Loading
 
 
 
Loading
 
Diocese portuguesa de Vila Real faz proposta de “renovação” da pastoral familiar
Loading
 
28 de Outubro de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Vila Real - Portugal (Sexta-feira, 28-10-2016, Gaudium Press) A Diocese de Vila Real anunciou que no ano pastoral que compreende 2016-2017 será dada uma atenção especial para a pastoral familiar.

Diocese portuguesa de Vila Real faz proposta de ?renovação? da pastoral familiar.jpg

O Bispo Dom Amândio Tomás, afirma que existe a necessidade de uma "renovação" para enfrentar os desafios que, hoje, surgiram para a Igreja Católica.

Família: presa do egoísmo e laicismo

No Plano Pastoral que foi publicado e que tem como tema "Família, santuário da fé", o bispo de Vila Real destaca uma sociedade onde "o eclipse de Deus e a corrupção minam a família, presa do egoísmo e laicismo".

Para ele, faltam hoje à família "ardor, fidelidade, sacrifício, referências", valores que anteriormente brotavam da fé que agora mais parece mera "praxe social". Falta também compromisso cristão. E isto é visível "na fuga e indiferença" para com a Igreja, "após o Crisma" e também "na falta de vocações, de amor e de empenho conjugal".

Má formação, medo: minam o matrimônio

"O medo do compromisso definitivo mina o matrimônio cristão, produz as uniões de fato, o divórcio, o aborto, o hedonismo e dramas familiares, a apatia e silêncio dos pastores", destaca o prelado. E é por isso que Dom Amândio , sublinha a importância premente de uma pastoral familiar onde os leigos e as famílias não se demitam, não fujam de suas responsabilidades cristãs, nascidas no batismo.

Contratestemunho, mal exemplo

O desejo é que esta pastoral consiga dar verdadeiramente sentido a figuras e funções que atualmente mais parecem preceitos vazios e sem sentido.

D. Amândio Tomás dá como exemplo as figuras dos padrinhos que "antes ajudavam na iniciação cristã, os adultos para o batismo, e com os pais eram catequistas das crianças com o exemplo de vida.

"Hoje, são contratestemunho, dão mau exemplo. Os adolescentes aturam a Catequese, para obter a crisma, diploma, serem Padrinhos, ‘desobrigados'. O testemunho cristão, que levava ao martírio, é raro. Os padrinhos são irrelevantes, no batismo e crisma, mas mudar hábitos e mentalidade não é fácil", lamenta o bispo.

Renovação na pastoral da família

Antes de detalhar como será a renovação que deseja para sua diocese, o Bispo ainda descreve a situação dos catequistas, entre os quais "há não praticantes, gente sem fé e sem vida digna".

"A catequese, sem o exemplo de pais e catequistas, é mais escola de noções e saberes. Falta catecumenato, vivência e testemunho de fé e uma paixão por Cristo", acrescenta.

Para ajudar esta renovação na pastoral da família, que tem consequências em todos os setores da Igreja Católica, D. Amândio Tomás pretende criar um Secretariado da Família e um Conselho Diocesano de Pastoral.

Padrinhos, acompanhamento, vida familiar

O Prelado fala de outros desafios, descreve-os e sugere soluções:

Sobre a questão dos padrinhos, ele defende a importância de "não ministrar sacramentos sem instrução e catequese prévia" e revela que "vai pedir que se trate do tema na Conferência Episcopal Portuguesa em ordem a uma prática comum em todas as dioceses".

O Bispo de Vila Real enfatiza a necessidade prioritária de um maior "acompanhamento" da Igreja Católica na "vida familiar", dos "casais, adolescentes, namorados e noivos", neste caso, dá importância total ao "curso de preparação para o matrimónio", que necessita ser realizado com mais profundidade, sem descaso.

Ajudar os jovens com referências

"Ajudemos os jovens, pobres de afeto, doutrina e bons costumes, a apreciar a beleza do amor, entre marido e mulher, que se dão e recebem, em dom exclusivo e fiel (...) Precisamos de referências que digam que o amor fiel é possível e admirável", escreve o bispo.

D. Amândio Tomás espera que este tempo ajude as comunidades cristãs a tomarem mais "consciência" da sua pertença à Igreja, pois por vezes a fé resume-se a "devoções e promessas e a religiosidade, sem Deus e sem o fermento do Evangelho".

"As pessoas vivem para si, egoístas e propensas a agir, individualmente, fazendo da fé bens de supermercado, em que se escolhe o agradável e rejeita o que custa e vale", lamenta.

Logotipo

O logótipo do ano pastoral, pretende valorizar "a identidade" da família constituída por um pai, uma mãe e pelos filhos "em união".

"A sua arquitetura gráfica expressa a união matrimonial do casal pelas mãos dadas e desenha a cúpula de um santuário que abriga e protege os seus filhos; as cores manifestam a identidade e diversidade de cada um e o amarelo das cabeças simboliza a comunhão familiar", explica a publicação. (JSG)

Loading
Diocese portuguesa de Vila Real faz proposta de “renovação” da pastoral familiar

Vila Real - Portugal (Sexta-feira, 28-10-2016, Gaudium Press) A Diocese de Vila Real anunciou que no ano pastoral que compreende 2016-2017 será dada uma atenção especial para a pastoral familiar.

Diocese portuguesa de Vila Real faz proposta de ?renovação? da pastoral familiar.jpg

O Bispo Dom Amândio Tomás, afirma que existe a necessidade de uma "renovação" para enfrentar os desafios que, hoje, surgiram para a Igreja Católica.

Família: presa do egoísmo e laicismo

No Plano Pastoral que foi publicado e que tem como tema "Família, santuário da fé", o bispo de Vila Real destaca uma sociedade onde "o eclipse de Deus e a corrupção minam a família, presa do egoísmo e laicismo".

Para ele, faltam hoje à família "ardor, fidelidade, sacrifício, referências", valores que anteriormente brotavam da fé que agora mais parece mera "praxe social". Falta também compromisso cristão. E isto é visível "na fuga e indiferença" para com a Igreja, "após o Crisma" e também "na falta de vocações, de amor e de empenho conjugal".

Má formação, medo: minam o matrimônio

"O medo do compromisso definitivo mina o matrimônio cristão, produz as uniões de fato, o divórcio, o aborto, o hedonismo e dramas familiares, a apatia e silêncio dos pastores", destaca o prelado. E é por isso que Dom Amândio , sublinha a importância premente de uma pastoral familiar onde os leigos e as famílias não se demitam, não fujam de suas responsabilidades cristãs, nascidas no batismo.

Contratestemunho, mal exemplo

O desejo é que esta pastoral consiga dar verdadeiramente sentido a figuras e funções que atualmente mais parecem preceitos vazios e sem sentido.

D. Amândio Tomás dá como exemplo as figuras dos padrinhos que "antes ajudavam na iniciação cristã, os adultos para o batismo, e com os pais eram catequistas das crianças com o exemplo de vida.

"Hoje, são contratestemunho, dão mau exemplo. Os adolescentes aturam a Catequese, para obter a crisma, diploma, serem Padrinhos, ‘desobrigados'. O testemunho cristão, que levava ao martírio, é raro. Os padrinhos são irrelevantes, no batismo e crisma, mas mudar hábitos e mentalidade não é fácil", lamenta o bispo.

Renovação na pastoral da família

Antes de detalhar como será a renovação que deseja para sua diocese, o Bispo ainda descreve a situação dos catequistas, entre os quais "há não praticantes, gente sem fé e sem vida digna".

"A catequese, sem o exemplo de pais e catequistas, é mais escola de noções e saberes. Falta catecumenato, vivência e testemunho de fé e uma paixão por Cristo", acrescenta.

Para ajudar esta renovação na pastoral da família, que tem consequências em todos os setores da Igreja Católica, D. Amândio Tomás pretende criar um Secretariado da Família e um Conselho Diocesano de Pastoral.

Padrinhos, acompanhamento, vida familiar

O Prelado fala de outros desafios, descreve-os e sugere soluções:

Sobre a questão dos padrinhos, ele defende a importância de "não ministrar sacramentos sem instrução e catequese prévia" e revela que "vai pedir que se trate do tema na Conferência Episcopal Portuguesa em ordem a uma prática comum em todas as dioceses".

O Bispo de Vila Real enfatiza a necessidade prioritária de um maior "acompanhamento" da Igreja Católica na "vida familiar", dos "casais, adolescentes, namorados e noivos", neste caso, dá importância total ao "curso de preparação para o matrimónio", que necessita ser realizado com mais profundidade, sem descaso.

Ajudar os jovens com referências

"Ajudemos os jovens, pobres de afeto, doutrina e bons costumes, a apreciar a beleza do amor, entre marido e mulher, que se dão e recebem, em dom exclusivo e fiel (...) Precisamos de referências que digam que o amor fiel é possível e admirável", escreve o bispo.

D. Amândio Tomás espera que este tempo ajude as comunidades cristãs a tomarem mais "consciência" da sua pertença à Igreja, pois por vezes a fé resume-se a "devoções e promessas e a religiosidade, sem Deus e sem o fermento do Evangelho".

"As pessoas vivem para si, egoístas e propensas a agir, individualmente, fazendo da fé bens de supermercado, em que se escolhe o agradável e rejeita o que custa e vale", lamenta.

Logotipo

O logótipo do ano pastoral, pretende valorizar "a identidade" da família constituída por um pai, uma mãe e pelos filhos "em união".

"A sua arquitetura gráfica expressa a união matrimonial do casal pelas mãos dadas e desenha a cúpula de um santuário que abriga e protege os seus filhos; as cores manifestam a identidade e diversidade de cada um e o amarelo das cabeças simboliza a comunhão familiar", explica a publicação. (JSG)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading