Loading
 
 
 
Loading
 
Santa Inês, virgem e mártir – 21 de janeiro
Loading
 
21 de Janeiro de 2020 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Terça-feira, 21-01-2020, Gaudium Press) Segundo velhos atos, voltava da escola, quando o filho do prefeito de Roma dela se enamorou.

Santa Inês, virgem e mártir ? 21 de janeiro .Gaauidium Pressjpg.jpg
Não tinha Santa Inês mais do que doze ou treze anos,
quando sofreu o martírio.
Foto: Arquivo Gaudium Press

Após informar-se acerca dos pais da jovem, ofereceu-lhe vestidos mais esplendidos, valiosas pedrarias, e prometeu-lhe outras coisas, riqueza, casas, todas as delícias do mundo, no caso dela consentir em desposá-lo.

Inês repeliu com desprezo os presentes, e disse ao jovem que estava noiva de um varão muito mais nobre que ele, o qual já lhe dera presentes muito mais inestimáveis.

O filho do prefeito, desesperado, caiu doente. Os médicos descobriram a causa do mal e advertiram o pai, o prefeito Sinfrônio, que mandou renovar à virgem as ofertas e os pedidos.

Respondeu-lhe Inês que nunca faltaria ao compromisso com o noivo.

Achou o prefeito bastante estranho que houvesse outro preferido e tratou de indagar quem seria.

Um dos seus parasitas disse-lhe, então, que a jovem era cristã desde a infância, e que, enfeitiçada por artes mágicas, chamava a Cristo seu esposo.

Radiante com o descobrimento, mandou o prefeito a conduzissem, com aparato, ao seu tribunal.

Inês foi igualmente insensível às lisonjas e às ameaças.

 

 

Chamou o prefeito os pais da jovem, e não podendo maltratá-los, por serem nobres, apresentou a acusação do cristianismo.

 

No dia seguinte, pois, em seguida a novos e inúteis esforços para a persuadir, disse-lhe:

"- É a superstição dos cristãos, de quem te gabas de conhecer as artes mágicas, que te impede seguir bons conselhos. É preciso, portanto, que vás imediatamente para a deusa Vesta, a fim de que, se te apraz a virgindade perpétua, cuides noite e dia dos seus augustos sacrifícios."

Respondeu a santa:

"- Se, por amor a Cristo, recusei vosso filho o qual, embora torturado por um amor sem regra, não deixa de ser homem vivo, capaz de raciocinar e de sentir, como poderei, ultrajando o Deus supremo, adorar ídolos mudos, surdos, insensíveis, inanimados, pedras inúteis numa palavra."

Retrucou o prefeito:

"Escolhe de duas uma: ou sacrificarás à deusa Vesta com as suas virgens, ou te prostituirás, num péssimo lugar, com as filhas de má vida."

E disse-lhe Inês com segurança:

" Se soubésseis qual é o meu Deus, não falaríeis dessa maneira. Eu, que sei qual a força de meu Senhor Jesus Cristo, desprezo as vossas ameaças, certa de que me não poluirão as impurezas alheias, como não sacrificarei aos vossos ídolos; tenho comigo, como guarda do meu corpo, o anjo do Senhor."

Com efeito, tendo sido levada a um antro de prostituição, lá se lhe deparou a anjo do Senhor, que a circundou de uma luz tão esplendorosa que ninguém a podia ver.

Tendo começado a orar, percebeu na sua frente uma túnica branca com a qual se cobriu, abençoando a Deus.

O lugar de infâmia tornou-se, assim, lugar de prece e piedade.

Quem quer que lá entrasse, sentia-se tocado por um aspecto religioso à vista daquela luz inesperada, e saía mais puro do que quando entrava. O filho do prefeito, chamando a todos de covardes, atirou-se ao meio da luz, mas caiu cegado e até, segundo os atos, sem vida.

Um dos seus companheiros, ao vê-lo morto, pôs-se a gritar:

"Socorro! Uma prostituta, por artes mágicas, matou o filho do prefeito!"

O povo atirou-se ao recinto, gritando:

- "É uma feiticeira! - É inocente! - É um sacrilégio!"

O prefeito, sabedor da morte do filho, acorreu precipitadamente, aflito, dizendo à santa que era a mais cruel dentre todas as mulheres, e perguntando-lhe de que modo havia matado o filho.

Respondeu ela que o rapaz fora sufocado pelo impuro demônio cujos desígnios tratava de levar a efeito.

Era manifesta a prova, pois os que haviam respeitado a luminosa presença do anjo, tinha saído são e salvos.

O prefeito respondeu-lhe que acreditaria nas suas palavras, se ela rogasse ao anjo devolver-lhe o filho.

"Se bem que o não mereça a vossa fé, retrucou a jovem, sendo tempo de manifestar-se o poder de meu Senhor Jesus Cristo, saí todos, para que eu lhe ofereça a prece habitual."

Saíram todos, e ela se prosternou, e rogou ao Senhor, com lágrimas, que ressuscitasse o jovem.

O anjo, aparecendo, devolveu-lhe a vida. O jovem começou a bradar:

"Só há um Deus no céu e na terra, e é o Deus dos cristãos."

Àquelas palavras, todos os arúspices e pontífices dos templos estremeceram, e instigaram o povo à sedição.

Todos gritam: "Abaixo a feiticeira, que muda opiniões e transtorna!"

O prefeito diante de tão grandes maravilhas, ficou estupefato. Mas temia a proscrição, no caso de agir contra os pontífices e defender Inês contra a sua própria sentença.

Assim, tristemente, deixando no seu lugar o substituto, afastou-se.

O substituto, chamado Aspásio, mandando que se acendesse uma grande fogueira, a ela atirou a santa.

Mas as chamas, afastando-se para um lado e outro, queimaram vários dos espectadores.

Inês, de braços estendidos, abençoava a Deus pelas suas maravilhas, quando o fogo se apagou de súbito.

Os pagãos mais ainda bradavam contra a feitiçaria.

O substituto, não encontrando outro meio para apaziguar os ânimos enfurecidos, deixou que a santa morresse pelo gládio. (ARM)


Por Padre Rohrbacher
(in "Vida dos Santos", Volume II, p. 73 à 77)

 

Loading
Santa Inês, virgem e mártir – 21 de janeiro

Redação (Terça-feira, 21-01-2020, Gaudium Press) Segundo velhos atos, voltava da escola, quando o filho do prefeito de Roma dela se enamorou.

Santa Inês, virgem e mártir ? 21 de janeiro .Gaauidium Pressjpg.jpg
Não tinha Santa Inês mais do que doze ou treze anos,
quando sofreu o martírio.
Foto: Arquivo Gaudium Press

Após informar-se acerca dos pais da jovem, ofereceu-lhe vestidos mais esplendidos, valiosas pedrarias, e prometeu-lhe outras coisas, riqueza, casas, todas as delícias do mundo, no caso dela consentir em desposá-lo.

Inês repeliu com desprezo os presentes, e disse ao jovem que estava noiva de um varão muito mais nobre que ele, o qual já lhe dera presentes muito mais inestimáveis.

O filho do prefeito, desesperado, caiu doente. Os médicos descobriram a causa do mal e advertiram o pai, o prefeito Sinfrônio, que mandou renovar à virgem as ofertas e os pedidos.

Respondeu-lhe Inês que nunca faltaria ao compromisso com o noivo.

Achou o prefeito bastante estranho que houvesse outro preferido e tratou de indagar quem seria.

Um dos seus parasitas disse-lhe, então, que a jovem era cristã desde a infância, e que, enfeitiçada por artes mágicas, chamava a Cristo seu esposo.

Radiante com o descobrimento, mandou o prefeito a conduzissem, com aparato, ao seu tribunal.

Inês foi igualmente insensível às lisonjas e às ameaças.

 

 

Chamou o prefeito os pais da jovem, e não podendo maltratá-los, por serem nobres, apresentou a acusação do cristianismo.

 

No dia seguinte, pois, em seguida a novos e inúteis esforços para a persuadir, disse-lhe:

"- É a superstição dos cristãos, de quem te gabas de conhecer as artes mágicas, que te impede seguir bons conselhos. É preciso, portanto, que vás imediatamente para a deusa Vesta, a fim de que, se te apraz a virgindade perpétua, cuides noite e dia dos seus augustos sacrifícios."

Respondeu a santa:

"- Se, por amor a Cristo, recusei vosso filho o qual, embora torturado por um amor sem regra, não deixa de ser homem vivo, capaz de raciocinar e de sentir, como poderei, ultrajando o Deus supremo, adorar ídolos mudos, surdos, insensíveis, inanimados, pedras inúteis numa palavra."

Retrucou o prefeito:

"Escolhe de duas uma: ou sacrificarás à deusa Vesta com as suas virgens, ou te prostituirás, num péssimo lugar, com as filhas de má vida."

E disse-lhe Inês com segurança:

" Se soubésseis qual é o meu Deus, não falaríeis dessa maneira. Eu, que sei qual a força de meu Senhor Jesus Cristo, desprezo as vossas ameaças, certa de que me não poluirão as impurezas alheias, como não sacrificarei aos vossos ídolos; tenho comigo, como guarda do meu corpo, o anjo do Senhor."

Com efeito, tendo sido levada a um antro de prostituição, lá se lhe deparou a anjo do Senhor, que a circundou de uma luz tão esplendorosa que ninguém a podia ver.

Tendo começado a orar, percebeu na sua frente uma túnica branca com a qual se cobriu, abençoando a Deus.

O lugar de infâmia tornou-se, assim, lugar de prece e piedade.

Quem quer que lá entrasse, sentia-se tocado por um aspecto religioso à vista daquela luz inesperada, e saía mais puro do que quando entrava. O filho do prefeito, chamando a todos de covardes, atirou-se ao meio da luz, mas caiu cegado e até, segundo os atos, sem vida.

Um dos seus companheiros, ao vê-lo morto, pôs-se a gritar:

"Socorro! Uma prostituta, por artes mágicas, matou o filho do prefeito!"

O povo atirou-se ao recinto, gritando:

- "É uma feiticeira! - É inocente! - É um sacrilégio!"

O prefeito, sabedor da morte do filho, acorreu precipitadamente, aflito, dizendo à santa que era a mais cruel dentre todas as mulheres, e perguntando-lhe de que modo havia matado o filho.

Respondeu ela que o rapaz fora sufocado pelo impuro demônio cujos desígnios tratava de levar a efeito.

Era manifesta a prova, pois os que haviam respeitado a luminosa presença do anjo, tinha saído são e salvos.

O prefeito respondeu-lhe que acreditaria nas suas palavras, se ela rogasse ao anjo devolver-lhe o filho.

"Se bem que o não mereça a vossa fé, retrucou a jovem, sendo tempo de manifestar-se o poder de meu Senhor Jesus Cristo, saí todos, para que eu lhe ofereça a prece habitual."

Saíram todos, e ela se prosternou, e rogou ao Senhor, com lágrimas, que ressuscitasse o jovem.

O anjo, aparecendo, devolveu-lhe a vida. O jovem começou a bradar:

"Só há um Deus no céu e na terra, e é o Deus dos cristãos."

Àquelas palavras, todos os arúspices e pontífices dos templos estremeceram, e instigaram o povo à sedição.

Todos gritam: "Abaixo a feiticeira, que muda opiniões e transtorna!"

O prefeito diante de tão grandes maravilhas, ficou estupefato. Mas temia a proscrição, no caso de agir contra os pontífices e defender Inês contra a sua própria sentença.

Assim, tristemente, deixando no seu lugar o substituto, afastou-se.

O substituto, chamado Aspásio, mandando que se acendesse uma grande fogueira, a ela atirou a santa.

Mas as chamas, afastando-se para um lado e outro, queimaram vários dos espectadores.

Inês, de braços estendidos, abençoava a Deus pelas suas maravilhas, quando o fogo se apagou de súbito.

Os pagãos mais ainda bradavam contra a feitiçaria.

O substituto, não encontrando outro meio para apaziguar os ânimos enfurecidos, deixou que a santa morresse pelo gládio. (ARM)


Por Padre Rohrbacher
(in "Vida dos Santos", Volume II, p. 73 à 77)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/107185--Santa-Ines--virgem-e-martir--ndash--21-de-janeiro. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

"Que Salesianos para os jovens de hoje?" é o tema do 28º Capítulo Geral dos Salesianos, iniciado ...
 
O Instituto S. João de Deus recusará praticar a eutanásia em todas as suas unidades. ...
 
A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe no México acolherá os eventos centrais desta edição do ...
 
De 16 de fevereiro de 2020 a 16 de fevereiro de 2021 será o Ano Jubilar da Província Eclesiástica ...
 
Em 2022 se celebrará o centenário dos Camilianos no Brasil e os religiosos já estão com uma gran ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading