Loading
 
 
 
Loading
 
Domingo da Misericórdia
Loading
 
20 de Abril de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (20-04-207, 20-04-2017, Gaudium Press) O segundo Domingo do período pascal é conhecido como o "Domingo da Divina Misericórdia" em função do decreto emitido pelo Papa João Paulo II na Páscoa de 2000:

Domingo da Misericórdia.jpg

"Por todo o mundo, o segundo Domingo da Páscoa irá receber o nome de Domingo da Divina Misericórdia, um convite perene para os cristãos do mundo enfrentarem, com confiança na divina benevolência, as dificuldades e desafios que a humanidade irá experimentar nos anos que virão" (Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Decreto de 23 de Maio de 2000).

Insondável e inescrutável misericórdia

Uma semana depois o Santo Padre canonizou, no Domingo da Divina Misericórdia, a Santa Maria Faustina Kowalska que foi objeto de nosso Senhor Jesus Cristo para transmitir aos homens Seu amor misericordioso.

Dizia nosso Redentor a Santa Faustina: "Causam-me prazer as almas que recorrem à Minha misericórdia. A estas almas concedo graças que excedem os seus pedidos. Não posso castigar, mesmo o maior dos pecadores, se ele recorre à Minha compaixão, mas justifico-o na Minha insondável e inescrutável misericórdia"[1].

Apóstolo incrédulo

A liturgia deste domingo trás a figura do "apóstolo incrédulo", São Tomé. Na primeira aparição de Jesus Ressuscitado aos apóstolos, São Tomé não estava entre eles: "Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus" (Jo 20, 24). Assim que o encontraram os apóstolos com alegria anunciaram-lhe a ressurreição do Mestre. No entanto a atitude de São Tomé foi de obstinação e presunção[2]:

"Se não vir nas suas mãos a abertura dos cravos, se não meter a minha mão no seu lado, não acreditarei" (Jo 20, 25).

Não podia São Tomé imaginar que estava dando a oportunidade ao Senhor da Misericórdia de mostrar-lhe quanto o amava. Uma semana após a primeira aparição, nosso Senhor age com Tomé com extrema bondade, adiantando-se a ele, diz:
"Mete aqui o teu dedo e vê as minhas mãos, aproxima também a tua mão e mete-a no meu lado; e não sejas incrédulo, mas fiel" (Jo 20, 27).

Diante de tamanha misericórdia, resta ao "incrédulo" proclamar, como um teólogo, a humanidade e a divindade de nosso Senhor: "Meu Senhor e meu Deus" (Jo 20, 28).

Que toda alma glorifique a Minha bondade

Toda a humanidade é convidada a beneficiar-se desta fonte infinita e inconcebível de misericórdia:

"Que toda alma glorifique a Minha bondade. Desejo a confiança das Minhas criaturas; exorta as almas a uma grande confiança na Minha inconcebível misericórdia. Que a alma fraca, pecadora, não tenha medo de se aproximar de Mim, pois, mesmo que os seus pecados fossem mais numerosos que os grãos de areia da Terra, ainda assim seriam submersos no abismo da minha misericórdia"[3].

Confiança na Misericórdia

Procuremos viver na confiança desta misericórdia e divulgar quanto nos for possível esta devoção:

"Desejo que os sacerdotes anunciem essa Minha grande misericórdia para com as almas pecadoras. Que o pecador não tenha medo de se aproximar de Mim. Queimam-me as chamas da misericórdia; quero derramá-las sobre as almas"[4].

..............................................................

[1] SÁ, Eliana. Divina Misericórdia: Mensagem para cada dia. São Paulo: Editora Canção Nova, 2008, p. 20.
[2] Cf. Dias, João S. Clá. O inédito sobre os Evangelhos. Vol. V. Roma: Editrice Vaticana, 2012, p. 292.
[3] SÁ, Op. Cit., p. 17.
[4] Comunidade Canção Nova. Devocionário à Divina Misericórdia. São Paulo: Editora Canção Nova, 2001, p. 49.

Loading
Domingo da Misericórdia

Redação (20-04-207, 20-04-2017, Gaudium Press) O segundo Domingo do período pascal é conhecido como o "Domingo da Divina Misericórdia" em função do decreto emitido pelo Papa João Paulo II na Páscoa de 2000:

Domingo da Misericórdia.jpg

"Por todo o mundo, o segundo Domingo da Páscoa irá receber o nome de Domingo da Divina Misericórdia, um convite perene para os cristãos do mundo enfrentarem, com confiança na divina benevolência, as dificuldades e desafios que a humanidade irá experimentar nos anos que virão" (Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos, Decreto de 23 de Maio de 2000).

Insondável e inescrutável misericórdia

Uma semana depois o Santo Padre canonizou, no Domingo da Divina Misericórdia, a Santa Maria Faustina Kowalska que foi objeto de nosso Senhor Jesus Cristo para transmitir aos homens Seu amor misericordioso.

Dizia nosso Redentor a Santa Faustina: "Causam-me prazer as almas que recorrem à Minha misericórdia. A estas almas concedo graças que excedem os seus pedidos. Não posso castigar, mesmo o maior dos pecadores, se ele recorre à Minha compaixão, mas justifico-o na Minha insondável e inescrutável misericórdia"[1].

Apóstolo incrédulo

A liturgia deste domingo trás a figura do "apóstolo incrédulo", São Tomé. Na primeira aparição de Jesus Ressuscitado aos apóstolos, São Tomé não estava entre eles: "Tomé, um dos Doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus" (Jo 20, 24). Assim que o encontraram os apóstolos com alegria anunciaram-lhe a ressurreição do Mestre. No entanto a atitude de São Tomé foi de obstinação e presunção[2]:

"Se não vir nas suas mãos a abertura dos cravos, se não meter a minha mão no seu lado, não acreditarei" (Jo 20, 25).

Não podia São Tomé imaginar que estava dando a oportunidade ao Senhor da Misericórdia de mostrar-lhe quanto o amava. Uma semana após a primeira aparição, nosso Senhor age com Tomé com extrema bondade, adiantando-se a ele, diz:
"Mete aqui o teu dedo e vê as minhas mãos, aproxima também a tua mão e mete-a no meu lado; e não sejas incrédulo, mas fiel" (Jo 20, 27).

Diante de tamanha misericórdia, resta ao "incrédulo" proclamar, como um teólogo, a humanidade e a divindade de nosso Senhor: "Meu Senhor e meu Deus" (Jo 20, 28).

Que toda alma glorifique a Minha bondade

Toda a humanidade é convidada a beneficiar-se desta fonte infinita e inconcebível de misericórdia:

"Que toda alma glorifique a Minha bondade. Desejo a confiança das Minhas criaturas; exorta as almas a uma grande confiança na Minha inconcebível misericórdia. Que a alma fraca, pecadora, não tenha medo de se aproximar de Mim, pois, mesmo que os seus pecados fossem mais numerosos que os grãos de areia da Terra, ainda assim seriam submersos no abismo da minha misericórdia"[3].

Confiança na Misericórdia

Procuremos viver na confiança desta misericórdia e divulgar quanto nos for possível esta devoção:

"Desejo que os sacerdotes anunciem essa Minha grande misericórdia para com as almas pecadoras. Que o pecador não tenha medo de se aproximar de Mim. Queimam-me as chamas da misericórdia; quero derramá-las sobre as almas"[4].

..............................................................

[1] SÁ, Eliana. Divina Misericórdia: Mensagem para cada dia. São Paulo: Editora Canção Nova, 2008, p. 20.
[2] Cf. Dias, João S. Clá. O inédito sobre os Evangelhos. Vol. V. Roma: Editrice Vaticana, 2012, p. 292.
[3] SÁ, Op. Cit., p. 17.
[4] Comunidade Canção Nova. Devocionário à Divina Misericórdia. São Paulo: Editora Canção Nova, 2001, p. 49.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86771-Domingo-da-Misericordia. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.




 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

A imagem de Nossa Senhora dos Desamparados foi esculpida em bronze por Ignacio Cuartero Fernández e ...
 
O Papa parecia acolher o presidente dos Estados Unidos, como se ele estivesse com pressa de se reuni ...
 
A festividade encerrou-se com a missa campal presidida por Dom José Albuquerque, bispo auxiliar. ...
 
Trata-se da Rádio Maria Erbil, uma rádio católica solicitada pelo Bispo local que apresentará um ...
 
A efeméride foi comemorada com uma missa na Catedral de Seul presidida pelo Cardeal Arcebispo Andre ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading