Loading
 
 
 
Loading
 
Dois políticos ruandeses condenados por massacre a templo católico em 1994
Loading
 
14 de Julho de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Paris - França (Quinta-feira, 14-07-2016, Gaudium Press) Dois políticos de Ruanda foram finalmente condenados como culpados de ordenar um terrível massacre ocorrido no ano de 1994 a um templo católico. Ao serem tidos como culpados das "execuções sumárias massivas e sistemáticas" de duas mil pessoas que se refugiavam na paróquia da Vila de Kabarondo, Octavien Ngenzi e Tito Barahira foram condenados à prisão perpétua por uma Corte francesa.

Dois políticos ruandeses condenados por massacre a templo católico em 1994.jpg

A paróquia da Vila de Kabarondo foi empregada como refúgio por duas mil pessoas e os dois ex-prefeitos da localidade orquestraram o ataque ao templo e a subsequente execução dos civis no início de uma onda de terror que durou três meses. Os políticos que lideraram o genocídio em sua localidade foram julgados por crimes contra a humanidade. Uma das testemunhas-chave sobreviveu ao ataque contra o templo, no qual perdeu seu esposo e seus sete filhos.

O comovente relato da mãe, Marie Mukamunana, incluiu a fria decisão dos atacantes de empregar armas brancas para não "desperdiçar as balas" nos civis e identificou a Barahira entre os atacantes armados e a Ngenzi como a pessoa que "supervisionava o massacre". Os políticos haviam fugido do país para evadir a justiça de Ruanda e foram presos em território francês.

O genocídio de Ruanda ocorreu nos meses de abril a julho de 1994 pelas mãos das milícias da etnia Hutu contra os povos da etnia Tutsi. Calcula-se que mais de 800 mil pessoas foram assassinadas nesse período. (GPE/EPC)

Loading
Dois políticos ruandeses condenados por massacre a templo católico em 1994

Paris - França (Quinta-feira, 14-07-2016, Gaudium Press) Dois políticos de Ruanda foram finalmente condenados como culpados de ordenar um terrível massacre ocorrido no ano de 1994 a um templo católico. Ao serem tidos como culpados das "execuções sumárias massivas e sistemáticas" de duas mil pessoas que se refugiavam na paróquia da Vila de Kabarondo, Octavien Ngenzi e Tito Barahira foram condenados à prisão perpétua por uma Corte francesa.

Dois políticos ruandeses condenados por massacre a templo católico em 1994.jpg

A paróquia da Vila de Kabarondo foi empregada como refúgio por duas mil pessoas e os dois ex-prefeitos da localidade orquestraram o ataque ao templo e a subsequente execução dos civis no início de uma onda de terror que durou três meses. Os políticos que lideraram o genocídio em sua localidade foram julgados por crimes contra a humanidade. Uma das testemunhas-chave sobreviveu ao ataque contra o templo, no qual perdeu seu esposo e seus sete filhos.

O comovente relato da mãe, Marie Mukamunana, incluiu a fria decisão dos atacantes de empregar armas brancas para não "desperdiçar as balas" nos civis e identificou a Barahira entre os atacantes armados e a Ngenzi como a pessoa que "supervisionava o massacre". Os políticos haviam fugido do país para evadir a justiça de Ruanda e foram presos em território francês.

O genocídio de Ruanda ocorreu nos meses de abril a julho de 1994 pelas mãos das milícias da etnia Hutu contra os povos da etnia Tutsi. Calcula-se que mais de 800 mil pessoas foram assassinadas nesse período. (GPE/EPC)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/80612-Dois-politicos-ruandeses-condenados-por-massacre-a-templo-catolico-em-1994. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Na mentalidade de muitas pessoas perpassa essa ideia de que o sacramento é alguma coisa que se comp ...
 
Há 18 anos João Paulo II reconhecia o carisma dos Arautos do Evangelho, e os erigia como Associaç ...
 
O tema do encontro, que reuniu mais de 1.200 homens na Diocese de Phoenix, foi 'Uma Nova Cavalaria'. ...
 
A comemoração da Cátedra de São Pedro põe em relevo a missão de mestre e de pastor conferida p ...
 
O telegrama foi endereçado a Dom Anthony Fallah Borwah, presidente da Conferência Episcopal da Lib ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading