Loading
 
 
 
Loading
 
"Ao dar testemunho de santidade o líder está no caminho do discipulado, da imitação e do seguimento de Jesus", afirma o arcebispo de Londrina.
Loading
 
29 de Julho de 2013 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Londrina (Segunda-Feira, 29/07/2013, Gaudium Press) O mais recente artigo de dom Orlando Brandes, arcebispo de Londrina, no Estado do Paraná, tem como título "Nossa lideranças". No texto, o prelado afirma que as paróquias, movimentos e pastorais subsistem graças à liderança, e coordenação de pessoas que são animadoras, coordenadoras, propulsoras das forças vivas da Igreja, sob a presidência do pároco.

De acordo com o arcebispo, torna-se cada vez mais urgente e necessário oferecer formação para as lideranças, inclusive sobre a importância da rotatividade e do desapego ao cargo. Para ele, é preciso Lembrar que estamos refletindo sobre pessoas que exercem trabalho, coordenação e animação na Igreja.

"Os leigos têm cidadania na igreja por força do batismo. São questão fundamental a importância das lideranças, sua rotatividade e a necessidade de preparar novos líderes. São corresponsáveis na edificação da Igreja através da comunhão e participação. Exercer o cargo é serviço", sublinha.

Dom Orlando enfatiza que as lideranças são chamadas por Deus, reconhecidas pelo pároco e pela Igreja, para servir o povo. Ele recorda do apóstolo Paulo, que via em seus colaboradores pessoas amadas de Deus, eleitas, escolhidas. Assim, segundo o prelado, todo trabalho de uma liderança é para a glória de Deus e a salvação do mundo.

"É um serviço que tem como razão última, o amor de Deus, a fé, a graça batismal que transforma os batizados em filhos de Deus, verdadeiros sacerdotes, profetas e pastores (reis) que é o sacerdócio batismal. Eis a dignidade dos leigos e leigas dentre os quais nascem as lideranças. Um líder é pessoa de Deus engajada na comunidade com três qualidades: fé, competência e humanismo", afirma.

Para o arcebispo, coordenar, ser liderança, trabalhar na Igreja é uma questão de fé e de amor a Deus e ao povo e, portanto, exercer liderança na comunidade eclesial é um autêntico lava-pés, uma ação sagrada que anima, organiza, coordena a pastoral, a comunidade eclesial, os setores da evangelização. Dom Orlando ressalta que um líder na Bíblia é um semeador, um pescador, um servidor, um pastor, um educador, um animador, e age voluntariamente, com fé, com competência e com o coração.

"Liderar é um ato de evangelização, é uma missão, um ministério, uma responsabilidade, um serviço. Para tão alta missão, uma liderança precisa ser bem preparada, conhecer as estruturas da Igreja e ter condições humanas, pastorais, morais e espirituais para assumir este encargo. Uma liderança age em Cristo, em nome da Igreja e em favor do povo. Assim saberá colocar Deus e sua graça em primeiro lugar e aprimorar o seu próprio ego."

Do ponto de vista humano, avalia o arcebispo de Londrina, uma liderança deve ter "três coragens": para atuar, perseverar e ser exemplo para os outros. Lembrando que a coragem de atuar significa ter pé no chão, objetivos claros, não se omitir, concretizar, fazer acontecer na prática as ideias, os planos, as esperanças e os objetivos.

Outra questão essencial é a coragem de perseverar, analisa o prelado, que ainda destaca que um líder não pode ser inseguro, indeciso, omisso e negligente. De acordo com ele, para perseverar precisa do esforço, da criatividade, da fortaleza, da positividade, do entusiasmo, da fé em seu trabalho e missão. "Não se deixa amedrontar pelas preocupações, mas, enfoca as soluções, não desiste na dificuldade e coloca sua esperança na graça de Deus", completa.

Por fim, dom Orlando afirma que a coragem de ser exemplo para os outros significa, ser testemunha, praticar o que exige dos outros, ter coerência entre o que diz e faz, pois é assim que o líder atrai os outros a colaborar. Para ele, o exemplo do líder arrasta, cativa, convence, comove, motiva os outros. Ser testemunha é agir com coerência e transparência, pois o mundo não acredita nos mestres, mas, deixa-se fascinar pelos que dão testemunho.

"Ser testemunha é fazer o que dizemos praticar o que ensinamos realizar o que pregamos. O líder é o primeiro a fazer o que ensina, sua palavra se comprova no seu jeito de ser, agir, de viver. É um mestre não de teorias, mas, de práticas, vivências, exemplos. Jesus convida seus ouvintes, a seguir seu jeito de ser, suas atitudes, seu testemunho. Ao dar testemunho de santidade o líder está no caminho do discipulado, da imitação e do seguimento de Jesus", conclui. (FB)

 

Loading
"Ao dar testemunho de santidade o líder está no caminho do discipulado, da imitação e do seguimento de Jesus", afirma o arcebispo de Londrina.

Londrina (Segunda-Feira, 29/07/2013, Gaudium Press) O mais recente artigo de dom Orlando Brandes, arcebispo de Londrina, no Estado do Paraná, tem como título "Nossa lideranças". No texto, o prelado afirma que as paróquias, movimentos e pastorais subsistem graças à liderança, e coordenação de pessoas que são animadoras, coordenadoras, propulsoras das forças vivas da Igreja, sob a presidência do pároco.

De acordo com o arcebispo, torna-se cada vez mais urgente e necessário oferecer formação para as lideranças, inclusive sobre a importância da rotatividade e do desapego ao cargo. Para ele, é preciso Lembrar que estamos refletindo sobre pessoas que exercem trabalho, coordenação e animação na Igreja.

"Os leigos têm cidadania na igreja por força do batismo. São questão fundamental a importância das lideranças, sua rotatividade e a necessidade de preparar novos líderes. São corresponsáveis na edificação da Igreja através da comunhão e participação. Exercer o cargo é serviço", sublinha.

Dom Orlando enfatiza que as lideranças são chamadas por Deus, reconhecidas pelo pároco e pela Igreja, para servir o povo. Ele recorda do apóstolo Paulo, que via em seus colaboradores pessoas amadas de Deus, eleitas, escolhidas. Assim, segundo o prelado, todo trabalho de uma liderança é para a glória de Deus e a salvação do mundo.

"É um serviço que tem como razão última, o amor de Deus, a fé, a graça batismal que transforma os batizados em filhos de Deus, verdadeiros sacerdotes, profetas e pastores (reis) que é o sacerdócio batismal. Eis a dignidade dos leigos e leigas dentre os quais nascem as lideranças. Um líder é pessoa de Deus engajada na comunidade com três qualidades: fé, competência e humanismo", afirma.

Para o arcebispo, coordenar, ser liderança, trabalhar na Igreja é uma questão de fé e de amor a Deus e ao povo e, portanto, exercer liderança na comunidade eclesial é um autêntico lava-pés, uma ação sagrada que anima, organiza, coordena a pastoral, a comunidade eclesial, os setores da evangelização. Dom Orlando ressalta que um líder na Bíblia é um semeador, um pescador, um servidor, um pastor, um educador, um animador, e age voluntariamente, com fé, com competência e com o coração.

"Liderar é um ato de evangelização, é uma missão, um ministério, uma responsabilidade, um serviço. Para tão alta missão, uma liderança precisa ser bem preparada, conhecer as estruturas da Igreja e ter condições humanas, pastorais, morais e espirituais para assumir este encargo. Uma liderança age em Cristo, em nome da Igreja e em favor do povo. Assim saberá colocar Deus e sua graça em primeiro lugar e aprimorar o seu próprio ego."

Do ponto de vista humano, avalia o arcebispo de Londrina, uma liderança deve ter "três coragens": para atuar, perseverar e ser exemplo para os outros. Lembrando que a coragem de atuar significa ter pé no chão, objetivos claros, não se omitir, concretizar, fazer acontecer na prática as ideias, os planos, as esperanças e os objetivos.

Outra questão essencial é a coragem de perseverar, analisa o prelado, que ainda destaca que um líder não pode ser inseguro, indeciso, omisso e negligente. De acordo com ele, para perseverar precisa do esforço, da criatividade, da fortaleza, da positividade, do entusiasmo, da fé em seu trabalho e missão. "Não se deixa amedrontar pelas preocupações, mas, enfoca as soluções, não desiste na dificuldade e coloca sua esperança na graça de Deus", completa.

Por fim, dom Orlando afirma que a coragem de ser exemplo para os outros significa, ser testemunha, praticar o que exige dos outros, ter coerência entre o que diz e faz, pois é assim que o líder atrai os outros a colaborar. Para ele, o exemplo do líder arrasta, cativa, convence, comove, motiva os outros. Ser testemunha é agir com coerência e transparência, pois o mundo não acredita nos mestres, mas, deixa-se fascinar pelos que dão testemunho.

"Ser testemunha é fazer o que dizemos praticar o que ensinamos realizar o que pregamos. O líder é o primeiro a fazer o que ensina, sua palavra se comprova no seu jeito de ser, agir, de viver. É um mestre não de teorias, mas, de práticas, vivências, exemplos. Jesus convida seus ouvintes, a seguir seu jeito de ser, suas atitudes, seu testemunho. Ao dar testemunho de santidade o líder está no caminho do discipulado, da imitação e do seguimento de Jesus", conclui. (FB)

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Essa é a primeira vez em 900 anos que as relíquias de São Nicolau deixam a capital da Puglia para ...
 
Em pouco tempo, por toda a Urbe, comentava-se a santidade desse peregrino de vida edificante que dif ...
 
Um numeroso grupo de mulheres procedentes de 58 países, especialmente da Itália, se reuniram em Va ...
 
Essas palavras foram ditas em audiência às Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, de Dom Orion ...
 
A celebração eucarística foi presidida pelo Arcebispo Dom Sergio Castriani. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading