Loading
 
 
 
Loading
 
Viveu e morreu combatendo em defesa do bem
Loading
 
27 de Julho de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Quinta-feira, 27-07-2017, Gaudium Press) Embora houvesse infringido grandes derrotas aos sírios, Judas Macabeu temia que eles ainda voltassem a atacar Israel. Aproveitando a cessação das hostilidades, o grande herói israelita procurou colocar-se sob a proteção de Roma.

Viveu e morreu combatendo em defesa do bem.jpg

Os romanos venceram muitos povos

Isso ocorreu em 161 a.C., quando Roma era uma república aristocrática. A palavra "aristocracia" provém do grego "aristo - o melhor" e "kracia - governo"; significa, portanto, governo dos melhores. A Roma da república aristocrática "não era tão grande quanto a Roma imperial, correspondente à da monarquia plebeia. Essa Roma republicana é incomparavelmente mais simpática, mais limpa e real. Não tocou na decadência que veio com a Roma imperial."

A república romana era governada por um Senado, com 300 senadores, e dois cônsules renovados anualmente.

O que tornou os romanos famosos foi sobretudo sua capacidade militar. Antíoco III, chamado "o Grande", Rei da Síria, o qual "tinha marchado contra eles com 120 elefantes, cavalaria, carros de guerra e numerosíssima infantaria, foi por eles desbaratado", na batalha de Magnésia, em 190 a. C.

"Os romanos o capturaram vivo e determinaram que ele e seus sucessores lhes pagariam um pesado tributo, além de ele ter de entregar reféns para cumprir o estabelecido" (I Mac 8, 6-7). Dois de seus filhos, que posteriormente se tornaram reis, Antíoco Epífanes e Demétrio, tinham ficado em Roma, como reféns. Conseguiram os romanos vencer a Grécia e muitos outros povos. 

Pacto de Judas Macabeu com os romanos

Judas Macabeu enviou dois emissários a Roma, os quais foram recebidos no Senado. Fizeram eles um discurso, durante o qual expuseram o desejo de firmar um pacto de amizade e colaboração com os romanos.

Explica o grande exegeta Padre Fillion que Judas só conhecia o lado bom dos romanos (cf. I Mac 8, 1-16), e não suspeitava do modo pelo qual eles espezinhavam pouco a pouco os direitos de seus aliados, nem da perfídia com que se aproveitavam das menores ocasiões para privá-los de toda liberdade. De fato, esse pacto "não foi tão vantajoso para Judas quanto sua heroica confiança em Deus."

Os senadores concordaram em firmar um pacto de amizade, cujo texto foi gravado em placas de bronze (cf. I Mac 8, 17-32). Era uma aliança ofensiva e defensiva. Se os romanos fossem atacados, os judeus lhes dariam auxílio; se estes sofressem agressões, os romanos viriam ajudá-los (cf. I Mac 8, 24-28).

Com apenas 800 homens, Macabeu enfrenta exército de 22.000 soldados

Roma enviou o texto dessa aliança a Demétrio I, Rei da Síria. Mas, antes que tal documento chegasse a seu destino, esse inimigo acérrimo dos israelitas mandou de novo Báquides e Alcimo - que era judeu e fez nefandas manobras para conseguir o cargo de sumo sacerdote - para invadir a Judeia, com um exército de 22.000 homens.

Com apenas 3.000 guerreiros, Judas Macabeu foi enfrentá-los. Mas muitos ficaram com medo e desertaram, restando tão-somente 800 homens. E esses quiseram demovê-lo, dizendo que deveriam salvar suas vidas e depois voltar com mais soldados para travarem a batalha.

Houve uma "espécie de pânico como nunca se tinha visto entre as tropas de Judas, habituadas a lutar sem temor contra forças muito superiores em número".

O heroico Judas respondeu: "Longe de nós, fugir deles! Se chegou a nossa hora, morramos corajosamente!" (I Mac 9, 10). E fiel a sua tática de ser o primeiro a atacar aos adversários, ele partiu para o enfrentamento.

Morte de Judas Macabeu

Os inimigos avançaram ao som das trombetas, e os soldados de Judas fizeram o mesmo. "A terra tremeu com o confronto dos dois exércitos. O combate durou desde a manhã até o entardecer" (I Mac 9, 13). "Tal detalhe mostra por si só com que heroísmo batalharam esses 800 judeus, pois eles puderam resistir durante um dia inteiro a um exército que lhes era 27 vezes superior em número."

O exército inimigo estava dividido em duas alas. "Judas viu que Báquides e a parte mais forte do seu exército estavam do lado direito, e com ele reuniram-se todos os mais valentes. A ala direita foi por eles desmantelada, e Judas os perseguiu até o monte de Azor. Os da ala esquerda, quando viram a ala direita destroçada, foram no encalço de Judas e seus companheiros, atacando-os pelas costas.

"A batalha tornou-se ainda mais renhida, e de ambos os lados houve muitas baixas. Também Judas sucumbiu, e os outros fugiram" (I Mac 9, 14-18).

"Assim gloriosamente terminou os seus dias Judas Macabeu, herói verdadeiramente grande, pelos seus estupendos feitos e pelos altos fins por que foram eles empreendidos. Viveu e morreu combatendo pela Religião e pela pátria."

"Todo o povo de Israel o lamentou e chorou profundamente, guardando luto por ele durante muitos dias" (I Mac 9, 20).

Que do Céu onde se encontra, Judas Macabeu interceda por nós junto a Nossa Senhora, para que Ela nos obtenha a graça da combatividade invencível em defesa da Santa Igreja contra aqueles que pretendem destruí-la.

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" - 120)

...........................................................

1 - Cf. SILVEIRA BUENO, Francisco da. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva. 1965, v. 1, p. 333.

2 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. A produção em série e a artesanal. In Revista Dr. Plinio, São Paulo. Ano XX, n. 229, abril 2017, p. 18.
3 - Cf. FILLION, Louis-Claude. La Sainte Bible commentée - Le premier Livre des Machabées. 3. ed. Paris: Letouzey et aîné.1923, p. 713.
4 FILLION, op. cit. p. 717.
5 - Idem, ibidem, p. 721.
6 - Idem, ibidem, p. 722.
7 - SÃO JOÃO BOSCO. História Sagrada. 10 ed. São Paulo: Salesiana, 1949, p. 191.

Loading
Viveu e morreu combatendo em defesa do bem

Redação (Quinta-feira, 27-07-2017, Gaudium Press) Embora houvesse infringido grandes derrotas aos sírios, Judas Macabeu temia que eles ainda voltassem a atacar Israel. Aproveitando a cessação das hostilidades, o grande herói israelita procurou colocar-se sob a proteção de Roma.

Viveu e morreu combatendo em defesa do bem.jpg

Os romanos venceram muitos povos

Isso ocorreu em 161 a.C., quando Roma era uma república aristocrática. A palavra "aristocracia" provém do grego "aristo - o melhor" e "kracia - governo"; significa, portanto, governo dos melhores. A Roma da república aristocrática "não era tão grande quanto a Roma imperial, correspondente à da monarquia plebeia. Essa Roma republicana é incomparavelmente mais simpática, mais limpa e real. Não tocou na decadência que veio com a Roma imperial."

A república romana era governada por um Senado, com 300 senadores, e dois cônsules renovados anualmente.

O que tornou os romanos famosos foi sobretudo sua capacidade militar. Antíoco III, chamado "o Grande", Rei da Síria, o qual "tinha marchado contra eles com 120 elefantes, cavalaria, carros de guerra e numerosíssima infantaria, foi por eles desbaratado", na batalha de Magnésia, em 190 a. C.

"Os romanos o capturaram vivo e determinaram que ele e seus sucessores lhes pagariam um pesado tributo, além de ele ter de entregar reféns para cumprir o estabelecido" (I Mac 8, 6-7). Dois de seus filhos, que posteriormente se tornaram reis, Antíoco Epífanes e Demétrio, tinham ficado em Roma, como reféns. Conseguiram os romanos vencer a Grécia e muitos outros povos. 

Pacto de Judas Macabeu com os romanos

Judas Macabeu enviou dois emissários a Roma, os quais foram recebidos no Senado. Fizeram eles um discurso, durante o qual expuseram o desejo de firmar um pacto de amizade e colaboração com os romanos.

Explica o grande exegeta Padre Fillion que Judas só conhecia o lado bom dos romanos (cf. I Mac 8, 1-16), e não suspeitava do modo pelo qual eles espezinhavam pouco a pouco os direitos de seus aliados, nem da perfídia com que se aproveitavam das menores ocasiões para privá-los de toda liberdade. De fato, esse pacto "não foi tão vantajoso para Judas quanto sua heroica confiança em Deus."

Os senadores concordaram em firmar um pacto de amizade, cujo texto foi gravado em placas de bronze (cf. I Mac 8, 17-32). Era uma aliança ofensiva e defensiva. Se os romanos fossem atacados, os judeus lhes dariam auxílio; se estes sofressem agressões, os romanos viriam ajudá-los (cf. I Mac 8, 24-28).

Com apenas 800 homens, Macabeu enfrenta exército de 22.000 soldados

Roma enviou o texto dessa aliança a Demétrio I, Rei da Síria. Mas, antes que tal documento chegasse a seu destino, esse inimigo acérrimo dos israelitas mandou de novo Báquides e Alcimo - que era judeu e fez nefandas manobras para conseguir o cargo de sumo sacerdote - para invadir a Judeia, com um exército de 22.000 homens.

Com apenas 3.000 guerreiros, Judas Macabeu foi enfrentá-los. Mas muitos ficaram com medo e desertaram, restando tão-somente 800 homens. E esses quiseram demovê-lo, dizendo que deveriam salvar suas vidas e depois voltar com mais soldados para travarem a batalha.

Houve uma "espécie de pânico como nunca se tinha visto entre as tropas de Judas, habituadas a lutar sem temor contra forças muito superiores em número".

O heroico Judas respondeu: "Longe de nós, fugir deles! Se chegou a nossa hora, morramos corajosamente!" (I Mac 9, 10). E fiel a sua tática de ser o primeiro a atacar aos adversários, ele partiu para o enfrentamento.

Morte de Judas Macabeu

Os inimigos avançaram ao som das trombetas, e os soldados de Judas fizeram o mesmo. "A terra tremeu com o confronto dos dois exércitos. O combate durou desde a manhã até o entardecer" (I Mac 9, 13). "Tal detalhe mostra por si só com que heroísmo batalharam esses 800 judeus, pois eles puderam resistir durante um dia inteiro a um exército que lhes era 27 vezes superior em número."

O exército inimigo estava dividido em duas alas. "Judas viu que Báquides e a parte mais forte do seu exército estavam do lado direito, e com ele reuniram-se todos os mais valentes. A ala direita foi por eles desmantelada, e Judas os perseguiu até o monte de Azor. Os da ala esquerda, quando viram a ala direita destroçada, foram no encalço de Judas e seus companheiros, atacando-os pelas costas.

"A batalha tornou-se ainda mais renhida, e de ambos os lados houve muitas baixas. Também Judas sucumbiu, e os outros fugiram" (I Mac 9, 14-18).

"Assim gloriosamente terminou os seus dias Judas Macabeu, herói verdadeiramente grande, pelos seus estupendos feitos e pelos altos fins por que foram eles empreendidos. Viveu e morreu combatendo pela Religião e pela pátria."

"Todo o povo de Israel o lamentou e chorou profundamente, guardando luto por ele durante muitos dias" (I Mac 9, 20).

Que do Céu onde se encontra, Judas Macabeu interceda por nós junto a Nossa Senhora, para que Ela nos obtenha a graça da combatividade invencível em defesa da Santa Igreja contra aqueles que pretendem destruí-la.

Por Paulo Francisco Martos
(in "Noções de História Sagrada" - 120)

...........................................................

1 - Cf. SILVEIRA BUENO, Francisco da. Grande dicionário etimológico-prosódico da língua portuguesa. São Paulo: Saraiva. 1965, v. 1, p. 333.

2 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. A produção em série e a artesanal. In Revista Dr. Plinio, São Paulo. Ano XX, n. 229, abril 2017, p. 18.
3 - Cf. FILLION, Louis-Claude. La Sainte Bible commentée - Le premier Livre des Machabées. 3. ed. Paris: Letouzey et aîné.1923, p. 713.
4 FILLION, op. cit. p. 717.
5 - Idem, ibidem, p. 721.
6 - Idem, ibidem, p. 722.
7 - SÃO JOÃO BOSCO. História Sagrada. 10 ed. São Paulo: Salesiana, 1949, p. 191.

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/88857-Viveu-e-morreu-combatendo-em-defesa-do-bem. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O novo app funcionará durante as audiências gerais das quartas-feiras, ao ângelus do domingo na P ...
 
O edifício havia sido fechado em 1968, por conta da guerra entre Israel e Palestina, que converteu ...
 
Varão de fogo e conselheiro de Papas e monarcas, foi também admirável arauto da Virgem Maria e um ...
 
O evento possibilitou uma reflexão sobre o tema “Coroinhas, sirvam com generosidade a Cristo, pr ...
 
Segundo Dom Rodolfo Luís Weber, “a vida religiosa é uma vida consagrada que evidencia a doação ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading