Loading
 
 
 
Loading
 
Igreja na África supre as funções de estados falidos
Loading
 
30 de Março de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Congo - África (Quinta-feira, 30-03-2017, Gaudium Press) O Cardeal Laurent Monsengwo, Arcebispo de Kinshasa, República Democrática do Congo, expôs ao informativo Crux a particular relação da Igreja na África com os processos de consolidação social em vários países. Em alguns casos, a Igreja supre as funções de estados falidos na atenção aos cidadãos e guia as sociedades em meio de tensões e conflitos até a recuperação da ordem social.

Igreja na África supre as funções de estados falidos.png

"Existe um sentido no qual a Igreja jogou um papel de substituta do governo, a ponto de quando chegou a independência, foi necessário que a Igreja estivesse perto do povo", explicou o purpurado, citando o caso do Congo, onde a Igreja Católica se encarregou da educação no tempo da colônia belga. Os cidadãos cresceram com uma relação arraigada com a Igreja, assim como com uma confiança superior a que tem com as propriedades políticas. "A maioria acredita que é necessário que a Igreja cuide de nós, e que a Igreja deveria tomar uma posição de forma que ajude a desenvolver a nação".

A Igreja é notavelmente ativa no continente, o que impõem responsabilidades aos Bispos, sacerdotes e religiosas. "Isso não significa que não existam problemas, há muitos problemas", descreveu o Cardeal Monsengwo. "Mas a Igreja está ativa apesar disso, e faz muitas coisas pela povoação e a sociedade". Como exemplo disto, o purpurado propôs sua Arquidiocese, a qual foram confiadas 590 escolas que tem identidade católica as quais se somam 35 escolas privadas paroquiais. Além deste serviço, a Igreja em Kinshasa maneja 60 por cento dos hospitais.

O Cardeal recordou que os cidadãos africanos recorrem à Igreja quando se apresenta grave instabilidade social e o informativo assinalou que o próprio Cardeal Monsengwo assumiu um papel de liderança na transição da ditadura de Mobutu Sese Seko até a democracia. Quando na década de 1990 se requeria a guia de uma pessoa que inspira confiança para presidir o Alto Conselho que governou o país até as eleições, o purpurado foi selecionado por seu prestígio como pessoa de integridade. Ele nunca se considerou chefe de Estado, mas os líderes internacionais e a maioria dos cidadãos o fizeram. (EPC)

Loading
Igreja na África supre as funções de estados falidos

Congo - África (Quinta-feira, 30-03-2017, Gaudium Press) O Cardeal Laurent Monsengwo, Arcebispo de Kinshasa, República Democrática do Congo, expôs ao informativo Crux a particular relação da Igreja na África com os processos de consolidação social em vários países. Em alguns casos, a Igreja supre as funções de estados falidos na atenção aos cidadãos e guia as sociedades em meio de tensões e conflitos até a recuperação da ordem social.

Igreja na África supre as funções de estados falidos.png

"Existe um sentido no qual a Igreja jogou um papel de substituta do governo, a ponto de quando chegou a independência, foi necessário que a Igreja estivesse perto do povo", explicou o purpurado, citando o caso do Congo, onde a Igreja Católica se encarregou da educação no tempo da colônia belga. Os cidadãos cresceram com uma relação arraigada com a Igreja, assim como com uma confiança superior a que tem com as propriedades políticas. "A maioria acredita que é necessário que a Igreja cuide de nós, e que a Igreja deveria tomar uma posição de forma que ajude a desenvolver a nação".

A Igreja é notavelmente ativa no continente, o que impõem responsabilidades aos Bispos, sacerdotes e religiosas. "Isso não significa que não existam problemas, há muitos problemas", descreveu o Cardeal Monsengwo. "Mas a Igreja está ativa apesar disso, e faz muitas coisas pela povoação e a sociedade". Como exemplo disto, o purpurado propôs sua Arquidiocese, a qual foram confiadas 590 escolas que tem identidade católica as quais se somam 35 escolas privadas paroquiais. Além deste serviço, a Igreja em Kinshasa maneja 60 por cento dos hospitais.

O Cardeal recordou que os cidadãos africanos recorrem à Igreja quando se apresenta grave instabilidade social e o informativo assinalou que o próprio Cardeal Monsengwo assumiu um papel de liderança na transição da ditadura de Mobutu Sese Seko até a democracia. Quando na década de 1990 se requeria a guia de uma pessoa que inspira confiança para presidir o Alto Conselho que governou o país até as eleições, o purpurado foi selecionado por seu prestígio como pessoa de integridade. Ele nunca se considerou chefe de Estado, mas os líderes internacionais e a maioria dos cidadãos o fizeram. (EPC)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86332-Igreja-na-Africa-supre-as-funcoes-de-estados-falidos. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading