Loading
 
 
 
Loading
 
Veneza e as Gaivotas: A arte de Voar
Loading
 
2 de Fevereiro de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Quinta-feira, 02-02-2017, Gaudium Press) A arte de voar é uma dessas maravilhas que frequentemente nos arranca um sorriso, quase com o mesmo encanto com o qual as crianças contemplam extasiadas, nos vitrais, tesouros inalcançáveis de brinquedos ou guloseimas.

Convenhamos, leitor amigo; quem não gostaria de ter asas de anjos e planar magnificamente, levado pela força dos ventos?; quem não gostaria de subir a um idílico mundo de cordilheiras de nuvens, alvas como a neve, e explorá-las em uma cavalgada aérea; quem não se fascinaria ao realizar curvas fechadas que desafiassem a gravidade até o inconcebível, e lançar-se vertiginosamente desde as alturas, para mergulhar a toda velocidade nas verdes águas de algum oceano paradisíaco?

Veneza e as Gaivotas A arte de Voar.jpg

A arte de superar as leis da gravidade e com maestria torná-las quase inexistentes é um espetáculo que - para olhos que sabem observar - arranca exclamações de entusiasmo, de admiração e de encanto.

Não pense o leitor que nos referimos somente a legendários condores, a míticas águias pescadoras, ou a poderosos aviões presentes em algum festival aeronáutico, mas a essas mestras insuperáveis na arte de voar: as gaivotas.

* * *

Muito provavelmente, poucos são os lugares da Terra onde a arte de voar pode ser colocada em cena com tanta beleza como o céu maravilhoso da Veneza legendária onde cúpulas e palácios, torres e canais, se apresentam ao visitante como joias frisadas em profundas águas de esmeralda, acariciadas pela suave passagem de místicas gôndolas...

Nesse ambiente quase mítico, Veneza e as gaivotas formam um dueto inseparável que a todo momento entretêm e se complementa, tanto em amanheceres rutilantes, como em crepúsculos de fogo, seja diante da majestade bizantina da Praça São Marcos, seja diante da sólida imponência das torres e cúpulas de San Giorgio Maggiore ou de Santa Maria della Salute. E sempre presentes, a todas horas, as gaivotas ensaiam incansáveis suas ousadias aéreas decorando a placidez serena dos monumentos venezianos, com o frescor de sua acrobacia inesperada e brincalhona

* * *

Se o privilégio de voar somente foi dado às aves e aos anjos, foi dado aos homens exibir as asas da Fé e com elas poder alcançar, levados pelos ventos da Graça, as alturas do mundo do pensamento e da palavra, sulcando como as aves, o firmamento espiritual dos ideais e da virtude, da ação e do heroísmo, e sobretudo, os cumes da verdadeira Piedade Cristã que ao florescer se traduz em uma rica e profunda vida espiritual.

É precisamente através desses voos de espírito ora firmes e serenos, ora súbitos e inesperados, que a Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana, modela e orienta as almas com suavidade de mãe, guiando-as como gaivotas até uma Veneza Ideal, além da qual se encontra... o próprio Céu.

Por Gustavo Kralj

Traduzido por Emílio Portugal Coutinho

Loading
Veneza e as Gaivotas: A arte de Voar

Redação (Quinta-feira, 02-02-2017, Gaudium Press) A arte de voar é uma dessas maravilhas que frequentemente nos arranca um sorriso, quase com o mesmo encanto com o qual as crianças contemplam extasiadas, nos vitrais, tesouros inalcançáveis de brinquedos ou guloseimas.

Convenhamos, leitor amigo; quem não gostaria de ter asas de anjos e planar magnificamente, levado pela força dos ventos?; quem não gostaria de subir a um idílico mundo de cordilheiras de nuvens, alvas como a neve, e explorá-las em uma cavalgada aérea; quem não se fascinaria ao realizar curvas fechadas que desafiassem a gravidade até o inconcebível, e lançar-se vertiginosamente desde as alturas, para mergulhar a toda velocidade nas verdes águas de algum oceano paradisíaco?

Veneza e as Gaivotas A arte de Voar.jpg

A arte de superar as leis da gravidade e com maestria torná-las quase inexistentes é um espetáculo que - para olhos que sabem observar - arranca exclamações de entusiasmo, de admiração e de encanto.

Não pense o leitor que nos referimos somente a legendários condores, a míticas águias pescadoras, ou a poderosos aviões presentes em algum festival aeronáutico, mas a essas mestras insuperáveis na arte de voar: as gaivotas.

* * *

Muito provavelmente, poucos são os lugares da Terra onde a arte de voar pode ser colocada em cena com tanta beleza como o céu maravilhoso da Veneza legendária onde cúpulas e palácios, torres e canais, se apresentam ao visitante como joias frisadas em profundas águas de esmeralda, acariciadas pela suave passagem de místicas gôndolas...

Nesse ambiente quase mítico, Veneza e as gaivotas formam um dueto inseparável que a todo momento entretêm e se complementa, tanto em amanheceres rutilantes, como em crepúsculos de fogo, seja diante da majestade bizantina da Praça São Marcos, seja diante da sólida imponência das torres e cúpulas de San Giorgio Maggiore ou de Santa Maria della Salute. E sempre presentes, a todas horas, as gaivotas ensaiam incansáveis suas ousadias aéreas decorando a placidez serena dos monumentos venezianos, com o frescor de sua acrobacia inesperada e brincalhona

* * *

Se o privilégio de voar somente foi dado às aves e aos anjos, foi dado aos homens exibir as asas da Fé e com elas poder alcançar, levados pelos ventos da Graça, as alturas do mundo do pensamento e da palavra, sulcando como as aves, o firmamento espiritual dos ideais e da virtude, da ação e do heroísmo, e sobretudo, os cumes da verdadeira Piedade Cristã que ao florescer se traduz em uma rica e profunda vida espiritual.

É precisamente através desses voos de espírito ora firmes e serenos, ora súbitos e inesperados, que a Santa Igreja Católica, Apostólica e Romana, modela e orienta as almas com suavidade de mãe, guiando-as como gaivotas até uma Veneza Ideal, além da qual se encontra... o próprio Céu.

Por Gustavo Kralj

Traduzido por Emílio Portugal Coutinho

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/85102-Veneza-e-as-Gaivotas--A-arte-de-Voar. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Essa é a primeira vez em 900 anos que as relíquias de São Nicolau deixam a capital da Puglia para ...
 
Em pouco tempo, por toda a Urbe, comentava-se a santidade desse peregrino de vida edificante que dif ...
 
Um numeroso grupo de mulheres procedentes de 58 países, especialmente da Itália, se reuniram em Va ...
 
Essas palavras foram ditas em audiência às Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, de Dom Orion ...
 
A celebração eucarística foi presidida pelo Arcebispo Dom Sergio Castriani. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading