Loading
 
 
 
Loading
 
Na primeira audiência de volta ao Vaticano, Papa fala sobre a vida de Santo Odone
Loading
 
2 de Setembro de 2009 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quarta, 02-09-2009, Gaudium Press) "Queremos esperar que a sua bondade, a alegria que provém da fé, unidas à austeridade e em oposição aos vícios do mundo, toquem também o nosso coração, de forma que também nós possamos encontrar a fonte da alegria que emana da bondade de Deus". Assim começou o Papa Bento XVI em sua primeira audiência geral de volta ao Vaticano após um longo período de férias de verão, iniciado em Les Combes de Introd, na região do Vale d'Aosta, e encerrado em Castel Gandolfo.

E como de costume nas audiências gerais, Bento XVI novamente abordou em sua fala a vida e a obra de um escritor e teólogo da Igreja. Na manhã de hoje, o ciclo das catequeses sobre os grandes escritores da Igreja do Oriente e do Ocidente e da Idade Média foi retomado com a catequese de Santo Odone, abade de Cluny, defensor na Europa "da vida e da espiritualidade inspiradas na ‘regra de São Bento'".

Apresentando a biografia do Santo, o Papa ressaltou que a "a virtude da paciência" oferece um longo elenco de outras virtudes de Odone, entre as quais estão "o desapego do mundo, o zelo pelas almas, o empenho pela paz das Igrejas". Bento XVI recordou que o abade tinha "grandes aspirações" pela concórdia entre os reis e príncipes, e também pela "observância aos mandamentos, pela atenção aos pobres, recuperação dos jovens, respeito pelos velhos".

Segundo Bento XVI, o santo também é um modelo de vida devota e "um verdadeiro guia espiritual seja para os monges, seja para os fiéis de seu tempo". Especialmente na adoração eucarística. Para o Papa, "somente quem está unido espiritualmente a Cristo pode participar dignamente do seu corpo eucarístico: caso contrário, comer a sua carne e beber o seu sangue não seria para rejuvenescimento, mas para condenação". "A presença do Criador entre nós, que se entrega em nossas mãos e nos transforma em pão e vinho, transforma assim mundo", ressaltou o Papa.

O pontífice afirmou que no rigor da austeridade de Santo Odone como transformador estava presente também "a profunda bondade da sua alma". "(Era) um homem de grande bondade, uma bondade que provém do contato com a bondade divina". E por isso, segundo Bento XVI, o santo deve ser modelo também para a sociedade moderna.

Antes da oração do Pai Nosso em latim, que encerra as audiências gerais, o Papa saudou os fiéis presentes na Sala Paulo VI em suas diversas línguas. Aos peregrinos de língua espanhola, falou:

"Saludo cordialmente a los fieles de lengua española. En particular, a las hijas de María Auxiliadora, a las Siervas de María Ministras de los enfermos y a las Hermanas de la Caridad Dominicas de la presentación. Así como a los grupos provenientes de Viña del Mar, Chile; de Venezuela; de Terrassa, España; y del Movimiento de Schoenstatt en Argentina. Aliento a todos a aprovechar la visita a Roma para profundizar en la fe y en el gozo de pertenecer a la Iglesia. Muchas gracias."

O Papa também se voltou a um grupo de fiéis oriundos do Brasil:

"Saúdo com amizade e gratidão todos os peregrinos de língua portuguesa, nomeadamente os grupos do Brasil. Viestes a Roma para fortalecer os vínculos de fé, esperança e amor que unem a todos os batizados na Igreja, que Jesus quis fundar sobre Pedro. Que as vossas vidas, iluminadas pela fé e perseverantes na esperança, possam sempre testemunhar o amor de Deus. Que as Suas bênçãos desçam abundantes sobre vós e vossas famílias".

Em polonês, o Papa aproveitou para recordar o aniversário dos 70 anos do início da Segunda Guerra Mundial, desencadeada após a invasão da Polônia por tropas alemãs no dia 1º de setembro de 1939:

"Na memória dos povos permanecem as tragédias humanas e o absurdo da guerra. Peçamos a Deus que o espírito do perdão, da paz e da reconciliação perpasse os corações dos homens. A Europa e o mundo de hoje precisam de um espírito de comunhão. Construamo-la sobre Cristo e sobre o seu Evangelho, sobre o fundamento da caridade e da verdade. A vocês aqui presentes e a todos aqueles que contribuem para criar um clima de paz, entrego de coração a minha benção".

 

Loading
Na primeira audiência de volta ao Vaticano, Papa fala sobre a vida de Santo Odone

Cidade do Vaticano (Quarta, 02-09-2009, Gaudium Press) "Queremos esperar que a sua bondade, a alegria que provém da fé, unidas à austeridade e em oposição aos vícios do mundo, toquem também o nosso coração, de forma que também nós possamos encontrar a fonte da alegria que emana da bondade de Deus". Assim começou o Papa Bento XVI em sua primeira audiência geral de volta ao Vaticano após um longo período de férias de verão, iniciado em Les Combes de Introd, na região do Vale d'Aosta, e encerrado em Castel Gandolfo.

E como de costume nas audiências gerais, Bento XVI novamente abordou em sua fala a vida e a obra de um escritor e teólogo da Igreja. Na manhã de hoje, o ciclo das catequeses sobre os grandes escritores da Igreja do Oriente e do Ocidente e da Idade Média foi retomado com a catequese de Santo Odone, abade de Cluny, defensor na Europa "da vida e da espiritualidade inspiradas na ‘regra de São Bento'".

Apresentando a biografia do Santo, o Papa ressaltou que a "a virtude da paciência" oferece um longo elenco de outras virtudes de Odone, entre as quais estão "o desapego do mundo, o zelo pelas almas, o empenho pela paz das Igrejas". Bento XVI recordou que o abade tinha "grandes aspirações" pela concórdia entre os reis e príncipes, e também pela "observância aos mandamentos, pela atenção aos pobres, recuperação dos jovens, respeito pelos velhos".

Segundo Bento XVI, o santo também é um modelo de vida devota e "um verdadeiro guia espiritual seja para os monges, seja para os fiéis de seu tempo". Especialmente na adoração eucarística. Para o Papa, "somente quem está unido espiritualmente a Cristo pode participar dignamente do seu corpo eucarístico: caso contrário, comer a sua carne e beber o seu sangue não seria para rejuvenescimento, mas para condenação". "A presença do Criador entre nós, que se entrega em nossas mãos e nos transforma em pão e vinho, transforma assim mundo", ressaltou o Papa.

O pontífice afirmou que no rigor da austeridade de Santo Odone como transformador estava presente também "a profunda bondade da sua alma". "(Era) um homem de grande bondade, uma bondade que provém do contato com a bondade divina". E por isso, segundo Bento XVI, o santo deve ser modelo também para a sociedade moderna.

Antes da oração do Pai Nosso em latim, que encerra as audiências gerais, o Papa saudou os fiéis presentes na Sala Paulo VI em suas diversas línguas. Aos peregrinos de língua espanhola, falou:

"Saludo cordialmente a los fieles de lengua española. En particular, a las hijas de María Auxiliadora, a las Siervas de María Ministras de los enfermos y a las Hermanas de la Caridad Dominicas de la presentación. Así como a los grupos provenientes de Viña del Mar, Chile; de Venezuela; de Terrassa, España; y del Movimiento de Schoenstatt en Argentina. Aliento a todos a aprovechar la visita a Roma para profundizar en la fe y en el gozo de pertenecer a la Iglesia. Muchas gracias."

O Papa também se voltou a um grupo de fiéis oriundos do Brasil:

"Saúdo com amizade e gratidão todos os peregrinos de língua portuguesa, nomeadamente os grupos do Brasil. Viestes a Roma para fortalecer os vínculos de fé, esperança e amor que unem a todos os batizados na Igreja, que Jesus quis fundar sobre Pedro. Que as vossas vidas, iluminadas pela fé e perseverantes na esperança, possam sempre testemunhar o amor de Deus. Que as Suas bênçãos desçam abundantes sobre vós e vossas famílias".

Em polonês, o Papa aproveitou para recordar o aniversário dos 70 anos do início da Segunda Guerra Mundial, desencadeada após a invasão da Polônia por tropas alemãs no dia 1º de setembro de 1939:

"Na memória dos povos permanecem as tragédias humanas e o absurdo da guerra. Peçamos a Deus que o espírito do perdão, da paz e da reconciliação perpasse os corações dos homens. A Europa e o mundo de hoje precisam de um espírito de comunhão. Construamo-la sobre Cristo e sobre o seu Evangelho, sobre o fundamento da caridade e da verdade. A vocês aqui presentes e a todos aqueles que contribuem para criar um clima de paz, entrego de coração a minha benção".

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/7872-Na-primeira-audiencia-de-volta-ao-Vaticano--Papa-fala-sobre-a-vida-de-Santo-Odone. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Porei “inimizades entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela” e Ela t ...
 
O mundo parece ter medo de recordar o que realmente é o Natal e mostra só um imaginário banal e c ...
 
A cerimônia foi presidida pelo cardeal Bertello, presidente do Governatorato da Cidade do Vaticano. ...
 
Cardeal Sturla: a iniciativa “volta a colocar Jesus no centro da atenção natalina num país tão ...
 
O Bispo de Phoenix, Estados Unidos, Dom Thomas Olmsted, escreveu um artigo para analisar um dos tran ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading