Loading
 
 
 
Loading
 
A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima
Loading
 
7 de Abril de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Sexta-feira, 07-04-2017, Gaudium Press) Como Maria foi isenta do pecado original havendo a Igreja definido o dogma da Redenção Universal de Nosso Senhor Jesus Cristo?

* * * * *

Desde os primeiros séculos do cristianismo, a Imaculada Conceição de Maria Santíssima foi venerada pela grande maioria dos cristãos e defendida por muitos Padres da Igreja, como São Justino, Santo Irineu, Santo Efrem e o próprio Santo Agostinho.

Séculos mais tarde, celebrava-se em várias Igrejas a festa da Imaculada Conceição, mais concretamente no Oriente a partir do século VIII, na Inglaterra desde o século XI e pouco depois divulgou-se pela Alemanha, França e Espanha.

Entretanto, entre os séculos XII e XIV, os principais autores da escolástica se encontraram diante de uma dificuldade muito difícil de resolver: como conciliar a Imaculada Conceição de Maria Santíssima com o dogma da Redenção Universal de Cristo? Em outras palavras, se Nossa Senhora foi isenta do pecado original desde o primeiro instante de sua concepção significaria que os méritos da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo não foram aplicados a Ela, e, por conseguinte, a Redenção não seria universal, pois haveria uma exceção, o que implicaria em negar o dogma, o que não é possível. [1]

 A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima.png
São Bernardo
Nesta controvérsia se encontrou a oposição de autores de muita importância, tais como São Bernardo, São Boaventura e o próprio São Tomás de Aquino, os quais, sem diminuir o mais mínimo a devoção a Maria, não conseguiram discernir de que maneira poderia aplicar-se a Redenção de Cristo obtida no alto do Calvário a Nossa Senhora. Segundo eles, se a Redenção é universal, tal como o afirma o dogma, era necessário afirmar e reconhecer que Maria, embora seja a mais perfeita das criaturas, na qual Deus esgotou sua imaginação - por dizer de alguma maneira - também foi concebida em pecado.

Posteriormente, com Guilherme de Ware e o Beato Duns Escoto, se conseguiu harmonizar o grande privilégio concedido por Deus à sua Mãe de ser concebida sem pecado e o dogma da Redenção Universal, surgindo o termo de "redenção preventiva".

Assim, pois, segundo eles, há duas maneiras de redimir um cativo: tirá-lo do cativeiro no qual se encontra pagando por ele o preço de seu resgate (o que se denomina "redenção liberativa"); ou, antes dele cair no cativeiro, pagar o resgate antecipadamente. Esta é propriamente a "redenção preventiva", a qual é ainda mais perfeita que a anterior. Desta maneira, chegaram à conclusão de que a aplicação dos méritos do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo a Maria Santíssima realizou-se em forma de redenção preventiva.[2]

 A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima (2).png
Beato Duns Escoto
Com efeito, Deus vendo desde toda a eternidade os infinitos méritos que Jesus Cristo conquistaria com sua Paixão, aplicou de forma antecipada o preço desse resgate à sua Mãe, que, por esse privilégio, foi isenta do pecado original.

Embora as referências bíblicas - o protoevangelho (Gen 3, 15) e a saudação do Anjo (Lc 1, 28) - não o digam de forma explícita, as razões teológicas delas deduzidas são irrefutáveis, pois como aceitar que a Rainha dos Anjos estivesse sob a tirania do demônio? Como Ela, a Medianeira da Reconciliação, pôde ter sido, por um só instante, inimiga de Deus? O Sangue Preciosíssimo de Nosso Senhor pode ter brotado de um manancial maculado? Pode se imaginar que Maria fosse, ao mesmo tempo, Mãe de Deus e escrava de Satanás? São perguntas que obrigavam a aceitar a redenção preventiva de Maria, e que certamente os grandes autores da escolástica, acima mencionados, teriam aceitado se a tivessem conhecido.

Finalmente, o Papa Pio IX, com a Bula "Ineffabilis Deus" de 8 de dezembro de 1854, declarou solenemente ao mundo inteiro que Maria Santíssima, por um especialíssimo desígnio de Deus, em virtude da maternidade Divina à qual foi predestinada, foi isenta do pecado original desde o primeiro instante de Sua Conceição.[3]

Este privilégio especialíssimo implica que, havendo Maria sido libertada da mancha do pecado original, é necessário afirmar que a Imaculada Conceição não foi apenas uma isenção, pois estando limpa e livre da maldição de nossos primeiros pais está em total amizade com Deus, ou seja, em Graça. Maria Santíssima foi concebida não só sem pecado, mas em Graça, e esta em grau altíssimo, pois corresponde à sua dignidade de Mãe de Deus. [4]

 A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima (3).png
Nossa Senhora das Graças

Longos séculos foram necessários para que a razão humana, tão pobre, encontrasse a maneira de conciliar a Imaculada Conceição de Nossa Senhora com o dogma da Redenção Universal de Jesus Cristo, a qual abrange a todos aqueles que descendem de Adão, sem exceção alguma, até a própria Mãe de Deus. A doutrina da redenção preventiva, chancelada pelo Bem-aventurado Papa Pio IX como meio de aplicação dos méritos infinitos do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor para a nossa salvação, é o sol que nos mostra a harmonia existente entre os dois dogmas.

Por Jaime Abbad Luengo
(Estudante de Teologia - Instituto São Tomás de Aquino)


.................................................................................
Fontes Bibliográficas:
-DOCUMENTOS PONTIFÍCIOS. Petrópolis: Vozes, 1953.
-GARRIGOU-LAGRANGE, Réginald. La Mère du Sauveur et notre vie intérieure. Paris: Du Cerf, 1948.
-ROYO-MARÍN, Antonio. La Virgen María: teología y espiritualidad marianas. 2.ed. Madrid: BAC, 1996.
.........................................................................................

[1] Cf. ROYO-MARÍN, Antonio. La Virgen María: teología y espiritualidad marianas. 2.ed. Madrid: BAC, 1996, p.72-73.
[2] Cf. Opus cit. p.74-75.
[3] PIO IX. Ineffabilis Deus: Bula, 8 dez. 1854. In: DOCUMENTOS PONTIFÍCIOS. Petrópolis: Vozes, 1953. p. 3-23.
[4] Cf. GARRIGOU-LAGRANGE, Réginald. La Mère du Sauveur et notre vie intérieure. Paris: Du Cerf, 1948. p.37-38.

Loading
A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima

Redação (Sexta-feira, 07-04-2017, Gaudium Press) Como Maria foi isenta do pecado original havendo a Igreja definido o dogma da Redenção Universal de Nosso Senhor Jesus Cristo?

* * * * *

Desde os primeiros séculos do cristianismo, a Imaculada Conceição de Maria Santíssima foi venerada pela grande maioria dos cristãos e defendida por muitos Padres da Igreja, como São Justino, Santo Irineu, Santo Efrem e o próprio Santo Agostinho.

Séculos mais tarde, celebrava-se em várias Igrejas a festa da Imaculada Conceição, mais concretamente no Oriente a partir do século VIII, na Inglaterra desde o século XI e pouco depois divulgou-se pela Alemanha, França e Espanha.

Entretanto, entre os séculos XII e XIV, os principais autores da escolástica se encontraram diante de uma dificuldade muito difícil de resolver: como conciliar a Imaculada Conceição de Maria Santíssima com o dogma da Redenção Universal de Cristo? Em outras palavras, se Nossa Senhora foi isenta do pecado original desde o primeiro instante de sua concepção significaria que os méritos da Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo não foram aplicados a Ela, e, por conseguinte, a Redenção não seria universal, pois haveria uma exceção, o que implicaria em negar o dogma, o que não é possível. [1]

 A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima.png
São Bernardo
Nesta controvérsia se encontrou a oposição de autores de muita importância, tais como São Bernardo, São Boaventura e o próprio São Tomás de Aquino, os quais, sem diminuir o mais mínimo a devoção a Maria, não conseguiram discernir de que maneira poderia aplicar-se a Redenção de Cristo obtida no alto do Calvário a Nossa Senhora. Segundo eles, se a Redenção é universal, tal como o afirma o dogma, era necessário afirmar e reconhecer que Maria, embora seja a mais perfeita das criaturas, na qual Deus esgotou sua imaginação - por dizer de alguma maneira - também foi concebida em pecado.

Posteriormente, com Guilherme de Ware e o Beato Duns Escoto, se conseguiu harmonizar o grande privilégio concedido por Deus à sua Mãe de ser concebida sem pecado e o dogma da Redenção Universal, surgindo o termo de "redenção preventiva".

Assim, pois, segundo eles, há duas maneiras de redimir um cativo: tirá-lo do cativeiro no qual se encontra pagando por ele o preço de seu resgate (o que se denomina "redenção liberativa"); ou, antes dele cair no cativeiro, pagar o resgate antecipadamente. Esta é propriamente a "redenção preventiva", a qual é ainda mais perfeita que a anterior. Desta maneira, chegaram à conclusão de que a aplicação dos méritos do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo a Maria Santíssima realizou-se em forma de redenção preventiva.[2]

 A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima (2).png
Beato Duns Escoto
Com efeito, Deus vendo desde toda a eternidade os infinitos méritos que Jesus Cristo conquistaria com sua Paixão, aplicou de forma antecipada o preço desse resgate à sua Mãe, que, por esse privilégio, foi isenta do pecado original.

Embora as referências bíblicas - o protoevangelho (Gen 3, 15) e a saudação do Anjo (Lc 1, 28) - não o digam de forma explícita, as razões teológicas delas deduzidas são irrefutáveis, pois como aceitar que a Rainha dos Anjos estivesse sob a tirania do demônio? Como Ela, a Medianeira da Reconciliação, pôde ter sido, por um só instante, inimiga de Deus? O Sangue Preciosíssimo de Nosso Senhor pode ter brotado de um manancial maculado? Pode se imaginar que Maria fosse, ao mesmo tempo, Mãe de Deus e escrava de Satanás? São perguntas que obrigavam a aceitar a redenção preventiva de Maria, e que certamente os grandes autores da escolástica, acima mencionados, teriam aceitado se a tivessem conhecido.

Finalmente, o Papa Pio IX, com a Bula "Ineffabilis Deus" de 8 de dezembro de 1854, declarou solenemente ao mundo inteiro que Maria Santíssima, por um especialíssimo desígnio de Deus, em virtude da maternidade Divina à qual foi predestinada, foi isenta do pecado original desde o primeiro instante de Sua Conceição.[3]

Este privilégio especialíssimo implica que, havendo Maria sido libertada da mancha do pecado original, é necessário afirmar que a Imaculada Conceição não foi apenas uma isenção, pois estando limpa e livre da maldição de nossos primeiros pais está em total amizade com Deus, ou seja, em Graça. Maria Santíssima foi concebida não só sem pecado, mas em Graça, e esta em grau altíssimo, pois corresponde à sua dignidade de Mãe de Deus. [4]

 A Redenção de Cristo aplicada a Maria Santíssima (3).png
Nossa Senhora das Graças

Longos séculos foram necessários para que a razão humana, tão pobre, encontrasse a maneira de conciliar a Imaculada Conceição de Nossa Senhora com o dogma da Redenção Universal de Jesus Cristo, a qual abrange a todos aqueles que descendem de Adão, sem exceção alguma, até a própria Mãe de Deus. A doutrina da redenção preventiva, chancelada pelo Bem-aventurado Papa Pio IX como meio de aplicação dos méritos infinitos do Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor para a nossa salvação, é o sol que nos mostra a harmonia existente entre os dois dogmas.

Por Jaime Abbad Luengo
(Estudante de Teologia - Instituto São Tomás de Aquino)


.................................................................................
Fontes Bibliográficas:
-DOCUMENTOS PONTIFÍCIOS. Petrópolis: Vozes, 1953.
-GARRIGOU-LAGRANGE, Réginald. La Mère du Sauveur et notre vie intérieure. Paris: Du Cerf, 1948.
-ROYO-MARÍN, Antonio. La Virgen María: teología y espiritualidad marianas. 2.ed. Madrid: BAC, 1996.
.........................................................................................

[1] Cf. ROYO-MARÍN, Antonio. La Virgen María: teología y espiritualidad marianas. 2.ed. Madrid: BAC, 1996, p.72-73.
[2] Cf. Opus cit. p.74-75.
[3] PIO IX. Ineffabilis Deus: Bula, 8 dez. 1854. In: DOCUMENTOS PONTIFÍCIOS. Petrópolis: Vozes, 1953. p. 3-23.
[4] Cf. GARRIGOU-LAGRANGE, Réginald. La Mère du Sauveur et notre vie intérieure. Paris: Du Cerf, 1948. p.37-38.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/86500-A-Redencao-de-Cristo-aplicada-a-Maria-Santissima. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O novo app funcionará durante as audiências gerais das quartas-feiras, ao ângelus do domingo na P ...
 
O edifício havia sido fechado em 1968, por conta da guerra entre Israel e Palestina, que converteu ...
 
Varão de fogo e conselheiro de Papas e monarcas, foi também admirável arauto da Virgem Maria e um ...
 
O evento possibilitou uma reflexão sobre o tema “Coroinhas, sirvam com generosidade a Cristo, pr ...
 
Segundo Dom Rodolfo Luís Weber, “a vida religiosa é uma vida consagrada que evidencia a doação ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading