Loading
 
 
 
Loading
 
Os sofrimentos do tempo presente e a glória que há de revelar-se em nós
Loading
 
8 de Fevereiro de 2019 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Sexta-feira, 08-02-2019, Gaudium Press) O trecho do Evangelho de Jesus Cristo, segundo São Marcos, em seu capítulo 6, versículos 14 a 29, nos diz:

Os sofrimentos do tempo presente e a glória que há de revelar-se em nós.jpg

"Naquele tempo: 14 O rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: 'João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem.' 

15Outros diziam: 'É Elias.' Outros ainda diziam: 'É um profeta como um dos profetas.'

16Ouvindo isto, Herodes disse: 'Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!' 17Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado.

18João dizia a Herodes: 'Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão.' 19Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava. 21Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia.

22A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: 'Pede-me o que quiseres e eu to darei.' 23E lhe jurou dizendo: 'Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino.'

24Ela saiu e perguntou à mãe: 'O que vou pedir?' A mãe respondeu: 'A cabeça de João Batista.' 25E, voltando depressa para junto do rei, pediu: 'Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista.'

26O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe.

29Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.


Os sofrimentos do tempo presente nada são comparados com a glória que teremos no Céu

A propósito do martírio de São joão Batista, que este trecho do Evangelho descreve, temos um comentário feito por São Cipriano, Bispo e mártir, sobre os sofrimentos sobretudo dos mártires como São João Batista que foi um mártir da verdade.


"'Tenho como coisa certa que os sofrimentos do tempo presente nada são em comparação com a glória que há de revelar-se em nós' (Rom 8,18).

Quem não há de, pois, trabalhar de todas as formas possíveis para obter tal glória, para se tornar amigo de Deus, para se regozijar na companhia de Jesus Cristo e receber a recompensa divina depois dos tormentos e dos suplícios desta Terra?

Para os soldados deste mundo, é glorioso regressarem triunfalmente à pátria depois de terem vencido o inimigo. Não será glória bem maior retornar triunfalmente, depois de ter vencido o demónio, ao paraíso de onde Adão tinha sido expulso por causa do seu pecado?

Trazer o troféu da vitória depois de ter abatido quem o tinha enganado? Oferecer a Deus como espólio magnífico uma fé intacta, uma coragem espiritual sem falhas, uma dedicação digna de elogios? Tornar-se co-herdeiro de Cristo, ser equiparado aos anjos, desfrutar com alegria do reino celeste com os patriarcas, os apóstolos, os profetas? Que perseguição pode vencer tais pensamentos, eles que podem ajudar-nos a superar os suplícios? [...]

A Terra aprisiona-nos com as suas perseguições, mas o Céu permanece aberto. [...]

Que honra e que segurança sair deste mundo com alegria, sair dele em glória, transpondo provas e sofrimentos! Fechar por um instante os olhos que veem os homens e o mundo, para os reabrir logo a seguir para verem a Deus e a Cristo! [...]

Se a perseguição assalta um soldado assim preparado, não poderá vencer a sua coragem. Mesmo que sejamos chamados ao Céu antes da luta, a fé que assim se preparou não ficará sem recompensa. [...]

Na perseguição, Deus coroa os seus soldados; na paz, coroa a boa consciência."

 

 

Loading
Os sofrimentos do tempo presente e a glória que há de revelar-se em nós

Redação (Sexta-feira, 08-02-2019, Gaudium Press) O trecho do Evangelho de Jesus Cristo, segundo São Marcos, em seu capítulo 6, versículos 14 a 29, nos diz:

Os sofrimentos do tempo presente e a glória que há de revelar-se em nós.jpg

"Naquele tempo: 14 O rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome se tinha tornado muito conhecido. Alguns diziam: 'João Batista ressuscitou dos mortos. Por isso os poderes agem nesse homem.' 

15Outros diziam: 'É Elias.' Outros ainda diziam: 'É um profeta como um dos profetas.'

16Ouvindo isto, Herodes disse: 'Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!' 17Herodes tinha mandado prender João, e colocá-lo acorrentado na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, mulher do seu irmão Filipe, com quem se tinha casado.

18João dizia a Herodes: 'Não te é permitido ficar com a mulher do teu irmão.' 19Por isso Herodíades o odiava e queria matá-lo, mas não podia. 20Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava. 21Finalmente, chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes, e ele fez um grande banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galileia.

22A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: 'Pede-me o que quiseres e eu to darei.' 23E lhe jurou dizendo: 'Eu te darei qualquer coisa que me pedires, ainda que seja a metade do meu reino.'

24Ela saiu e perguntou à mãe: 'O que vou pedir?' A mãe respondeu: 'A cabeça de João Batista.' 25E, voltando depressa para junto do rei, pediu: 'Quero que me dês agora, num prato, a cabeça de João Batista.'

26O rei ficou muito triste, mas não pôde recusar. Ele tinha feito o juramento diante dos convidados. 27Imediatamente, o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, degolou-o na prisão, 28trouxe a cabeça num prato e a deu à moça. Ela a entregou à sua mãe.

29Ao saberem disso, os discípulos de João foram lá, levaram o cadáver e o sepultaram.


Os sofrimentos do tempo presente nada são comparados com a glória que teremos no Céu

A propósito do martírio de São joão Batista, que este trecho do Evangelho descreve, temos um comentário feito por São Cipriano, Bispo e mártir, sobre os sofrimentos sobretudo dos mártires como São João Batista que foi um mártir da verdade.


"'Tenho como coisa certa que os sofrimentos do tempo presente nada são em comparação com a glória que há de revelar-se em nós' (Rom 8,18).

Quem não há de, pois, trabalhar de todas as formas possíveis para obter tal glória, para se tornar amigo de Deus, para se regozijar na companhia de Jesus Cristo e receber a recompensa divina depois dos tormentos e dos suplícios desta Terra?

Para os soldados deste mundo, é glorioso regressarem triunfalmente à pátria depois de terem vencido o inimigo. Não será glória bem maior retornar triunfalmente, depois de ter vencido o demónio, ao paraíso de onde Adão tinha sido expulso por causa do seu pecado?

Trazer o troféu da vitória depois de ter abatido quem o tinha enganado? Oferecer a Deus como espólio magnífico uma fé intacta, uma coragem espiritual sem falhas, uma dedicação digna de elogios? Tornar-se co-herdeiro de Cristo, ser equiparado aos anjos, desfrutar com alegria do reino celeste com os patriarcas, os apóstolos, os profetas? Que perseguição pode vencer tais pensamentos, eles que podem ajudar-nos a superar os suplícios? [...]

A Terra aprisiona-nos com as suas perseguições, mas o Céu permanece aberto. [...]

Que honra e que segurança sair deste mundo com alegria, sair dele em glória, transpondo provas e sofrimentos! Fechar por um instante os olhos que veem os homens e o mundo, para os reabrir logo a seguir para verem a Deus e a Cristo! [...]

Se a perseguição assalta um soldado assim preparado, não poderá vencer a sua coragem. Mesmo que sejamos chamados ao Céu antes da luta, a fé que assim se preparou não ficará sem recompensa. [...]

Na perseguição, Deus coroa os seus soldados; na paz, coroa a boa consciência."

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/101191-Os-sofrimentos-do-tempo-presente-e-a-gloria-que-ha-de-revelar-se-em-nos. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

As religiosas avançam no notável projeto de edificar um mosteiro de pedra inspirado em uma ideia d ...
 
O purpurado está surpreso com a generosidade das pessoas: “As oferendas da Missão são muito con ...
 
Dom Beni permanecerá na função até que o Papa Francisco nomeie um novo Bispo para a igreja local ...
 
“A devoção do Escapulário do Carmo fez descer sobre o mundo copiosa chuva de graças espirituai ...
 
Em sua homilia, o prelado invocou a proteção maternal da Santíssima Virgem sobre os mais vulnerá ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading