Loading
 
 
 
Loading
 
Diocese Bragança-Miranda terá “Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja”
Loading
 
25 de Outubro de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Bragança - Portugal (Quarta-feira, 25-10-2017, Gaudium Press) Em uma conferência coletiva de imprensa, Dom José Cordeiro, bispo de Bragança-Miranda, em Portugal, anunciou hoje a construção do "Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja" em Palaçoulo, Miranda do Douro. O lançamento da primeira pedra está previsto para o início de 2018.

25 10Diocese Bragança-Miranda terá Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja .jpg

Primeiro Mosteiro Trapista em Portugal

"É a primeira vez que os trapistas vêm para Portugal e acontece aqui, na Diocese de Bragança-Miranda. Depois de 472 anos do Mosteiro beneditino de Castro de Avelãs surge um novo mosteiro neste território. Tudo isto é graça de Deus", informou, emocionado, o bispo da Diocese de Bragança-Miranda.

O "Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja" surge do Mosteiro de Vitorchiano, na Itália e pertence à Ordem Cisterciense da Estrita Observância (OCSO) também conhecida como "Trapista", fundada em 1098. Trata-se de um Instituto de Vida Consagrada de Direito Pontifício, formado por Mosteiros de Monjas e de Monges.

Quarenta monjas de vida contemplativa

Ao ser erigido em Alacão, na freguesia de Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro, este será um mosteiro para 40 Monjas, iniciando-se com 10 religiosas. O mosteiro é orientado para a contemplação e culto divino, em clausura restrita, segundo a regra de São Bento.

Na solidão e no silêncio, em oração constante e alegre penitência, oferecem à Divina Majestade um serviço humilde e nobre seguindo a vida monástica tal como determinado nas Constituições da Ordem Cisterciense da Estrita Observância.

Fundação aprovada em setembro

Depois de contatos e reuniões com Dom José Cordeiro, a Madre Abadessa do Mosteiro de Vitorchiano, Rosaria Spreafico, com o Padre António Ferreira Pires, Pároco da Paróquia de S. Miguel de Palaçoulo e com o Conselho Paroquial dos Assuntos Económicos, a Ordem dos Cistercienses requereu, em 3 de março de 2017, que a Ordem fosse reconhecida e dotada de personalidade jurídica canónica na Diocese de Bragança-Miranda.

A fundação do mosteiro foi aprovada com alegria e comoção no dia 21 de setembro de 2017, durante o Capítulo Geral da OCSO realizado em Assis, Itália.

Construção inicia-se em 2018

O projeto do Mosteiro está a cargo do arquiteto Pedro Salinas Calado e encontra-se já em uma fase inicial que aguarda licenciamento para a edificação do edifício. As edificações devem ser realizadas em zona não urbanizada e afastado de vias de comunicação, de modo a salvaguardar o recolhimento das monjas.

O "Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja" será construído em terrenos doados pela Paróquia de S. Miguel de Palaçoulo, em colaboração com 25 paroquianos e a Junta de Freguesia. O início da empreitada está previsto para 2018.

De acordo com as regras da Ordem Cisterciense de Estrita Observância, sendo uma ordem contemplativa de clausura, requer disposições arquitetônicas e funcionais com muitas peculiaridades.

Do ponto de vista dos usos, a regra da Ordem do Ora et Labora, estipula fundamentalmente quatro tipos de espaços:
Espaços para oração: igreja de disposição particular e claustro; espaços para trabalho agrícola e de pecuária, confecção e venda de compotas, atividade artesanal e de tarefa de copista; espaços para estudo: Lectio Divina, salas de conferências, biblioteca, salas de aulas, etc. Além disso há ainda os Espaços residenciais adstritos às monjas.

Será criado um espaço de acolhimento a peregrinos, leigos e sacerdotes visitantes, familiares das monjas, e pessoas que procurem um período de retiro - o que na descrição do mosteiro, de acordo com a regra, corresponde à chamada "hospedaria", uma simples casa de acolhimento com capacidade para cerca de 30 pessoas.

Sem dúvida, o florescimento de vocações religiosas contemplativas e a expansão de mosteiros Trapistas por toda a Europa desde 1098, quando foram fundados, cobriu de bênçãos e evangelizou todo o Continente.

É por isso que a Diocese de Bragança-Miranda e a Igreja em Portugal vivem, hoje, um momento único, carregado de alegres esperanças e que se deseja fecundo. (JSG)

 

(Da Redação Gaudium Press, com informações do Secretariado Diocesano das Comunicações Sociais de Bragança-Miranda)

Loading
Diocese Bragança-Miranda terá “Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja”

Bragança - Portugal (Quarta-feira, 25-10-2017, Gaudium Press) Em uma conferência coletiva de imprensa, Dom José Cordeiro, bispo de Bragança-Miranda, em Portugal, anunciou hoje a construção do "Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja" em Palaçoulo, Miranda do Douro. O lançamento da primeira pedra está previsto para o início de 2018.

25 10Diocese Bragança-Miranda terá Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja .jpg

Primeiro Mosteiro Trapista em Portugal

"É a primeira vez que os trapistas vêm para Portugal e acontece aqui, na Diocese de Bragança-Miranda. Depois de 472 anos do Mosteiro beneditino de Castro de Avelãs surge um novo mosteiro neste território. Tudo isto é graça de Deus", informou, emocionado, o bispo da Diocese de Bragança-Miranda.

O "Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja" surge do Mosteiro de Vitorchiano, na Itália e pertence à Ordem Cisterciense da Estrita Observância (OCSO) também conhecida como "Trapista", fundada em 1098. Trata-se de um Instituto de Vida Consagrada de Direito Pontifício, formado por Mosteiros de Monjas e de Monges.

Quarenta monjas de vida contemplativa

Ao ser erigido em Alacão, na freguesia de Palaçoulo, concelho de Miranda do Douro, este será um mosteiro para 40 Monjas, iniciando-se com 10 religiosas. O mosteiro é orientado para a contemplação e culto divino, em clausura restrita, segundo a regra de São Bento.

Na solidão e no silêncio, em oração constante e alegre penitência, oferecem à Divina Majestade um serviço humilde e nobre seguindo a vida monástica tal como determinado nas Constituições da Ordem Cisterciense da Estrita Observância.

Fundação aprovada em setembro

Depois de contatos e reuniões com Dom José Cordeiro, a Madre Abadessa do Mosteiro de Vitorchiano, Rosaria Spreafico, com o Padre António Ferreira Pires, Pároco da Paróquia de S. Miguel de Palaçoulo e com o Conselho Paroquial dos Assuntos Económicos, a Ordem dos Cistercienses requereu, em 3 de março de 2017, que a Ordem fosse reconhecida e dotada de personalidade jurídica canónica na Diocese de Bragança-Miranda.

A fundação do mosteiro foi aprovada com alegria e comoção no dia 21 de setembro de 2017, durante o Capítulo Geral da OCSO realizado em Assis, Itália.

Construção inicia-se em 2018

O projeto do Mosteiro está a cargo do arquiteto Pedro Salinas Calado e encontra-se já em uma fase inicial que aguarda licenciamento para a edificação do edifício. As edificações devem ser realizadas em zona não urbanizada e afastado de vias de comunicação, de modo a salvaguardar o recolhimento das monjas.

O "Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja" será construído em terrenos doados pela Paróquia de S. Miguel de Palaçoulo, em colaboração com 25 paroquianos e a Junta de Freguesia. O início da empreitada está previsto para 2018.

De acordo com as regras da Ordem Cisterciense de Estrita Observância, sendo uma ordem contemplativa de clausura, requer disposições arquitetônicas e funcionais com muitas peculiaridades.

Do ponto de vista dos usos, a regra da Ordem do Ora et Labora, estipula fundamentalmente quatro tipos de espaços:
Espaços para oração: igreja de disposição particular e claustro; espaços para trabalho agrícola e de pecuária, confecção e venda de compotas, atividade artesanal e de tarefa de copista; espaços para estudo: Lectio Divina, salas de conferências, biblioteca, salas de aulas, etc. Além disso há ainda os Espaços residenciais adstritos às monjas.

Será criado um espaço de acolhimento a peregrinos, leigos e sacerdotes visitantes, familiares das monjas, e pessoas que procurem um período de retiro - o que na descrição do mosteiro, de acordo com a regra, corresponde à chamada "hospedaria", uma simples casa de acolhimento com capacidade para cerca de 30 pessoas.

Sem dúvida, o florescimento de vocações religiosas contemplativas e a expansão de mosteiros Trapistas por toda a Europa desde 1098, quando foram fundados, cobriu de bênçãos e evangelizou todo o Continente.

É por isso que a Diocese de Bragança-Miranda e a Igreja em Portugal vivem, hoje, um momento único, carregado de alegres esperanças e que se deseja fecundo. (JSG)

 

(Da Redação Gaudium Press, com informações do Secretariado Diocesano das Comunicações Sociais de Bragança-Miranda)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento, que durou três dias, reuniu mais de 70 mil homens à Casa da Mãe Aparecida, se tornando ...
 
Há "por quês? que não têm resposta, diz Francisco. Não têm uma resposta humana, mas só divina ...
 
“A demasiada participação nas redes sociais também pode ser uma perda de tempo. Passamos muito ...
 
Segundo o purpurado, manter a fidelidade a Cristo e nutrir a Fé através do encontro com Deus na or ...
 
O reitor apresentou uma análise simbólica dos três elementos presentes na narração do evangelis ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading