Loading
 
 
 
Loading
 
Médicos Católicos afirmam: “eutanásia não é um ato médico”
Loading
 
20 de Março de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Lisboa - Portugal (Segunda-feira, 20 -03-2017, Gaudium Press) A Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP), através do seu Conselho Nacional expressou sua "absoluta oposição à prática da Eutanásia", num contributo para o debate sobre o tema, defendendo o valor da vida humana e o papel do médico.

Médicos Católicos afirmam eutanásia não é um ato médico.jpg

O documento que veio a público foi aprovado por unanimidade no último no último Conselho Nacional da AMCP, realizado no último 18 de março, em Fátima.

O pronunciamento do Conselho da AMCP foi elaborado tendo como pano de fundo a próxima apresentação na Assembleia da República Portuguesa de dois projetos de lei que pretendem legalizar a prática da Eutanásia.

"Reafirmamos, pois, com convicção e fortaleza, que toda a vida merece acolhimento, respeito e proteção. Que toda a vida tem dignidade. Que nenhuma circunstância a tornará indigna. Muito menos a doença ou o sofrimento", diz o comunicado da Associação dos Médicos Católicos Portugueses.

Médico e Confiança

Os médicos católicos reiteram que desejam estar a serviço da vida e dos enfermos. Eles afirmam que conhecem a "importância da confiança" na relação médico-doente e no sistema de saúde.

Segundo eles, "A possibilidade da (realização legal) da Eutanásia fere de morte esta confiança", alerta a associação que manifesta ainda sua "veemente oposição" à legalização da Eutanásia e "à violação ou alteração do Código Deontológico".

Eutanásia não é um ato médico

A AMCP apresentou um elenco de 10 razões que justificam e reafirmam sua "absoluta oposição à prática da Eutanásia": ela "não é um ato médico".

Para os médicos católicos, "Os princípios da medicina excluem a prática da eutanásia, da distanásia e do suicídio assistido. Não se pode instrumentalizar a medicina com objetivos que são alheios à sua atividade, à sua prática, à sua Ética e à Lei Fundamental", afirmam eles com veemência.

O documento dos médicos distribuído pela Associação dos Médicos Católicos Portugueses sublinha que "não é possível" ser médico sem passar pelo confronto "com o sofrimento e com a morte" mas os médicos não são "donos da vida dos doentes", como não são donos da sua morte. Segundo eles, "É possível aliviar a dor física intensa e a angústia. Os medicamentos hoje disponíveis tornam possível o bem-estar, sem dor", destacam.

Termos para confundir e manipular opiniões

De acordo com a AMCP, o debate público tem introduzido ideias pouco definidas e até contraditórias como "as da autodeterminação, da liberdade, da dignidade e da compaixão".

A Associação dos Médicos considera que é preciso ser claro quando são enunciados certos termos que, de fato, pretendem "confundir e manipular a opinião pública" e que favorece ideais contrários à vida.

"A sociedade portuguesa foi confrontada, mais uma vez, afirma o documento dos médicos, com uma proposta que atenta contra a vida humana: a legalização da eutanásia; esta é apresentada sob a aparência de um acto de misericórdia e escondida numa capa de compaixão, procurando ocultar a realidade do que se propõe: tornar legal que os médicos matem, a pedido, determinados doentes. Apelidada, de forma camuflada, de "morte assistida" ou de "morte com dignidade", a eutanásia é entendida como um direito, um exercício de liberdade de pessoas com doenças incuráveis e em sofrimento intolerável, exigindo-se, para isso, por parte dos médicos, o dever de matar os doentes, a seu pedido."

Concluem os Médicos Católicos: "A vida é um direito inviolável e irrenunciável. Ninguém deverá ter, seja em que circunstâncias for, o direito a ser morto. A pretensão de querer eliminar o sofrimento é compreensível. Mas não se elimina o sofrimento com a morte: com a morte elimina-se a pessoa que sofre", esclarecem os Médicos Católicos que ainda defendem o "alargamento" das redes de cuidados continuados e de cuidados paliativos, que "é o esforço" que uma sociedade mais humana deve promover. (JSG)

Loading
Médicos Católicos afirmam: “eutanásia não é um ato médico”

Lisboa - Portugal (Segunda-feira, 20 -03-2017, Gaudium Press) A Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP), através do seu Conselho Nacional expressou sua "absoluta oposição à prática da Eutanásia", num contributo para o debate sobre o tema, defendendo o valor da vida humana e o papel do médico.

Médicos Católicos afirmam eutanásia não é um ato médico.jpg

O documento que veio a público foi aprovado por unanimidade no último no último Conselho Nacional da AMCP, realizado no último 18 de março, em Fátima.

O pronunciamento do Conselho da AMCP foi elaborado tendo como pano de fundo a próxima apresentação na Assembleia da República Portuguesa de dois projetos de lei que pretendem legalizar a prática da Eutanásia.

"Reafirmamos, pois, com convicção e fortaleza, que toda a vida merece acolhimento, respeito e proteção. Que toda a vida tem dignidade. Que nenhuma circunstância a tornará indigna. Muito menos a doença ou o sofrimento", diz o comunicado da Associação dos Médicos Católicos Portugueses.

Médico e Confiança

Os médicos católicos reiteram que desejam estar a serviço da vida e dos enfermos. Eles afirmam que conhecem a "importância da confiança" na relação médico-doente e no sistema de saúde.

Segundo eles, "A possibilidade da (realização legal) da Eutanásia fere de morte esta confiança", alerta a associação que manifesta ainda sua "veemente oposição" à legalização da Eutanásia e "à violação ou alteração do Código Deontológico".

Eutanásia não é um ato médico

A AMCP apresentou um elenco de 10 razões que justificam e reafirmam sua "absoluta oposição à prática da Eutanásia": ela "não é um ato médico".

Para os médicos católicos, "Os princípios da medicina excluem a prática da eutanásia, da distanásia e do suicídio assistido. Não se pode instrumentalizar a medicina com objetivos que são alheios à sua atividade, à sua prática, à sua Ética e à Lei Fundamental", afirmam eles com veemência.

O documento dos médicos distribuído pela Associação dos Médicos Católicos Portugueses sublinha que "não é possível" ser médico sem passar pelo confronto "com o sofrimento e com a morte" mas os médicos não são "donos da vida dos doentes", como não são donos da sua morte. Segundo eles, "É possível aliviar a dor física intensa e a angústia. Os medicamentos hoje disponíveis tornam possível o bem-estar, sem dor", destacam.

Termos para confundir e manipular opiniões

De acordo com a AMCP, o debate público tem introduzido ideias pouco definidas e até contraditórias como "as da autodeterminação, da liberdade, da dignidade e da compaixão".

A Associação dos Médicos considera que é preciso ser claro quando são enunciados certos termos que, de fato, pretendem "confundir e manipular a opinião pública" e que favorece ideais contrários à vida.

"A sociedade portuguesa foi confrontada, mais uma vez, afirma o documento dos médicos, com uma proposta que atenta contra a vida humana: a legalização da eutanásia; esta é apresentada sob a aparência de um acto de misericórdia e escondida numa capa de compaixão, procurando ocultar a realidade do que se propõe: tornar legal que os médicos matem, a pedido, determinados doentes. Apelidada, de forma camuflada, de "morte assistida" ou de "morte com dignidade", a eutanásia é entendida como um direito, um exercício de liberdade de pessoas com doenças incuráveis e em sofrimento intolerável, exigindo-se, para isso, por parte dos médicos, o dever de matar os doentes, a seu pedido."

Concluem os Médicos Católicos: "A vida é um direito inviolável e irrenunciável. Ninguém deverá ter, seja em que circunstâncias for, o direito a ser morto. A pretensão de querer eliminar o sofrimento é compreensível. Mas não se elimina o sofrimento com a morte: com a morte elimina-se a pessoa que sofre", esclarecem os Médicos Católicos que ainda defendem o "alargamento" das redes de cuidados continuados e de cuidados paliativos, que "é o esforço" que uma sociedade mais humana deve promover. (JSG)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86091--Medicos-Catolicos-afirmam---ldquo-eutanasia-nao-e-um-ato-medico-rdquo-. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Essa é a primeira vez em 900 anos que as relíquias de São Nicolau deixam a capital da Puglia para ...
 
Em pouco tempo, por toda a Urbe, comentava-se a santidade desse peregrino de vida edificante que dif ...
 
Um numeroso grupo de mulheres procedentes de 58 países, especialmente da Itália, se reuniram em Va ...
 
Essas palavras foram ditas em audiência às Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, de Dom Orion ...
 
A celebração eucarística foi presidida pelo Arcebispo Dom Sergio Castriani. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading