Loading
 
 
 
Loading
 
Relacionamento entre Céu e Terra
Loading
 
15 de Maio de 2019 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Terça-feira, 14-05-2019, Gaudium Press) Logo após a morte de uma pessoa, ela é julgada por Deus e sua alma vai para um dos três lugares: Céu, Inferno ou Purgatório. Recordemos alguns ensinamentos a respeito do Céu.

Ceu-Paraiso.jpg

Essência da felicidade celeste

Diversas vezes o Redentor falou sobre o Reino dos Céus: no Sermão da Montanha, nas parábolas dos talentos, das dez virgens, etc.

Nesse Reino estão em corpo e alma o Rei, Nosso Senhor Jesus Cristo; a Rainha, Maria Santíssima, e seu virginal esposo São José.

Lá também se encontram os Anjos, que são príncipes das milícias celestes. "No Céu a pessoa está inserida em toda a corte celeste, passa a ser príncipe dela É a corte dos bem-aventurados, dos Santos e dos Anjos."

Nesta Terra, todos os prazeres não satisfazem o homem porque ele tem desejo de felicidade infinita. Somente no Céu esse anseio será plenamente atendido.

"A essência da felicidade celeste [...] está na visão de Deus face a face. Deus, puro espírito, eterno, perfeitíssimo, inefável, cuja consideração nós teremos eternamente e que constitui, Ele sim, a nossa felicidade perfeita."

A visão beatífica inunda o homem de alegria. "Porém não é principalmente por causa da perspectiva dessa alegria, mas devido à infinitude de Deus e da perfeição d'Ele em Si, ainda que não tivéssemos essa alegria, que nós O procuraríamos por toda a eternidade. Porque o Criador merece e a Ele somos destinados."

Alegria da criança inocente

Para termos certa noção dessa felicidade celeste, recordemos o que ocorre com a criança inocente.

"A criança, no período da inocência, tem certos movimentos de alegria
e de louçania que proveem da felicidade comum (pelas razões concebíveis) visitada pela graça. De maneira que, com muita frequência, às alegrias corriqueiras sentidas por qualquer criança inocente, soma-se uma alegria
sobrenatural.

"Assim, o menino tem uma espécie de júbilo que o eleva de algum modo acima da Terra. São alegrias que não se repetem ao longo da vida, a não ser que a Providência mande graças sobrenaturais, fenômenos místicos, etc.

"Essa felicidade produzida pela graça não se compara a nada, e é um
simples antegozo da felicidade que o homem experimentará, vendo a Deus
face a face.

"Assim, quando alguém na idade madura quiser pensar no Céu, andará muito avisadamente se procurar rememorar esses ímpetos e essas alegrias da infância. Ele recordará certas alegrias que são como que celestes."
Imaginemos uma pessoa que anda por longo tempo numa megalópole agitada, barulhenta, poluída. De repente, ela entra numa igreja belíssima, de estilo gótico, com vitrais, pinturas, e onde se ouvem toques harmoniosos do órgão. Ela sente uma grande alegria de alma, com repercussões em seu próprio corpo.

Esses são exemplos que nos dão ideias vagamente analógicas do que seja a felicidade celeste. Porque Deus é infinito e a Ele nada se compara.

No Céu há desigualdades

Nesta Terra, uma das maiores felicidades que possa haver numa família é o convívio sacral, respeitoso, ameno. E no Céu há esse convívio dos bem-aventurados com os Anjos, e daqueles entre si.

"Haverá uma grande intimidade no Céu entre nós e os Anjos, tão superiores a nós por natureza, mas que aceitam nas suas fileiras os homens e têm com estes uma intimidade como possuiriam com os anjos que caíram no Inferno."

No Céu há uma justa e proporcional desigualdade. Os bem-aventurados ocupam os tronos dos anjos que se revoltaram contra Deus e se tornaram demônios. Ora, existe hierarquia entre os Anjos, escalonados em sete coros; portanto, há desigualdades entre os bem-aventurados.

Disse Nosso Senhor: "Na casa de meu Pai há muitas moradas" (Jo 14, 2). Afirma Santo Agostinho que tais "moradas" significam distintas modalidades de mérito na vida eterna. E conclui São Tomás de Aquino: "Logo, há diversos graus de bem-aventurança."

O universo não é fechado

Erram profundamente aqueles que julgam ser o universo um todo fechado, onde nunca penetra a influência ou ação dos Anjos, dos demônios e de próprio Deus. "O universo não é fechado. Há o mundo visível e o invisível, os quais necessariamente se relacionam."

"Muitos acontecimentos na Terra podem aumentar a nossa alegria no Céu, pois há uma relação entre ambos pela qual as felicidades do Paraíso se movem de acordo com as situações neste mundo.

"De passagem, vale lembrar que a regra se aplica também ao Inferno:
sempre que o condenado contempla o mal que ele fez afetando a outros no tempo, seu tormento pode, em certo sentido acidental, aumentar.

"Isso nos leva a refletir, pois tudo aquilo que realizamos nesta vida terrena está repercutindo em glória no Céu ou em tristeza no Inferno.

"Se soubéssemos contemplar assim cada ato de nossa existência, como ela seria diferente! Se também concebêssemos o Céu como uma arquibancada da Terra, com possibilidades de os Santos intervirem ativamente pelos que estão aqui embaixo, através das suas orações e inspirações, como sentiríamos o Paraíso de um modo diverso!

"Santa Teresinha do Menino Jesus dizia que desejava passar o Céu dela fazendo o bem sobre a Terra." E um ótimo meio de realizar o bem é punir os maus, como fez Nosso Senhor, por duas vezes, expulsando os vendilhões do Templo.

No Céu, tudo é belo, ordenado, nobre. A fim de nos preparar para ele, devemos nesta Terra buscar esses valores em todas as coisas. E rejeitar o asqueroso, o caótico, o vulgar, pois tais defeitos empurram as pessoas na rampa do Inferno.

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" -192)

..........................................................................................

1- CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Grandeza e bondade de Deus. In revista Dr. Plinio, São Paulo. Ano XX, n. 230 (maio 2017), p. 34.
2- Idem. Convívio entre as almas no Céu empíreo. In revista Dr. Plinio, São Paulo. Ano XVI, n. 183 (Junho 2013), p. 14.
3- Idem. A felicidade celeste - I. In revista Dr. Plinio. São Paulo. Ano XVII, n. 194 (maio 2014), p. 17.
4- Idem. Minhas primeiras impressões sobre o Céu. In revista Dr. Plinio. Ano V, n. 49 (abril 2002), p. 29.
5- Idem. Os Anjos no Céu Empíreo e no Juízo Final. In revista Dr. Plinio. Ano XX, n. 232 (julho 2017), p. 27.
6- Suma Teológica. I-II, q. 5, a.2, s/c.
7-CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. O universo e a ordenação da alma humana. In revista Dr. 7-7-Plinio. São Paulo. Ano X, n. 116 (novembro 2007), p. 23.
8-Idem. Pensamentos sobre o Céu. In revista Dr. Plinio. Ano VII, n. 76 (julho 2004), p. 28.

 

Loading
Relacionamento entre Céu e Terra

Redação (Terça-feira, 14-05-2019, Gaudium Press) Logo após a morte de uma pessoa, ela é julgada por Deus e sua alma vai para um dos três lugares: Céu, Inferno ou Purgatório. Recordemos alguns ensinamentos a respeito do Céu.

Ceu-Paraiso.jpg

Essência da felicidade celeste

Diversas vezes o Redentor falou sobre o Reino dos Céus: no Sermão da Montanha, nas parábolas dos talentos, das dez virgens, etc.

Nesse Reino estão em corpo e alma o Rei, Nosso Senhor Jesus Cristo; a Rainha, Maria Santíssima, e seu virginal esposo São José.

Lá também se encontram os Anjos, que são príncipes das milícias celestes. "No Céu a pessoa está inserida em toda a corte celeste, passa a ser príncipe dela É a corte dos bem-aventurados, dos Santos e dos Anjos."

Nesta Terra, todos os prazeres não satisfazem o homem porque ele tem desejo de felicidade infinita. Somente no Céu esse anseio será plenamente atendido.

"A essência da felicidade celeste [...] está na visão de Deus face a face. Deus, puro espírito, eterno, perfeitíssimo, inefável, cuja consideração nós teremos eternamente e que constitui, Ele sim, a nossa felicidade perfeita."

A visão beatífica inunda o homem de alegria. "Porém não é principalmente por causa da perspectiva dessa alegria, mas devido à infinitude de Deus e da perfeição d'Ele em Si, ainda que não tivéssemos essa alegria, que nós O procuraríamos por toda a eternidade. Porque o Criador merece e a Ele somos destinados."

Alegria da criança inocente

Para termos certa noção dessa felicidade celeste, recordemos o que ocorre com a criança inocente.

"A criança, no período da inocência, tem certos movimentos de alegria
e de louçania que proveem da felicidade comum (pelas razões concebíveis) visitada pela graça. De maneira que, com muita frequência, às alegrias corriqueiras sentidas por qualquer criança inocente, soma-se uma alegria
sobrenatural.

"Assim, o menino tem uma espécie de júbilo que o eleva de algum modo acima da Terra. São alegrias que não se repetem ao longo da vida, a não ser que a Providência mande graças sobrenaturais, fenômenos místicos, etc.

"Essa felicidade produzida pela graça não se compara a nada, e é um
simples antegozo da felicidade que o homem experimentará, vendo a Deus
face a face.

"Assim, quando alguém na idade madura quiser pensar no Céu, andará muito avisadamente se procurar rememorar esses ímpetos e essas alegrias da infância. Ele recordará certas alegrias que são como que celestes."
Imaginemos uma pessoa que anda por longo tempo numa megalópole agitada, barulhenta, poluída. De repente, ela entra numa igreja belíssima, de estilo gótico, com vitrais, pinturas, e onde se ouvem toques harmoniosos do órgão. Ela sente uma grande alegria de alma, com repercussões em seu próprio corpo.

Esses são exemplos que nos dão ideias vagamente analógicas do que seja a felicidade celeste. Porque Deus é infinito e a Ele nada se compara.

No Céu há desigualdades

Nesta Terra, uma das maiores felicidades que possa haver numa família é o convívio sacral, respeitoso, ameno. E no Céu há esse convívio dos bem-aventurados com os Anjos, e daqueles entre si.

"Haverá uma grande intimidade no Céu entre nós e os Anjos, tão superiores a nós por natureza, mas que aceitam nas suas fileiras os homens e têm com estes uma intimidade como possuiriam com os anjos que caíram no Inferno."

No Céu há uma justa e proporcional desigualdade. Os bem-aventurados ocupam os tronos dos anjos que se revoltaram contra Deus e se tornaram demônios. Ora, existe hierarquia entre os Anjos, escalonados em sete coros; portanto, há desigualdades entre os bem-aventurados.

Disse Nosso Senhor: "Na casa de meu Pai há muitas moradas" (Jo 14, 2). Afirma Santo Agostinho que tais "moradas" significam distintas modalidades de mérito na vida eterna. E conclui São Tomás de Aquino: "Logo, há diversos graus de bem-aventurança."

O universo não é fechado

Erram profundamente aqueles que julgam ser o universo um todo fechado, onde nunca penetra a influência ou ação dos Anjos, dos demônios e de próprio Deus. "O universo não é fechado. Há o mundo visível e o invisível, os quais necessariamente se relacionam."

"Muitos acontecimentos na Terra podem aumentar a nossa alegria no Céu, pois há uma relação entre ambos pela qual as felicidades do Paraíso se movem de acordo com as situações neste mundo.

"De passagem, vale lembrar que a regra se aplica também ao Inferno:
sempre que o condenado contempla o mal que ele fez afetando a outros no tempo, seu tormento pode, em certo sentido acidental, aumentar.

"Isso nos leva a refletir, pois tudo aquilo que realizamos nesta vida terrena está repercutindo em glória no Céu ou em tristeza no Inferno.

"Se soubéssemos contemplar assim cada ato de nossa existência, como ela seria diferente! Se também concebêssemos o Céu como uma arquibancada da Terra, com possibilidades de os Santos intervirem ativamente pelos que estão aqui embaixo, através das suas orações e inspirações, como sentiríamos o Paraíso de um modo diverso!

"Santa Teresinha do Menino Jesus dizia que desejava passar o Céu dela fazendo o bem sobre a Terra." E um ótimo meio de realizar o bem é punir os maus, como fez Nosso Senhor, por duas vezes, expulsando os vendilhões do Templo.

No Céu, tudo é belo, ordenado, nobre. A fim de nos preparar para ele, devemos nesta Terra buscar esses valores em todas as coisas. E rejeitar o asqueroso, o caótico, o vulgar, pois tais defeitos empurram as pessoas na rampa do Inferno.

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" -192)

..........................................................................................

1- CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Grandeza e bondade de Deus. In revista Dr. Plinio, São Paulo. Ano XX, n. 230 (maio 2017), p. 34.
2- Idem. Convívio entre as almas no Céu empíreo. In revista Dr. Plinio, São Paulo. Ano XVI, n. 183 (Junho 2013), p. 14.
3- Idem. A felicidade celeste - I. In revista Dr. Plinio. São Paulo. Ano XVII, n. 194 (maio 2014), p. 17.
4- Idem. Minhas primeiras impressões sobre o Céu. In revista Dr. Plinio. Ano V, n. 49 (abril 2002), p. 29.
5- Idem. Os Anjos no Céu Empíreo e no Juízo Final. In revista Dr. Plinio. Ano XX, n. 232 (julho 2017), p. 27.
6- Suma Teológica. I-II, q. 5, a.2, s/c.
7-CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. O universo e a ordenação da alma humana. In revista Dr. 7-7-Plinio. São Paulo. Ano X, n. 116 (novembro 2007), p. 23.
8-Idem. Pensamentos sobre o Céu. In revista Dr. Plinio. Ano VII, n. 76 (julho 2004), p. 28.

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/103034-Relacionamento-entre-Ceu-e-Terra. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

As religiosas avançam no notável projeto de edificar um mosteiro de pedra inspirado em uma ideia d ...
 
O purpurado está surpreso com a generosidade das pessoas: “As oferendas da Missão são muito con ...
 
Dom Beni permanecerá na função até que o Papa Francisco nomeie um novo Bispo para a igreja local ...
 
“A devoção do Escapulário do Carmo fez descer sobre o mundo copiosa chuva de graças espirituai ...
 
Em sua homilia, o prelado invocou a proteção maternal da Santíssima Virgem sobre os mais vulnerá ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading