Loading
 
 
 
Loading
 
Vaticano lembra o septuagenário da morte de Pio XI
Loading
 
13 de Fevereiro de 2009 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Terça, 10-02-2009, Gaudium Press) Há precisos 70 anos, falecia aquele que é considerado um papa pioneiro no uso da tecnologia disponível para a divulgação da mensagem da Igreja: Pio XI. Se hoje o Vaticano lança mão de canais no YouTube e de site próprio para levar adiante as ações pontificais, passo importante para tanto fora dado por Pio XI. O predicado não é à toa, já que foi ele quem fundou, em parceria com o inventor do rádio Guillermo Marconi, a até hoje atuante Rádio Vaticana.

A primeira vez em que sua voz foi ouvida fora dos muros do Vaticano foi em latim e aconteceu em fevereiro de 1931, mesmo ano em que as já tensas relações da Igreja com o regime de Benito Mussolini ficaram ainda mais esgarçadas.

Biografia

Pio XI nasceu Ambrogio Damiano Achille Ratti, em Desio, província milanesa, no ano de 1857. Graças à sua sólida formação intelectual e ao seu prestígio entre as maiores instituições culturais do mundo, foi enviado, em 1918, como representante pontifício em Varsóvia, onde, no ano seguinte, foi nomeado núncio apostólico e ordenado bispo.

Em 1921, foi nomeado arcebispo de Milão e, no conclave de 6 de fevereiro de 1922, eleito sucessor de Bento XV com o nome de Pio XI.

O pontificado de Pio XI foi marcado pelo tenso período entre-guerras e pela oposição do papa aos regimes nazista e fascista. Em 1931, mesmo ano da primeira difusão da Rádio Vaticana, Pio XI publicou na língua italiana a encíclica "Non abbiamo bisogno", em que criticava duramente o fascismo. Seis anos depois, publicava outra, a "Mit brennender Sorge", desta vez em alemão e voltada para a condenação do regime nazista.

Apesar das relações nada amistosas com os regimes totalitários, Pio XI foi responsável pela costura e assinatura com o governo de Mussolini de um documento-chave para a igreja Católica, o Tratado de Latrão. Por meio desse documento, ficava garantida a soberania do Estado do Vaticano e o sumo-pontífice passava a ser reconhecido como chefe de Estado. Em contrapartida, o Vaticano renunciava a antigos territórios (denominados Estados Papais) e também reconhecia a soberania italiana sobre Roma.

 

 

Loading
Vaticano lembra o septuagenário da morte de Pio XI

Cidade do Vaticano (Terça, 10-02-2009, Gaudium Press) Há precisos 70 anos, falecia aquele que é considerado um papa pioneiro no uso da tecnologia disponível para a divulgação da mensagem da Igreja: Pio XI. Se hoje o Vaticano lança mão de canais no YouTube e de site próprio para levar adiante as ações pontificais, passo importante para tanto fora dado por Pio XI. O predicado não é à toa, já que foi ele quem fundou, em parceria com o inventor do rádio Guillermo Marconi, a até hoje atuante Rádio Vaticana.

A primeira vez em que sua voz foi ouvida fora dos muros do Vaticano foi em latim e aconteceu em fevereiro de 1931, mesmo ano em que as já tensas relações da Igreja com o regime de Benito Mussolini ficaram ainda mais esgarçadas.

Biografia

Pio XI nasceu Ambrogio Damiano Achille Ratti, em Desio, província milanesa, no ano de 1857. Graças à sua sólida formação intelectual e ao seu prestígio entre as maiores instituições culturais do mundo, foi enviado, em 1918, como representante pontifício em Varsóvia, onde, no ano seguinte, foi nomeado núncio apostólico e ordenado bispo.

Em 1921, foi nomeado arcebispo de Milão e, no conclave de 6 de fevereiro de 1922, eleito sucessor de Bento XV com o nome de Pio XI.

O pontificado de Pio XI foi marcado pelo tenso período entre-guerras e pela oposição do papa aos regimes nazista e fascista. Em 1931, mesmo ano da primeira difusão da Rádio Vaticana, Pio XI publicou na língua italiana a encíclica "Non abbiamo bisogno", em que criticava duramente o fascismo. Seis anos depois, publicava outra, a "Mit brennender Sorge", desta vez em alemão e voltada para a condenação do regime nazista.

Apesar das relações nada amistosas com os regimes totalitários, Pio XI foi responsável pela costura e assinatura com o governo de Mussolini de um documento-chave para a igreja Católica, o Tratado de Latrão. Por meio desse documento, ficava garantida a soberania do Estado do Vaticano e o sumo-pontífice passava a ser reconhecido como chefe de Estado. Em contrapartida, o Vaticano renunciava a antigos territórios (denominados Estados Papais) e também reconhecia a soberania italiana sobre Roma.

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/1693-Vaticano-lembra-o-septuagenario-da-morte-de-Pio-XI. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Cardeal Orani tem exortado os fiéis a seguirem o exemplo de São Sebastião e viverem a missionar ...
 
Celibato: carisma dado a alguns membros da Igreja, chamado para consagrar completamente a vida a Deu ...
 
O Caminho de Santiago de Compostela, cuja meta é a Catedral de Santiago, é conhecido também como ...
 
“A Assembleia da República manifesta o seu pesar pelos mais de 1.000 cristãos mortos em 2019 na ...
 
Seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Príncipe da Paz, Rei dos Reis, Senhor dos Senhores (Isaías 9-6 ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading