Loading
 
 
 
Loading
 
As notícias devem ser “portadoras da paz”, diz Arcebispo de Juiz de Fora
Loading
 
11 de Maio de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Sexta-feira, 11-05-2018, Gaudium Press) Na mensagem do Papa Francisco para o 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais, a ser celebrado no dia 13 de maio, o Pontífice convida a todos a promover um "jornalismo de paz".

As notícias devem ser portadoras da paz, diz Arcebispo de Juiz de Fora.jpg

Sobre este assunto, o Arcebispo de Juiz de Fora e referencial da comunicação no regional Leste 2 da CNBB, Dom Gil Antônio Moreira, lembrou que o conceito de jornalismo de paz está intimamente ligado à atitude da pessoa.

Entrevistado pelo site Vatican News, Dom Gil explicou que o jornalismo produz a paz quando a mesma faz a opção pela verdade. "Tudo está baseado na postura do comunicador, ele tem que ter uma postura moral, ética antes de fazer qualquer comunicação ou publicar qualquer matéria, se ele tem essa opção - de ter uma postura reta - servirá a paz e diminuirá qualquer conflito que possa gerar a degeneração, o respeito à dignidade da pessoa humana".

O jornalista, segundo o prelado, deve ser responsável por aquilo que a sociedade é e será. "Uma matéria feita com base na mentira, no engano caminha para a degeneração social. Aquele que faz o compromisso com a verdade prestará um grande serviço na edificação moral da sociedade".

O arcebispo acrescentou ainda que "o jornalismo também tem essa vocação de que as notícias sejam portadoras da paz", mas "isso não significa que o jornalista tenha que publicar apenas notícias boas", uma vez que o profissional "tem que ir atrás de problemas, mas tudo é na maneira de tratar a matéria". "Devemos tratar tudo para que não cause divisão, o ódio, mas que produza de alguma forma a paz", disse.

No final da entrevista, ao destacar que o Papa Francisco tem insistido a respeito de um jornalismo que seja baseado na verdade, Dom Gil ressaltou: "a verdade é resultado de uma educação".

"Há pessoas que são mal-educadas no sentido de mentir, de inventar mentiras para se defender ou para sair de situações complicadas e essa educação para a verdade seria muito útil para estabelecer relações positivas e boas, por isso os meios de comunicação devem trabalhar pela verdade. A verdade vai produzir a paz, a mentira só produz o contrário da paz que é o ódio, a divisão, a incompreensão entre as pessoas", concluiu. (LMI)

Loading
As notícias devem ser “portadoras da paz”, diz Arcebispo de Juiz de Fora

Redação (Sexta-feira, 11-05-2018, Gaudium Press) Na mensagem do Papa Francisco para o 52º Dia Mundial das Comunicações Sociais, a ser celebrado no dia 13 de maio, o Pontífice convida a todos a promover um "jornalismo de paz".

As notícias devem ser portadoras da paz, diz Arcebispo de Juiz de Fora.jpg

Sobre este assunto, o Arcebispo de Juiz de Fora e referencial da comunicação no regional Leste 2 da CNBB, Dom Gil Antônio Moreira, lembrou que o conceito de jornalismo de paz está intimamente ligado à atitude da pessoa.

Entrevistado pelo site Vatican News, Dom Gil explicou que o jornalismo produz a paz quando a mesma faz a opção pela verdade. "Tudo está baseado na postura do comunicador, ele tem que ter uma postura moral, ética antes de fazer qualquer comunicação ou publicar qualquer matéria, se ele tem essa opção - de ter uma postura reta - servirá a paz e diminuirá qualquer conflito que possa gerar a degeneração, o respeito à dignidade da pessoa humana".

O jornalista, segundo o prelado, deve ser responsável por aquilo que a sociedade é e será. "Uma matéria feita com base na mentira, no engano caminha para a degeneração social. Aquele que faz o compromisso com a verdade prestará um grande serviço na edificação moral da sociedade".

O arcebispo acrescentou ainda que "o jornalismo também tem essa vocação de que as notícias sejam portadoras da paz", mas "isso não significa que o jornalista tenha que publicar apenas notícias boas", uma vez que o profissional "tem que ir atrás de problemas, mas tudo é na maneira de tratar a matéria". "Devemos tratar tudo para que não cause divisão, o ódio, mas que produza de alguma forma a paz", disse.

No final da entrevista, ao destacar que o Papa Francisco tem insistido a respeito de um jornalismo que seja baseado na verdade, Dom Gil ressaltou: "a verdade é resultado de uma educação".

"Há pessoas que são mal-educadas no sentido de mentir, de inventar mentiras para se defender ou para sair de situações complicadas e essa educação para a verdade seria muito útil para estabelecer relações positivas e boas, por isso os meios de comunicação devem trabalhar pela verdade. A verdade vai produzir a paz, a mentira só produz o contrário da paz que é o ódio, a divisão, a incompreensão entre as pessoas", concluiu. (LMI)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Mantendo a tradição, há mais de 80 anos as ruas são enfeitadas formando grandes tapetes colorido ...
 
A visita ocorreu por ocasião da “Sexta-feira da Misericórdia”, iniciativa lançada pelo Pontí ...
 
Maria Santíssima: Ela é a inefável Luz que brilha no Céu anunciando a vitória de Deus sobre a H ...
 
Na ocasião se reunirão os diretores nacionais das OMP provenientes de todos os continentes, junto ...
 
Além de ser o dia dedicado à Nossa Senhora Auxiliadora, neste ano de 2018 se completaram 150 anos ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading