Loading
 
 
 
Loading
 
Médicos católicos argentinos: não se pode obrigar a atuar contra o direito à vida
Loading
 
1 de Março de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Buenos Aires - Argentina (Quinta-feira, 01-03-2018, Gaudium Press) O Consórcio de Médicos Católicos de Buenos Aires fundamentou em uma declaração os motivos pelos quais "em nenhuma circunstância o aborto será legal, seguro nem gratuito".

01Médicos católicos argentinos afirmam que não se pode obrigar a atuar contra o direito à vida.jpg

Os médicos recordaram também que os profissionais da saúde foram formados "desde os cursos académicos, para o cuidado para com a vida em todas sus fases", e, por isso mesmo não podem estar obrigados "a atuar contra esse direito".

Ética a Serviço da Vida

Os Médicos Católicos ratificaram, então sua "fidelidade ética a serviço da vida, em todas as suas etapas e circunstancias" e advertiram que o aborto legitima "a morte de seres humanos inocentes".

A declaração dos Médicos foi assinada por sua presidente Dra. Raquel Bolton, e pela vice-presidente, Dra. Elena Passo: uma vez mais em defesada vida humana advertindo que "em nenhuma circunstância o aborto será legal, seguro, nem gratuito".

Não é legal, seguro ou gratuito

"Não é legal, adverte a declaração, porque o Ordenamento Jurídico Argentino protege a pessoa humana desde sua concepção".
Além disso "Não é seguro porque nenhuma prática médica que implique um procedimento cirúrgico invasivo e cruento, como é a prática instrumental da realização de um aborto, carece de riscos. É um procedimento que a propósito do ser humano na etapa gestacional o mata e, inclusive, pode chegar a ter consequências graves para a saúde e até da vida da mãe", destaca a declaração.
Quanto à gratuidade, os médicos católicos sustentam que "não existiria como tal, pois os recursos econômicos seriam passados pelo Estado e seriam provenientes da contribuição dos cidadãos. Isto significa que o Estado seria participante necessário e destinaria fundos públicos para a eliminação de vidas humanas inocentes".

Formados para cuidar da vida

"Finalmente afirmamos que fomos formados desde os cursos acadêmicos, para o cuidado da vida em todas as suas fases e nenhum profissional da saúde pode estar obrigado a atuar contra este direito", conclui o manifesto dos médicos católicos argentinos. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações www.medicoscatolicos.org.ar)

 

Loading
Médicos católicos argentinos: não se pode obrigar a atuar contra o direito à vida

Buenos Aires - Argentina (Quinta-feira, 01-03-2018, Gaudium Press) O Consórcio de Médicos Católicos de Buenos Aires fundamentou em uma declaração os motivos pelos quais "em nenhuma circunstância o aborto será legal, seguro nem gratuito".

01Médicos católicos argentinos afirmam que não se pode obrigar a atuar contra o direito à vida.jpg

Os médicos recordaram também que os profissionais da saúde foram formados "desde os cursos académicos, para o cuidado para com a vida em todas sus fases", e, por isso mesmo não podem estar obrigados "a atuar contra esse direito".

Ética a Serviço da Vida

Os Médicos Católicos ratificaram, então sua "fidelidade ética a serviço da vida, em todas as suas etapas e circunstancias" e advertiram que o aborto legitima "a morte de seres humanos inocentes".

A declaração dos Médicos foi assinada por sua presidente Dra. Raquel Bolton, e pela vice-presidente, Dra. Elena Passo: uma vez mais em defesada vida humana advertindo que "em nenhuma circunstância o aborto será legal, seguro, nem gratuito".

Não é legal, seguro ou gratuito

"Não é legal, adverte a declaração, porque o Ordenamento Jurídico Argentino protege a pessoa humana desde sua concepção".
Além disso "Não é seguro porque nenhuma prática médica que implique um procedimento cirúrgico invasivo e cruento, como é a prática instrumental da realização de um aborto, carece de riscos. É um procedimento que a propósito do ser humano na etapa gestacional o mata e, inclusive, pode chegar a ter consequências graves para a saúde e até da vida da mãe", destaca a declaração.
Quanto à gratuidade, os médicos católicos sustentam que "não existiria como tal, pois os recursos econômicos seriam passados pelo Estado e seriam provenientes da contribuição dos cidadãos. Isto significa que o Estado seria participante necessário e destinaria fundos públicos para a eliminação de vidas humanas inocentes".

Formados para cuidar da vida

"Finalmente afirmamos que fomos formados desde os cursos acadêmicos, para o cuidado da vida em todas as suas fases e nenhum profissional da saúde pode estar obrigado a atuar contra este direito", conclui o manifesto dos médicos católicos argentinos. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações www.medicoscatolicos.org.ar)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/93482-Medicos-catolicos-argentinos--nao-se-pode-obrigar-a-atuar-contra-o-direito-a-vida. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

No próximo domingo, 24 de junho, a Catedral de Turim celebrará a festa do seu Padroeiro, São Joã ...
 
A proximidade dos Salesianos aos iemenitas fez com que a ordem religiosa promova neste sábado, 23, ...
 
Encontrar apoio na própria família é uma grande ajuda para os que dão este passo, e é uma grand ...
 
Conferência Episcopal do Peru comunica abertura de Centro de Auxílio a migrantes venezuelanos. ...
 
Confiança, Anúncio e Fraternidade: três palavras sobre as quais o Papa propôs aos verbitas uma r ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading