Loading
 
 
 
Loading
 
A luz da fé: A encíclica do Papa Francisco
Loading
 
12 de Julho de 2013 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

São Paulo (Sexta-feira, 12-07-2013, Gaudium Press) O Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, escreveu um artigo publicado esta semana no jornal da Arquidiocese. No texto, o purpurado comenta a primeira encíclica do Papa Francisco: Lumen Fidei (A Luz da Fé). Leia abaixo o documento na íntegra.

dom_odilo_pedro_scherer.jpg

* * *

Era bem esperada uma encíclica sobre a fé, ainda no pontificado de Bento XVI. De fato, ele já havia escrito uma sobre a caridade (Deus caritas est - Deus é Amor) e uma sobre a esperança (Spe salvi - Salvos na Esperança). Faltava uma sobre a fé, para completar a trilogia de ensinamentos pontifícios sobre as virtudes teologais, dons preciosos recebidos de Deus no Batismo.

E foi o papa Francisco quem nos deu a encíclica Lumen Fidei (A Luz da Fé), sobre a fé, bem no decorrer do Ano da Fé. Ele mesmo, no entanto, já havia dito, quando a anunciou há poucas semanas, que seria uma encíclica "escrita a quatro mãos", uma vez que seu predecessor já havia trabalhado, antes de abdicar ao pontificado, em vista de sua publicação.

A encíclica nos vem, não apenas para a melhor vivência do Ano da Fé, mas para compreender e viver melhor a própria fé. Não é um texto para ser analisado com mera curiosidade intelectual, ou com o intuito de fazer uma análise teológica sobre ele; seria muito pouco. Bem mais, ele deve ser lido e degustado com o desejo de compreender e acolher cada palavra dita com amor de pai por quem fala com a sabedoria adquirida ao longo de uma existência e com o desejo de comunicar coisas essenciais à vida dos filhos...

É interessante notar que o Papa não fala da fé a partir das "verdades da fé": o primeiro capítulo traz o título - "acreditamos no amor". Nosso ato de fé é precedido pelo amor de Deus, que se manifesta ao mundo e nos faz experimentar seu amor salvador; a experiência do amor precede a fé! Não é também isso que acontece entre as pessoas? Quando duas pessoas se amam verdadeiramente, elas passam a acreditar profundamente uma na outra...

É o que já ouvimos do papa emérito Bento XVI em outras ocasiões: nossa fé e nossa experiência religiosa não decorrem de uma doutrina perfeita, nem de um ideal ético altíssimo, mas do encontro com a pessoa de Deus, amoroso e fiel, que se revelou, veio ao nosso encontro e nos amou. É a isso que o Papa se refere quando fala, na encíclica, sobre Abraão, nosso pai na fé, a experiência histórica e mística do Povo de Israel, a vinda do Filho de Deus ao mundo e a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

"Ele me amou e por mim se entregou na cruz", exclama São Paulo, depois de fazer a experiência do encontro com Jesus Cristo no caminho de Damasco; sua fé foi vivíssima e inabalável porque experimentou o "mistério" do amor de Deus, manifestado em Cristo Jesus. Para os apóstolos e para os grandes cristãos, que foram e são os santos, falar da fé não significou tratar de verdades abstratas, bem elaboradas pela razão humana; eles falavam, antes de tudo, da pessoa de Deus e de Jesus Cristo, de sua ação envolvente, especialmente de seu amor misericordioso e de sua providência. As verdades da fé e da moral, também elaboradas bem como doutrinas, seguem depois disso.

A encíclica fala, no capítulo 2º, que é preciso crer para compreender; de fato, a fé é um dom sobrenatural, que nos é dado como luz forte, que nos faz perceber melhor aquilo que queremos compreender. É o contrário do que, geralmente, as pessoas imaginam: não é "ver para crer", mas "crer para ver". Na ordem da fé, podemos dizer: quem crê compreende mais e melhor. Não é que a fé dispensa o esforço da razão e o estudo: fé e razão completam-se e não devem ser opostas, nem tidas como excludentes.

Um belo capítulo trata da transmissão da fé: esta é uma das preocupações sérias da Igreja em nossos dias. O papa fala que a Igreja é "a mãe da nossa fé". Esta não é um fato individual e subjetivo: aquilo que cremos foi transmitido a nós, vem de longe, dos apóstolos! "Transmiti-vos aquilo que eu mesmo recebi", observou São Paulo (1Cor 15,3). Cremos no testemunho de quem creu primeiro; e temos motivos bons para fazer isso! Cremos com quem já creu, os mártires, os santos, os mestres da fé ao longo da história. Cremos e temos o compromisso de continuar a transmitir hoje essa preciosa herança da fé!

Enfim, a encíclica trata das obras da fé. "A fé, sem as obras, é morta em si mesma", já advertia São Tiago! Mas não se trata de opor as obras à fé: estas são decorrência e fruto da fé verdadeira. Crendo, nós nos colocamos na sintonia com o plano de Deus sobre este mundo e sobre a nossa vida. E então, surgem as obras da fé e cessam as obras contrárias à fé, porque são contrárias a Deus e ao seu amor!

Cardeal Odilo Pedro Scherer

Arcebispo de São Paulo

(Publicado na edição de 09 de julho de 2013 do jornal O SÃO PAULO)

Loading
A luz da fé: A encíclica do Papa Francisco

São Paulo (Sexta-feira, 12-07-2013, Gaudium Press) O Cardeal Arcebispo de São Paulo, Dom Odilo Pedro Scherer, escreveu um artigo publicado esta semana no jornal da Arquidiocese. No texto, o purpurado comenta a primeira encíclica do Papa Francisco: Lumen Fidei (A Luz da Fé). Leia abaixo o documento na íntegra.

dom_odilo_pedro_scherer.jpg

* * *

Era bem esperada uma encíclica sobre a fé, ainda no pontificado de Bento XVI. De fato, ele já havia escrito uma sobre a caridade (Deus caritas est - Deus é Amor) e uma sobre a esperança (Spe salvi - Salvos na Esperança). Faltava uma sobre a fé, para completar a trilogia de ensinamentos pontifícios sobre as virtudes teologais, dons preciosos recebidos de Deus no Batismo.

E foi o papa Francisco quem nos deu a encíclica Lumen Fidei (A Luz da Fé), sobre a fé, bem no decorrer do Ano da Fé. Ele mesmo, no entanto, já havia dito, quando a anunciou há poucas semanas, que seria uma encíclica "escrita a quatro mãos", uma vez que seu predecessor já havia trabalhado, antes de abdicar ao pontificado, em vista de sua publicação.

A encíclica nos vem, não apenas para a melhor vivência do Ano da Fé, mas para compreender e viver melhor a própria fé. Não é um texto para ser analisado com mera curiosidade intelectual, ou com o intuito de fazer uma análise teológica sobre ele; seria muito pouco. Bem mais, ele deve ser lido e degustado com o desejo de compreender e acolher cada palavra dita com amor de pai por quem fala com a sabedoria adquirida ao longo de uma existência e com o desejo de comunicar coisas essenciais à vida dos filhos...

É interessante notar que o Papa não fala da fé a partir das "verdades da fé": o primeiro capítulo traz o título - "acreditamos no amor". Nosso ato de fé é precedido pelo amor de Deus, que se manifesta ao mundo e nos faz experimentar seu amor salvador; a experiência do amor precede a fé! Não é também isso que acontece entre as pessoas? Quando duas pessoas se amam verdadeiramente, elas passam a acreditar profundamente uma na outra...

É o que já ouvimos do papa emérito Bento XVI em outras ocasiões: nossa fé e nossa experiência religiosa não decorrem de uma doutrina perfeita, nem de um ideal ético altíssimo, mas do encontro com a pessoa de Deus, amoroso e fiel, que se revelou, veio ao nosso encontro e nos amou. É a isso que o Papa se refere quando fala, na encíclica, sobre Abraão, nosso pai na fé, a experiência histórica e mística do Povo de Israel, a vinda do Filho de Deus ao mundo e a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

"Ele me amou e por mim se entregou na cruz", exclama São Paulo, depois de fazer a experiência do encontro com Jesus Cristo no caminho de Damasco; sua fé foi vivíssima e inabalável porque experimentou o "mistério" do amor de Deus, manifestado em Cristo Jesus. Para os apóstolos e para os grandes cristãos, que foram e são os santos, falar da fé não significou tratar de verdades abstratas, bem elaboradas pela razão humana; eles falavam, antes de tudo, da pessoa de Deus e de Jesus Cristo, de sua ação envolvente, especialmente de seu amor misericordioso e de sua providência. As verdades da fé e da moral, também elaboradas bem como doutrinas, seguem depois disso.

A encíclica fala, no capítulo 2º, que é preciso crer para compreender; de fato, a fé é um dom sobrenatural, que nos é dado como luz forte, que nos faz perceber melhor aquilo que queremos compreender. É o contrário do que, geralmente, as pessoas imaginam: não é "ver para crer", mas "crer para ver". Na ordem da fé, podemos dizer: quem crê compreende mais e melhor. Não é que a fé dispensa o esforço da razão e o estudo: fé e razão completam-se e não devem ser opostas, nem tidas como excludentes.

Um belo capítulo trata da transmissão da fé: esta é uma das preocupações sérias da Igreja em nossos dias. O papa fala que a Igreja é "a mãe da nossa fé". Esta não é um fato individual e subjetivo: aquilo que cremos foi transmitido a nós, vem de longe, dos apóstolos! "Transmiti-vos aquilo que eu mesmo recebi", observou São Paulo (1Cor 15,3). Cremos no testemunho de quem creu primeiro; e temos motivos bons para fazer isso! Cremos com quem já creu, os mártires, os santos, os mestres da fé ao longo da história. Cremos e temos o compromisso de continuar a transmitir hoje essa preciosa herança da fé!

Enfim, a encíclica trata das obras da fé. "A fé, sem as obras, é morta em si mesma", já advertia São Tiago! Mas não se trata de opor as obras à fé: estas são decorrência e fruto da fé verdadeira. Crendo, nós nos colocamos na sintonia com o plano de Deus sobre este mundo e sobre a nossa vida. E então, surgem as obras da fé e cessam as obras contrárias à fé, porque são contrárias a Deus e ao seu amor!

Cardeal Odilo Pedro Scherer

Arcebispo de São Paulo

(Publicado na edição de 09 de julho de 2013 do jornal O SÃO PAULO)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/48597-A-luz-da-fe--A-enciclica-do-Papa-Francisco. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentario
O seu endereco de email nao sera publicado Campos obrigatorios sao marcados *




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Mais de 45 mil pessoas, entre autoridades eclesiásticas, governamentais, civis e militares, são es ...
 
Intitulado “A herança dos Santos” o encontro foi organizado pela Diocese de Roma em preparaçã ...
 
Dom Canísio Klaus, bispo da diocese de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, escreveu um artigo ...
 
De 16 a 18 de maio, realiza-se o Encontro dos Lectionautas, na casa de formação Nossa Senhora de G ...
 
O Coral Santa Cecília da Catedral de Florianópolis, em Santa Catarina, realiza hoje, seu 29º CONE ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading