Loading
 
 
 
Loading
 
Compreender e amar a Cruz
Loading
 
17 de Fevereiro de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Sexta-feira, 17-02-2017, Gaudium Press) Ao refutar as inverdades proferidas pelos seus três amigos, Jó disse algumas palavras inconsideradas.

Compreender e amar a Cruz.jpg

Deus restitui a Jó o dobro dos bens que possuía

Então, Deus aparece e censura Jó, o qual reconhece sua culpa: "Fui leviano ao falar" (Jó 40, 4). O Criador o perdoa e, dirigindo-Se aos três amigos, diz-lhes que está indignado contra eles porque não falaram "corretamente de Mim, como o fez meu servo Jó" (Jó 42, 7).

E ordenou-lhes que oferecessem em holocausto sete novilhas e sete carneiros, acrescentando: "Jó, meu servo, intercederá por vós" (Jó 42, 8). Eles assim o fizeram e Deus "atendeu as orações de Jó" (Jó 42, 9). Isso mostra como o Criador preza o princípio da mediação.

Depois que Jó "intercedeu por seus amigos, [Deus] restituiu-lhe todos os bens, o dobro do que antes possuía [...] O Senhor abençoou Jó no fim de sua vida mais do que no princípio: ele possuía agora 14.000 ovelhas, 6.000 camelos, mil juntas de boi e mil jumentas. Teve também outros sete filhos e três filhas [...] Depois desses acontecimentos, Jó viveu ainda 144 anos" (Jó 42, 10-16).

Prefigura de Nosso Senhor

Sobre Jó, varão justo que sempre se mantivera fiel a Deus, caíram os mais atrozes sofrimentos. "Debaixo deste aspecto, Jó teve a grande honra de ser considerado prefigura de Jesus Cristo, a augusta e inocente vítima, que tanto sofreu sem se queixar"

Eis algumas frases de Jó que simbolizam os padecimentos de Cristo, durante a Paixão:

"Não receiam cuspir-me no rosto" (Jó 30, 10). Os soldados de Pilatos cuspiram em Nosso Senhor (cf. Mt 27, 30).

"E não houve quem me trouxesse ajuda" (Jó 30, 13). Entre os Apóstolos, nenhum veio auxiliar Nosso Senhor. O Cireneu, em certo momento, carregou a Cruz do Redentor; mas isto ele fez porque foi obrigado pelos soldados (cf. Mt 27, 32).

"Clamo por ti, e não me atendes" (Jó 30, 20). No alto da Cruz, "Jesus deu um forte grito: ‘Eli, Eli, lamá sabactani?', que quer dizer: ‘Meu Deus, meu Deus, por que Me abandonaste?'" (Mt 27, 46).

Jó também afirmou: "Eu sei que meu redentor está vivo e que, no fim, se levantará sobre o pó" (Jó 19, 25). Ele aqui manifesta sua fé na ressurreição dos mortos, no fim do mundo.

Jamais cair no desânimo

A ideia principal deste sublime poema é o grande e doloroso problema que ocupa e tão frequentemente perturba o coração do homem: a causa das misérias múltiplas que atingem o gênero humano e, mais especialmente, a causa dos sofrimentos do justo. No Livro de Jó este misterioso problema não se desenvolve de uma maneira abstrata, sob a forma de dissertação filosófica; ele é discutido a propósito de um caso concreto, o que lhe comunica muito mais vida, interesse, clareza.

Os três amigos de Jó defendem uma teoria estreita; para eles, o sofrimento é sempre e unicamente o resultado do pecado. Eliú conjectura que ele pode ter um caráter pedagógico e ser infringido aos próprios justos. O prólogo e o epílogo demonstram como, no caso de Jó, o sofrimento é uma prova destinada a santificar mais ainda um homem já muito virtuoso. E a conclusão indica que a última razão de nossos sofrimentos é a sabedoria infalível de Deus.

A pior coisa que pode acontecer a uma pessoa que peca é o desânimo. Se ela tem ânimo, todos os caminhos da recuperação estão abertos; mas se é levada pelo desânimo torna-se presa do demônio que a levará para abismos ainda piores. E Jó foi um exemplo de ânimo; ele não se deixou abater pelos dramáticos sofrimentos.

Seu ânimo é elogiado por São Tiago Menor:

"Irmãos, tomai por modelo de paciência nos maus-tratos os profetas, que falaram em nome do Senhor. Reparai que proclamamos felizes os que fizeram prova de constância. Ouvistes falar da constância de Jó e conheceis o êxito que o Senhor lhe deu - o Senhor é rico em misericórdia e compassivo" (Tg 5, 10-11).

Máximo alicerce da Civilização Cristã

A história de Jó nos ajuda a compreender e amar a cruz, o que é essencial para todos nós, como afirma o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira:

"Sem a compreensão da cruz, sem o amor à cruz, sem ter passado cada qual por sua "via crucis", não teremos cumprido a nosso respeito os desígnios da Providência. (...) Com tal amor à Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo tudo conseguiremos, ainda que nos pese o fardo sagrado da pureza e de outras virtudes, os ataques e os escárnios incessantes dos inimigos da Fé, as traições dos falsos amigos.

O grande alicerce, o máximo alicerce da Civilização Cristã está em que todos os homens exercitem generosamente o amor à Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que a tanto nos ajude Maria, e teremos reconquistado para o Divino Filho d'Ela o Reino de Deus, hoje tão bruxuleante no coração dos homens."

E o Martirológio romano estabelece: 10 de maio, "comemoração de São Jó, varão de admirável paciência no país de Us".

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada", 103)

....................................................................

1 - FILLION, Louis-Claude. La Sainte Bible commentée - Le Livre de Job. 3. ed. Paris: Letouzey et aîné.1923, p. 489.
2 - Cf. FILLION, op. cit., p. 550.
3 - Cf. idem, ibidem, p. 488-489.
4 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Inigualável papel da cruz na vida humana. In Revista Dr. Plinio, São Paulo, n. 90, setembro 2005, p. 4.

Loading
Compreender e amar a Cruz

Redação (Sexta-feira, 17-02-2017, Gaudium Press) Ao refutar as inverdades proferidas pelos seus três amigos, Jó disse algumas palavras inconsideradas.

Compreender e amar a Cruz.jpg

Deus restitui a Jó o dobro dos bens que possuía

Então, Deus aparece e censura Jó, o qual reconhece sua culpa: "Fui leviano ao falar" (Jó 40, 4). O Criador o perdoa e, dirigindo-Se aos três amigos, diz-lhes que está indignado contra eles porque não falaram "corretamente de Mim, como o fez meu servo Jó" (Jó 42, 7).

E ordenou-lhes que oferecessem em holocausto sete novilhas e sete carneiros, acrescentando: "Jó, meu servo, intercederá por vós" (Jó 42, 8). Eles assim o fizeram e Deus "atendeu as orações de Jó" (Jó 42, 9). Isso mostra como o Criador preza o princípio da mediação.

Depois que Jó "intercedeu por seus amigos, [Deus] restituiu-lhe todos os bens, o dobro do que antes possuía [...] O Senhor abençoou Jó no fim de sua vida mais do que no princípio: ele possuía agora 14.000 ovelhas, 6.000 camelos, mil juntas de boi e mil jumentas. Teve também outros sete filhos e três filhas [...] Depois desses acontecimentos, Jó viveu ainda 144 anos" (Jó 42, 10-16).

Prefigura de Nosso Senhor

Sobre Jó, varão justo que sempre se mantivera fiel a Deus, caíram os mais atrozes sofrimentos. "Debaixo deste aspecto, Jó teve a grande honra de ser considerado prefigura de Jesus Cristo, a augusta e inocente vítima, que tanto sofreu sem se queixar"

Eis algumas frases de Jó que simbolizam os padecimentos de Cristo, durante a Paixão:

"Não receiam cuspir-me no rosto" (Jó 30, 10). Os soldados de Pilatos cuspiram em Nosso Senhor (cf. Mt 27, 30).

"E não houve quem me trouxesse ajuda" (Jó 30, 13). Entre os Apóstolos, nenhum veio auxiliar Nosso Senhor. O Cireneu, em certo momento, carregou a Cruz do Redentor; mas isto ele fez porque foi obrigado pelos soldados (cf. Mt 27, 32).

"Clamo por ti, e não me atendes" (Jó 30, 20). No alto da Cruz, "Jesus deu um forte grito: ‘Eli, Eli, lamá sabactani?', que quer dizer: ‘Meu Deus, meu Deus, por que Me abandonaste?'" (Mt 27, 46).

Jó também afirmou: "Eu sei que meu redentor está vivo e que, no fim, se levantará sobre o pó" (Jó 19, 25). Ele aqui manifesta sua fé na ressurreição dos mortos, no fim do mundo.

Jamais cair no desânimo

A ideia principal deste sublime poema é o grande e doloroso problema que ocupa e tão frequentemente perturba o coração do homem: a causa das misérias múltiplas que atingem o gênero humano e, mais especialmente, a causa dos sofrimentos do justo. No Livro de Jó este misterioso problema não se desenvolve de uma maneira abstrata, sob a forma de dissertação filosófica; ele é discutido a propósito de um caso concreto, o que lhe comunica muito mais vida, interesse, clareza.

Os três amigos de Jó defendem uma teoria estreita; para eles, o sofrimento é sempre e unicamente o resultado do pecado. Eliú conjectura que ele pode ter um caráter pedagógico e ser infringido aos próprios justos. O prólogo e o epílogo demonstram como, no caso de Jó, o sofrimento é uma prova destinada a santificar mais ainda um homem já muito virtuoso. E a conclusão indica que a última razão de nossos sofrimentos é a sabedoria infalível de Deus.

A pior coisa que pode acontecer a uma pessoa que peca é o desânimo. Se ela tem ânimo, todos os caminhos da recuperação estão abertos; mas se é levada pelo desânimo torna-se presa do demônio que a levará para abismos ainda piores. E Jó foi um exemplo de ânimo; ele não se deixou abater pelos dramáticos sofrimentos.

Seu ânimo é elogiado por São Tiago Menor:

"Irmãos, tomai por modelo de paciência nos maus-tratos os profetas, que falaram em nome do Senhor. Reparai que proclamamos felizes os que fizeram prova de constância. Ouvistes falar da constância de Jó e conheceis o êxito que o Senhor lhe deu - o Senhor é rico em misericórdia e compassivo" (Tg 5, 10-11).

Máximo alicerce da Civilização Cristã

A história de Jó nos ajuda a compreender e amar a cruz, o que é essencial para todos nós, como afirma o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira:

"Sem a compreensão da cruz, sem o amor à cruz, sem ter passado cada qual por sua "via crucis", não teremos cumprido a nosso respeito os desígnios da Providência. (...) Com tal amor à Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo tudo conseguiremos, ainda que nos pese o fardo sagrado da pureza e de outras virtudes, os ataques e os escárnios incessantes dos inimigos da Fé, as traições dos falsos amigos.

O grande alicerce, o máximo alicerce da Civilização Cristã está em que todos os homens exercitem generosamente o amor à Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que a tanto nos ajude Maria, e teremos reconquistado para o Divino Filho d'Ela o Reino de Deus, hoje tão bruxuleante no coração dos homens."

E o Martirológio romano estabelece: 10 de maio, "comemoração de São Jó, varão de admirável paciência no país de Us".

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada", 103)

....................................................................

1 - FILLION, Louis-Claude. La Sainte Bible commentée - Le Livre de Job. 3. ed. Paris: Letouzey et aîné.1923, p. 489.
2 - Cf. FILLION, op. cit., p. 550.
3 - Cf. idem, ibidem, p. 488-489.
4 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Inigualável papel da cruz na vida humana. In Revista Dr. Plinio, São Paulo, n. 90, setembro 2005, p. 4.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/85441-Compreender-e-amar-a-Cruz. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Essa é a primeira vez em 900 anos que as relíquias de São Nicolau deixam a capital da Puglia para ...
 
Em pouco tempo, por toda a Urbe, comentava-se a santidade desse peregrino de vida edificante que dif ...
 
Um numeroso grupo de mulheres procedentes de 58 países, especialmente da Itália, se reuniram em Va ...
 
Essas palavras foram ditas em audiência às Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, de Dom Orion ...
 
A celebração eucarística foi presidida pelo Arcebispo Dom Sergio Castriani. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading