Loading
 
 
 
Loading
 
Paz dos homens e Paz de Deus
Loading
 
20 de Março de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Segunda-feira, 20-03-2017, Gaudium Press) A paz que oferecem os homens é diferente daquela que oferece Deus.

Já o disse o Salvador: "Eu lhes deixo a paz, eu lhes dou a minha paz não como a dá o mundo".

Como é esta paz do mundo? É a paz "que dão os homens que amam o mundo", os quais "oferecem a paz afim de poder gozar, não de Deus, mas do mundo, sem os incômodos de juízos e de guerras". (1) Quando estes mundanos oferecem a paz aos bons, não oferecem uma paz verdadeira, pois estão oferecendo algo que desune de Deus, e a paz somente se encontra na união com Deus.

Todos os homens buscam a paz, expressa Mons. João Clá, EP, em seus excelentes comentários às Escrituras "O inédito sobre os Evangelhos". Mas com frequência a buscam onde não se encontra. No entanto, São Beda nos diz onde está a verdadeira paz: 'A verdadeira, a única paz das almas neste mundo consiste em estar cheias do amor de Deus e animadas da esperança do Céu, a ponto de considerar pouca coisa os êxitos ou reveses deste mundo. (...) Se engana quem imagina que poderá encontrar a paz no gozo dos bens deste mundo e em suas riquezas. As frequentes perturbações nesta Terra e o fim deste mundo deveriam convencer ao homem de que ele construiu sobre areia os fundamentos de sua paz". (2)

Quer dizer se alguém busca neste mundo a estabilidade, é loucura, pois este mundo e sobretudo este atual, é a instabilidade, a incerteza, a sem razão do futuro. Se alguém busca a alegria eterna neste mundo é loucura, pois agora, depois de muito esforço, pode estar muito alegre, mas já sei que logo virá a não alegria. Se alguém busca gozar sempre do bem-estar da boa saúde, pois é loucura, porque como dizem os franceses "La santé est un état précaire qui ne présage rien de bon", a saúde é um estado precário que não pressagia nada de bom".

Resume Mons. João Clá dizendo que a paz verdadeira se "encontra na santidade para a qual todos nós somos chamados". "Fomos criados por Deus e para Ele; enquanto a Suma Verdade não ilumine nossa inteligência, enquanto o Bem Supremo não ocupe um lugar primordial em nosso coração, serão frustrados nossos esforços em busca da paz. Em um mesmo coração não podem viver juntos a paz e o pecado. 'Não há paz no coração do homem carnal, nem no do homem entregue às coisas exteriores, mas somente naquele que é fervoroso e espiritual'. Por isso, quanto mais procuro a paz nos gozos deste mundo, mais me acusará minha consciência pelo fato de colocar-me fora da ordem do universo", (3) ratifica o fundador dos Arautos do Evangelho.

É no homem "espiritual" onde há paz e alegria. Porque seus desejos se vem cumulados -na medida que aquilo é possível nesta terra- com a realização de seu objeto, com a posse do desejado, o que traz satisfação.

O homem espiritual, como todo homem, deseja ternura, e ele sente a ternura de Deus nas graças que Ele lhe dá, ou nas tonalidades de um pássaro, que Deus criou com ternura para a contemplação humana.

Mas também o homem espiritual, como todo homem, deseja uma fortaleza infinita que o inunde, que o proteja, e ele a sente no dom de fortaleza do Espírito Santo, ou a percebe na força do raio, do furacão, ou de um vulcão em erupção, obras de Deus para que o amemos em sua força e grandeza.

E da mesma maneira o homem espiritual, como todo homem, deseja a beleza perfeita, que é o esplendor da verdade e o esplendor da bondade, e ele a sente em seu interior quando percebe os 'adornos' de todos os dons de Deus, e igualmente a contempla na maravilha da Criação ou nas belas obras dos homens, as 'netas' de Deus.

E assim, por diante.

Somente há paz com Deus. Sem Deus, o homem se destroça e destroça aos outros, buscando saciar esses desejos que somente Deus tranquiliza.

Por Saúl Castiblanco

Traduzido por Emílio Portugal Coutinho

(1) Santo Agustinho. In Ioannis Evangelium. Tractatus LXXVII, n.5. In: Obras. 2 ed. Madrid. BAC, 1965, v. XIV, p. 353 Apud. João Scognamiglio Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos - Comentários aos Evangelhos dominicais - I - Ano A - Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa. Libreria Editrice Vaticana. Cidade do Vaticano. 2013. p. 100.

(2) São Beda. Homilia XI. In Vigília pentecostes: ML 94, 196-197. Apud. João Scognamiglio Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos - Comentários aos Evangelhos dominicais - I - Ano A - Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa. Libreria Editrice Vaticana. Cidade do Vaticano. 2013. p. 101.

(3) João Scognamiglio Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos - Comentários aos Evangelhos dominicais - I - Ano A - Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa. Libreria Editrice Vaticana. Cidade do Vaticano. 2013. p. 101.

Loading
Paz dos homens e Paz de Deus

Redação (Segunda-feira, 20-03-2017, Gaudium Press) A paz que oferecem os homens é diferente daquela que oferece Deus.

Já o disse o Salvador: "Eu lhes deixo a paz, eu lhes dou a minha paz não como a dá o mundo".

Como é esta paz do mundo? É a paz "que dão os homens que amam o mundo", os quais "oferecem a paz afim de poder gozar, não de Deus, mas do mundo, sem os incômodos de juízos e de guerras". (1) Quando estes mundanos oferecem a paz aos bons, não oferecem uma paz verdadeira, pois estão oferecendo algo que desune de Deus, e a paz somente se encontra na união com Deus.

Todos os homens buscam a paz, expressa Mons. João Clá, EP, em seus excelentes comentários às Escrituras "O inédito sobre os Evangelhos". Mas com frequência a buscam onde não se encontra. No entanto, São Beda nos diz onde está a verdadeira paz: 'A verdadeira, a única paz das almas neste mundo consiste em estar cheias do amor de Deus e animadas da esperança do Céu, a ponto de considerar pouca coisa os êxitos ou reveses deste mundo. (...) Se engana quem imagina que poderá encontrar a paz no gozo dos bens deste mundo e em suas riquezas. As frequentes perturbações nesta Terra e o fim deste mundo deveriam convencer ao homem de que ele construiu sobre areia os fundamentos de sua paz". (2)

Quer dizer se alguém busca neste mundo a estabilidade, é loucura, pois este mundo e sobretudo este atual, é a instabilidade, a incerteza, a sem razão do futuro. Se alguém busca a alegria eterna neste mundo é loucura, pois agora, depois de muito esforço, pode estar muito alegre, mas já sei que logo virá a não alegria. Se alguém busca gozar sempre do bem-estar da boa saúde, pois é loucura, porque como dizem os franceses "La santé est un état précaire qui ne présage rien de bon", a saúde é um estado precário que não pressagia nada de bom".

Resume Mons. João Clá dizendo que a paz verdadeira se "encontra na santidade para a qual todos nós somos chamados". "Fomos criados por Deus e para Ele; enquanto a Suma Verdade não ilumine nossa inteligência, enquanto o Bem Supremo não ocupe um lugar primordial em nosso coração, serão frustrados nossos esforços em busca da paz. Em um mesmo coração não podem viver juntos a paz e o pecado. 'Não há paz no coração do homem carnal, nem no do homem entregue às coisas exteriores, mas somente naquele que é fervoroso e espiritual'. Por isso, quanto mais procuro a paz nos gozos deste mundo, mais me acusará minha consciência pelo fato de colocar-me fora da ordem do universo", (3) ratifica o fundador dos Arautos do Evangelho.

É no homem "espiritual" onde há paz e alegria. Porque seus desejos se vem cumulados -na medida que aquilo é possível nesta terra- com a realização de seu objeto, com a posse do desejado, o que traz satisfação.

O homem espiritual, como todo homem, deseja ternura, e ele sente a ternura de Deus nas graças que Ele lhe dá, ou nas tonalidades de um pássaro, que Deus criou com ternura para a contemplação humana.

Mas também o homem espiritual, como todo homem, deseja uma fortaleza infinita que o inunde, que o proteja, e ele a sente no dom de fortaleza do Espírito Santo, ou a percebe na força do raio, do furacão, ou de um vulcão em erupção, obras de Deus para que o amemos em sua força e grandeza.

E da mesma maneira o homem espiritual, como todo homem, deseja a beleza perfeita, que é o esplendor da verdade e o esplendor da bondade, e ele a sente em seu interior quando percebe os 'adornos' de todos os dons de Deus, e igualmente a contempla na maravilha da Criação ou nas belas obras dos homens, as 'netas' de Deus.

E assim, por diante.

Somente há paz com Deus. Sem Deus, o homem se destroça e destroça aos outros, buscando saciar esses desejos que somente Deus tranquiliza.

Por Saúl Castiblanco

Traduzido por Emílio Portugal Coutinho

(1) Santo Agustinho. In Ioannis Evangelium. Tractatus LXXVII, n.5. In: Obras. 2 ed. Madrid. BAC, 1965, v. XIV, p. 353 Apud. João Scognamiglio Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos - Comentários aos Evangelhos dominicais - I - Ano A - Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa. Libreria Editrice Vaticana. Cidade do Vaticano. 2013. p. 100.

(2) São Beda. Homilia XI. In Vigília pentecostes: ML 94, 196-197. Apud. João Scognamiglio Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos - Comentários aos Evangelhos dominicais - I - Ano A - Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa. Libreria Editrice Vaticana. Cidade do Vaticano. 2013. p. 101.

(3) João Scognamiglio Clá Dias, EP. O inédito sobre os Evangelhos - Comentários aos Evangelhos dominicais - I - Ano A - Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa. Libreria Editrice Vaticana. Cidade do Vaticano. 2013. p. 101.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86099-Paz-dos-homens-e-Paz-de-Deus. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O novo Museu da Bíblia tem por objetivo dar a conhecer as várias nuances das Sagradas Escrituras, ...
 
O projeto tem por objetivo colocar em valor tudo o que for relacionado com a história e a arte da C ...
 
A agência turística que fizer publicidade para estes destinos em suas promoções ou em outras pub ...
 
Esta proposta de peregrinação recebeu no ano passado por volta de 900 mil visitantes. ...
 
Enquanto a Eucaristia alivia a fome e a sede de quem se aproxima dela, quanto mais se deseja e se re ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading