Loading
 
 
 
Loading
 
Arcebispo de Aparecida fala à imprensa sobre Fátima e os dez anos da canonização de Frei Galvão
Loading
 
12 de Maio de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Aparecida - São Paulo (Sexta-feira, 12-05-2017, Gaudium Press) Em vista do centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos, o Arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, fez alguns comentários à imprensa acerca deste momento significativo para a Igreja Católica.

Arcebispo de Aparecida fala à imprensa sobre Fátima e os dez anos da canonização de Frei Galvão.jpg

Segundo Dom Orlando, a mensagem de Fátima é profunda e a mais conhecida no mundo, uma vez que a Mãe Santíssima apareceu em uma época em que o comunismo e o ateísmo eram muito fortes.

"Em Portugal, nesse tempo, os cristãos eram muito perseguidos, religiosos e padres expulsos de suas casas, era uma situação de perseguição e ódio a igreja. Maria veio dos céus para trazer uma mensagem para a terra. Era uma mensagem de paz", explicou o prelado.

Ainda conforme o arcebispo, Nossa Senhora de Fátima tem o poder de revelar que é necessária a conversão dos pecados.

"Maria em Fátima nos dá uma catequese sobre a importância e o poder da oração em nossas vidas. Oração que faz a gente se converter e, portanto, termos a paz e melhorarmos o mundo", completou.

No meio da conversa com os jornalistas, Dom Brandes também relembrou o atentado contra o então Papa João Paulo II e o fato da bala que o atingiu estar na coroa da Santa.

Os dez anos da canonização de Frei Galvão

Sobre este assunto, o Arcebispo de Aparecida comentou que, com a proximidade deste aniversário de uma década da canonização de Santo Antônio de Sant'Anna Galvão, o Frei Galvão, é importante relembrá-lo e imitá-lo em suas virtudes.

"Ele (Frei Galvão) visitava muito as casas, famílias, os doentes. Precisamos muito disso hoje. Ele tinha muita bondade, muita misericórdia, muita gentileza com as pessoas e nós temos dificuldade de impaciência, as vezes em casa, no trabalho, na sociedade, no trânsito, então quanta paciência, bondade, gentileza, nós podemos tomar de exemplo de Santo Antônio de Santana Galvão", disse.

Frei Galvão, conforme Dom Brandes, era homem da oração e do trabalho, pois ele mesmo foi operário, trabalhador e construtor. "Ele é o padroeiro da construção civil e nós precisamos pensar naqueles que estão sem teto, sem casa e também para que os nossos lares sejam verdadeiros templos de Deus".

O arcebispo ressaltou também que um ponto alto do Santo era auxiliar as mães grávidas. Neste sentido, lembrou que enquanto o religioso franciscano ajudava as mulheres no nascimento de seus filhos em épocas passadas, existem hoje em dia casos diversos de abortos, assim como de jovens gestantes ainda despreparadas para a maternidade. "É o cuidado pela mãe, o zelo pelo feto, pelo embrião no útero materno, a defesa da vida do inocente. Tudo isso nós aprendemos com Frei Galvão", explicou.

Por fim, o prelado recordou que o Papa São João Paulo II, quando desembarcou em terras brasileiras em 1980, afirmou que o país precisava de Santos e, agora, já temos o primeiro Santo nascido no Brasil, oriundo da cidade paulista de Guaratinguetá, local onde surgiu a devoção a Nossa Senhora Aparecida.

"O Santuário de Frei Galvão marca um convite para que tenhamos um santuário vivo em nosso coração. Santuários em nós que se preocupam com o pobre, o doente, o preso e o peregrino", concluiu Dom Orlando Brandes. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações A12

Loading
Arcebispo de Aparecida fala à imprensa sobre Fátima e os dez anos da canonização de Frei Galvão

Aparecida - São Paulo (Sexta-feira, 12-05-2017, Gaudium Press) Em vista do centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima aos três pastorinhos, o Arcebispo de Aparecida, Dom Orlando Brandes, fez alguns comentários à imprensa acerca deste momento significativo para a Igreja Católica.

Arcebispo de Aparecida fala à imprensa sobre Fátima e os dez anos da canonização de Frei Galvão.jpg

Segundo Dom Orlando, a mensagem de Fátima é profunda e a mais conhecida no mundo, uma vez que a Mãe Santíssima apareceu em uma época em que o comunismo e o ateísmo eram muito fortes.

"Em Portugal, nesse tempo, os cristãos eram muito perseguidos, religiosos e padres expulsos de suas casas, era uma situação de perseguição e ódio a igreja. Maria veio dos céus para trazer uma mensagem para a terra. Era uma mensagem de paz", explicou o prelado.

Ainda conforme o arcebispo, Nossa Senhora de Fátima tem o poder de revelar que é necessária a conversão dos pecados.

"Maria em Fátima nos dá uma catequese sobre a importância e o poder da oração em nossas vidas. Oração que faz a gente se converter e, portanto, termos a paz e melhorarmos o mundo", completou.

No meio da conversa com os jornalistas, Dom Brandes também relembrou o atentado contra o então Papa João Paulo II e o fato da bala que o atingiu estar na coroa da Santa.

Os dez anos da canonização de Frei Galvão

Sobre este assunto, o Arcebispo de Aparecida comentou que, com a proximidade deste aniversário de uma década da canonização de Santo Antônio de Sant'Anna Galvão, o Frei Galvão, é importante relembrá-lo e imitá-lo em suas virtudes.

"Ele (Frei Galvão) visitava muito as casas, famílias, os doentes. Precisamos muito disso hoje. Ele tinha muita bondade, muita misericórdia, muita gentileza com as pessoas e nós temos dificuldade de impaciência, as vezes em casa, no trabalho, na sociedade, no trânsito, então quanta paciência, bondade, gentileza, nós podemos tomar de exemplo de Santo Antônio de Santana Galvão", disse.

Frei Galvão, conforme Dom Brandes, era homem da oração e do trabalho, pois ele mesmo foi operário, trabalhador e construtor. "Ele é o padroeiro da construção civil e nós precisamos pensar naqueles que estão sem teto, sem casa e também para que os nossos lares sejam verdadeiros templos de Deus".

O arcebispo ressaltou também que um ponto alto do Santo era auxiliar as mães grávidas. Neste sentido, lembrou que enquanto o religioso franciscano ajudava as mulheres no nascimento de seus filhos em épocas passadas, existem hoje em dia casos diversos de abortos, assim como de jovens gestantes ainda despreparadas para a maternidade. "É o cuidado pela mãe, o zelo pelo feto, pelo embrião no útero materno, a defesa da vida do inocente. Tudo isso nós aprendemos com Frei Galvão", explicou.

Por fim, o prelado recordou que o Papa São João Paulo II, quando desembarcou em terras brasileiras em 1980, afirmou que o país precisava de Santos e, agora, já temos o primeiro Santo nascido no Brasil, oriundo da cidade paulista de Guaratinguetá, local onde surgiu a devoção a Nossa Senhora Aparecida.

"O Santuário de Frei Galvão marca um convite para que tenhamos um santuário vivo em nosso coração. Santuários em nós que se preocupam com o pobre, o doente, o preso e o peregrino", concluiu Dom Orlando Brandes. (LMI)

Da redação Gaudium Press, com informações A12


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Igreja indiana na linha de frente nas horas dramáticas, quando o Estado de Kerala sofre violentas c ...
 
O Encontro Mundial das Famílias será realizado entre os dias 22 a 26 de agosto na Irlanda. ...
 
O Padre Pedro Pablo Garín, Vigário da Vida Consagrada, presidiu a Missa. ...
 
Um monge sonhou com uma imagem de Nossa Senhora que estava enterrada no alto de uma montanha de dif ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading