Loading
 
 
 
Loading
 
Termina o Ano Santo: continua aberta a Porta da Misericórdia do Coração de Jesus
Loading
 
21 de Novembro de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 20-11-2016, Gaudium Press) As cerimônias da Solenidade de Cristo Rei, a missa de encerramento do Jubileu da Misericórdia e o fechamento da Porta Santa da Basílica de São Pedro foram presididas pelo Papa Francisco neste domingo, no Vaticano. 

Termina o Ano Santo continua aberta a Porta da Misericórdia do Coração de Jesus.jpg

Em suas palavras então proferidas, inicialmente, o Santo Padre explicou:

"A solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo coroa o ano litúrgico e este Ano Santo da Misericórdia.
O Evangelho apresenta a realeza de Jesus no auge de sua obra salvadora e o faz de maneira surpreendente.

‘O Messias de Deus, o Eleito, (...) o Rei' aparece sem poder nem glória: está na cruz, onde parece mais um vencido do que um vencedor.

Realeza Paradoxal

O Papa continuou falando sobre a Realeza de Jesus:

"A sua realeza é paradoxal: o seu trono é a cruz; a sua coroa é de espinhos; não tem um cetro e não usa vestidos suntuosos, mas é privado da própria túnica; não tem anéis brilhantes nos dedos, mas as mãos transpassadas pelos pregos; não possui um tesouro, mas é vendido por trinta moedas."

Rei do universo, centro da história, Senhor de nossa vida

"Não é deste mundo o reino de Jesus, mas Nele -como nos diz o Apóstolo Paulo na segunda leitura-, encontramos a redenção e o perdão, pois a grandeza do seu reino não está na força segundo o mundo, mas no amor de Deus, um amor capaz de alcançar e restaurar todas as coisas.

Por este amor, Cristo abaixou-se até nós, viveu a nossa miséria humana, provou a nossa condição mais ínfima: a injustiça, a traição, o abandono; experimentou a morte, o sepulcro, a morada dos mortos.

Assim, se aventurou o nosso Rei até os confins do universo, para abraçar e salvar todo o vivente. Não nos condenou, nem sequer nos conquistou, nunca violou a nossa liberdade, mas abriu caminho com o amor humilde, que tudo desculpa, tudo espera, tudo suporta. Somente este amor venceu e continua vencendo os nossos grandes adversários: o pecado, a morte e o medo."

"Seria demasiado pouco crer que Jesus é Rei do universo e centro da história, sem fazê-lo tornar-se Senhor de nossa vida", destacou Francisco.

Acolher a Realeza de Jesus

"Para acolher a realeza de Jesus, somos chamados a lutar contra esta tentação, a fixar o olhar no Crucificado, para Lhe sermos fiéis cada vez mais", afirmou o Papa.

E logo falou sobre as tentações de descer da cruz, procurando caminhos fáceis que nos afastam da contemplação do verdadeiro rosto do Rei do Universo que o Ano da Misericórdia nos convidou a contemplar:

"Quantas vezes se procuraram -mesmo entre nós- as seguranças gratificantes oferecidas pelo mundo! Quantas vezes nos sentimos tentados a descer da cruz! A força de atração que tem o poder e o sucesso pareceu um caminho mais fácil e rápido para difundir o Evangelho, esquecendo depressa como atua o reino de Deus.

Este Ano da Misericórdia convidou-nos a descobrir novamente o centro, a regressar ao essencial. Este tempo de misericórdia nos chama a contemplar o verdadeiro rosto do nosso Rei, aquele que brilha na Páscoa, e a descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é acolhedora, livre, fiel, pobre de meios, rica no amor, missionária.

A misericórdia, levando-nos ao coração do Evangelho, nos exorta também a renunciar a hábitos e costumes que podem obstaculizar o serviço ao reino de Deus, a encontrar a nossa orientação apenas na realeza perene e humilde de Jesus, e não na acomodação às realezas precárias e aos poderes mutáveis de cada época. "

O Bom Ladrão, a Misericórdia e Nós

O Papa encontrou no Bom Ladrão um exemplo para a contemplação de Jesus, para acreditar seu Reino e obter Misericórdia:

"Perto de Jesus, o malfeitor o invoca dizendo: ‘Jesus, lembra-te de mim, quando estiveres no teu Reino'. "Com a simples contemplação de Jesus, ele acreditou no seu Reino. E não se fechou em si mesmo, mas, com os seus erros, os seus pecados e os seus problemas, dirigiu-se a Jesus. Pediu para ser lembrado, e saboreou a misericórdia de Deus:

‘Hoje estarás comigo no Paraíso'. Deus, quando lhe damos tal possibilidade, se lembra de nós. Está pronto a apagar completamente e para sempre o pecado, porque a sua memória não é como a nossa: não registra o mal feito, nem continua a ter em conta as ofensas sofridas. Deus não tem memória do pecado, mas de nós, de cada um de nós, seus filhos amados e crê que é sempre possível recomeçar, levantar-se", disse Francisco.

Porta da Misericórdia: sempre aberta

Francisco nos convidou a pedir "o dom desta memória aberta e viva": "Peçamos a graça de não fechar nunca as portas da reconciliação e do perdão, mas saber ir além do mal e das divergências, abrindo todas as vias possíveis de esperança. Assim como Deus acredita em nós, infinitamente para além de nossos méritos, também nós somos chamados a infundir esperança e a dar uma oportunidade aos outros. Com efeito, embora se feche a Porta Santa, continua sempre escancarada para nós a verdadeira porta da misericórdia que é o Coração de Cristo. Do lado transpassado do Ressuscitado jorram até o fim dos tempos a misericórdia, a consolação e a esperança", frisou o Pontífice.

"Muitos peregrinos atravessaram as Portas Santas e, longe do fragor dos noticiários, saborearam a grande bondade do Senhor. Agradeçamos ao Senhor por isso e recordemo-nos de que fomos investidos em misericórdia para nos revestir de sentimentos de misericórdia, para nos tornarmos instrumentos de misericórdia. Prossigamos, juntos, este nosso caminho. Acompanhe-nos Nossa Senhora! Ela também estava junto da cruz; lá nos deu à luz enquanto terna Mãe da Igreja, que a todos deseja abrigar sob o seu manto. Ao pé da cruz, Ela viu o bom ladrão receber o perdão e tomou o discípulo de Jesus como seu filho. É a Mãe de misericórdia, a quem nos confiamos: toda situação nossa, toda oração nossa, dirigida aos seus olhos misericordiosos, não ficará sem resposta." (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações RV)

Loading
Termina o Ano Santo: continua aberta a Porta da Misericórdia do Coração de Jesus

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 20-11-2016, Gaudium Press) As cerimônias da Solenidade de Cristo Rei, a missa de encerramento do Jubileu da Misericórdia e o fechamento da Porta Santa da Basílica de São Pedro foram presididas pelo Papa Francisco neste domingo, no Vaticano. 

Termina o Ano Santo continua aberta a Porta da Misericórdia do Coração de Jesus.jpg

Em suas palavras então proferidas, inicialmente, o Santo Padre explicou:

"A solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo coroa o ano litúrgico e este Ano Santo da Misericórdia.
O Evangelho apresenta a realeza de Jesus no auge de sua obra salvadora e o faz de maneira surpreendente.

‘O Messias de Deus, o Eleito, (...) o Rei' aparece sem poder nem glória: está na cruz, onde parece mais um vencido do que um vencedor.

Realeza Paradoxal

O Papa continuou falando sobre a Realeza de Jesus:

"A sua realeza é paradoxal: o seu trono é a cruz; a sua coroa é de espinhos; não tem um cetro e não usa vestidos suntuosos, mas é privado da própria túnica; não tem anéis brilhantes nos dedos, mas as mãos transpassadas pelos pregos; não possui um tesouro, mas é vendido por trinta moedas."

Rei do universo, centro da história, Senhor de nossa vida

"Não é deste mundo o reino de Jesus, mas Nele -como nos diz o Apóstolo Paulo na segunda leitura-, encontramos a redenção e o perdão, pois a grandeza do seu reino não está na força segundo o mundo, mas no amor de Deus, um amor capaz de alcançar e restaurar todas as coisas.

Por este amor, Cristo abaixou-se até nós, viveu a nossa miséria humana, provou a nossa condição mais ínfima: a injustiça, a traição, o abandono; experimentou a morte, o sepulcro, a morada dos mortos.

Assim, se aventurou o nosso Rei até os confins do universo, para abraçar e salvar todo o vivente. Não nos condenou, nem sequer nos conquistou, nunca violou a nossa liberdade, mas abriu caminho com o amor humilde, que tudo desculpa, tudo espera, tudo suporta. Somente este amor venceu e continua vencendo os nossos grandes adversários: o pecado, a morte e o medo."

"Seria demasiado pouco crer que Jesus é Rei do universo e centro da história, sem fazê-lo tornar-se Senhor de nossa vida", destacou Francisco.

Acolher a Realeza de Jesus

"Para acolher a realeza de Jesus, somos chamados a lutar contra esta tentação, a fixar o olhar no Crucificado, para Lhe sermos fiéis cada vez mais", afirmou o Papa.

E logo falou sobre as tentações de descer da cruz, procurando caminhos fáceis que nos afastam da contemplação do verdadeiro rosto do Rei do Universo que o Ano da Misericórdia nos convidou a contemplar:

"Quantas vezes se procuraram -mesmo entre nós- as seguranças gratificantes oferecidas pelo mundo! Quantas vezes nos sentimos tentados a descer da cruz! A força de atração que tem o poder e o sucesso pareceu um caminho mais fácil e rápido para difundir o Evangelho, esquecendo depressa como atua o reino de Deus.

Este Ano da Misericórdia convidou-nos a descobrir novamente o centro, a regressar ao essencial. Este tempo de misericórdia nos chama a contemplar o verdadeiro rosto do nosso Rei, aquele que brilha na Páscoa, e a descobrir novamente o rosto jovem e belo da Igreja, que brilha quando é acolhedora, livre, fiel, pobre de meios, rica no amor, missionária.

A misericórdia, levando-nos ao coração do Evangelho, nos exorta também a renunciar a hábitos e costumes que podem obstaculizar o serviço ao reino de Deus, a encontrar a nossa orientação apenas na realeza perene e humilde de Jesus, e não na acomodação às realezas precárias e aos poderes mutáveis de cada época. "

O Bom Ladrão, a Misericórdia e Nós

O Papa encontrou no Bom Ladrão um exemplo para a contemplação de Jesus, para acreditar seu Reino e obter Misericórdia:

"Perto de Jesus, o malfeitor o invoca dizendo: ‘Jesus, lembra-te de mim, quando estiveres no teu Reino'. "Com a simples contemplação de Jesus, ele acreditou no seu Reino. E não se fechou em si mesmo, mas, com os seus erros, os seus pecados e os seus problemas, dirigiu-se a Jesus. Pediu para ser lembrado, e saboreou a misericórdia de Deus:

‘Hoje estarás comigo no Paraíso'. Deus, quando lhe damos tal possibilidade, se lembra de nós. Está pronto a apagar completamente e para sempre o pecado, porque a sua memória não é como a nossa: não registra o mal feito, nem continua a ter em conta as ofensas sofridas. Deus não tem memória do pecado, mas de nós, de cada um de nós, seus filhos amados e crê que é sempre possível recomeçar, levantar-se", disse Francisco.

Porta da Misericórdia: sempre aberta

Francisco nos convidou a pedir "o dom desta memória aberta e viva": "Peçamos a graça de não fechar nunca as portas da reconciliação e do perdão, mas saber ir além do mal e das divergências, abrindo todas as vias possíveis de esperança. Assim como Deus acredita em nós, infinitamente para além de nossos méritos, também nós somos chamados a infundir esperança e a dar uma oportunidade aos outros. Com efeito, embora se feche a Porta Santa, continua sempre escancarada para nós a verdadeira porta da misericórdia que é o Coração de Cristo. Do lado transpassado do Ressuscitado jorram até o fim dos tempos a misericórdia, a consolação e a esperança", frisou o Pontífice.

"Muitos peregrinos atravessaram as Portas Santas e, longe do fragor dos noticiários, saborearam a grande bondade do Senhor. Agradeçamos ao Senhor por isso e recordemo-nos de que fomos investidos em misericórdia para nos revestir de sentimentos de misericórdia, para nos tornarmos instrumentos de misericórdia. Prossigamos, juntos, este nosso caminho. Acompanhe-nos Nossa Senhora! Ela também estava junto da cruz; lá nos deu à luz enquanto terna Mãe da Igreja, que a todos deseja abrigar sob o seu manto. Ao pé da cruz, Ela viu o bom ladrão receber o perdão e tomou o discípulo de Jesus como seu filho. É a Mãe de misericórdia, a quem nos confiamos: toda situação nossa, toda oração nossa, dirigida aos seus olhos misericordiosos, não ficará sem resposta." (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações RV)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/83647-Termina-o-Ano-Santo--continua-aberta-a-Porta-da-Misericordia-do-Coracao-de-Jesus. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O novo app funcionará durante as audiências gerais das quartas-feiras, ao ângelus do domingo na P ...
 
O edifício havia sido fechado em 1968, por conta da guerra entre Israel e Palestina, que converteu ...
 
Varão de fogo e conselheiro de Papas e monarcas, foi também admirável arauto da Virgem Maria e um ...
 
O evento possibilitou uma reflexão sobre o tema “Coroinhas, sirvam com generosidade a Cristo, pr ...
 
Segundo Dom Rodolfo Luís Weber, “a vida religiosa é uma vida consagrada que evidencia a doação ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading