Loading
 
 
 
Loading
 
As “Cinzas” e o “pó” nas Sagradas Escrituras
Loading
 
5 de Março de 2014 / 13 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Quarta-feira, 05-03-2014, Gaudium Press) A Quaresma, tempo de penitência e de preparação para a Páscoa da Ressurreição, é iniciada pela quarta-feira de cinzas. Nesse período litúrgico muito se ouve falar sobre "cinzas" e "pó".

cerimonia_de_cinzas.jpg

O uso destes dois termos, para expressar a dor e a penitência, já era feito mesmo antes do cristianismo. O costume de se usar vestes penitenciais e de cobrir a cabeça com cinzas, exprimindo dor, luto e em sinal de penitência, foi algo comum na antiguidade.

Nas Sagradas Escrituras encontramos diversas passagens que apresentam as "cinzas" e o "pó". Logo no primeiro livro da Bíblia está escrito que "Deus formou o homem com o pó da terra" (Gn 2, 7), e logo depois vem o alerta "tu es pó e em pó te hás de tornar" (Gn 3, 19).

Ainda no livro do Gênesis, nos deparamos com o Patriarca Abraão, que, confessando a Deus a consciência de seu ser limitado e frágil, diz: "Apesar de eu ser apenas pó e cinza, atrevo-me, Senhor, a convosco falar" (Gn 18, 27). E isso se prolonga por toda a história de Israel.

O livro dos Salmos recorda que "pó e cinza são todos os homens" (Sl 17, 32), e que "todos morrem e voltam ao pó" (Sl 104, 29).

E o Eclesiastes reforça: "...todos caminham na mesma direção e meta: todos saíram do pó e todos voltarão ao pó" (Ecl 3, 20).

Na História Sagrada essas expressões também são utilizadas. Assim, os israelitas, que imploravam o auxílio Divino contra Holofernes, colocaram "cinza sobre a cabeça" (Jdt 4, 16).

E Jó manifestou sua contrição a Deus arrependendo-se "no pó e na cinza" (Jó 42, 6).

Já no Novo Testamento, Nosso Senhor Jesus Cristo, referindo-se às cidades de Corazin e Betsaida, fez alusão a esse costume do mundo oriental: "Se em Tiro e Sidônia tivessem sido realizados os milagres que em vós se realizaram, há muito tempo se teriam convertido, vestindo-se de cilícios e cobrindo-se de pó" (Mt 11, 21).

Que esses trechos das Sagradas Escrituras nos sirvam de reflexão para esse longo período de recolhimento e penitência que foram iniciados nesta quarta-feira de cinzas.

Por Emílio Portugal Coutinho

Loading
As “Cinzas” e o “pó” nas Sagradas Escrituras

Redação (Quarta-feira, 05-03-2014, Gaudium Press) A Quaresma, tempo de penitência e de preparação para a Páscoa da Ressurreição, é iniciada pela quarta-feira de cinzas. Nesse período litúrgico muito se ouve falar sobre "cinzas" e "pó".

cerimonia_de_cinzas.jpg

O uso destes dois termos, para expressar a dor e a penitência, já era feito mesmo antes do cristianismo. O costume de se usar vestes penitenciais e de cobrir a cabeça com cinzas, exprimindo dor, luto e em sinal de penitência, foi algo comum na antiguidade.

Nas Sagradas Escrituras encontramos diversas passagens que apresentam as "cinzas" e o "pó". Logo no primeiro livro da Bíblia está escrito que "Deus formou o homem com o pó da terra" (Gn 2, 7), e logo depois vem o alerta "tu es pó e em pó te hás de tornar" (Gn 3, 19).

Ainda no livro do Gênesis, nos deparamos com o Patriarca Abraão, que, confessando a Deus a consciência de seu ser limitado e frágil, diz: "Apesar de eu ser apenas pó e cinza, atrevo-me, Senhor, a convosco falar" (Gn 18, 27). E isso se prolonga por toda a história de Israel.

O livro dos Salmos recorda que "pó e cinza são todos os homens" (Sl 17, 32), e que "todos morrem e voltam ao pó" (Sl 104, 29).

E o Eclesiastes reforça: "...todos caminham na mesma direção e meta: todos saíram do pó e todos voltarão ao pó" (Ecl 3, 20).

Na História Sagrada essas expressões também são utilizadas. Assim, os israelitas, que imploravam o auxílio Divino contra Holofernes, colocaram "cinza sobre a cabeça" (Jdt 4, 16).

E Jó manifestou sua contrição a Deus arrependendo-se "no pó e na cinza" (Jó 42, 6).

Já no Novo Testamento, Nosso Senhor Jesus Cristo, referindo-se às cidades de Corazin e Betsaida, fez alusão a esse costume do mundo oriental: "Se em Tiro e Sidônia tivessem sido realizados os milagres que em vós se realizaram, há muito tempo se teriam convertido, vestindo-se de cilícios e cobrindo-se de pó" (Mt 11, 21).

Que esses trechos das Sagradas Escrituras nos sirvam de reflexão para esse longo período de recolhimento e penitência que foram iniciados nesta quarta-feira de cinzas.

Por Emílio Portugal Coutinho

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/56471-As--ldquo-Cinzas-rdquo--e-o--ldquo-po-rdquo--nas-Sagradas-Escrituras. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentario
O seu endereco de email nao sera publicado Campos obrigatorios sao marcados *




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O purpurado americano afirma que as declarações dos refugiados cristãos são um poderoso testemun ...
 
As vocações são “um sinal da bênção de Deus”, que “está sempre perto de seu povo”, af ...
 
“A dor é dor, mas vivida com alegria e esperança abre-te a porta à alegria de um fruto novo” ...
 
O Jubileu dos Sacerdotes se encerrará no dia 03 de junho com a Celebração Eucarística da Solenid ...
 
Os fiéis e devotos comemoram com alegria os 80 anos da festividade, no Santuário arquidiocesano de ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading