Loading
 
 
 
Loading
 
Praticar uma Obra de Misericórdia é compartilhar, compadecer, sofrer a dor dos outros, define Papa
Loading
 
5 de Junho de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 05-06-2017, Gaudium Press) - Em sua homilia durante a Missa desta segunda-feira, na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano, o Papa Francisco descreveu seu desejo de que as obras de misericórdia não sejam um dar esmolas para descarregar a consciência, mas um participar do sofrimento dos outros, mesmo a seu próprio risco e deixando-se incomodar.

Livro de Tobias

O Papa usou a primeira leitura do dia, tirada do Livro de Tobias, para expor seu pensamento.
Francisco recordou que os hebreus foram deportados para a Assíria. Lá, um homem justo, de nome Tobias, ajuda compatriotas pobres e, enfrentado perigos enterras os judeus mostos impunemente.
Tobias fica triste diante do sofrimento dos outros.

Obras de Misericórdia

Foi a partir dessa história de Tobias que o Papa dirigiu seu pensamento para uma reflexão a propósito das 14 obras de misericórdia corporais e espirituais: realizá-las é apenas compartilhar o que se tem, é também compadecer:

tttt1CDN_WELL_V_17378.jpg
"Isto é, sofrer com quem sofre. Uma obra de misericórdia não é fazer algo para descarregar a consciência: uma boa ação, assim estou mais tranquilo, tiro um peso das costas.... Não! É também sofrer a dor dos outros. Compartilhar e compadecer: caminham juntos. É misericordioso aquele que sabe compartilhar e também se compadecer os problemas de outras pessoas. E aqui a pergunta: "Eu sei compartilhar? Eu sou generoso? Eu sou generosa? Mas também, quando vejo uma pessoa que está sofrendo, que está em dificuldade, também eu sofro? Sei colocar-me nos sapatos dos outros? Na situação de sofrimento?".

Como para os judeus, sob pena de morte, era proibido enterrar outros judeus, a ação de compaixão de Tobias era arriscada. Uma obra de misericórdia, então, não é só partilhar e ter compaixão, mas também arriscar, comenta o Ppa:

"Mas, muitas vezes se corre o risco. Pensemos aqui, em Roma. Em plena guerra: quantos se arriscaram, começando por Pio XII, para esconder os hebreus, para que não fossem mortos, para que não fossem deportados. Eles arriscaram a sua pele! Mas era uma obra de misericórdia, salvar a vida daquelas pessoas! Arriscar".

Desconfortável, inconveniente

Francisco destacou aspectos que estão ligados à prática das obras de misericórdia. Quem as pratica pode ser ridicularizado por outros e ser considerada uma pessoa que faz coisas loucas, em vez de estar tranquilo, como aconteceu com Tobias.

"Fazer obras de misericórdia é desconfortável. "Mas, eu tenho um amigo, um amigo doente, gostaria de visitá-lo, mas ... não tenho vontade ... prefiro descansar ou assistir TV ... tranquilo...". Fazer obras de misericórdia é sempre desconfortável. É inconveniente. Mas o Senhor sofreu a inconveniência por nós: foi para a cruz, para nos dar misericórdia".

Disse ainda o Papa, para encerrar, que quem "é capaz de fazer uma obra de misericórdia é "porque sabe que ele recebeu misericórdia antes; que foi o Senhor a conceder misericórdia a ele. E se nós fazemos essas coisas, é porque o Senhor teve misericórdia de nós. E pensemos aos nossos pecados, aos nossos erros e a como o Senhor nos perdoou; perdoou-nos tudo, teve esta misericórdia" e "nós façamos o mesmo com os nossos irmãos".
"As obras de misericórdia são as que tiram você do egoísmo e nos fazem imitar Jesus mais de perto", destacou Francisco para encerrar. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações RV)

Loading
Praticar uma Obra de Misericórdia é compartilhar, compadecer, sofrer a dor dos outros, define Papa

Cidade do Vaticano (Segunda-feira, 05-06-2017, Gaudium Press) - Em sua homilia durante a Missa desta segunda-feira, na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano, o Papa Francisco descreveu seu desejo de que as obras de misericórdia não sejam um dar esmolas para descarregar a consciência, mas um participar do sofrimento dos outros, mesmo a seu próprio risco e deixando-se incomodar.

Livro de Tobias

O Papa usou a primeira leitura do dia, tirada do Livro de Tobias, para expor seu pensamento.
Francisco recordou que os hebreus foram deportados para a Assíria. Lá, um homem justo, de nome Tobias, ajuda compatriotas pobres e, enfrentado perigos enterras os judeus mostos impunemente.
Tobias fica triste diante do sofrimento dos outros.

Obras de Misericórdia

Foi a partir dessa história de Tobias que o Papa dirigiu seu pensamento para uma reflexão a propósito das 14 obras de misericórdia corporais e espirituais: realizá-las é apenas compartilhar o que se tem, é também compadecer:

tttt1CDN_WELL_V_17378.jpg
"Isto é, sofrer com quem sofre. Uma obra de misericórdia não é fazer algo para descarregar a consciência: uma boa ação, assim estou mais tranquilo, tiro um peso das costas.... Não! É também sofrer a dor dos outros. Compartilhar e compadecer: caminham juntos. É misericordioso aquele que sabe compartilhar e também se compadecer os problemas de outras pessoas. E aqui a pergunta: "Eu sei compartilhar? Eu sou generoso? Eu sou generosa? Mas também, quando vejo uma pessoa que está sofrendo, que está em dificuldade, também eu sofro? Sei colocar-me nos sapatos dos outros? Na situação de sofrimento?".

Como para os judeus, sob pena de morte, era proibido enterrar outros judeus, a ação de compaixão de Tobias era arriscada. Uma obra de misericórdia, então, não é só partilhar e ter compaixão, mas também arriscar, comenta o Ppa:

"Mas, muitas vezes se corre o risco. Pensemos aqui, em Roma. Em plena guerra: quantos se arriscaram, começando por Pio XII, para esconder os hebreus, para que não fossem mortos, para que não fossem deportados. Eles arriscaram a sua pele! Mas era uma obra de misericórdia, salvar a vida daquelas pessoas! Arriscar".

Desconfortável, inconveniente

Francisco destacou aspectos que estão ligados à prática das obras de misericórdia. Quem as pratica pode ser ridicularizado por outros e ser considerada uma pessoa que faz coisas loucas, em vez de estar tranquilo, como aconteceu com Tobias.

"Fazer obras de misericórdia é desconfortável. "Mas, eu tenho um amigo, um amigo doente, gostaria de visitá-lo, mas ... não tenho vontade ... prefiro descansar ou assistir TV ... tranquilo...". Fazer obras de misericórdia é sempre desconfortável. É inconveniente. Mas o Senhor sofreu a inconveniência por nós: foi para a cruz, para nos dar misericórdia".

Disse ainda o Papa, para encerrar, que quem "é capaz de fazer uma obra de misericórdia é "porque sabe que ele recebeu misericórdia antes; que foi o Senhor a conceder misericórdia a ele. E se nós fazemos essas coisas, é porque o Senhor teve misericórdia de nós. E pensemos aos nossos pecados, aos nossos erros e a como o Senhor nos perdoou; perdoou-nos tudo, teve esta misericórdia" e "nós façamos o mesmo com os nossos irmãos".
"As obras de misericórdia são as que tiram você do egoísmo e nos fazem imitar Jesus mais de perto", destacou Francisco para encerrar. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações RV)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

Este difícil trabalho foi qualificado pelo Diretor Internacional de Padroeiros das Artes nos Museus ...
 
As JMJ foram iniciadas por pelo Papa São João Paulo II que as instituiu em 1985. ...
 
No Recife, o templo localizado no bairro Casa Forte empossará no cargo Dom Limacêdo Antonio da Sil ...
 
O primeiro capítulo da série mostra o protocolo utilizado pela Guarda para acolher os chefes de Es ...
 
A iniciativa em memória do Padre Pelágio Sauter é celebrada juntamente com os Missionários Reden ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading