Loading
 
 
 
Loading
 
Bispos Colombianos pedem abertura de “corredores humanitários” para ajudar venezuelanos
Loading
 
8 de Fevereiro de 2019 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Bogotá - Colômbia (Sexta-feia, 08-02-2019, Gaudium Press) Em uma carta aberta escrita pela Conferência Episcopal Colômbia e destinada aos Bispos e ao povo venezuelano, os prelados colombianos expressa a proximidade e solidariedade à comunidade e à Igreja do país vizinho.

Bispos Colombianos pedem abertura de ?corredores humanitários? para ajudar venezuelanos.jpg

"É necessária a abertura de corredores humanitários que permitam levar ajuda concreta às necessidades dos nossos irmãos", afirmam os Bispos colombianos.

Como é sabido, o governo de Nicolás Maduro proibiu a entrada na Venezuela de qualquer tipo de ajuda humanitaria vinda do exterior tendo, inclusive, promovido o bloqueio de pontes na fronteira com a Colômbia para impedir a entrada no país de alimentos, bens de toda a espécie, inclusive remédios. 

Preocupação, sofrimento, solidariedade

A carta que foi assinada pelo presidente da Conferência Episcopal, Dom Óscar Urbina Ortega, pelo vice-presidente, Dom Ricardo Tobón Restrepo e pelo secretário-geral, Dom Elkin Fernando Álvarez Botero os Bispos afirmam:

"Seguimos com muita preocupação as diferentes situações pelas quais está passando a nossa querida nação irmã, a Venezuela.
Sofremos profundamente com a crise humanitária e com as inúmeras dificuldades enfrentadas para conseguir até mesmo o que é básico e necessário para a sobrevivência, como os alimentos, os remédios e os serviços públicos".

Incerteza, repressão, injustiça

A missiva-manifesto dos Bispos colombianos cita como elementos de grande preocupação "a incerteza, a repressão, a violação dos direitos humanos e as injustiças que sofrem muitos irmãos", sobretudo aqueles que são mais frágeis.

Os prelados afirmam ainda que rezam sem cessar "para que se chegue a uma solução justa e pacífica, que permita sair da crise".

Eles recordam também a ajuda e a solidariedade que a Igreja colombiana tem dado ao povo venezuelano e prossegue:

"Continuaremos a ajudar dentro das nossas possibilidades e também a promover a cooperação de outras pessoas e instituições".

A Crise na Venezuela

Em conferência de imprensa, no voo entre Abu Dhabi e Roma, o Papa Francisco afirmou que o Vaticano está disponível para mediar a crise política na Venezuela, desde que as duas partes o solicitem.

Em finais de outubro de 2016, o Governo e a oposição na Venezuela encontraram-se para conversações mediadas pela Igreja Católica, com o empenho particular do Papa Francisco, que enviou como seu representante o arcebispo italiano D. Claudio Celli.

Ainda no início desta semana, 4 de fevereiro, Portugal reconheceu a legitimidade de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, juntando-se a vários outros governos da Europa, numa posição contestada por Nicolás Maduro. (JSG)

 

Loading
Bispos Colombianos pedem abertura de “corredores humanitários” para ajudar venezuelanos

Bogotá - Colômbia (Sexta-feia, 08-02-2019, Gaudium Press) Em uma carta aberta escrita pela Conferência Episcopal Colômbia e destinada aos Bispos e ao povo venezuelano, os prelados colombianos expressa a proximidade e solidariedade à comunidade e à Igreja do país vizinho.

Bispos Colombianos pedem abertura de ?corredores humanitários? para ajudar venezuelanos.jpg

"É necessária a abertura de corredores humanitários que permitam levar ajuda concreta às necessidades dos nossos irmãos", afirmam os Bispos colombianos.

Como é sabido, o governo de Nicolás Maduro proibiu a entrada na Venezuela de qualquer tipo de ajuda humanitaria vinda do exterior tendo, inclusive, promovido o bloqueio de pontes na fronteira com a Colômbia para impedir a entrada no país de alimentos, bens de toda a espécie, inclusive remédios. 

Preocupação, sofrimento, solidariedade

A carta que foi assinada pelo presidente da Conferência Episcopal, Dom Óscar Urbina Ortega, pelo vice-presidente, Dom Ricardo Tobón Restrepo e pelo secretário-geral, Dom Elkin Fernando Álvarez Botero os Bispos afirmam:

"Seguimos com muita preocupação as diferentes situações pelas quais está passando a nossa querida nação irmã, a Venezuela.
Sofremos profundamente com a crise humanitária e com as inúmeras dificuldades enfrentadas para conseguir até mesmo o que é básico e necessário para a sobrevivência, como os alimentos, os remédios e os serviços públicos".

Incerteza, repressão, injustiça

A missiva-manifesto dos Bispos colombianos cita como elementos de grande preocupação "a incerteza, a repressão, a violação dos direitos humanos e as injustiças que sofrem muitos irmãos", sobretudo aqueles que são mais frágeis.

Os prelados afirmam ainda que rezam sem cessar "para que se chegue a uma solução justa e pacífica, que permita sair da crise".

Eles recordam também a ajuda e a solidariedade que a Igreja colombiana tem dado ao povo venezuelano e prossegue:

"Continuaremos a ajudar dentro das nossas possibilidades e também a promover a cooperação de outras pessoas e instituições".

A Crise na Venezuela

Em conferência de imprensa, no voo entre Abu Dhabi e Roma, o Papa Francisco afirmou que o Vaticano está disponível para mediar a crise política na Venezuela, desde que as duas partes o solicitem.

Em finais de outubro de 2016, o Governo e a oposição na Venezuela encontraram-se para conversações mediadas pela Igreja Católica, com o empenho particular do Papa Francisco, que enviou como seu representante o arcebispo italiano D. Claudio Celli.

Ainda no início desta semana, 4 de fevereiro, Portugal reconheceu a legitimidade de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, juntando-se a vários outros governos da Europa, numa posição contestada por Nicolás Maduro. (JSG)

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Um incêndio, de causas desconhecidas, destruiu parte da Matriz de Monte Santo, no interior do sert ...
 
Na província montanhosa de Yen Bai, nas Filipinas, após 100 anos foi celebrada a primeira Missa do ...
 
Não somos distribuidores de azeite em garrafa. Somos ungidos para ungir, distribuindo-nos a nós me ...
 
O suspeito estava com quatro galões de gasolina, duas latas de fluído de isqueiro e dois isqueiros ...
 
Esbofeteamos Jesus, como o fizeram seus cruéis algozes: o pecado é, em certa medida, uma participa ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading