Loading
 
 
 
Loading
 
Porcentagens assustadoras
Loading
 
14 de Novembro de 2019 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

bigstock-Eucharist-sacrament-of-commun-150024086-1180x472.jpg

Da Redação - Gaudium Press (Quinta-feira, 14-11-2019, Gaudium Press) Segundo estudo recente do Centro de Investigação Pew Research, nos Estados Unidos, 69% dos católicos nos Estados Unidos crêem que a hóstia e o vinho depois de consagrados são apenas símbolos, e não o Corpo e Sangue do Senhor.
Esta notícia foi amplamente divulgada na mídia em agosto passado. Ela é extremamente preocupante porque se trata da
negação por parte de católicos e, em larga escala, da presença real de Nosso Senhor na Eucaristia, um ensinamento central de nossa fé.

Vamos parar e refletir: sete em cada dez católicos não acreditariam na presença real de Jesus na Eucaristia, presença que se opera a partir do momento em que a transubstanciação é realizada, quando o padre consagra pão e vinho na Santa Missa! Estamos falando de católicos, não cristãos não-católicos ou cidadãos em geral! Mas ... que tipo de católicos são esses? É assustador que isso possa acontecer!

Sobre esta notícia, o Bispo Auxiliar de Los Angeles, Mons. Robert Barron, pronunciou oportunamente em declarações divulgadas pela agência católica ACI Prensa: "Todo católico formado sabe que esse é um ensinamento do Catolicismo, no qual Jesus é real, verdadeira e substancialmente presente sobre as formas de pão e vinho. É um princípio básico ", disse ele.
"Isso representa um enorme fracasso, onde todos somos culpados e em que me incluo, por parte de educadores católicos, catequistas, evangelistas, professores", afirmou. "Não consigo encontrar uma maneira de dizer 'bem', mas se sobre este tema que é central de nossa fé e prática há um profundo mal entendido substancialmente errado", exortou.

A descoberta dessa falha "deve chamar a atenção de todos nós na Igreja: sacerdotes, bispos, religiosos, leigos, catequistas, pais, todos", disse Dom Barron. "É o que acontece quando você deixa o apologético, o catequético, o intelectual ... Você percebe que 75% de nosso próprio povo não acredita no ensino central de nossa fé".


Além disso, ele expressou preocupação com a quantidade de pessoas que podem dizer " a quem interessa se as pessoas não acreditam na presença real de Cristo" desde que estejam comprometidas com a pobreza ou a justiça social ... ". (Informações da ACI Prensa, 8 de agosto de 2019).

corpus-christi.jpg

O prelado alude à oportunidade de uma formação que falta (catequese, apologética, vida intelectual) e, por outro, à necessidade de não dar argumentos para aqueles que pensam que é de interesse apenas que a Igreja se envolva em assuntos sociais; o resto seria divagações sem grande significado.

É assim! Existem católicos que pensam isso. Há teólogos que pensam assim! De fato, como o bispo diz, "algo está saindo substancialmente errado", é "um profundo mal-entendido", um "fracasso maciço".

Agora, vamos colocar o dedo na chaga e dar outro passo nessas considerações. Quem poderá garantir que uma pesquisa realizada entre católicos na Alemanha, Canadá ou Manila nas Filipinas, por exemplo, tenha um resultado muito diferente? Será que apenas nos Estados Unidos é necessário
levar os católicos a aprofundar a fé? Não estamos diante de um fenômeno generalizado?

Ao oportuno argumento de Mons. Barron sobre a importância da formação catequética e apologética, acrescentamos outra proposta para ajudar a curar esse mal: o de incentivar o culto eucarístico, promovendo a abertura de capelas de adoração perpétua nas paróquias.

Sim, porque é profundamente pedagógico para os fiéis ver que o Santíssimo Sacramento é adorado fora da Missa e, portanto, poder concluir que a presença real ... é uma realidade, já que se trata de adorá-lo.

Em rigor, não será difícil para os de fé apocada admitir que, durante a Missa, Jesus está presente no altar, mas provavelmente não acreditarão na permanência do Senhor fora da celebração. Portanto, fortalecendo sua fé, eles poderiam começar a acreditar na continuidade e permanência da presença real. Para o qual a existência de capelas de adoração, sem dúvida, colaborará.

E aquele grande número de fiéis que consideram que a Eucaristia é apenas um símbolo, ao ver que outros fazem adoração com constância e com piedade, questionados em suas crenças (ou em suas credenciais ...), se motivarão a admitir a existência de presença real. É apenas um primeiro passo; mas, precisamente, trata-se de iniciar. Isso não ocorre sem o esforço, concomitante, de uma catequese sistemática. Essas capelas são um complemento para a catequese. Elas a ilustram e motivam, desde que o Santíssimo Sacramento seja exposto em condições adequadas.

Outros fatores certamente estão na gênese dessa descrença fatal, mas por falta de espaço, vamos ficar aqui.
Pense na forte expressão do Bispo auxiliar de Los Angeles: "Isso representa um fracasso maciço" ...

Para concluir, digamos que exista uma verdade muito importante que prevalece sobre as estratégias pastorais e as medidas práticas a serem tomadas: essa regeneração não pode ser realizada sem a ajuda da graça de Deus. Naturalmente, a inteligência humana pode conceber e aceitar o mistério. Mas para mover a vontade - é disso que se trata - é necessária a fé e o amor que são dons sobrenaturais.

Oremos diante do Santíssimo Sacramento para que tantos fiéis, americanos ou não, retornem a uma fé robusta, assumindo as verdades e os compromissos que implicam professa-los.

Padre Rafael Ibarguren, Arautos do Evangelho - Conselheiro Honorário da FMOEI

 

Loading
Porcentagens assustadoras

bigstock-Eucharist-sacrament-of-commun-150024086-1180x472.jpg

Da Redação - Gaudium Press (Quinta-feira, 14-11-2019, Gaudium Press) Segundo estudo recente do Centro de Investigação Pew Research, nos Estados Unidos, 69% dos católicos nos Estados Unidos crêem que a hóstia e o vinho depois de consagrados são apenas símbolos, e não o Corpo e Sangue do Senhor.
Esta notícia foi amplamente divulgada na mídia em agosto passado. Ela é extremamente preocupante porque se trata da
negação por parte de católicos e, em larga escala, da presença real de Nosso Senhor na Eucaristia, um ensinamento central de nossa fé.

Vamos parar e refletir: sete em cada dez católicos não acreditariam na presença real de Jesus na Eucaristia, presença que se opera a partir do momento em que a transubstanciação é realizada, quando o padre consagra pão e vinho na Santa Missa! Estamos falando de católicos, não cristãos não-católicos ou cidadãos em geral! Mas ... que tipo de católicos são esses? É assustador que isso possa acontecer!

Sobre esta notícia, o Bispo Auxiliar de Los Angeles, Mons. Robert Barron, pronunciou oportunamente em declarações divulgadas pela agência católica ACI Prensa: "Todo católico formado sabe que esse é um ensinamento do Catolicismo, no qual Jesus é real, verdadeira e substancialmente presente sobre as formas de pão e vinho. É um princípio básico ", disse ele.
"Isso representa um enorme fracasso, onde todos somos culpados e em que me incluo, por parte de educadores católicos, catequistas, evangelistas, professores", afirmou. "Não consigo encontrar uma maneira de dizer 'bem', mas se sobre este tema que é central de nossa fé e prática há um profundo mal entendido substancialmente errado", exortou.

A descoberta dessa falha "deve chamar a atenção de todos nós na Igreja: sacerdotes, bispos, religiosos, leigos, catequistas, pais, todos", disse Dom Barron. "É o que acontece quando você deixa o apologético, o catequético, o intelectual ... Você percebe que 75% de nosso próprio povo não acredita no ensino central de nossa fé".


Além disso, ele expressou preocupação com a quantidade de pessoas que podem dizer " a quem interessa se as pessoas não acreditam na presença real de Cristo" desde que estejam comprometidas com a pobreza ou a justiça social ... ". (Informações da ACI Prensa, 8 de agosto de 2019).

corpus-christi.jpg

O prelado alude à oportunidade de uma formação que falta (catequese, apologética, vida intelectual) e, por outro, à necessidade de não dar argumentos para aqueles que pensam que é de interesse apenas que a Igreja se envolva em assuntos sociais; o resto seria divagações sem grande significado.

É assim! Existem católicos que pensam isso. Há teólogos que pensam assim! De fato, como o bispo diz, "algo está saindo substancialmente errado", é "um profundo mal-entendido", um "fracasso maciço".

Agora, vamos colocar o dedo na chaga e dar outro passo nessas considerações. Quem poderá garantir que uma pesquisa realizada entre católicos na Alemanha, Canadá ou Manila nas Filipinas, por exemplo, tenha um resultado muito diferente? Será que apenas nos Estados Unidos é necessário
levar os católicos a aprofundar a fé? Não estamos diante de um fenômeno generalizado?

Ao oportuno argumento de Mons. Barron sobre a importância da formação catequética e apologética, acrescentamos outra proposta para ajudar a curar esse mal: o de incentivar o culto eucarístico, promovendo a abertura de capelas de adoração perpétua nas paróquias.

Sim, porque é profundamente pedagógico para os fiéis ver que o Santíssimo Sacramento é adorado fora da Missa e, portanto, poder concluir que a presença real ... é uma realidade, já que se trata de adorá-lo.

Em rigor, não será difícil para os de fé apocada admitir que, durante a Missa, Jesus está presente no altar, mas provavelmente não acreditarão na permanência do Senhor fora da celebração. Portanto, fortalecendo sua fé, eles poderiam começar a acreditar na continuidade e permanência da presença real. Para o qual a existência de capelas de adoração, sem dúvida, colaborará.

E aquele grande número de fiéis que consideram que a Eucaristia é apenas um símbolo, ao ver que outros fazem adoração com constância e com piedade, questionados em suas crenças (ou em suas credenciais ...), se motivarão a admitir a existência de presença real. É apenas um primeiro passo; mas, precisamente, trata-se de iniciar. Isso não ocorre sem o esforço, concomitante, de uma catequese sistemática. Essas capelas são um complemento para a catequese. Elas a ilustram e motivam, desde que o Santíssimo Sacramento seja exposto em condições adequadas.

Outros fatores certamente estão na gênese dessa descrença fatal, mas por falta de espaço, vamos ficar aqui.
Pense na forte expressão do Bispo auxiliar de Los Angeles: "Isso representa um fracasso maciço" ...

Para concluir, digamos que exista uma verdade muito importante que prevalece sobre as estratégias pastorais e as medidas práticas a serem tomadas: essa regeneração não pode ser realizada sem a ajuda da graça de Deus. Naturalmente, a inteligência humana pode conceber e aceitar o mistério. Mas para mover a vontade - é disso que se trata - é necessária a fé e o amor que são dons sobrenaturais.

Oremos diante do Santíssimo Sacramento para que tantos fiéis, americanos ou não, retornem a uma fé robusta, assumindo as verdades e os compromissos que implicam professa-los.

Padre Rafael Ibarguren, Arautos do Evangelho - Conselheiro Honorário da FMOEI

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/106152-Porcentagens-assustadoras. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O monumental presépio é um dos maiores de Andaluzia, ganhando ano após ano mais fama e presença. ...
 
O problema do sofrimento não está tanto no que o ocasiona, mas no modo como é suportado. Ele exis ...
 
Apesar de ser uma apresentação gratuita, os espectadores são convidados a doarem ao menos um quil ...
 
A neve nos fala da inocência sem mancha, da beleza virginal e pura que tem o condão de encantar os ...
 
Podemos correr o risco de fazer a festa sem a presença do festejado e o que Ele é e significa para ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading