Loading
 
 
 
Loading
 
Governo chinês cria obstáculos a peregrinos da JMJ
Loading
 
22 de Julho de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Beijing - China (Sexta-feira, 22-07-2016, Gaudium Press) A próxima Jornada Mundial da Juventude Cracóvia 2016 não escapou das usuais restrições que o governo chinês interpõem à liberdade religiosa dos católicos. Nesta oportunidade negou a saída do país aos sacerdotes da comunidade "subterrânea" e a dezenas de jovens peregrinos de várias dioceses do país. Os que tiveram êxito em viajar temem ser submetidos a interrogatórios no seu regresso.

Governo chinês cria obstáculos a peregrinos da JMJ.jpg

Apesar da participação dos fiéis da China ser mais baixa que na Jornada Asiática da Juventude de 2014 (a qual assistiu o Papa Francisco) por causa da maior distância e custos a partir de seu país, um número menor aos 2 mil inscritos chineses conseguirá chegar à Polônia, segundo informou AsiaNews. Alguns deles sofreram a recusa do visto, especialmente aqueles que esperavam somar à JMJ outras peregrinações na Europa. Mas o principal obstáculo é a não autorização oficial por parte da China à sacerdotes, tanto da comunidade "subterrânea" como da "oficial". O paradoxal motivo é que assistir a JMJ seria visto como um sinal de demasiada proximidade com o Papa.

Um sacerdote da China central afirmou a AsiaNews que teve que tramitar sua viagem como se se tratasse de turismo, porque a polícia não lhe permitiria viajar à Europa para participar de um encontro religioso. Em vários casos, as autoridades negaram os passaportes a jovens -frustrando desta maneira sua peregrinação- ou inclusive foram detidos justo antes de abordar o avião sem se importar que cumpriram todos os requisitos legais para viajar.

"As autoridades sabem tudo. Eles sabem que os que vão à Europa nesta época poderiam ir à Cracóvia", denunciou um jovem anônimo à agência. "O problema será quando estes jovens e sacerdotes retornem à China. Sem dúvida, terão que submeter-se a longos interrogatórios porque se atreveram a mesclar-se com jovens de outras nações": Em sua opinião, a JMJ não se encaixa com o propósito local de controlar a Igreja e fazê-la independente da Santa Sé. Um sacerdote da comunidade "oficial" descreveu à AsiaNews que os sacerdotes que viajaram não oficialmente à Cracóvia podem perder o direito de exercer o ministério em seu país ou as ajudas econômicas à sua paróquia. (GPE/EPC)

Loading
Governo chinês cria obstáculos a peregrinos da JMJ

Beijing - China (Sexta-feira, 22-07-2016, Gaudium Press) A próxima Jornada Mundial da Juventude Cracóvia 2016 não escapou das usuais restrições que o governo chinês interpõem à liberdade religiosa dos católicos. Nesta oportunidade negou a saída do país aos sacerdotes da comunidade "subterrânea" e a dezenas de jovens peregrinos de várias dioceses do país. Os que tiveram êxito em viajar temem ser submetidos a interrogatórios no seu regresso.

Governo chinês cria obstáculos a peregrinos da JMJ.jpg

Apesar da participação dos fiéis da China ser mais baixa que na Jornada Asiática da Juventude de 2014 (a qual assistiu o Papa Francisco) por causa da maior distância e custos a partir de seu país, um número menor aos 2 mil inscritos chineses conseguirá chegar à Polônia, segundo informou AsiaNews. Alguns deles sofreram a recusa do visto, especialmente aqueles que esperavam somar à JMJ outras peregrinações na Europa. Mas o principal obstáculo é a não autorização oficial por parte da China à sacerdotes, tanto da comunidade "subterrânea" como da "oficial". O paradoxal motivo é que assistir a JMJ seria visto como um sinal de demasiada proximidade com o Papa.

Um sacerdote da China central afirmou a AsiaNews que teve que tramitar sua viagem como se se tratasse de turismo, porque a polícia não lhe permitiria viajar à Europa para participar de um encontro religioso. Em vários casos, as autoridades negaram os passaportes a jovens -frustrando desta maneira sua peregrinação- ou inclusive foram detidos justo antes de abordar o avião sem se importar que cumpriram todos os requisitos legais para viajar.

"As autoridades sabem tudo. Eles sabem que os que vão à Europa nesta época poderiam ir à Cracóvia", denunciou um jovem anônimo à agência. "O problema será quando estes jovens e sacerdotes retornem à China. Sem dúvida, terão que submeter-se a longos interrogatórios porque se atreveram a mesclar-se com jovens de outras nações": Em sua opinião, a JMJ não se encaixa com o propósito local de controlar a Igreja e fazê-la independente da Santa Sé. Um sacerdote da comunidade "oficial" descreveu à AsiaNews que os sacerdotes que viajaram não oficialmente à Cracóvia podem perder o direito de exercer o ministério em seu país ou as ajudas econômicas à sua paróquia. (GPE/EPC)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/80851-Governo-chines-cria-obstaculos-a-peregrinos-da-JMJ. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Na mentalidade de muitas pessoas perpassa essa ideia de que o sacramento é alguma coisa que se comp ...
 
Há 18 anos João Paulo II reconhecia o carisma dos Arautos do Evangelho, e os erigia como Associaç ...
 
O tema do encontro, que reuniu mais de 1.200 homens na Diocese de Phoenix, foi 'Uma Nova Cavalaria'. ...
 
A comemoração da Cátedra de São Pedro põe em relevo a missão de mestre e de pastor conferida p ...
 
O telegrama foi endereçado a Dom Anthony Fallah Borwah, presidente da Conferência Episcopal da Lib ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading