Loading
 
 
 
Loading
 
A Salvação não depende de riqueza ou pobreza, mas do reto uso dos bens, afirma Bispo argentino
Loading
 
3 de Outubro de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Buenos Aires - Argentina (Segunda-feira, 03-10-2016, Gaudium Press) O Bispo de Avellaneda-Lanús, Argentina, Dom Rubén Frassia, explicou a parábola do rico Epulão e o pobre Lázaro em seu programa radiofônico, comentando a doutrina da Igreja que não condena a riqueza em si mesma, mas o mal uso dos bens recebidos de Deus. "Não é que o rico, por ser rico, se condena e o pobre, por ser pobre, se salva. Não", advertiu o prelado, segundo informou AICA. "Trata-se da dimensão do reto uso que se faz das coisas, dos bens e da responsabilidade com que se atua diante de todas as coisas".

A Salvação não depende de riqueza ou pobreza, mas do reto uso dos bens, afirma Bispo argentino.jpg
Dom Rubén Frassia, Bispo de Avellaneda-Lanús,
Argentina. Foto: AICA.
O prelado louvou a profundidade e realismo da parábola de Cristo e fez um chamado à reflexão dos crentes. "A comparação não nos faz ficar na materialidade do fato, mas temos que ver aonde nos leva o pensamento da Palavra de Deus", comentou. "A riqueza, por si, não é má e o sofrimento, por si, não é bom; sempre tem uma relação. Isto é importante saber".

"Cada um é sujeito do dom que Deus presenteia e às vezes é sujeito de responsabilidade, de resposta que cada um tem que dar. E cada um dá conforme o seu pensamento, o seu coração", explicou o Bispo. "Na parábola, parece que o rico tinha um coração fechado e Lázaro tinha um coração aberto. Isto é o que mais se necessita". O coração fechado à misericórdia se expressa também na atitude dos irmãos do rico Epulão, a quem se nega a possibilidade de uma ação sobrenatural para forçar sua conversão.

Isto pode ser certo na vida concreta das pessoas de hoje. "Por mais que te queiram convencer, ou 'por mais que queiram dizer-te', ou 'por mais que tenhas experimentado coisas', se a pessoa tem o coração fechado nunca irá se abrir", lamentou Dom Frassia. "Deus é onipotente em seu amor, em sua ternura e em sua misericórdia; mas também respeita -desde sua misericórdia e sua ternura- a liberdade de cada um de nós. E às vezes a liberdade é resposta para o bem e outras vezes é resposta para o mal".

O prelado orou para que Deus dê a graça aos fiéis de "escutarmos bem, sermos responsáveis, assumirmos o controle de nossas vidas, desenvolvê-las, cultivá-las; e que esta vida nossa seja de entrega aos demais". Bens materiais e imateriais como os talentos, conhecimentos e outros devem ser postos a serviço daqueles que padecem necessidade. "Que Deus nos ilumine e abra nosso coração, e recordemos que na vida o que temos recebido gratuitamente devemos dá-lo também gratuitamente aos demais", concluiu. (GPE/EPC)

Loading
A Salvação não depende de riqueza ou pobreza, mas do reto uso dos bens, afirma Bispo argentino

Buenos Aires - Argentina (Segunda-feira, 03-10-2016, Gaudium Press) O Bispo de Avellaneda-Lanús, Argentina, Dom Rubén Frassia, explicou a parábola do rico Epulão e o pobre Lázaro em seu programa radiofônico, comentando a doutrina da Igreja que não condena a riqueza em si mesma, mas o mal uso dos bens recebidos de Deus. "Não é que o rico, por ser rico, se condena e o pobre, por ser pobre, se salva. Não", advertiu o prelado, segundo informou AICA. "Trata-se da dimensão do reto uso que se faz das coisas, dos bens e da responsabilidade com que se atua diante de todas as coisas".

A Salvação não depende de riqueza ou pobreza, mas do reto uso dos bens, afirma Bispo argentino.jpg
Dom Rubén Frassia, Bispo de Avellaneda-Lanús,
Argentina. Foto: AICA.
O prelado louvou a profundidade e realismo da parábola de Cristo e fez um chamado à reflexão dos crentes. "A comparação não nos faz ficar na materialidade do fato, mas temos que ver aonde nos leva o pensamento da Palavra de Deus", comentou. "A riqueza, por si, não é má e o sofrimento, por si, não é bom; sempre tem uma relação. Isto é importante saber".

"Cada um é sujeito do dom que Deus presenteia e às vezes é sujeito de responsabilidade, de resposta que cada um tem que dar. E cada um dá conforme o seu pensamento, o seu coração", explicou o Bispo. "Na parábola, parece que o rico tinha um coração fechado e Lázaro tinha um coração aberto. Isto é o que mais se necessita". O coração fechado à misericórdia se expressa também na atitude dos irmãos do rico Epulão, a quem se nega a possibilidade de uma ação sobrenatural para forçar sua conversão.

Isto pode ser certo na vida concreta das pessoas de hoje. "Por mais que te queiram convencer, ou 'por mais que queiram dizer-te', ou 'por mais que tenhas experimentado coisas', se a pessoa tem o coração fechado nunca irá se abrir", lamentou Dom Frassia. "Deus é onipotente em seu amor, em sua ternura e em sua misericórdia; mas também respeita -desde sua misericórdia e sua ternura- a liberdade de cada um de nós. E às vezes a liberdade é resposta para o bem e outras vezes é resposta para o mal".

O prelado orou para que Deus dê a graça aos fiéis de "escutarmos bem, sermos responsáveis, assumirmos o controle de nossas vidas, desenvolvê-las, cultivá-las; e que esta vida nossa seja de entrega aos demais". Bens materiais e imateriais como os talentos, conhecimentos e outros devem ser postos a serviço daqueles que padecem necessidade. "Que Deus nos ilumine e abra nosso coração, e recordemos que na vida o que temos recebido gratuitamente devemos dá-lo também gratuitamente aos demais", concluiu. (GPE/EPC)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading