Loading
 
 
 
Loading
 
Nova lei chinesa torna crime atividades religiosas
Loading
 
28 de Setembro de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quarta-feira, 28/09/2016, Gaudium Press) - O governo comunista chines acaba de divulgar um esboço do que seria um novo regulamento para o exercício das atividades religiosas no país.

Lei restritiva, penas pesadas

A nova lei que deverá substituir os regulamentos de 2004, será mais dura, mais restritiva e com punições maiores.

Segundo a proposta agora em debate, as multas aos transgressores podem chegar ao equivalente a 26 mil euros, para "atividades religiosas fora da lei" ou viagens ao estrangeiro e peregrinações sem a autorização governamental.

O documento apresenta "regras para a construção de templos e imagens" e diversas obrigações sobre o uso da internet para obter informação religiosa.

Qualquer grupo religioso "deve aderir o princípio de independência e de autogoverno" e "não ser controlado por forças estrangeiras".

É o que diz artigo 5.º do novo regulamento.

A chamada "Igreja Patriótica"

O regime comunista criou em 1957 a chamada "Associação Patriótica Católica", que ainda tem a função de "evitar evitar interferências estrangeiras", especialmente a Santa Sé, e para "assegurar que os católicos vivam em conformidade com as políticas do Estado".

E isto inclui o controlo de Pequim sobre a nomeação de bispos, uma pretensão não reconhecida pelo Vaticano.

Credenciais de comunistas para poder ser religioso

O novo regulamento obriga os bispos católicos a registar-se junto do Departamento dos Assuntos Religiosos da China, especificando que "aqueles que não obtiverem ou perderem as credenciais profissionais não podem comprometer-se em atividades" religiosas.

Atividades criminosas

As atividades consideradas criminosas são muitas e variadas. Entre elas está o "aceitar o domínio de forças estrangeiras; aceitar, sem autorização, clero de grupos religiosos estrangeiros ou organizações".

Também é considerado criminoso os exercícios religiosos "contrários ao princípio da independência religiosa e do autogoverno". (JSG)

Loading
Nova lei chinesa torna crime atividades religiosas

Cidade do Vaticano (Quarta-feira, 28/09/2016, Gaudium Press) - O governo comunista chines acaba de divulgar um esboço do que seria um novo regulamento para o exercício das atividades religiosas no país.

Lei restritiva, penas pesadas

A nova lei que deverá substituir os regulamentos de 2004, será mais dura, mais restritiva e com punições maiores.

Segundo a proposta agora em debate, as multas aos transgressores podem chegar ao equivalente a 26 mil euros, para "atividades religiosas fora da lei" ou viagens ao estrangeiro e peregrinações sem a autorização governamental.

O documento apresenta "regras para a construção de templos e imagens" e diversas obrigações sobre o uso da internet para obter informação religiosa.

Qualquer grupo religioso "deve aderir o princípio de independência e de autogoverno" e "não ser controlado por forças estrangeiras".

É o que diz artigo 5.º do novo regulamento.

A chamada "Igreja Patriótica"

O regime comunista criou em 1957 a chamada "Associação Patriótica Católica", que ainda tem a função de "evitar evitar interferências estrangeiras", especialmente a Santa Sé, e para "assegurar que os católicos vivam em conformidade com as políticas do Estado".

E isto inclui o controlo de Pequim sobre a nomeação de bispos, uma pretensão não reconhecida pelo Vaticano.

Credenciais de comunistas para poder ser religioso

O novo regulamento obriga os bispos católicos a registar-se junto do Departamento dos Assuntos Religiosos da China, especificando que "aqueles que não obtiverem ou perderem as credenciais profissionais não podem comprometer-se em atividades" religiosas.

Atividades criminosas

As atividades consideradas criminosas são muitas e variadas. Entre elas está o "aceitar o domínio de forças estrangeiras; aceitar, sem autorização, clero de grupos religiosos estrangeiros ou organizações".

Também é considerado criminoso os exercícios religiosos "contrários ao princípio da independência religiosa e do autogoverno". (JSG)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/82461-Nova-lei-chinesa-torna-crime-atividades-religiosas. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento, que seguiu o lema “Não temas Maria, pois encontras-te graça diante de Deus”, foi con ...
 
“A capela de adoração é uma iniciativa do Senhor para que tivéssemos um lugar adequado para or ...
 
Conforme o purpurado, Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos. ...
 
Criada em 27 de maio de 1998 pelo Papa João Paulo II, o bispado de Criciúma foi desmembrado da Dio ...
 
O sucesso vocacional do sacerdote depende das orações dos fiéis, afirma arcebispo de Malanje, no ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading