Loading
 
 
 
Loading
 
Todos nós temos algo da “ovelha perdida”, afirma Francisco em homilia
Loading
 
6 de Dezembro de 2016 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 06-12-2016, Gaudium Press) O Papa Francisco inspirou-se no trecho do Evangelho que trata da Ovelha Perdida para pronunciar sua homilia na Missa celebrada na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano.

Francisco comentou que a ovelha perdida "não se perdeu porque não tinha uma bússola. Conhecia bem o caminho".
Ela se perdeu porque "o coração estava doente", cego por "uma dissociação interior" e foge "para ficar longe do Senhor, para saciar aquela escuridão interior que a levava à vida dupla": estar no rebanho e fugir para a escuridão.
"O Senhor conhece estas coisas" e "vai a sua procura": O Senhor "vem como um juiz, mas um juiz que cuida, um juiz cheio de ternura: faz de tudo para nos salvar": não vem "para condenar mas para salvar", procura cada um de nós, nos ama pessoalmente, "não ama a massa indistinta", mas "nos ama por nome, nos ama como somos".

Figura da Ovelha Perdida

"A figura que melhor me faz entender o comportamento do Senhor com a ovelha perdida é o comportamento do Senhor com Judas", disse o Papa:

"A mais perfeita ovelha perdida no Evangelho é Judas: um homem que sempre, sempre tinha algo de amargo no coração, algo a criticar nos outros, sempre separado.
Não sabia da doçura da gratuidade de viver com todos os outros. E sempre, esta ovelha não estava satisfeita - Judas não era um homem satisfeito! - fugia. Ele fugia porque era ladrão, ia para aquele outro lado.

Outros são luxuriosos, outros... Mas sempre escapam porque têm aquela escuridão no coração que o separa do rebanho. E aquela vida dupla, aquela vida dupla de tantos cristãos, e também, com dor, podemos dizer, sacerdotes, bispos... E Judas era bispo, era um dos primeiros bispos, eh? A ovelha perdida. Pobre! Nós devemos entender as ovelhas perdidas. Também nós temos sempre algo, pequeno ou nem tanto, das ovelhas perdidas".

O ícone da Ovelha Perdida

O Papa destacou que o caracteriza a ovelha perdida não é tanto um erro quanto uma doença que está no coração e da qual o diabo tira proveito.

Assim, Judas, com o seu "coração dividido, dissociado", é "o ícone da ovelha perdida" e que o pastor vai procurar. Mas Judas não entende e "no final quando viu aquilo que a própria vida dupla provocou na comunidade, o mal que semeou, com sua escuridão interior, que o levava a fugir sempre, procurando luzes que não eram a luz do Senhor" "se desesperou".

"Há uma palavra na Bíblia - o Senhor é bom, também para estas ovelhas, nunca deixa de procurá-las". (...) Mas essa palavra o que significa? Que até o final o amor de Deus, trabalha naquela alma, até o momento do desespero.
E esta é a atitude do Bom Pastor com a ovelha perdida.

Este é o anúncio, a boa notícia que nos traz o Natal e nos pede essa sincera alegria que muda o coração, que nos leva a nos deixarmos consolar pelo Senhor, e não as consolações que procuramos para tentar desabafar, para escapar da realidade, escapar da tortura interior, da divisão interior", afirmou o Papa.

Jesus não insulta a Ovelha Perdida

Quando Jesus encontra a ovelha perdida Ele não a insulta, ainda que ela tenha feito tanto mal.

No Jardim das Oliveiras Jesus chama Judas de "Amigo". São as carícias de Deus, comentou o Pontífice:

"Quem não conhece as carícias do Senhor não conhece a doutrina cristã! Quem não se deixa acariciar pelo Senhor está perdido!

É esta a boa notícia, esta é a alegria sincera que nós hoje queremos. Esta é a alegria, esta é a consolação que buscamos: que venha o Senhor com o seu poder, que são as carícias, a encontrar-nos, para nos salvar, como a ovelha perdida e a nos levar para o rebanho de sua Igreja".

Natal: reconhecer nossas feridas e pecados

"Que o Senhor nos conceda esta graça, de esperar o Natal com as nossas feridas, com os nossos pecados, sinceramente reconhecidos, para esperar o poder desse Deus que vem nos consolar, que vem com poder, mas o seu poder é a ternura, as carícias que nasceram do seu coração, o seu coração tão bom que deu a vida por nós", concluiu o Santo Padre. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações RV)

Loading
Todos nós temos algo da “ovelha perdida”, afirma Francisco em homilia

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 06-12-2016, Gaudium Press) O Papa Francisco inspirou-se no trecho do Evangelho que trata da Ovelha Perdida para pronunciar sua homilia na Missa celebrada na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano.

Francisco comentou que a ovelha perdida "não se perdeu porque não tinha uma bússola. Conhecia bem o caminho".
Ela se perdeu porque "o coração estava doente", cego por "uma dissociação interior" e foge "para ficar longe do Senhor, para saciar aquela escuridão interior que a levava à vida dupla": estar no rebanho e fugir para a escuridão.
"O Senhor conhece estas coisas" e "vai a sua procura": O Senhor "vem como um juiz, mas um juiz que cuida, um juiz cheio de ternura: faz de tudo para nos salvar": não vem "para condenar mas para salvar", procura cada um de nós, nos ama pessoalmente, "não ama a massa indistinta", mas "nos ama por nome, nos ama como somos".

Figura da Ovelha Perdida

"A figura que melhor me faz entender o comportamento do Senhor com a ovelha perdida é o comportamento do Senhor com Judas", disse o Papa:

"A mais perfeita ovelha perdida no Evangelho é Judas: um homem que sempre, sempre tinha algo de amargo no coração, algo a criticar nos outros, sempre separado.
Não sabia da doçura da gratuidade de viver com todos os outros. E sempre, esta ovelha não estava satisfeita - Judas não era um homem satisfeito! - fugia. Ele fugia porque era ladrão, ia para aquele outro lado.

Outros são luxuriosos, outros... Mas sempre escapam porque têm aquela escuridão no coração que o separa do rebanho. E aquela vida dupla, aquela vida dupla de tantos cristãos, e também, com dor, podemos dizer, sacerdotes, bispos... E Judas era bispo, era um dos primeiros bispos, eh? A ovelha perdida. Pobre! Nós devemos entender as ovelhas perdidas. Também nós temos sempre algo, pequeno ou nem tanto, das ovelhas perdidas".

O ícone da Ovelha Perdida

O Papa destacou que o caracteriza a ovelha perdida não é tanto um erro quanto uma doença que está no coração e da qual o diabo tira proveito.

Assim, Judas, com o seu "coração dividido, dissociado", é "o ícone da ovelha perdida" e que o pastor vai procurar. Mas Judas não entende e "no final quando viu aquilo que a própria vida dupla provocou na comunidade, o mal que semeou, com sua escuridão interior, que o levava a fugir sempre, procurando luzes que não eram a luz do Senhor" "se desesperou".

"Há uma palavra na Bíblia - o Senhor é bom, também para estas ovelhas, nunca deixa de procurá-las". (...) Mas essa palavra o que significa? Que até o final o amor de Deus, trabalha naquela alma, até o momento do desespero.
E esta é a atitude do Bom Pastor com a ovelha perdida.

Este é o anúncio, a boa notícia que nos traz o Natal e nos pede essa sincera alegria que muda o coração, que nos leva a nos deixarmos consolar pelo Senhor, e não as consolações que procuramos para tentar desabafar, para escapar da realidade, escapar da tortura interior, da divisão interior", afirmou o Papa.

Jesus não insulta a Ovelha Perdida

Quando Jesus encontra a ovelha perdida Ele não a insulta, ainda que ela tenha feito tanto mal.

No Jardim das Oliveiras Jesus chama Judas de "Amigo". São as carícias de Deus, comentou o Pontífice:

"Quem não conhece as carícias do Senhor não conhece a doutrina cristã! Quem não se deixa acariciar pelo Senhor está perdido!

É esta a boa notícia, esta é a alegria sincera que nós hoje queremos. Esta é a alegria, esta é a consolação que buscamos: que venha o Senhor com o seu poder, que são as carícias, a encontrar-nos, para nos salvar, como a ovelha perdida e a nos levar para o rebanho de sua Igreja".

Natal: reconhecer nossas feridas e pecados

"Que o Senhor nos conceda esta graça, de esperar o Natal com as nossas feridas, com os nossos pecados, sinceramente reconhecidos, para esperar o poder desse Deus que vem nos consolar, que vem com poder, mas o seu poder é a ternura, as carícias que nasceram do seu coração, o seu coração tão bom que deu a vida por nós", concluiu o Santo Padre. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações RV)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/83981-Todos-nos-temos-algo-da--ldquo-ovelha-perdida-rdquo---afirma-Francisco-em-homilia. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading