Loading
 
 
 
Loading
 
O mais famoso dos naufrágios
Loading
 
17 de Abril de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Segunda-feira, 17-04-2017, Gaudium Press) Na noite de 14 para 15 de abril de 1912, o maior e mais luxuoso transatlântico até então construído fazia sua viagem inaugural. Com quase duzentos e setenta metros de comprimento e trinta de largura, levava a bordo cerca de duas mil e duzentas pessoas, entre passageiros e tripulantes. Entretanto, nunca chegou a alcançar seu destino. O choque contra um enorme iceberg o fez afundar em menos de três horas. Estima-se em mais de mil e quinhentos o número de mortos.

O mais famoso dos naufrágios.jpg

O naufrágio do Titanic acabou sendo o mais famoso da História. Livros, filmes e canções recordaram este trágico acontecimento, ao mesmo tempo triste e cheio de ensinamentos. Museus e exposições apresentam aos visitantes objetos recuperados depois de 1985, quando ele foi localizado a quase quatro mil metros de profundidade. Um longa-metragem baseado na sua história obteve um dos maiores sucessos de bilheteria de todos os tempos.

Decorridos cento e cinco anos, a grande catástrofe não caiu no esquecimento, e a lembrança do ocorrido proporciona valiosas lições a respeito de um estado de espírito frequente nos nossos dias: considerar "inafundável" aquilo que, pouco depois, acaba por afundar-se.

Recordemos, com esse objetivo, alguns aspectos dessa tragédia.

Era realmente um navio insubmergível?

Quando o Titanic fez sua viagem inaugural, a Europa vivia tempos de despreocupação, prazer e alegria. Por se tratar de um tão prestigioso navio, encontravam-se entre os passageiros da primeira classe membros da nobreza, artistas de diversos países e riquíssimos empresários. Nos camarotes, salões e restaurantes, tinham à sua disposição o que podia haver de mais suntuoso. A embarcação contava também com salas de jogo, banhos turcos, ginásio e até uma quadra de squash.

Teria mesmo sido dado ao imponente transatlântico o blasfemo lema A este nem Deus afunda? A maior parte dos historiadores o nega, não falta quem o afirme, mas, como adiante se verá, tudo se passou como se ele fosse de fato considerado insubmergível.

No próprio dia do choque com o iceberg estava programado para se realizar um treinamento para emergências, mas este foi cancelado, talvez por otimismo do capitão. O incêndio de um dos depósitos de carvão, que começara antes da partida de Southampton, não parece ter preocupado excessivamente os tripulantes, e as mensagens de alerta sobre o perigoso estado do mar que começaram a chegar a partir do dia 12 não tiveram maior influência na navegação.

Ignoradas todas as mensagens de alerta

No anoitecer do dia 14, o céu estava sereno e o mar tranquilo. A orquestra tocava num ambiente de festa e despreocupação. O mais completo otimismo reinava no Café Parisien e demais ambientes do gigantesco transatlântico.

Enquanto isso, o Californian, que navegava nas proximidades do Titanic, telegrafava novos sinais de alerta: "icebergs no mar". Ninguém deu importância. Pouco depois, outro navio advertia: "massas de gelo deslocando-se". O oficial de turno transmitiu a mensagem ao comandante, o qual foi levá-la ao diretor da empresa de navegação. Este, que passeava com duas senhoras pelo convés, recebeu o aviso e prosseguiu sua caminhada.

Na hora do jantar, os restaurantes regurgitavam. Nesse ínterim, chegaram mais três mensagens de alerta, assinalando a proximidade de grandes icebergs. Às vinte e duas horas, o capitão retirou-se para iniciar o tranquilo sono de quem considera impossível que seu navio afunde. Aos poucos os passageiros se recolhiam, apagavam-se as luzes dos salões e camarotes. Enquanto isso, os blocos de gelo se acercavam.

Às vinte e três horas e quarenta minutos, o vigia da gávea viu diante do navio o iceberg fatal e fez soar os alarmes. O oficial de turno deu as ordens necessárias para evitar a colisão, mas... era tarde. O choque produziu um rombo de noventa metros no lado direito da nave, por onde entrava água em quantidade incontrolável. O Titanic parou bruscamente. Enquanto vários tripulantes percebiam que a ferida era mortal, numerosos passageiros, alguns jogando, outros fumando, sentiram o golpe e viram a imensa massa de gelo, mas continuaram tranquilos.

O Titanic não pode afundar!

Alguns passageiros surgiram dos camarotes curiosos de saber o que se passava, alguns já com os pés molhados. Mesmo assim, não se davam conta de que o barco estava afundando. Por quê? Simplesmente porque... o Titanic era insubmergível. Afinal, como poderia sofrer naufrágio um navio daquele porte, numa noite calma e bela como aquela? Esta era a mentalidade dos passageiros, reflexo da mentalidade da época.1

Ao se tornar evidente a gravidade dos danos, os telegrafistas começaram a enviar sinais de socorro, enquanto a tripulação preparava os botes salva-vidas. Os passageiros não sabiam como proceder em emergências como esta. Dir-se-ia que tais barcos haviam sido colocados apenas para efeitos decorativos...

Quando o navio começou a inclinar-se, alguns passageiros entraram em pânico, outros continuaram se divertindo. A orquestra deslocou-se para a parte externa, onde os acordes de sua música misturavam-se com os gritos de ordem para entrar nos botes de salvamento.

A maioria deles se afastava com lotação incompleta. Um que tinha capacidade para sessenta e cinco pessoas levava apenas vinte e oito. Apesar das evidências em contrário, permanecia na mente de muitos passageiros a ideia fixa: o Titanic não pode afundar.

Haviam construído sua casa sobre areia

À uma hora e vinte minutos do dia 15, o pânico grassava. A água continuava a subir, mas a orquestra não detinha sua música. Pouco depois das duas horas, os homens começaram a se lançar ao mar, tomados pelo desespero. Vinte minutos depois, o maior transatlântico do mundo desaparecia no oceano.

Algumas centenas de passageiros e tripulantes pereceram sepultados no interior do casco; outros desfaleceram de hipotermia nas águas geladas do Atlântico, a poucos graus abaixo de zero. Apenas setecentas pessoas, menos da terça parte dos que iam a bordo, conseguiram salvar a vida.

O otimismo e o espírito laicista da Belle Époque haviam lhes ludibriado. A confiança daqueles homens repousava na força e perícia dos técnicos. Seus ouvidos estavam fechados à virtude da prudência. Quiseram pôr de lado Aquele que mede o mar no côncavo da mão e o céu com seus dedos abertos (cf. Is 40, 12). Em suma, foram insensatos, construíram a casa sobre areia (cf. Mt 7, 26).

No 105º aniversário do naufrágio do Titanic, não sejamos como eles. Tenhamos uma atitude diametralmente oposta, de vigilância, humildade e prudência. Ouçamos a Palavra de Deus, procuremos pô-la em prática, e assim, por muito fortes que sejam as chuvas e os ventos, nossa casa não cairá. Ela estará edificada sobre a rocha (cf. Mt 7, 24-25).

Por Padre Fernando Néstor Gioia Otero, EP

Loading
O mais famoso dos naufrágios

Redação (Segunda-feira, 17-04-2017, Gaudium Press) Na noite de 14 para 15 de abril de 1912, o maior e mais luxuoso transatlântico até então construído fazia sua viagem inaugural. Com quase duzentos e setenta metros de comprimento e trinta de largura, levava a bordo cerca de duas mil e duzentas pessoas, entre passageiros e tripulantes. Entretanto, nunca chegou a alcançar seu destino. O choque contra um enorme iceberg o fez afundar em menos de três horas. Estima-se em mais de mil e quinhentos o número de mortos.

O mais famoso dos naufrágios.jpg

O naufrágio do Titanic acabou sendo o mais famoso da História. Livros, filmes e canções recordaram este trágico acontecimento, ao mesmo tempo triste e cheio de ensinamentos. Museus e exposições apresentam aos visitantes objetos recuperados depois de 1985, quando ele foi localizado a quase quatro mil metros de profundidade. Um longa-metragem baseado na sua história obteve um dos maiores sucessos de bilheteria de todos os tempos.

Decorridos cento e cinco anos, a grande catástrofe não caiu no esquecimento, e a lembrança do ocorrido proporciona valiosas lições a respeito de um estado de espírito frequente nos nossos dias: considerar "inafundável" aquilo que, pouco depois, acaba por afundar-se.

Recordemos, com esse objetivo, alguns aspectos dessa tragédia.

Era realmente um navio insubmergível?

Quando o Titanic fez sua viagem inaugural, a Europa vivia tempos de despreocupação, prazer e alegria. Por se tratar de um tão prestigioso navio, encontravam-se entre os passageiros da primeira classe membros da nobreza, artistas de diversos países e riquíssimos empresários. Nos camarotes, salões e restaurantes, tinham à sua disposição o que podia haver de mais suntuoso. A embarcação contava também com salas de jogo, banhos turcos, ginásio e até uma quadra de squash.

Teria mesmo sido dado ao imponente transatlântico o blasfemo lema A este nem Deus afunda? A maior parte dos historiadores o nega, não falta quem o afirme, mas, como adiante se verá, tudo se passou como se ele fosse de fato considerado insubmergível.

No próprio dia do choque com o iceberg estava programado para se realizar um treinamento para emergências, mas este foi cancelado, talvez por otimismo do capitão. O incêndio de um dos depósitos de carvão, que começara antes da partida de Southampton, não parece ter preocupado excessivamente os tripulantes, e as mensagens de alerta sobre o perigoso estado do mar que começaram a chegar a partir do dia 12 não tiveram maior influência na navegação.

Ignoradas todas as mensagens de alerta

No anoitecer do dia 14, o céu estava sereno e o mar tranquilo. A orquestra tocava num ambiente de festa e despreocupação. O mais completo otimismo reinava no Café Parisien e demais ambientes do gigantesco transatlântico.

Enquanto isso, o Californian, que navegava nas proximidades do Titanic, telegrafava novos sinais de alerta: "icebergs no mar". Ninguém deu importância. Pouco depois, outro navio advertia: "massas de gelo deslocando-se". O oficial de turno transmitiu a mensagem ao comandante, o qual foi levá-la ao diretor da empresa de navegação. Este, que passeava com duas senhoras pelo convés, recebeu o aviso e prosseguiu sua caminhada.

Na hora do jantar, os restaurantes regurgitavam. Nesse ínterim, chegaram mais três mensagens de alerta, assinalando a proximidade de grandes icebergs. Às vinte e duas horas, o capitão retirou-se para iniciar o tranquilo sono de quem considera impossível que seu navio afunde. Aos poucos os passageiros se recolhiam, apagavam-se as luzes dos salões e camarotes. Enquanto isso, os blocos de gelo se acercavam.

Às vinte e três horas e quarenta minutos, o vigia da gávea viu diante do navio o iceberg fatal e fez soar os alarmes. O oficial de turno deu as ordens necessárias para evitar a colisão, mas... era tarde. O choque produziu um rombo de noventa metros no lado direito da nave, por onde entrava água em quantidade incontrolável. O Titanic parou bruscamente. Enquanto vários tripulantes percebiam que a ferida era mortal, numerosos passageiros, alguns jogando, outros fumando, sentiram o golpe e viram a imensa massa de gelo, mas continuaram tranquilos.

O Titanic não pode afundar!

Alguns passageiros surgiram dos camarotes curiosos de saber o que se passava, alguns já com os pés molhados. Mesmo assim, não se davam conta de que o barco estava afundando. Por quê? Simplesmente porque... o Titanic era insubmergível. Afinal, como poderia sofrer naufrágio um navio daquele porte, numa noite calma e bela como aquela? Esta era a mentalidade dos passageiros, reflexo da mentalidade da época.1

Ao se tornar evidente a gravidade dos danos, os telegrafistas começaram a enviar sinais de socorro, enquanto a tripulação preparava os botes salva-vidas. Os passageiros não sabiam como proceder em emergências como esta. Dir-se-ia que tais barcos haviam sido colocados apenas para efeitos decorativos...

Quando o navio começou a inclinar-se, alguns passageiros entraram em pânico, outros continuaram se divertindo. A orquestra deslocou-se para a parte externa, onde os acordes de sua música misturavam-se com os gritos de ordem para entrar nos botes de salvamento.

A maioria deles se afastava com lotação incompleta. Um que tinha capacidade para sessenta e cinco pessoas levava apenas vinte e oito. Apesar das evidências em contrário, permanecia na mente de muitos passageiros a ideia fixa: o Titanic não pode afundar.

Haviam construído sua casa sobre areia

À uma hora e vinte minutos do dia 15, o pânico grassava. A água continuava a subir, mas a orquestra não detinha sua música. Pouco depois das duas horas, os homens começaram a se lançar ao mar, tomados pelo desespero. Vinte minutos depois, o maior transatlântico do mundo desaparecia no oceano.

Algumas centenas de passageiros e tripulantes pereceram sepultados no interior do casco; outros desfaleceram de hipotermia nas águas geladas do Atlântico, a poucos graus abaixo de zero. Apenas setecentas pessoas, menos da terça parte dos que iam a bordo, conseguiram salvar a vida.

O otimismo e o espírito laicista da Belle Époque haviam lhes ludibriado. A confiança daqueles homens repousava na força e perícia dos técnicos. Seus ouvidos estavam fechados à virtude da prudência. Quiseram pôr de lado Aquele que mede o mar no côncavo da mão e o céu com seus dedos abertos (cf. Is 40, 12). Em suma, foram insensatos, construíram a casa sobre areia (cf. Mt 7, 26).

No 105º aniversário do naufrágio do Titanic, não sejamos como eles. Tenhamos uma atitude diametralmente oposta, de vigilância, humildade e prudência. Ouçamos a Palavra de Deus, procuremos pô-la em prática, e assim, por muito fortes que sejam as chuvas e os ventos, nossa casa não cairá. Ela estará edificada sobre a rocha (cf. Mt 7, 24-25).

Por Padre Fernando Néstor Gioia Otero, EP

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86665-O-mais-famoso-dos-naufragios. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Essa é a primeira vez em 900 anos que as relíquias de São Nicolau deixam a capital da Puglia para ...
 
Em pouco tempo, por toda a Urbe, comentava-se a santidade desse peregrino de vida edificante que dif ...
 
Um numeroso grupo de mulheres procedentes de 58 países, especialmente da Itália, se reuniram em Va ...
 
Essas palavras foram ditas em audiência às Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, de Dom Orion ...
 
A celebração eucarística foi presidida pelo Arcebispo Dom Sergio Castriani. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading