Loading
 
 
 
Loading
 
Perfeita união
Loading
 
11 de Novembro de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Sexta-feira, 11-11-2016, Gaudium Press) Nosso Senhor Jesus Cristo, tendo uma missão redentora, poderia, desde a mais tenra idade, ter-Se manifestado plenamente aos homens como um profeta, como um rei, como o Messias esperado.Entretanto, quis Ele viver ocultamente durante trinta anos na casa de Nazaré, onde somente Maria e José O adoravam, em íntima contemplação e comunicação sobrenatural. Se Ele veio para conviver e ensinar aos homens, por que pregou só no fim de sua vida, durante três anos? Não era mais conveniente que dedicasse mais tempo ao apostolado entre o povo? Não fez Ele mais bem aos homens estando entre eles do que na casa de Nazaré?

Perfeita união.jpg

As grandes missões devem ser precedidas por grandes momentos de contemplação, nos quais a oração e o silêncio burilam a alma para todas as formas de heroísmo. Cristo, sendo Deus, não precisava de momentos para recolher sua alma, pois constantemente via a face do Pai. Porém, como verdadeiro Mestre, deixou-nos este exemplo: durante nossa existência terrena, devemos nos dedicar primeiro à vida interior e depois às obras de apostolado.

Cabe-nos ressaltar ainda que, no decorrer dos anos de vida pública, Jesus dedicava longas horas para a oração e o recolhimento, e o mesmo aconselhava aos apóstolos, a fim de edificarem a Igreja com base neste princípio: "Jesus obrigou seus discípulos a entrar na barca e a passar antes d'Ele para a outra margem, enquanto Ele despedia a multidão. Feito isso, subiu à montanha para orar na solidão. E, chegando à noite, estava lá sozinho" (Mt 14, 22-23). São João Crisóstomo comenta a este respeito: "Despedida a multidão, sobe para orar, porque a oração exige repouso e silêncio. Não é todo aquele que ora que sobe ao monte, senão só o que reza bem e busca a Deus na oração".[1]

Em outra ocasião, "retirou-se Jesus com eles para um lugar chamado Getsêmani e disse-lhes: Assentai-vos aqui, enquanto Eu vou ali orar" (Mt 26, 36). Assim o fez "para ensinar aos discípulos que na oração devem buscar a solidão".[2] E em diversas circunstâncias assim agiu: antes do início de sua vida pública, retirando-se quarenta dias para o deserto (Cf. Mc 1, 12-13); antes de entrar em cidades onde exerceria muitas atividades apostólicas (Cf. Mt 14, 23) e, sobretudo, antes da Paixão; indo para o Horto das Oliveiras, onde passou a noite em oração (Cf. Lc 22, 39-45).

Vida ativa de Cristo

"Seria ingenuidade, ou pelo menos pobreza de senso comum, imaginar que a vida oculta de Jesus transcorrida num completo isolamento, fechada entre quatro paredes, sem a possibilidade do menor contato com a sociedade ao seu redor".[3] Os fins da Encarnação exigiam que Nosso Senhor fosse manifestando-Se paulatinamente ao longo dos anos. Por isso, fatos como a perda e o encontro do Menino discutindo com os doutores da Lei comprovam sua missão apostólica desabrochando aos olhos dos homens.
Mais tarde em plenas atividades pastorais, Jesus dedicava-Se intensamente à salvação das almas:

Jesus percorria toda a Galileia, ensinando nas suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, curando todas as doenças e enfermidades entre o povo. Sua fama espalhou-se por toda a Síria: traziam-lhe os doentes e os enfermos, os possessos, os lunáticos, os paralíticos. E ele curava a todos. Grandes multidões acompanharam-no da Galileia, da Decápole, de Jerusalém, da Judéia e dos países do outro lado do Jordão (Mt 4, 23-25).

Há nos evangelhos, diversas passagens em que as atividades pastorais e zelo pelas com as almas transbordavam do Sagrado Coração de Jesus: "Reuniu-se tal multidão, que não podiam encontrar lugar nem mesmo junto à porta. E Ele os instruía" (Mc 2, 2). Percorrendo as cidades, curou e ensinou a todos: "Ao amanhecer, Ele saiu e retirou-Se para um lugar afastado. As multidões O procuravam e foram até onde Ele estava e queriam detê-Lo, para que não as deixasse". Mas, o Salvador manifestava seu zelo também por outras almas que deveriam se converter pelo contato com Ele: "É necessário que Eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão" (Lc 4, 42-43).

Todas as virtudes em Jesus Cristo se harmonizam em grau máximo, de forma sublime. Assim, em sua vida, tanto o obrar quanto o contemplar são perfeitos e se completam. As narrações evangélicas souberam retratar este arco gótico, como vemos nesta passagem: "Entretanto, espalhava-se mais e mais a sua fama e concorriam grandes multidões para ouvi-Lo e serem curadas das suas enfermidades. Mas Ele costumava retirar-Se a lugares solitários para orar" (Lc 5, 16).

Nosso Redentor faz milagres nas cidades de dia e dedica a noite para a oração. E continua: "Mas Ele se retirava ao deserto para orar", para dar a entender aos bons pregadores que não abandonem inteiramente a vida ativa, por amor à contemplativa, e a não desprezar os gozos da contemplação por uma atividade excessiva, senão que bebam na quietude da contemplação o que derramaram falando, ocupados com o próximo.[4]

Assim sendo, a vida ativa de Cristo não é contrária à contemplativa, e sim, um complemento. Exemplo para nós: nossa vida ativa deve ser um transbordamento de algo que se contemplou e se pôs em obras. A união entre ação e contemplação é superior a qualquer uma considerada separadamente.[5]

Por Ir. Letícia Gonçalves de Sousa, EP
(Do Instituto Filosófico-Teológico Santa Escolástica - IFTE)

...............................................................
[1] JOÃO CRISÓSTOMO, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Marcum, VI, v. 45-52.
[2] JOÃO DAMASCENO, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Mateum, II, v. 36-38.
[3] CLÁ DIAS, João Scognamiglio. Eles viram, mas não entenderam. In: Arautos do Evangelho. São Paulo: Ano VI, n. 61, jan 2007, p. 10.
[4] GREGÓRIO DE NISSA, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Lucam, V, v. 12-16.
[5] Cf. ROYO MARÍN, Antonio. Teología de la perfección cristiana. Madrid: BAC, 2006, p.707.

Loading
Perfeita união

Redação (Sexta-feira, 11-11-2016, Gaudium Press) Nosso Senhor Jesus Cristo, tendo uma missão redentora, poderia, desde a mais tenra idade, ter-Se manifestado plenamente aos homens como um profeta, como um rei, como o Messias esperado.Entretanto, quis Ele viver ocultamente durante trinta anos na casa de Nazaré, onde somente Maria e José O adoravam, em íntima contemplação e comunicação sobrenatural. Se Ele veio para conviver e ensinar aos homens, por que pregou só no fim de sua vida, durante três anos? Não era mais conveniente que dedicasse mais tempo ao apostolado entre o povo? Não fez Ele mais bem aos homens estando entre eles do que na casa de Nazaré?

Perfeita união.jpg

As grandes missões devem ser precedidas por grandes momentos de contemplação, nos quais a oração e o silêncio burilam a alma para todas as formas de heroísmo. Cristo, sendo Deus, não precisava de momentos para recolher sua alma, pois constantemente via a face do Pai. Porém, como verdadeiro Mestre, deixou-nos este exemplo: durante nossa existência terrena, devemos nos dedicar primeiro à vida interior e depois às obras de apostolado.

Cabe-nos ressaltar ainda que, no decorrer dos anos de vida pública, Jesus dedicava longas horas para a oração e o recolhimento, e o mesmo aconselhava aos apóstolos, a fim de edificarem a Igreja com base neste princípio: "Jesus obrigou seus discípulos a entrar na barca e a passar antes d'Ele para a outra margem, enquanto Ele despedia a multidão. Feito isso, subiu à montanha para orar na solidão. E, chegando à noite, estava lá sozinho" (Mt 14, 22-23). São João Crisóstomo comenta a este respeito: "Despedida a multidão, sobe para orar, porque a oração exige repouso e silêncio. Não é todo aquele que ora que sobe ao monte, senão só o que reza bem e busca a Deus na oração".[1]

Em outra ocasião, "retirou-se Jesus com eles para um lugar chamado Getsêmani e disse-lhes: Assentai-vos aqui, enquanto Eu vou ali orar" (Mt 26, 36). Assim o fez "para ensinar aos discípulos que na oração devem buscar a solidão".[2] E em diversas circunstâncias assim agiu: antes do início de sua vida pública, retirando-se quarenta dias para o deserto (Cf. Mc 1, 12-13); antes de entrar em cidades onde exerceria muitas atividades apostólicas (Cf. Mt 14, 23) e, sobretudo, antes da Paixão; indo para o Horto das Oliveiras, onde passou a noite em oração (Cf. Lc 22, 39-45).

Vida ativa de Cristo

"Seria ingenuidade, ou pelo menos pobreza de senso comum, imaginar que a vida oculta de Jesus transcorrida num completo isolamento, fechada entre quatro paredes, sem a possibilidade do menor contato com a sociedade ao seu redor".[3] Os fins da Encarnação exigiam que Nosso Senhor fosse manifestando-Se paulatinamente ao longo dos anos. Por isso, fatos como a perda e o encontro do Menino discutindo com os doutores da Lei comprovam sua missão apostólica desabrochando aos olhos dos homens.
Mais tarde em plenas atividades pastorais, Jesus dedicava-Se intensamente à salvação das almas:

Jesus percorria toda a Galileia, ensinando nas suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, curando todas as doenças e enfermidades entre o povo. Sua fama espalhou-se por toda a Síria: traziam-lhe os doentes e os enfermos, os possessos, os lunáticos, os paralíticos. E ele curava a todos. Grandes multidões acompanharam-no da Galileia, da Decápole, de Jerusalém, da Judéia e dos países do outro lado do Jordão (Mt 4, 23-25).

Há nos evangelhos, diversas passagens em que as atividades pastorais e zelo pelas com as almas transbordavam do Sagrado Coração de Jesus: "Reuniu-se tal multidão, que não podiam encontrar lugar nem mesmo junto à porta. E Ele os instruía" (Mc 2, 2). Percorrendo as cidades, curou e ensinou a todos: "Ao amanhecer, Ele saiu e retirou-Se para um lugar afastado. As multidões O procuravam e foram até onde Ele estava e queriam detê-Lo, para que não as deixasse". Mas, o Salvador manifestava seu zelo também por outras almas que deveriam se converter pelo contato com Ele: "É necessário que Eu anuncie a boa nova do Reino de Deus também às outras cidades, pois essa é a minha missão" (Lc 4, 42-43).

Todas as virtudes em Jesus Cristo se harmonizam em grau máximo, de forma sublime. Assim, em sua vida, tanto o obrar quanto o contemplar são perfeitos e se completam. As narrações evangélicas souberam retratar este arco gótico, como vemos nesta passagem: "Entretanto, espalhava-se mais e mais a sua fama e concorriam grandes multidões para ouvi-Lo e serem curadas das suas enfermidades. Mas Ele costumava retirar-Se a lugares solitários para orar" (Lc 5, 16).

Nosso Redentor faz milagres nas cidades de dia e dedica a noite para a oração. E continua: "Mas Ele se retirava ao deserto para orar", para dar a entender aos bons pregadores que não abandonem inteiramente a vida ativa, por amor à contemplativa, e a não desprezar os gozos da contemplação por uma atividade excessiva, senão que bebam na quietude da contemplação o que derramaram falando, ocupados com o próximo.[4]

Assim sendo, a vida ativa de Cristo não é contrária à contemplativa, e sim, um complemento. Exemplo para nós: nossa vida ativa deve ser um transbordamento de algo que se contemplou e se pôs em obras. A união entre ação e contemplação é superior a qualquer uma considerada separadamente.[5]

Por Ir. Letícia Gonçalves de Sousa, EP
(Do Instituto Filosófico-Teológico Santa Escolástica - IFTE)

...............................................................
[1] JOÃO CRISÓSTOMO, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Marcum, VI, v. 45-52.
[2] JOÃO DAMASCENO, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Mateum, II, v. 36-38.
[3] CLÁ DIAS, João Scognamiglio. Eles viram, mas não entenderam. In: Arautos do Evangelho. São Paulo: Ano VI, n. 61, jan 2007, p. 10.
[4] GREGÓRIO DE NISSA, Santo apud TOMÁS DE AQUINO, Santo. Catena Aurea in Lucam, V, v. 12-16.
[5] Cf. ROYO MARÍN, Antonio. Teología de la perfección cristiana. Madrid: BAC, 2006, p.707.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/83482-Perfeita-uniao. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento, que seguiu o lema “Não temas Maria, pois encontras-te graça diante de Deus”, foi con ...
 
“A capela de adoração é uma iniciativa do Senhor para que tivéssemos um lugar adequado para or ...
 
Conforme o purpurado, Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos. ...
 
Criada em 27 de maio de 1998 pelo Papa João Paulo II, o bispado de Criciúma foi desmembrado da Dio ...
 
O sucesso vocacional do sacerdote depende das orações dos fiéis, afirma arcebispo de Malanje, no ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading