Loading
 
 
 
Loading
 
Parábola do semeador
Loading
 
27 de Dezembro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Quinta-feira, 27-12-2018, Gaudium Press) Em suas pregações, Nosso Senhor narrou diversas parábolas. Todas elas giravam em torno de um tema fundamental: o Reino de Deus, "o qual, na sua essência, é constituído pela Igreja Católica". Analisemos sinteticamente a parábola do semeador.

PARABOLA-DO-SEMEADOR.jpg

Modos de ouvir a palavra de Deus

"O semeador saiu para semear. Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e os pássaros vieram e as comeram. Outras sementes caíram em terreno pedregoso, onde não havia muita terra. As sementes logo brotaram, porque a terra não era profunda. Mas, quando o Sol apareceu, as plantas ficaram queimadas e secaram, porque não tinham raiz.

"Outras sementes caíram no meio dos espinhos. Os espinhos cresceram e sufocaram as plantas. Outras sementes, porém, caíram em terra boa, e produziram à base de cem, de sessenta e de trinta frutos por semente. Quem tem ouvidos, ouça!" (Mt 13, 3-9).

O Divino Mestre explica aos Apóstolos o significado dessa parábola.

"A todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a compreende, vem o maligno e rouba o que foi semeado em seu coração. Este é o que foi semeado à beira do caminho. A semente que caiu em terreno pedregoso é quem ouve a palavra e logo a recebe com alegria; mas ele não tem raiz em si mesmo, é de momento: quando chega o sofrimento ou a perseguição, por causa da palavra, ele desiste logo.

"A semente que caiu no meio dos espinhos é quem ouve a palavra, mas as preocupações do mundo e a ilusão da riqueza sufocam a palavra, e ele não dá fruto. A semente que caiu em boa terra é quem ouve a palavra e a compreende. Esse produz fruto. Um dá cem, outro sessenta e outro trinta" (Mt 13, 19-23)

A beira do caminho e os pedregulhos

O semeador representa o apóstolo que difunde a palavra de Deus, cuja vitalidade é figurada pela semente que germina. E os diversos tipos de terra simbolizam os modos pelos quais as pessoas ouvem a palavra divina.

Na beira do caminho o solo é duro e estéril; o grão que ali cai acaba servindo de alimento aos pássaros. "Isso é o que ocorre com as almas que deram as costas a Deus e apegaram-se desordenadamente às criaturas. Nesses pecadores o coração fica endurecido como a terra batida pelos passos dos caminhantes; sua fé torna-se insuficiente, a palavra divina não penetra no interior deles, porque a ouvem com displicência."

O terreno com pedregulhos "representa a inconstância de coração, a superficialidade de espírito daqueles que, ouvindo a palavra de Deus, por vezes até com verdadeiro encanto, logo se distraem com alguma banalidade. Em tais almas, as graças recebidas não conseguem se arraigar.

"Quando começamos a trilhar as vias da virtude, em geral, por especial misericórdia divina, os primeiros momentos são acompanhados de grandes graças sensíveis que nos enchem de entusiasmo e encanto. Mais tarde, entretanto, o vento das provações nos sacode e a aridez nos invade.

"Trata-se então, uma vez que ouvimos e compreendemos a palavra, de continuarmos firmes no caminho, enfrentando a tempestade interior, agindo durante a insensibilidade como se estivéssemos no tempo da consolação. Nisso consiste a fidelidade à palavra de Deus."

Os espinhos

Os espinhos representam o apego ao dinheiro e aos bens deste mundo.

"Quem tem desproporcionada preocupação com os bens materiais, a ponto de preferi-los aos valores sobrenaturais, está pronto para sufocar a palavra divina.

"É, por exemplo, o defeito daquele que se esforça apenas em cuidar de seus negócios. Quando recebe a palavra, no primeiro momento sente-se por ela atraído, mas logo se deixa absorver por completo pelo apego ao mundo. Como sua atenção está centrada na posse dos bens terrenos, e não na sua própria santificação, os espinhos das ambições mundanas crescem e sufocam a palavra. [...]

A terra boa e a diversidade de frutificação

"A semente que caiu em terra boa e se desenvolve é figura daquele que ouve a palavra de Deus com entusiasmo e depois toma a decisão séria de mudar de vida, abandonando o pecado, a superficialidade de espírito e os apegos desordenados; ou seja, rompe de fato com tudo quanto significa terra endurecida, pedregulho ou espinho, e entrega-se completamente à prática da virtude. Esse, sim, produz todos os frutos!" [...]

"O Divino Redentor faz questão de frisar a diversidade de frutificação da semente da palavra nas almas: trinta, sessenta e cem por um. Uma demonstração a mais de que Deus tudo cria em hierarquia. Uns são chamados a dar trinta, de outros o Senhor exigirá cem, ou talvez mais, conforme a quantidade de dons concedidos a cada um. ‘A quem muito se deu, muito se exigirá' (Lc 12, 48), adverte-nos o Divino Mestre."

Nossa Senhora, a terra fertilíssima por excelência

Quem ouviu e compreendeu por inteiro essa parábola foi Maria Santíssima, que certamente dela tomou conhecimento com insuperável enlevo e amor.

Ao falar em "boa terra" e em semente que produziu cem por um, provavelmente Jesus pensou em sua Imaculada Mãe, "a terra fertilíssima por excelência para fazer desabrochar a semente divina na plenitude.

"Toda a vida da Santíssima Virgem foi um contínuo sim à vontade de Deus. Quando Ele A inspirou a fazer voto de virgindade, Ela aquiesceu com todo o entusiasmo. Ao Lhe ser anunciada a Encarnação do Verbo, sua resposta foi: ‘Faça-se em Mim segundo a vossa palavra' (Lc 1, 38), e a Palavra Se fez carne nesta terra imaculada. Ao ouvir dos pastores o que os Anjos lhes haviam comunicado,

Ela guardou e conferiu em seu coração todas essas palavras (cf. Lc 2, 51). E o mesmo fez durante toda a vida com tudo quanto os adoráveis lábios de seu Divino Filho proferiram, até o ‘Consummatum est!' [...]

"Enfim, o Coração Imaculado de Maria Santíssima é um Evangelho vivo, cujas maravilhas ainda estão para ser conhecidas!"
Que Nossa Senhora nos conceda a graça de sermos inteiramente fiéis à palavra de Deus, difundindo-a com entusiasmo para que seja logo esmagado o reino de demônio e implantado o Reino de Maria.

 

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" 175)


.......................................................................................

 

1 - CLÁ DIAS, João Scognamiglio. EP. O inédito sobre os Evangelhos. Vaticano: Libreria Editrice Vaticana; São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2014, v. IV, p. 161.

2 - Idem, ibidem, 2013, v. II, p. 212-215.

3 - Idem, ibidem, 2013, v. II, p. 216-217.

 

 

Loading
Parábola do semeador

Redação (Quinta-feira, 27-12-2018, Gaudium Press) Em suas pregações, Nosso Senhor narrou diversas parábolas. Todas elas giravam em torno de um tema fundamental: o Reino de Deus, "o qual, na sua essência, é constituído pela Igreja Católica". Analisemos sinteticamente a parábola do semeador.

PARABOLA-DO-SEMEADOR.jpg

Modos de ouvir a palavra de Deus

"O semeador saiu para semear. Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e os pássaros vieram e as comeram. Outras sementes caíram em terreno pedregoso, onde não havia muita terra. As sementes logo brotaram, porque a terra não era profunda. Mas, quando o Sol apareceu, as plantas ficaram queimadas e secaram, porque não tinham raiz.

"Outras sementes caíram no meio dos espinhos. Os espinhos cresceram e sufocaram as plantas. Outras sementes, porém, caíram em terra boa, e produziram à base de cem, de sessenta e de trinta frutos por semente. Quem tem ouvidos, ouça!" (Mt 13, 3-9).

O Divino Mestre explica aos Apóstolos o significado dessa parábola.

"A todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a compreende, vem o maligno e rouba o que foi semeado em seu coração. Este é o que foi semeado à beira do caminho. A semente que caiu em terreno pedregoso é quem ouve a palavra e logo a recebe com alegria; mas ele não tem raiz em si mesmo, é de momento: quando chega o sofrimento ou a perseguição, por causa da palavra, ele desiste logo.

"A semente que caiu no meio dos espinhos é quem ouve a palavra, mas as preocupações do mundo e a ilusão da riqueza sufocam a palavra, e ele não dá fruto. A semente que caiu em boa terra é quem ouve a palavra e a compreende. Esse produz fruto. Um dá cem, outro sessenta e outro trinta" (Mt 13, 19-23)

A beira do caminho e os pedregulhos

O semeador representa o apóstolo que difunde a palavra de Deus, cuja vitalidade é figurada pela semente que germina. E os diversos tipos de terra simbolizam os modos pelos quais as pessoas ouvem a palavra divina.

Na beira do caminho o solo é duro e estéril; o grão que ali cai acaba servindo de alimento aos pássaros. "Isso é o que ocorre com as almas que deram as costas a Deus e apegaram-se desordenadamente às criaturas. Nesses pecadores o coração fica endurecido como a terra batida pelos passos dos caminhantes; sua fé torna-se insuficiente, a palavra divina não penetra no interior deles, porque a ouvem com displicência."

O terreno com pedregulhos "representa a inconstância de coração, a superficialidade de espírito daqueles que, ouvindo a palavra de Deus, por vezes até com verdadeiro encanto, logo se distraem com alguma banalidade. Em tais almas, as graças recebidas não conseguem se arraigar.

"Quando começamos a trilhar as vias da virtude, em geral, por especial misericórdia divina, os primeiros momentos são acompanhados de grandes graças sensíveis que nos enchem de entusiasmo e encanto. Mais tarde, entretanto, o vento das provações nos sacode e a aridez nos invade.

"Trata-se então, uma vez que ouvimos e compreendemos a palavra, de continuarmos firmes no caminho, enfrentando a tempestade interior, agindo durante a insensibilidade como se estivéssemos no tempo da consolação. Nisso consiste a fidelidade à palavra de Deus."

Os espinhos

Os espinhos representam o apego ao dinheiro e aos bens deste mundo.

"Quem tem desproporcionada preocupação com os bens materiais, a ponto de preferi-los aos valores sobrenaturais, está pronto para sufocar a palavra divina.

"É, por exemplo, o defeito daquele que se esforça apenas em cuidar de seus negócios. Quando recebe a palavra, no primeiro momento sente-se por ela atraído, mas logo se deixa absorver por completo pelo apego ao mundo. Como sua atenção está centrada na posse dos bens terrenos, e não na sua própria santificação, os espinhos das ambições mundanas crescem e sufocam a palavra. [...]

A terra boa e a diversidade de frutificação

"A semente que caiu em terra boa e se desenvolve é figura daquele que ouve a palavra de Deus com entusiasmo e depois toma a decisão séria de mudar de vida, abandonando o pecado, a superficialidade de espírito e os apegos desordenados; ou seja, rompe de fato com tudo quanto significa terra endurecida, pedregulho ou espinho, e entrega-se completamente à prática da virtude. Esse, sim, produz todos os frutos!" [...]

"O Divino Redentor faz questão de frisar a diversidade de frutificação da semente da palavra nas almas: trinta, sessenta e cem por um. Uma demonstração a mais de que Deus tudo cria em hierarquia. Uns são chamados a dar trinta, de outros o Senhor exigirá cem, ou talvez mais, conforme a quantidade de dons concedidos a cada um. ‘A quem muito se deu, muito se exigirá' (Lc 12, 48), adverte-nos o Divino Mestre."

Nossa Senhora, a terra fertilíssima por excelência

Quem ouviu e compreendeu por inteiro essa parábola foi Maria Santíssima, que certamente dela tomou conhecimento com insuperável enlevo e amor.

Ao falar em "boa terra" e em semente que produziu cem por um, provavelmente Jesus pensou em sua Imaculada Mãe, "a terra fertilíssima por excelência para fazer desabrochar a semente divina na plenitude.

"Toda a vida da Santíssima Virgem foi um contínuo sim à vontade de Deus. Quando Ele A inspirou a fazer voto de virgindade, Ela aquiesceu com todo o entusiasmo. Ao Lhe ser anunciada a Encarnação do Verbo, sua resposta foi: ‘Faça-se em Mim segundo a vossa palavra' (Lc 1, 38), e a Palavra Se fez carne nesta terra imaculada. Ao ouvir dos pastores o que os Anjos lhes haviam comunicado,

Ela guardou e conferiu em seu coração todas essas palavras (cf. Lc 2, 51). E o mesmo fez durante toda a vida com tudo quanto os adoráveis lábios de seu Divino Filho proferiram, até o ‘Consummatum est!' [...]

"Enfim, o Coração Imaculado de Maria Santíssima é um Evangelho vivo, cujas maravilhas ainda estão para ser conhecidas!"
Que Nossa Senhora nos conceda a graça de sermos inteiramente fiéis à palavra de Deus, difundindo-a com entusiasmo para que seja logo esmagado o reino de demônio e implantado o Reino de Maria.

 

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" 175)


.......................................................................................

 

1 - CLÁ DIAS, João Scognamiglio. EP. O inédito sobre os Evangelhos. Vaticano: Libreria Editrice Vaticana; São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae, 2014, v. IV, p. 161.

2 - Idem, ibidem, 2013, v. II, p. 212-215.

3 - Idem, ibidem, 2013, v. II, p. 216-217.

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/100162-Parabola-do-semeador. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Papa Francisco nomeou, hoje festa de São José, Mons. Piergiorgio Bertoldi como Novo Núncio A ...
 
A passagem do ciclone Idai deixou cenário de destruição na cidade da Beira, em Moçambique. ...
 
Anualmente milhares de peregrinos realizam o Caminho de Santiago, a conhecida rota que parte de dife ...
 
Através de uma carta pastoral, Dom William Goh Seng Chye explica que os artistas, “através de su ...
 
Nas áreas flageladas pelo Idai vivem atualmente cerca de 1,6 milhões de pessoas. ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading