Loading
 
 
 
Loading
 
“Incansável testemunhador de Cristo”, diz Bento XVI sobre João Paulo II quatro anos depois de sua morte
Loading
 
3 de Abril de 2009 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

basilica_santaMIssa_materia.jpgCidade do Vaticano (Sexta, 03-04-2009, Gaudium Press) "Um ardoroso e incansável testemunhador de Cristo que conseguia passar uma forte carga de esperança". Bento XVI lembrou, assim, na tarde de ontem, durante a Santa Missa na Basílica Vaticana, João Paulo II, no quarto aniversário da sua morte. "A sua lembrança continua viva no coração das pessoas, como demonstra a ininterrupta peregrinação de fiéis à sua tumba, na Gruta Vaticana".

Em preparação para Jornada Mundial da Juventude, no próximo domingo, com o tema "Pusemos nossa esperança no Deus Vivo", estavam presentes jovens romanos e de outras partes do mundo. O Papa pediu-lhes que se tornassem um "oásis de esperança para a sociedade contemporânea".

"Uma exortação para se tornar pequenas nascentes de esperança no mundo e não fazer da esperança cristã uma ideologia, ou slogan de um grupo", explicou Bento XVI aos jovens presentes na capela papal para a missa do pontífice João Paulo II. "Somente vivendo de Cristo e em Cristo é possível propagar a chama daquele amor que Jesus acendeu sobre a terra, levar alta a chama da fé e da esperança", prosseguiu o Papa.

Bento XVI recorda como seu antecessor, ainda jovem, se mostrou ardoroso e um "incansável defensor de Cristo ...pois ele não hesitou em gastar toda sua energia a fim de difundir em toda parte a luz, não aceitou deixar de lado o compromisso quando se tratava de proclamar e defender a sua Verdade".

O Santo Padre também constatou como a experiência espiritual de João Paulo II mostra que "Deus recebe o empenho, sincero e generoso, de quem, na dificuldade, escolhe testemunhar o Evangelho. Basta pensar nos muitos filhos e filhas geradas na fé no seu longo pontificado", concluiu.

Ao final da celebração, Bento XVI voltou-se em oração na tumba do seu predecessor.

 

Loading
“Incansável testemunhador de Cristo”, diz Bento XVI sobre João Paulo II quatro anos depois de sua morte

basilica_santaMIssa_materia.jpgCidade do Vaticano (Sexta, 03-04-2009, Gaudium Press) "Um ardoroso e incansável testemunhador de Cristo que conseguia passar uma forte carga de esperança". Bento XVI lembrou, assim, na tarde de ontem, durante a Santa Missa na Basílica Vaticana, João Paulo II, no quarto aniversário da sua morte. "A sua lembrança continua viva no coração das pessoas, como demonstra a ininterrupta peregrinação de fiéis à sua tumba, na Gruta Vaticana".

Em preparação para Jornada Mundial da Juventude, no próximo domingo, com o tema "Pusemos nossa esperança no Deus Vivo", estavam presentes jovens romanos e de outras partes do mundo. O Papa pediu-lhes que se tornassem um "oásis de esperança para a sociedade contemporânea".

"Uma exortação para se tornar pequenas nascentes de esperança no mundo e não fazer da esperança cristã uma ideologia, ou slogan de um grupo", explicou Bento XVI aos jovens presentes na capela papal para a missa do pontífice João Paulo II. "Somente vivendo de Cristo e em Cristo é possível propagar a chama daquele amor que Jesus acendeu sobre a terra, levar alta a chama da fé e da esperança", prosseguiu o Papa.

Bento XVI recorda como seu antecessor, ainda jovem, se mostrou ardoroso e um "incansável defensor de Cristo ...pois ele não hesitou em gastar toda sua energia a fim de difundir em toda parte a luz, não aceitou deixar de lado o compromisso quando se tratava de proclamar e defender a sua Verdade".

O Santo Padre também constatou como a experiência espiritual de João Paulo II mostra que "Deus recebe o empenho, sincero e generoso, de quem, na dificuldade, escolhe testemunhar o Evangelho. Basta pensar nos muitos filhos e filhas geradas na fé no seu longo pontificado", concluiu.

Ao final da celebração, Bento XVI voltou-se em oração na tumba do seu predecessor.

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Cardeal Zen Ze-kiun, afirmou que o governo comunista chinês quer a rendição do Vaticano. ...
 
O caso acontece duas semanas após o assassinato de Michael Nnadi. Seminarista que havia sido seques ...
 
Papa: para os diplomatas vaticanos será necessária a realização de uma ação missionária de um ...
 
A ideia nasceu do desejo de tornar público o melhor das coleções e ter a maneira de dar a conhece ...
 
Os cardeais Conselheiros reúnem-se nesses três dias com o Papa para a 33ª Reunião do Conselho de ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading