Loading
 
 
 
Loading
 
Fé: sustentáculo dos católicos chineses perseguidos
Loading
 
4 de Abril de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Lisboa - Portugal (Terça-feira, 04-04-2017, Gaudium Press) Conforme informações da ECCLESIA um diácono chinês pertencente à comunidade Católica que o regime comunista denomina católica 'clandestina' realizou uma série de encontros discorrendo sobre a situação de "perseguição" em seu país.

Fé sustentáculo dos católicos chineses perseguidos.jpg

Por motivo de segurança, o nome do diácono não foi citado, contudo ele revelou com muita propriedade e com dados objetivos que o atual sistema de controle do regime comunista sobre as comunidades religiosas não permite aos católicos "viver a fé com liberdade":

"Muitos deram a vida por dar testemunho da importância da fé, da importância de Cristo", disse o diácono.

Conhecer a realidade

Afirmando que "é preciso que as pessoas saibam o que se está passando (em toda a China) e assim possam conhecer a realidade", o diácono chinês apresentou seu testemunho em encontros de oração e reflexão. Ele passou por várias cidades, entre elas, Évora, Lisboa, Amadora e Setúbal.

Os comunistas de Pequim criaram, em 1957, uma "Igreja ficial", a APC - Associação Patriótica Católica, segundo eles, para evitar interferências estrangeiras, em especial da Santa Sé, e para assegurar que os católicos vivam em conformidade com as políticas do Estado, o que inclui o controlo sobre a nomeação de bispos, uma prerrogativa que só pode ser usada pela Santa Sé.

Fé: sustentáculo dos católicos chineses

Os católicos que seguem as indicações de Roma, não reconhecendo a APC, vivem numa Igreja ‘clandestina' e "a fé é o que sustenta os católicos que vivem esta situação difícil", declara o diácono chinês.

A existência de duas comunidades católicas na China, uma ligada ao Papa e a outra aos comunistas, tem sido objeto de negociações entre Pequim e a Santa Sé. Mas, para o diácono, é pouco admissível que "tudo mude de um dia para o outro".

"Em outros países existe mais facilidade para viver a fé e nós queremos essa liberdade, o direito a viver dessa forma", disse o diácono em seu testemunho:

Na China, "bispos, sacerdotes e leigos são ainda hoje perseguidos, presos e oprimidos", sublinhou ele.

O Papa Francisco já confessou a sua "admiração" pela China e admitiu seu desejo de visitar o país.

Sobrevoando o território chinês, em 2014, Francisco enviou mensagens a Xi Jinping. (JSG)

Loading
Fé: sustentáculo dos católicos chineses perseguidos

Lisboa - Portugal (Terça-feira, 04-04-2017, Gaudium Press) Conforme informações da ECCLESIA um diácono chinês pertencente à comunidade Católica que o regime comunista denomina católica 'clandestina' realizou uma série de encontros discorrendo sobre a situação de "perseguição" em seu país.

Fé sustentáculo dos católicos chineses perseguidos.jpg

Por motivo de segurança, o nome do diácono não foi citado, contudo ele revelou com muita propriedade e com dados objetivos que o atual sistema de controle do regime comunista sobre as comunidades religiosas não permite aos católicos "viver a fé com liberdade":

"Muitos deram a vida por dar testemunho da importância da fé, da importância de Cristo", disse o diácono.

Conhecer a realidade

Afirmando que "é preciso que as pessoas saibam o que se está passando (em toda a China) e assim possam conhecer a realidade", o diácono chinês apresentou seu testemunho em encontros de oração e reflexão. Ele passou por várias cidades, entre elas, Évora, Lisboa, Amadora e Setúbal.

Os comunistas de Pequim criaram, em 1957, uma "Igreja ficial", a APC - Associação Patriótica Católica, segundo eles, para evitar interferências estrangeiras, em especial da Santa Sé, e para assegurar que os católicos vivam em conformidade com as políticas do Estado, o que inclui o controlo sobre a nomeação de bispos, uma prerrogativa que só pode ser usada pela Santa Sé.

Fé: sustentáculo dos católicos chineses

Os católicos que seguem as indicações de Roma, não reconhecendo a APC, vivem numa Igreja ‘clandestina' e "a fé é o que sustenta os católicos que vivem esta situação difícil", declara o diácono chinês.

A existência de duas comunidades católicas na China, uma ligada ao Papa e a outra aos comunistas, tem sido objeto de negociações entre Pequim e a Santa Sé. Mas, para o diácono, é pouco admissível que "tudo mude de um dia para o outro".

"Em outros países existe mais facilidade para viver a fé e nós queremos essa liberdade, o direito a viver dessa forma", disse o diácono em seu testemunho:

Na China, "bispos, sacerdotes e leigos são ainda hoje perseguidos, presos e oprimidos", sublinhou ele.

O Papa Francisco já confessou a sua "admiração" pela China e admitiu seu desejo de visitar o país.

Sobrevoando o território chinês, em 2014, Francisco enviou mensagens a Xi Jinping. (JSG)

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86427-Fe--sustentaculo-dos-catolicos-chineses-perseguidos. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading