Loading
 
 
 
Loading
 
Termina no Vaticano reunião de comissão que estuda a situação da Igreja Católica na China
Loading
 
2 de Abril de 2009 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quinta, 02-04-2009, Gaudium Press) Terminou ontem no Vaticano a segunda reunião da Comissão que o Papa Bento XVI instituiu em 2007 para estudar questões relativas à vida da Igreja Católica na China. A comissão, cujos trabalhos se iniciaram no dia 30 de março, aprofundou o tema da formação dos seminaristas e das pessoas consagradas e a formação permanente dos sacerdotes.

A Sala de Imprensa da Santa Sé emitiu hoje um comunicado em que sintetiza os principais pontos debatidos pela comissão relativos à vida da Igreja na China.

Veja, a seguir, a íntegra do comunicado vaticano:

"Em um contexto de intensa participação e de um vivo desejo de oferecer um serviço para a Igreja na China, a comissão aprofundou o tema fundamental da reunião: a formação dos seminaristas e das pessoas consagradas e a formação permanente dos sacerdotes. Em união com os bispos da Igreja na China, principais responsáveis das comunidades eclesiais, se procurará promover uma formação humana mais adequada, intelectual, espiritual e pastoral do clero e das pessoas consagradas que têm a importante tarefa de agir como fieis discípulos de Cristo e como membros da Igreja e de contribuir para o bem dos seus países como cidadãos exemplares.

A respeito disso, soaram iluminadas as palavras da Carta que o Santo Padre Bento XVI endereçou aos católicos chineses em 2007: "A Igreja, sempre e em qualquer lugar, é chamada à proclamação e ao testemunho do Evangelho. Também a Igreja na China deve escutar no seu coração o ardor missionário do seu Fundador e Mestre. Agora cabe a vocês, discípulos chineses do Senhor, serem corajosos apóstolos do Reino de Cristo. Estou certo de que grande e generosa será a vossa resposta".

Os participantes, referindo-se também à própria experiência, às vezes sofrida, ressaltaram as complexas problemáticas da atual situação eclesial na China, que derivam não somente das dificuldades no interior da Igreja, mas também das relações não muito fáceis com as autoridades civis. Neste contexto, é recebida com profunda dor a notícia da nova prisão do monsenhor Giulio Jia Zhiguo, bispo da diocese de Zhengding. Situações deste gênero criam obstáculos para um clima de diálogo com as autoridades competentes que, como se sabe, o Santo Padre desejou vivamente na carta mencionada acima. Não se trata, infelizmente, de um caso isolado: também outros eclesiásticos são provados das suas liberdades ou são submetidos a pressões indevidas e limitações nas suas atividades pastorais. A todos esses, os participantes desejam fazer chegar a garantia das suas proximidades fraternas e das constantes orações, neste tempo quaresmal, iluminado pelo Mistério Pascal.

A reunião foi concluída com um encontro com o Santo Padre, o qual, como sucessor de Pedro, perpétuo e visível principio e fundamento da unidade e do Episcopado, sublinhou a importância de ajudar os católicos na China a levar aos outros a beleza e a racionalidade da fé cristã e a apresentá-la como a proposta que oferece a melhor resposta do ponto de vista intelectual e existencial.

Além disso, o Papa agradeceu os presentes pelo empenho no campo da formação e lhes encorajou a continuar os seus serviços pelo bem da Igreja".

 

Loading
Termina no Vaticano reunião de comissão que estuda a situação da Igreja Católica na China

Cidade do Vaticano (Quinta, 02-04-2009, Gaudium Press) Terminou ontem no Vaticano a segunda reunião da Comissão que o Papa Bento XVI instituiu em 2007 para estudar questões relativas à vida da Igreja Católica na China. A comissão, cujos trabalhos se iniciaram no dia 30 de março, aprofundou o tema da formação dos seminaristas e das pessoas consagradas e a formação permanente dos sacerdotes.

A Sala de Imprensa da Santa Sé emitiu hoje um comunicado em que sintetiza os principais pontos debatidos pela comissão relativos à vida da Igreja na China.

Veja, a seguir, a íntegra do comunicado vaticano:

"Em um contexto de intensa participação e de um vivo desejo de oferecer um serviço para a Igreja na China, a comissão aprofundou o tema fundamental da reunião: a formação dos seminaristas e das pessoas consagradas e a formação permanente dos sacerdotes. Em união com os bispos da Igreja na China, principais responsáveis das comunidades eclesiais, se procurará promover uma formação humana mais adequada, intelectual, espiritual e pastoral do clero e das pessoas consagradas que têm a importante tarefa de agir como fieis discípulos de Cristo e como membros da Igreja e de contribuir para o bem dos seus países como cidadãos exemplares.

A respeito disso, soaram iluminadas as palavras da Carta que o Santo Padre Bento XVI endereçou aos católicos chineses em 2007: "A Igreja, sempre e em qualquer lugar, é chamada à proclamação e ao testemunho do Evangelho. Também a Igreja na China deve escutar no seu coração o ardor missionário do seu Fundador e Mestre. Agora cabe a vocês, discípulos chineses do Senhor, serem corajosos apóstolos do Reino de Cristo. Estou certo de que grande e generosa será a vossa resposta".

Os participantes, referindo-se também à própria experiência, às vezes sofrida, ressaltaram as complexas problemáticas da atual situação eclesial na China, que derivam não somente das dificuldades no interior da Igreja, mas também das relações não muito fáceis com as autoridades civis. Neste contexto, é recebida com profunda dor a notícia da nova prisão do monsenhor Giulio Jia Zhiguo, bispo da diocese de Zhengding. Situações deste gênero criam obstáculos para um clima de diálogo com as autoridades competentes que, como se sabe, o Santo Padre desejou vivamente na carta mencionada acima. Não se trata, infelizmente, de um caso isolado: também outros eclesiásticos são provados das suas liberdades ou são submetidos a pressões indevidas e limitações nas suas atividades pastorais. A todos esses, os participantes desejam fazer chegar a garantia das suas proximidades fraternas e das constantes orações, neste tempo quaresmal, iluminado pelo Mistério Pascal.

A reunião foi concluída com um encontro com o Santo Padre, o qual, como sucessor de Pedro, perpétuo e visível principio e fundamento da unidade e do Episcopado, sublinhou a importância de ajudar os católicos na China a levar aos outros a beleza e a racionalidade da fé cristã e a apresentá-la como a proposta que oferece a melhor resposta do ponto de vista intelectual e existencial.

Além disso, o Papa agradeceu os presentes pelo empenho no campo da formação e lhes encorajou a continuar os seus serviços pelo bem da Igreja".

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

A alegria verdadeira brota de um coração puro que ama a Deus e ao próximo, tem a consciência tra ...
 
A iniciativa, que é aberta a toda comunidade, não apenas aos jovens, já reuniu mais de 700 pessoa ...
 
O Bispo de Braga, Dom Jorge Ortiga expressou em seu perfil no Twitter sentir uma "tristeza de morte" ...
 
Todos batizados “somos convidados a defender de maneira especial a vida por nascer”. ...
 
O decreto de concessão do título foi assinado pela Sagrada Congregação do Culto Divino e Discipl ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading