Loading
 
 
 
Loading
 
O pior inimigo do Amor é... o meio-amor
Loading
 
3 de Novembro de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Sexta-feira, 03-11-2017, Gaudium Press) Hoje em dia fala-se tanto de amor sem explicá-lo bem ou explicando-o de de modo errôneo que dizer que existe o meio amor parece algo extravagante, até sem sentido. No entanto, o meio-amor existe, é daninho. E seu nome, por vezes se confunde com mediocridade.

03-11-2017O pior inimigo do Amor é... o meio-amor.jpg

Vejamos o que nos diz este artigo que transcrevemos hoje:

-Ao contemplar qualquer forma de grandeza, a alma reta se enche de umaadmiração que resulta em desejo de entrega, pois o amor autêntico é, de si, generoso. Ora, tudo quanto existe de verdadeiramente grande remete ao Deus Criador, e a estratégia do demônio para impedir o homem de seguir este caminho consiste em apresentar-lhe como regra universal para todas as coisas a banalidade, comumente denominada mediocridade.

Pelo pavor que sentem perante qualquer extremo, os espíritos medíocres têm fobia de toda excelência. Pretendem ser nem bons nem maus, e julgam ser corretos apenas por dançar no meio, entre o vício e a virtude. Esta mentalidade de mediania, que se apresenta sob as aparências de moderação e equilíbrio, é uma forma especialmente vil de negar a Deus o amor que Lhe devemos, pois no fundo O acusa de ser grande demais.

Como um "leão que ruge, buscando a quem devorar" (I Pd 5, 8), o demônio se adapta a cada pessoa, procurando o modo mais eficaz de perdê-la. Note-se que ele não se lança sobre alguns enquanto deixa outros escaparem, mas escolhe os meios mais adequados para abocanhar a cada um. Ora, o medíocre é aquele a quem o inimigo infernal logrou arrancar o fervor; não se trata, pois, de alguém que pratica o Primeiro Mandamento somente a meias: sob pretexto de "moderação", ele se nega a cumpri-lo por completo. Com efeito, São Francisco de Sales ensinava que a medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medidas, pois Ele mesmo nos ordenou: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças" (Dt 6, 5), e não apenas de meio coração, meia alma e metade das forças...

Isto explica o ódio superlativo de Deus à mediocridade. De fato, a sentença ditada pelo Supremo Juiz contra os mornos é apresentada como mais grave do que aquela reservada aos maus declarados: "Não és nem frio nem quente.Oxalá fosses frio ou quente! Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te!" (Ap 3, 15-16).

A que se deve esta severidade? Ao fato de o medíocre ter isto de pior: pretende disfarçar sua maldade sob os véus de uma bondade falaz, porque feita de mediania. De uma mediania baseada na convicção de que todo bem se caracteriza pela mediocridade, e de que, portanto, em última análise, Deus deve ser medíocre. Estas almas certamente se espantarão com sua própria condenação, mas irão para um inferno nada medíocre...

Contrariamente à opinião dos medíocres e filo-medíocres, mais gente se condena pela mediocridade do que por maldade declarada, pois o vício não precisa ser notório para ser real. Os medíocres pensam conseguir enganar a Deus, como Caim, que queimou frutos podres e ainda "ficou extremamente irritado" (Gn 4, 5) porque o Senhor não olhou para ele nem para seu sacrifício. Assim é todo medíocre, na véspera de se tornar assassino como Caim: faz parte do filão dos criminosos que chega até o Anticristo, passando por Judas e Barrabás.


(in "Revista Arautos do Evangelho" - novembro 2017 - Editorial / JSG)

 

 

Loading
O pior inimigo do Amor é... o meio-amor

Redação (Sexta-feira, 03-11-2017, Gaudium Press) Hoje em dia fala-se tanto de amor sem explicá-lo bem ou explicando-o de de modo errôneo que dizer que existe o meio amor parece algo extravagante, até sem sentido. No entanto, o meio-amor existe, é daninho. E seu nome, por vezes se confunde com mediocridade.

03-11-2017O pior inimigo do Amor é... o meio-amor.jpg

Vejamos o que nos diz este artigo que transcrevemos hoje:

-Ao contemplar qualquer forma de grandeza, a alma reta se enche de umaadmiração que resulta em desejo de entrega, pois o amor autêntico é, de si, generoso. Ora, tudo quanto existe de verdadeiramente grande remete ao Deus Criador, e a estratégia do demônio para impedir o homem de seguir este caminho consiste em apresentar-lhe como regra universal para todas as coisas a banalidade, comumente denominada mediocridade.

Pelo pavor que sentem perante qualquer extremo, os espíritos medíocres têm fobia de toda excelência. Pretendem ser nem bons nem maus, e julgam ser corretos apenas por dançar no meio, entre o vício e a virtude. Esta mentalidade de mediania, que se apresenta sob as aparências de moderação e equilíbrio, é uma forma especialmente vil de negar a Deus o amor que Lhe devemos, pois no fundo O acusa de ser grande demais.

Como um "leão que ruge, buscando a quem devorar" (I Pd 5, 8), o demônio se adapta a cada pessoa, procurando o modo mais eficaz de perdê-la. Note-se que ele não se lança sobre alguns enquanto deixa outros escaparem, mas escolhe os meios mais adequados para abocanhar a cada um. Ora, o medíocre é aquele a quem o inimigo infernal logrou arrancar o fervor; não se trata, pois, de alguém que pratica o Primeiro Mandamento somente a meias: sob pretexto de "moderação", ele se nega a cumpri-lo por completo. Com efeito, São Francisco de Sales ensinava que a medida de amar a Deus consiste em amá-Lo sem medidas, pois Ele mesmo nos ordenou: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças" (Dt 6, 5), e não apenas de meio coração, meia alma e metade das forças...

Isto explica o ódio superlativo de Deus à mediocridade. De fato, a sentença ditada pelo Supremo Juiz contra os mornos é apresentada como mais grave do que aquela reservada aos maus declarados: "Não és nem frio nem quente.Oxalá fosses frio ou quente! Mas, como és morno, nem frio nem quente, vou vomitar-te!" (Ap 3, 15-16).

A que se deve esta severidade? Ao fato de o medíocre ter isto de pior: pretende disfarçar sua maldade sob os véus de uma bondade falaz, porque feita de mediania. De uma mediania baseada na convicção de que todo bem se caracteriza pela mediocridade, e de que, portanto, em última análise, Deus deve ser medíocre. Estas almas certamente se espantarão com sua própria condenação, mas irão para um inferno nada medíocre...

Contrariamente à opinião dos medíocres e filo-medíocres, mais gente se condena pela mediocridade do que por maldade declarada, pois o vício não precisa ser notório para ser real. Os medíocres pensam conseguir enganar a Deus, como Caim, que queimou frutos podres e ainda "ficou extremamente irritado" (Gn 4, 5) porque o Senhor não olhou para ele nem para seu sacrifício. Assim é todo medíocre, na véspera de se tornar assassino como Caim: faz parte do filão dos criminosos que chega até o Anticristo, passando por Judas e Barrabás.


(in "Revista Arautos do Evangelho" - novembro 2017 - Editorial / JSG)

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/91011-O-pior-inimigo-do-Amor-e----o-meio-amor. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento, que durou três dias, reuniu mais de 70 mil homens à Casa da Mãe Aparecida, se tornando ...
 
Há "por quês? que não têm resposta, diz Francisco. Não têm uma resposta humana, mas só divina ...
 
“A demasiada participação nas redes sociais também pode ser uma perda de tempo. Passamos muito ...
 
Segundo o purpurado, manter a fidelidade a Cristo e nutrir a Fé através do encontro com Deus na or ...
 
O reitor apresentou uma análise simbólica dos três elementos presentes na narração do evangelis ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading