Loading
 
 
 
Loading
 
Irmã Lúcia: encerrado processo de Canonização da Vidente de Fátima
Loading
 
13 de Janeiro de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Coimbra - Portugal (Sexta-feira, 13-01-2017, Gaudium Press) A Diocese de Coimbra e o Carmelo de Santa Teresa anunciaram hoje que a fase diocesana da causa de canonização da Irmã Lúcia chegou ao fim.

O processo passa agora para a competência direta da Santa Sé e do Papa.

Clausura do Processo Diocesano

A Diocese de Coimbra revela ainda, numa nota hoje publicada no jornal diocesano 'Correio de Coimbra', que "a sessão solene de clausura do Inquérito Diocesano do Processo de Beatificação e Canonização da Serva de Deus Lúcia de Jesus se realiza a 13 de fevereiro, no Carmelo de Santa Teresa", em Coimbra.

O inquérito diocesano "reúne todos os escritos da Irmã Lúcia, os depoimentos das (60) testemunhas ouvidas acerca da [sua] fama de santidade e das [suas] virtudes heroicas", acrescenta a Diocese de Coimbra.

"Após a Sessão de Clausura, todo o material recolhido será entregue na Congregação das Causas dos Santos, em Roma, que dará o adequado seguimento, de acordo com as normas estabelecidas pela Igreja", adianta o Santuário de Fátima, na sua página oficial, na internet.

Irmã Lúcia

A irmã Lúcia de Jesus, cujo processo de canonização entra agora numa nova fase, é considerada como a memória das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, que ocorreram entre os meses de maio e outubro de 1917.

Ela foi uma das videntes que testemunharam seis aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, segundo os seus testemunhos, reconhecidos pela Igreja Católica.

Lucia nasceu em Aljustrel, Diocese de Leiria-Fátima, no dia 28 de março de 1907. Em sua cidade natal viveu a sua infância, juntamente com os beatos Francisco e Jacinta, seus primos.

Francisca e Jacinta Marto morreram poucos anos após as Aparições de Fátima, em 1919 e 1920, respetivamente; Lúcia ficou "mais algum tempo", como lhe disse Nossa Senhora na aparição de 13 de junho de 1917.

Após as Aparições de Fátima, Lúcia Rosa dos Santos, entrou no Colégio das Irmãs Doroteias, no Porto, em 1921, congregação onde foi religiosa a partir de 1928, permanecendo na Comunidade de Tuy e Pontevedra, na Galicia.

No dia 25 de março de 1948, a Irmã Lúcia entrou para o Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde tomou o hábito de carmelita no dia 13 de maio de 1948 e professou em 31 de maio de 1949.

Testemunha viva

Por indicação do bispo de Leiria D. José Alves Correia, a Irmã Lúcia redigiu as memórias das Aparições de Fátima entre 1935 e 1941, cuja edição crítica foi publicada em setembro de 2016, as quais foram retomadas a pedido de monsenhor Luciano Guerra, reitor do Santuário.

No dia 13 de maio de 1967 regressou a Fátima para participar no Cinquentenário das Aparições, a pedido do Papa Paulo VI, e nas três peregrinações do Papa João Paulo II (1982, 1991, 2000).

A Irmã Lúcia morreu no dia 13 de fevereiro de 2005 e foi sepultada no Carmelo de Coimbra; o seu corpo foi trasladado para a Basílica do Rosário de Fátima no dia 19 de fevereiro de 2006, onde foi tumulado ao lado da sua prima, a vidente Beata Jacinta Marto.

A 13 de fevereiro de 2008, o cardeal Saraiva Martins anunciou em Coimbra que o agora Papa emérito Bento XVI tinha decidido antecipar o início do processo de beatificação da Irmã Lúcia, após aceitar o pedido de dispensa do período de espera de cinco anos após a morte, determinado pelo Direito Canónico. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Diocese de Coimbra)

Loading
Irmã Lúcia: encerrado processo de Canonização da Vidente de Fátima

Coimbra - Portugal (Sexta-feira, 13-01-2017, Gaudium Press) A Diocese de Coimbra e o Carmelo de Santa Teresa anunciaram hoje que a fase diocesana da causa de canonização da Irmã Lúcia chegou ao fim.

O processo passa agora para a competência direta da Santa Sé e do Papa.

Clausura do Processo Diocesano

A Diocese de Coimbra revela ainda, numa nota hoje publicada no jornal diocesano 'Correio de Coimbra', que "a sessão solene de clausura do Inquérito Diocesano do Processo de Beatificação e Canonização da Serva de Deus Lúcia de Jesus se realiza a 13 de fevereiro, no Carmelo de Santa Teresa", em Coimbra.

O inquérito diocesano "reúne todos os escritos da Irmã Lúcia, os depoimentos das (60) testemunhas ouvidas acerca da [sua] fama de santidade e das [suas] virtudes heroicas", acrescenta a Diocese de Coimbra.

"Após a Sessão de Clausura, todo o material recolhido será entregue na Congregação das Causas dos Santos, em Roma, que dará o adequado seguimento, de acordo com as normas estabelecidas pela Igreja", adianta o Santuário de Fátima, na sua página oficial, na internet.

Irmã Lúcia

A irmã Lúcia de Jesus, cujo processo de canonização entra agora numa nova fase, é considerada como a memória das Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, que ocorreram entre os meses de maio e outubro de 1917.

Ela foi uma das videntes que testemunharam seis aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria, segundo os seus testemunhos, reconhecidos pela Igreja Católica.

Lucia nasceu em Aljustrel, Diocese de Leiria-Fátima, no dia 28 de março de 1907. Em sua cidade natal viveu a sua infância, juntamente com os beatos Francisco e Jacinta, seus primos.

Francisca e Jacinta Marto morreram poucos anos após as Aparições de Fátima, em 1919 e 1920, respetivamente; Lúcia ficou "mais algum tempo", como lhe disse Nossa Senhora na aparição de 13 de junho de 1917.

Após as Aparições de Fátima, Lúcia Rosa dos Santos, entrou no Colégio das Irmãs Doroteias, no Porto, em 1921, congregação onde foi religiosa a partir de 1928, permanecendo na Comunidade de Tuy e Pontevedra, na Galicia.

No dia 25 de março de 1948, a Irmã Lúcia entrou para o Carmelo de Santa Teresa em Coimbra, onde tomou o hábito de carmelita no dia 13 de maio de 1948 e professou em 31 de maio de 1949.

Testemunha viva

Por indicação do bispo de Leiria D. José Alves Correia, a Irmã Lúcia redigiu as memórias das Aparições de Fátima entre 1935 e 1941, cuja edição crítica foi publicada em setembro de 2016, as quais foram retomadas a pedido de monsenhor Luciano Guerra, reitor do Santuário.

No dia 13 de maio de 1967 regressou a Fátima para participar no Cinquentenário das Aparições, a pedido do Papa Paulo VI, e nas três peregrinações do Papa João Paulo II (1982, 1991, 2000).

A Irmã Lúcia morreu no dia 13 de fevereiro de 2005 e foi sepultada no Carmelo de Coimbra; o seu corpo foi trasladado para a Basílica do Rosário de Fátima no dia 19 de fevereiro de 2006, onde foi tumulado ao lado da sua prima, a vidente Beata Jacinta Marto.

A 13 de fevereiro de 2008, o cardeal Saraiva Martins anunciou em Coimbra que o agora Papa emérito Bento XVI tinha decidido antecipar o início do processo de beatificação da Irmã Lúcia, após aceitar o pedido de dispensa do período de espera de cinco anos após a morte, determinado pelo Direito Canónico. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Diocese de Coimbra)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/84734-Irma-Lucia--encerrado-processo-de-Canonizacao-da-Vidente-de-Fatima. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O evento pretende incentivar a militância dos cristãos à serviço da revelação e expansão do R ...
 
“A assunção de Maria, criatura humana, nos confirma nosso destino glorioso”, lembra Papa ...
 
A terceira edição da 'Festa da Luz' contou com a participação de mais de três milhões de espec ...
 
A festa da Assunção nos convida a meditar sobre a glória inefável da Virgem Maria, o Paraíso ...
 
Inaugurado em 1993, o local é uma exposição permanente sobre o legado de amor e caridade do Anjo ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading