Loading
 
 
 
Loading
 
Perseguição religiosa: China despeja Bispo e fecha cinco paróquias
Loading
 
21 de Janeiro de 2020 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Pequim - China (Terça-feira, 21-01-2020, Gaudium Press) As autoridades chinesas alegam que o despejo do monsenhor Vicenzo Gua Yijin da cúria diocesana e a expulsão de padres respondem a razões de "segurança contra incêndios" nos edifícios, mas os afetados relatam que é uma "perseguição" por se recusar a assinar a adesão à Igreja "independente".

Perseguição religiosa- China despeja Bispo e fecha cinco paróquias-Foto Arquivo Gaudium.jpg
Na China, existe a Associação Patriótica Católica, controlada pelo governo;
e a Igreja Católica clandestina,que é perseguida.
Foto:Arquivo Gaudium Press

 

Bispo é despejado

Depois de cortar a água e a eletricidade para acelerar o processo, o ex-bispo de Mindong (China), monsenhor Vincenzo Guo Xijin, foi despejado de sua casa junto com os padres que moravam lá.

Conforme relatado pela agência Asia News, o despejo é devido a razões de segurança. Uma placa em frente ao local explica que o prédio - construído com todas as licenças há mais de 10 anos - não cumpre os regulamentos de incêndio e, portanto, deve ser fechado.

Na verdade, a agência afirma que "a operação policial é um gesto de pressão e raiva contra o bispo e seus padres que se recusam a assinar a adesão à Igreja 'independente'".

O Asia News observa que o monsenhor Guo Xijin é uma "vítima" do acordo entre a China e o Vaticano que fez da diocese de Mindong uma espécie de "projeto piloto" para a aplicação do acordo.

Igreja "Católica" fiel ao Comunismo e Igreja Católica

Na China, existe a Associação Patriótica Católica Chinesa, controlada pelo governo; e a Igreja clandestina, subterrânea ou não oficial, que permaneceu fiel à Santa Sé.

Na prática, o padre Bernardo Cervellera, especialista na Igreja Católica na China e editor da agência de notícias Asia News, disse em 2019, em vez de uma "reconciliação" entre a Associação Patriótica e a igreja subterrânea ou subterrânea, com o acordo provisório entre a China e o Vaticano para a nomeação de bispos "há uma grande pressão sobre a comunidade clandestina, com uma forte interferência na vida da Igreja".

Após o acordo e a eliminação da excomunhão do bispo oficial Vincenzo Zhan Silu, a pedido do Papa Francisco, Monsenhor Guo concordou em deixar de ser o comum de Mindong para se tornar assistente de Zhan. No entanto, ao se recusar a assinar a adesão à Igreja "independente", ele não foi reconhecido pelo governo e agora "foi degradado para sem-teto e migrante", lamenta o Asia News.

Mesmo destino para muitos

O mesmo destino para muitos padres que se recusam a assinar: nos últimos dias, pelo menos cinco paróquias foram fechadas por razões de "segurança contra incêndio".

Entre eles, há duas grandes paróquias: a de Fuan, com mais de 10.000 fiéis, e a de Saiqi, com cerca de 3.000 fiéis.

O pároco de Fuan, padre Liu Guangpin, 71, é um dos que reconstruiu a vida da Igreja após as perseguições maoístas. Agora ele foi despejado e não tem lugar para comemorar, mas permanece em Fuan.

Por outro lado, o pároco de Saiqi, padre Huang Jintong, 50, foi expulso da cidade.

Além disso, em Saiqi e perto da paróquia, em 13 de janeiro, o governo fechou um lar para idosos administrado por 20 anos pelas Irmãzinhas da Misericórdia e Caridade, onde havia cerca de 30 pessoas, muitas das quais ficaram desabrigadas.

Outra paróquia fechada, supostamente por não cumprir os regulamentos de incêndio, foi a de Suanfeng, onde a polícia despejou o pároco que não assinou a adesão à Igreja "independente", fechando a igreja.

Pouco tempo depois, o bispo oficial, ligado aos comunistas, Zhan Silu nomeou um pároco que assinou o documento e reabriu o templo sem modificações ou reestruturações.

Para alguns fiéis de Fuan, observa o Asia News, o bispo Zhan Silu não defende a liberdade da Igreja e "parece mais um político do que um pastor".

O Escritório de Assuntos Religiosos, que administra as atividades das religiões e da Igreja, está determinado a erradicar todos os padres que não se submetem e que não respeitam mais a autoridade episcopal de Dom Zhan Silu, que, segundo alguns fiéis locais, teria mantido em reserva as operações contra Monsenhor Guo e vários pastores.

Ameaça

A Frente Unida quer forçar padres reticentes, ameaçando expulsá-los de suas casas ou fazer com que seus familiares percam seus empregos.

Pelo menos 20 dos 57 padres da diocese não querem assinar a adesão à Igreja "independente".

Eles dizem que a iniciativa "é apenas o começo de uma maior perseguição e controle", que tende a tornar os padres "funcionários do Partido Comunista", concordando em não evangelizar jovens com menos de 18 anos e submeta qualquer iniciativa de evangelização à supremacia do Partido Comunista.

Hora de acordar do sonho ou do pesadelo?


Alguns padres, observa o Asia News, falam de "muita leveza" da Santa Sé aderindo ao acordo.

"Está na hora da Secretaria de Estado do Vaticano acordar do sonho", dizem eles, "e reconhecer que ele estava errado, caso contrário, ele se torna cúmplice nessa situação", dizem eles.

Em 22 de setembro de 2018, o Vaticano anunciou a assinatura do acordo provisório com a China para a nomeação de bispos.

Alguns manifestaram sua oposição ao acordo, como o bispo emérito de Hong Kong, cardeal Joseph Zen Ze kiun, que em um artigo publicado no New York Times escreveu:

"Aos bispos e padres clandestinos (fiéis) da China, só posso dizer isso:
Por favor, não comece uma revolução. Eles (as autoridades) tomam suas igrejas? Você não pode mais comemorar? Vá para casa e ore com sua família (...) Espere melhores tempos. Volte para as catacumbas. O comunismo não é eterno. "

Em 26 de setembro de 2018, o pontífice enviou uma mensagem aos católicos da China e à Igreja universal, na qual solicitou "gestos concretos e visíveis" aos bispos a quem ele excomungou. (ARM)


(-Com informações AICA)

 

Loading
Perseguição religiosa: China despeja Bispo e fecha cinco paróquias

Pequim - China (Terça-feira, 21-01-2020, Gaudium Press) As autoridades chinesas alegam que o despejo do monsenhor Vicenzo Gua Yijin da cúria diocesana e a expulsão de padres respondem a razões de "segurança contra incêndios" nos edifícios, mas os afetados relatam que é uma "perseguição" por se recusar a assinar a adesão à Igreja "independente".

Perseguição religiosa- China despeja Bispo e fecha cinco paróquias-Foto Arquivo Gaudium.jpg
Na China, existe a Associação Patriótica Católica, controlada pelo governo;
e a Igreja Católica clandestina,que é perseguida.
Foto:Arquivo Gaudium Press

 

Bispo é despejado

Depois de cortar a água e a eletricidade para acelerar o processo, o ex-bispo de Mindong (China), monsenhor Vincenzo Guo Xijin, foi despejado de sua casa junto com os padres que moravam lá.

Conforme relatado pela agência Asia News, o despejo é devido a razões de segurança. Uma placa em frente ao local explica que o prédio - construído com todas as licenças há mais de 10 anos - não cumpre os regulamentos de incêndio e, portanto, deve ser fechado.

Na verdade, a agência afirma que "a operação policial é um gesto de pressão e raiva contra o bispo e seus padres que se recusam a assinar a adesão à Igreja 'independente'".

O Asia News observa que o monsenhor Guo Xijin é uma "vítima" do acordo entre a China e o Vaticano que fez da diocese de Mindong uma espécie de "projeto piloto" para a aplicação do acordo.

Igreja "Católica" fiel ao Comunismo e Igreja Católica

Na China, existe a Associação Patriótica Católica Chinesa, controlada pelo governo; e a Igreja clandestina, subterrânea ou não oficial, que permaneceu fiel à Santa Sé.

Na prática, o padre Bernardo Cervellera, especialista na Igreja Católica na China e editor da agência de notícias Asia News, disse em 2019, em vez de uma "reconciliação" entre a Associação Patriótica e a igreja subterrânea ou subterrânea, com o acordo provisório entre a China e o Vaticano para a nomeação de bispos "há uma grande pressão sobre a comunidade clandestina, com uma forte interferência na vida da Igreja".

Após o acordo e a eliminação da excomunhão do bispo oficial Vincenzo Zhan Silu, a pedido do Papa Francisco, Monsenhor Guo concordou em deixar de ser o comum de Mindong para se tornar assistente de Zhan. No entanto, ao se recusar a assinar a adesão à Igreja "independente", ele não foi reconhecido pelo governo e agora "foi degradado para sem-teto e migrante", lamenta o Asia News.

Mesmo destino para muitos

O mesmo destino para muitos padres que se recusam a assinar: nos últimos dias, pelo menos cinco paróquias foram fechadas por razões de "segurança contra incêndio".

Entre eles, há duas grandes paróquias: a de Fuan, com mais de 10.000 fiéis, e a de Saiqi, com cerca de 3.000 fiéis.

O pároco de Fuan, padre Liu Guangpin, 71, é um dos que reconstruiu a vida da Igreja após as perseguições maoístas. Agora ele foi despejado e não tem lugar para comemorar, mas permanece em Fuan.

Por outro lado, o pároco de Saiqi, padre Huang Jintong, 50, foi expulso da cidade.

Além disso, em Saiqi e perto da paróquia, em 13 de janeiro, o governo fechou um lar para idosos administrado por 20 anos pelas Irmãzinhas da Misericórdia e Caridade, onde havia cerca de 30 pessoas, muitas das quais ficaram desabrigadas.

Outra paróquia fechada, supostamente por não cumprir os regulamentos de incêndio, foi a de Suanfeng, onde a polícia despejou o pároco que não assinou a adesão à Igreja "independente", fechando a igreja.

Pouco tempo depois, o bispo oficial, ligado aos comunistas, Zhan Silu nomeou um pároco que assinou o documento e reabriu o templo sem modificações ou reestruturações.

Para alguns fiéis de Fuan, observa o Asia News, o bispo Zhan Silu não defende a liberdade da Igreja e "parece mais um político do que um pastor".

O Escritório de Assuntos Religiosos, que administra as atividades das religiões e da Igreja, está determinado a erradicar todos os padres que não se submetem e que não respeitam mais a autoridade episcopal de Dom Zhan Silu, que, segundo alguns fiéis locais, teria mantido em reserva as operações contra Monsenhor Guo e vários pastores.

Ameaça

A Frente Unida quer forçar padres reticentes, ameaçando expulsá-los de suas casas ou fazer com que seus familiares percam seus empregos.

Pelo menos 20 dos 57 padres da diocese não querem assinar a adesão à Igreja "independente".

Eles dizem que a iniciativa "é apenas o começo de uma maior perseguição e controle", que tende a tornar os padres "funcionários do Partido Comunista", concordando em não evangelizar jovens com menos de 18 anos e submeta qualquer iniciativa de evangelização à supremacia do Partido Comunista.

Hora de acordar do sonho ou do pesadelo?


Alguns padres, observa o Asia News, falam de "muita leveza" da Santa Sé aderindo ao acordo.

"Está na hora da Secretaria de Estado do Vaticano acordar do sonho", dizem eles, "e reconhecer que ele estava errado, caso contrário, ele se torna cúmplice nessa situação", dizem eles.

Em 22 de setembro de 2018, o Vaticano anunciou a assinatura do acordo provisório com a China para a nomeação de bispos.

Alguns manifestaram sua oposição ao acordo, como o bispo emérito de Hong Kong, cardeal Joseph Zen Ze kiun, que em um artigo publicado no New York Times escreveu:

"Aos bispos e padres clandestinos (fiéis) da China, só posso dizer isso:
Por favor, não comece uma revolução. Eles (as autoridades) tomam suas igrejas? Você não pode mais comemorar? Vá para casa e ore com sua família (...) Espere melhores tempos. Volte para as catacumbas. O comunismo não é eterno. "

Em 26 de setembro de 2018, o pontífice enviou uma mensagem aos católicos da China e à Igreja universal, na qual solicitou "gestos concretos e visíveis" aos bispos a quem ele excomungou. (ARM)


(-Com informações AICA)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/107189-Perseguicao-religiosa--China-despeja-Bispo-e-fecha-cinco-paroquias. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

"Que Salesianos para os jovens de hoje?" é o tema do 28º Capítulo Geral dos Salesianos, iniciado ...
 
O Instituto S. João de Deus recusará praticar a eutanásia em todas as suas unidades. ...
 
A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe no México acolherá os eventos centrais desta edição do ...
 
De 16 de fevereiro de 2020 a 16 de fevereiro de 2021 será o Ano Jubilar da Província Eclesiástica ...
 
Em 2022 se celebrará o centenário dos Camilianos no Brasil e os religiosos já estão com uma gran ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading