Loading
 
 
 
Loading
 
De terreno baldio à Jardins Vaticanos: Livro narra como os Papas semearam a beleza
Loading
 
4 de Agosto de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 04-08-2016, Gaudium Press) Quase a metade do terreno do Estado da Cidade do Vaticano corresponde aos Jardins Vaticanos. Sobre a particular história destes terrenos, antes desabitados e pantanosos, foi editado o livro "A Guide to the Vatican Gardens: History, Art, Nature" (Um guia para os Jardins Vaticanos: História, Arte, Natureza), lançado recentemente em língua inglesa e criado por vários especialistas da Biblioteca e dos Museus Vaticanos. Fotografias à cores e gravuras ilustram o passado e o presente dos belos jardins nos quais os Papas oraram e descansaram em numerosas oportunidades.

De terreno baldio à Jardins Vaticanos Livro narra como os Papas semearam a beleza.jpg

Segundo recordou 'Catholic News Service', a história destes terrenos se remonta aos inícios do cristianismo, quando o imperador Calígula criou um coliseu nas proximidades e seu sucessor, Nero, o expandiu como lugar de numerosos martírios de cristãos. Os terrenos ao redor foram empregados para festas animadas com o sacrifício dos fiéis nas chamas ou crucificados, como a padecida pelo Apóstolo São Pedro, sepultado em um cemitério próximo.

Nos séculos seguintes, a religião cristã obteve finalmente a liberdade e o túmulo de São Pedro se converteu na primeira Basílica em sua honra, para a qual se aplanaram os terrenos de parte da colina existente. Apesar da construção de alguns outros edifícios e um mosteiro nas imediações, esta zona foi considerada "rústica e desprotegida", por isso os Pontífices não viveram ali até o Século V.

O Papa Leão IV construiu uma série de muralhas para proteger o Vaticano após o ataque muçulmano no ano 846 e a área protegida incluía hortas, vinhedos e pântanos, enquanto que alguns bosques e pradarias a rodeavam. Desde este momento, os Jardins começaram a serem transformados pela influência dos seus insignes proprietários. O Papa Nicolau IV é responsável pela criação do jardim botânico mais antigo da Itália no século XIII destinado à investigação médica. Este Jardim Botânico foi paulatinamente substituído por um maior e novo, construído pelo Papa Alexandre VII em territórios perdidos junto aos Estados Pontifícios em 1870.

Alguns animais viveram nos Jardins Vaticanos, sendo célebres um leopardo que residiu brevemente no pontificado de Bonifácio VIII e um elefante presenteado ao Papa Leão X pelo Rei de Portugal em 1514. Pio XII encontrou e curou a um canário ferido que o acompanhava livremente durante sua refeição. Na atualidade alguns pássaros e gatos ocasionais são os animais mais frequentemente vistos no lugar.

Inclusive quando os Papas transladaram sua residência ao Palácio do Quirinal durante uns 300 anos, os Jardins Vaticanos foram embelezados com ermitas, estátuas e fontes. O Papa Leão XII encontrou consolo em um pequeno vinhedo durante sua reclusão por causa da liquidação dos Estados Pontifícios e os Papas posteriores continuaram usando para a reflexão, a oração e o descanso. Notavelmente, o Papa emérito Bento XVI o usa diariamente para caminhar e rezar o Santo Rosário. Há vários anos os Jardins admitem visitas programadas que destacam sua combinação de arte, natureza e Fé. (GPE/EPC)

Loading
De terreno baldio à Jardins Vaticanos: Livro narra como os Papas semearam a beleza

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 04-08-2016, Gaudium Press) Quase a metade do terreno do Estado da Cidade do Vaticano corresponde aos Jardins Vaticanos. Sobre a particular história destes terrenos, antes desabitados e pantanosos, foi editado o livro "A Guide to the Vatican Gardens: History, Art, Nature" (Um guia para os Jardins Vaticanos: História, Arte, Natureza), lançado recentemente em língua inglesa e criado por vários especialistas da Biblioteca e dos Museus Vaticanos. Fotografias à cores e gravuras ilustram o passado e o presente dos belos jardins nos quais os Papas oraram e descansaram em numerosas oportunidades.

De terreno baldio à Jardins Vaticanos Livro narra como os Papas semearam a beleza.jpg

Segundo recordou 'Catholic News Service', a história destes terrenos se remonta aos inícios do cristianismo, quando o imperador Calígula criou um coliseu nas proximidades e seu sucessor, Nero, o expandiu como lugar de numerosos martírios de cristãos. Os terrenos ao redor foram empregados para festas animadas com o sacrifício dos fiéis nas chamas ou crucificados, como a padecida pelo Apóstolo São Pedro, sepultado em um cemitério próximo.

Nos séculos seguintes, a religião cristã obteve finalmente a liberdade e o túmulo de São Pedro se converteu na primeira Basílica em sua honra, para a qual se aplanaram os terrenos de parte da colina existente. Apesar da construção de alguns outros edifícios e um mosteiro nas imediações, esta zona foi considerada "rústica e desprotegida", por isso os Pontífices não viveram ali até o Século V.

O Papa Leão IV construiu uma série de muralhas para proteger o Vaticano após o ataque muçulmano no ano 846 e a área protegida incluía hortas, vinhedos e pântanos, enquanto que alguns bosques e pradarias a rodeavam. Desde este momento, os Jardins começaram a serem transformados pela influência dos seus insignes proprietários. O Papa Nicolau IV é responsável pela criação do jardim botânico mais antigo da Itália no século XIII destinado à investigação médica. Este Jardim Botânico foi paulatinamente substituído por um maior e novo, construído pelo Papa Alexandre VII em territórios perdidos junto aos Estados Pontifícios em 1870.

Alguns animais viveram nos Jardins Vaticanos, sendo célebres um leopardo que residiu brevemente no pontificado de Bonifácio VIII e um elefante presenteado ao Papa Leão X pelo Rei de Portugal em 1514. Pio XII encontrou e curou a um canário ferido que o acompanhava livremente durante sua refeição. Na atualidade alguns pássaros e gatos ocasionais são os animais mais frequentemente vistos no lugar.

Inclusive quando os Papas transladaram sua residência ao Palácio do Quirinal durante uns 300 anos, os Jardins Vaticanos foram embelezados com ermitas, estátuas e fontes. O Papa Leão XII encontrou consolo em um pequeno vinhedo durante sua reclusão por causa da liquidação dos Estados Pontifícios e os Papas posteriores continuaram usando para a reflexão, a oração e o descanso. Notavelmente, o Papa emérito Bento XVI o usa diariamente para caminhar e rezar o Santo Rosário. Há vários anos os Jardins admitem visitas programadas que destacam sua combinação de arte, natureza e Fé. (GPE/EPC)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/81148-De-terreno-baldio-a-Jardins-Vaticanos--Livro-narra-como-os-Papas-semearam-a-beleza. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Cardeal apresentou Nossa Senhora como exemplo para todos os fiéis. ...
 
O Pontífice visitará o país europeu entre os dias 25 e 26 de agosto, para participar do Encontro ...
 
O emoji criado consiste em uma pequena representando o rosto sorridente do Papa, com a bandeira da I ...
 
“ (...) todos os dias somos impulsionados a uma resposta livre ao chamado amoroso de Deus”, afir ...
 
Na festa da Assunção da Virgem Maria, Cardeal Antônio Marto indica três motivos de alegria para ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading