boa notícia. Nossa gente agradece o evangelho anunciado com unção, agradece quando o evangelho que pregamos chega a sua vida cotidiana, quando baixa o óleo de Aarão até os bordes da realidade, quando ilumina as situações limites, ‘as periferias' onde o povo fiel está más exposto à invasão dos que querem saquear sua fé".

Quando uma pessoa procura um sacerdote, às vezes pedindo orações, ou inclusive coisas materiais ou que parecem banis, o que no fundo querem é "ser ungidos com o óleo perfumado, porque sabe que nós o temos". "Temos que sair e experimentar nossa unção, seu poder e sua eficacia redentora: nas ‘periferias' onde existe sofrimento, existe sangue derramado, cegueira que deseja ver, onde existem cativos de tantos maus patrões", expressou o Papa.

O Pontífice afirmou que na busca das almas "o poder da graça" se "ativa e cresce na medida em que saímos com fé para nos dar e dar o Evangelho aos demais; a dar a pouca unção que tenhamos aos que não tenham nada de nada".

"O que não sai de si, em vez de mediador, -adivertiu o Papa Francisco-, vai convertendo-se pouco a pouco em intermediário, em gestor. Todos conhecemos a diferença: o intermediário e o gestor ‘já têm seu pagamento', e posto que não poem em jogo a própria pele nem o coração, tampouco recvebem um agradecimento afetuoso que nasce do coração". Temos que ser 'pastores' com 'cheiro de ovelha', pastores no meio de seu rebanho , e não pescadores de homens".

quinta_feira_santa_1.jpg
Foto Gustavo Kralj/Gaudium Press

O Pontífice concluiu a sequencia argumentativa de sua homilia assinalando que "es bom que a realidade mesma nos leve a ir ali onde o que somos por graça se mostre claramente como pura graça, nesse mar do mundo atual onde só vale a união -e não a função- e tornem fecundas as redes lançadas unicamente em nome d'Aquele de quem nos temos confiado: Jesus".

O Papa pediu que os fiéis acompanhem seus sacerdotes com afeto e oração, e para os sacerdotes desejou que Deus Pai renove o Espirito de Santidade com que foram ungidos.

No final da eucaristia dessa manhã, na procissão de encerramento, o Pontífice despediu-se calorosamente de todos.

Gaudium Press / S. C.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/45270-Homilia-do-Papa-Francisco-na-Missa-de-Quinta-feira-Santa. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentario
O seu endereco de email nao sera publicado Campos obrigatorios sao marcados *




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

De acordo com o sacerdote, não basta saber que os demônios existem, mas é necessário conhecer co ...
 
O ato ocorre em preparação para a festa de São Pedro Julião Eymard, fundador da Congregação do ...
 
Paróquias da Diocese de Criciúma, do Estado de Santa Catarina, promovem atividades especiais desti ...
 
Intitulada “Ícone, uma janela para o céu”, a exposição conta com ícones sacros escritos na ...
 
No dia 3 de agosto, às 14h30, na Catedral de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul, serão realizadas ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading