Loading
 
 
 
Loading
 
O Matrimônio: Uma instituição duplamente santa
Loading
 
25 de Novembro de 2019 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Segunda-feira, 25-11-2019, Gaudium Press) No matrimônio, a graça santifica e torna fiel o vínculo entre os nubentes, permanecendo sobre eles até o fim da vida. Duas vezes honrado por Deus, na criação e na Redenção, ele se impõe aos homens como a dizer: "Não o toqueis, é uma coisa santa".

O Matrimônio- Uma instituição duplamente santa.FotoA Sagrada Família ? Mosteiro da Anunciação.jpg

Ao criar o homem e a mulher à sua imagem e semelhança, Deus lhes deu um objetivo bem definido: "Frutificai, disse Ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei- -a" (Gn 1, 28). Tornava-os, assim, seus colaboradores na tarefa de transmitir a vida e propagar a espécie humana, e confiava-lhes a missão de reger e governar tudo o que havia feito.

Este encargo de crescer e multiplicar-se tinha muitos desdobramentos, entre os quais o dever de educar e formar os filhos segundo a Lei de Deus. No pensamento divino, porém, havia uma intenção ainda mais elevada: a instituição do Sacramento do Matrimônio, como símbolo da união de Jesus Cristo com a Igreja, sua Esposa "toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível" (Ef 5, 27).

Tal é o sublime parâmetro estabelecido pelo Altíssimo para a união conjugal em todos os tempos, uma instituição duplamente santa.

O pecado do primeiro casal

Pelo pecado original, entretanto, nossos primeiros pais insurgiram-se contra tão elevado desígnio, pois, seduzida pelo demônio, Eva, que deveria completar o esposo em santa união, pecou e serviu de instrumento para arrastar Adão na queda.

Como foi possível acontecer isto no Paraíso?

Mons. João Scognamiglio Clá Dias (1) o esclarece em seu mais recente livro sobre São José, esposo santo arquetípico. Explica ele que o pecado original foi precedido pela ação exercida por muitos demônios sobre Adão e Eva, visando desequilibrar o reto relacionamento existente entre ambos.

A mulher era chamada a representar a grandeza encantadora de Deus, enquanto o varão devia manifestar a soberania e majestade do Altíssimo, atributos próprios a causar mais temor do que atrativo.

Ora, cedendo às insinuações diabólicas, Adão tendia, no convívio diário, a deslumbrar-se com Eva mais pelo afeto humano que esta lhe tributava do que pelos aspectos que a assemelhavam ao Criador. E algo análogo deu-se no coração dela, ou seja, Deus deixou de ser o centro em torno do qual giravam suas aspirações.

"Ao seduzir Eva, a serpente causou-lhe confusão na mente e, por fim, orgulho na alma.

Quando ela comeu o fruto proibido, sentiu em si os deletérios efeitos do pecado e, ao apresentá-lo a Adão, este percebeu a terrível mudança ocorrida em sua esposa. Eva, por inveja do estado inocente em que ele estava e para não ficar sozinha em sua falta, convenceu-o a comer o fruto.

Adão compreendeu o que perderia se consentisse, mas vacilou entre obedecer a Deus ou agradar sua esposa, acabando por ceder às instâncias desta, pela pouca experiência que tinha da severidade de Deus".(2)

Maria e José, exemplo do matrimônio perfeito

"Em sentido diametralmente oposto, São José e Nossa Senhora, por sua virtude e fidelidade, viveram na mais completa harmonia, mostrando a ordem perfeita do matrimônio quando marcado pela santidade.

Apesar de terem sido tentados pelos mesmos demônios que assaltaram Adão e Eva, eles resistiram com total integridade, não permitindo sequer a menor concessão.

Assim, de certa forma São José tornou-se um novo Adão pelo fato de haver convivido com Maria, a nova Eva, num equilíbrio feito de pureza e retidão.

Em consequência, ao Santo Casal foram concedidos dons e graças ainda maiores que os primeiros pais obteriam se passassem bem pela prova.

"Por sua submissão a São José, Nossa Senhora, apesar de ser superior a ele, reparou o orgulho de Eva. E São José, elevado ao encargo de chefe da Sagrada Família, embora admirasse a grandeza de Nossa Senhora teve de governá-La, reparando a fraqueza de Adão.

"Desse modo, na união esponsal entre Maria e José, toda ela virginal e castíssima, é reparada com superabundância a defecção de Adão e Eva, pois no extremo oposto àquela desobediência está a docilidade plena à vontade de Deus dos imaculados cônjuges.

Em seu afeto cheio de pureza e de mútua entrega, isento, portanto, de qualquer sombra de egoísmo, eles prepararam de forma excelente o advento de Nosso Senhor, que em sua infinita afeição pela Igreja daria por ela todo o seu Sangue no alto da Cruz, selando com sua Esposa Mística uma aliança eterna de fidelidade (cf. Ap 19, 7-9)". (3)

(Continua.)


Por Padre Aumir Antônio Scomparin, EP

........................................................................

1- Cf. CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. São José: quem o conhece?... São Paulo: Lumen Sapientiæ, 2017, p.93-94.

2- Idem, p.92-93.

3- Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. Suppl., q.44, a.2.

 

 

 

Loading
O Matrimônio: Uma instituição duplamente santa

Redação (Segunda-feira, 25-11-2019, Gaudium Press) No matrimônio, a graça santifica e torna fiel o vínculo entre os nubentes, permanecendo sobre eles até o fim da vida. Duas vezes honrado por Deus, na criação e na Redenção, ele se impõe aos homens como a dizer: "Não o toqueis, é uma coisa santa".

O Matrimônio- Uma instituição duplamente santa.FotoA Sagrada Família ? Mosteiro da Anunciação.jpg

Ao criar o homem e a mulher à sua imagem e semelhança, Deus lhes deu um objetivo bem definido: "Frutificai, disse Ele, e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei- -a" (Gn 1, 28). Tornava-os, assim, seus colaboradores na tarefa de transmitir a vida e propagar a espécie humana, e confiava-lhes a missão de reger e governar tudo o que havia feito.

Este encargo de crescer e multiplicar-se tinha muitos desdobramentos, entre os quais o dever de educar e formar os filhos segundo a Lei de Deus. No pensamento divino, porém, havia uma intenção ainda mais elevada: a instituição do Sacramento do Matrimônio, como símbolo da união de Jesus Cristo com a Igreja, sua Esposa "toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível" (Ef 5, 27).

Tal é o sublime parâmetro estabelecido pelo Altíssimo para a união conjugal em todos os tempos, uma instituição duplamente santa.

O pecado do primeiro casal

Pelo pecado original, entretanto, nossos primeiros pais insurgiram-se contra tão elevado desígnio, pois, seduzida pelo demônio, Eva, que deveria completar o esposo em santa união, pecou e serviu de instrumento para arrastar Adão na queda.

Como foi possível acontecer isto no Paraíso?

Mons. João Scognamiglio Clá Dias (1) o esclarece em seu mais recente livro sobre São José, esposo santo arquetípico. Explica ele que o pecado original foi precedido pela ação exercida por muitos demônios sobre Adão e Eva, visando desequilibrar o reto relacionamento existente entre ambos.

A mulher era chamada a representar a grandeza encantadora de Deus, enquanto o varão devia manifestar a soberania e majestade do Altíssimo, atributos próprios a causar mais temor do que atrativo.

Ora, cedendo às insinuações diabólicas, Adão tendia, no convívio diário, a deslumbrar-se com Eva mais pelo afeto humano que esta lhe tributava do que pelos aspectos que a assemelhavam ao Criador. E algo análogo deu-se no coração dela, ou seja, Deus deixou de ser o centro em torno do qual giravam suas aspirações.

"Ao seduzir Eva, a serpente causou-lhe confusão na mente e, por fim, orgulho na alma.

Quando ela comeu o fruto proibido, sentiu em si os deletérios efeitos do pecado e, ao apresentá-lo a Adão, este percebeu a terrível mudança ocorrida em sua esposa. Eva, por inveja do estado inocente em que ele estava e para não ficar sozinha em sua falta, convenceu-o a comer o fruto.

Adão compreendeu o que perderia se consentisse, mas vacilou entre obedecer a Deus ou agradar sua esposa, acabando por ceder às instâncias desta, pela pouca experiência que tinha da severidade de Deus".(2)

Maria e José, exemplo do matrimônio perfeito

"Em sentido diametralmente oposto, São José e Nossa Senhora, por sua virtude e fidelidade, viveram na mais completa harmonia, mostrando a ordem perfeita do matrimônio quando marcado pela santidade.

Apesar de terem sido tentados pelos mesmos demônios que assaltaram Adão e Eva, eles resistiram com total integridade, não permitindo sequer a menor concessão.

Assim, de certa forma São José tornou-se um novo Adão pelo fato de haver convivido com Maria, a nova Eva, num equilíbrio feito de pureza e retidão.

Em consequência, ao Santo Casal foram concedidos dons e graças ainda maiores que os primeiros pais obteriam se passassem bem pela prova.

"Por sua submissão a São José, Nossa Senhora, apesar de ser superior a ele, reparou o orgulho de Eva. E São José, elevado ao encargo de chefe da Sagrada Família, embora admirasse a grandeza de Nossa Senhora teve de governá-La, reparando a fraqueza de Adão.

"Desse modo, na união esponsal entre Maria e José, toda ela virginal e castíssima, é reparada com superabundância a defecção de Adão e Eva, pois no extremo oposto àquela desobediência está a docilidade plena à vontade de Deus dos imaculados cônjuges.

Em seu afeto cheio de pureza e de mútua entrega, isento, portanto, de qualquer sombra de egoísmo, eles prepararam de forma excelente o advento de Nosso Senhor, que em sua infinita afeição pela Igreja daria por ela todo o seu Sangue no alto da Cruz, selando com sua Esposa Mística uma aliança eterna de fidelidade (cf. Ap 19, 7-9)". (3)

(Continua.)


Por Padre Aumir Antônio Scomparin, EP

........................................................................

1- Cf. CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. São José: quem o conhece?... São Paulo: Lumen Sapientiæ, 2017, p.93-94.

2- Idem, p.92-93.

3- Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. Suppl., q.44, a.2.

 

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/106277--O-Matrimonio--Uma-instituicao-duplamente-santa. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Ano Jubilar Mariano ocorre por ocasião dos 400 anos do encontro da sagrada imagem de Nossa Senhor ...
 
As velas acesas do Advento simbolizam nossa fé, nossa alegria, nossa esperança que não decepciona ...
 
O acontecimento ocorrerá em todas as Dioceses da nação latino-americana no próximo domingo, 08 d ...
 
O Ministério Público estadual e federal da Austrália impôs uma medida que visa obrigar os sacerd ...
 
Dom Thomas Olmsted, Bispo de Phoenix, Arizona, concedeu uma entrevista por ocasião dos 50 anos de s ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading