Loading
 
 
 
Loading
 
Nas Saudações de Natal à Cúria Romana, Papa dá “recados” internos e externos
Loading
 
21 de Dezembro de 2017 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano Quinta-feira, 21-12-2017, Gaudium Press) Essa quinta-feira foi o dia escolhido pelo Papa Francisco para apresentar seus votos de Natal e cumprimentar os membros da Cúria Romana.

2112-Nas Saudações de Natal à Cúria Romana, Papa dá ?recados? internos e externos.jpeg

O Papa deixou mensagens tanto para dentro como para fora dos organismos da Santa Sé.

Uma Cúria fechada atraiçoa

"Deus que se fez Homem para devolver à humanidade a dignidade filial que havia perdido por culpa do pecado e da desobediência".
Foi como o Papa iniciou sua intervenção após apontar o Natal como sendo uma "festa de fé". Uma ocasião em que Deus faz "germinar" nas pessoas "sementes de esperança, de caridade e de fé", que necessita também brotar dentro da Igreja Católica.

Desejou o Papa: "Que este Natal nos faça abrir os olhos e abandonar o que é supérfluo, falso, malicioso e enganoso, e perceber o que é essencial, verdadeiro, bom e autêntico (...). "

Para Francisco, "Uma Cúria encerrada em si mesma atraiçoaria o objetivo da sua existência e esta acabaria por cair na autorreferencialidade, e condenada à autodestruição".
Superação de Intrigas

O Papa utilizou o tradicional encontro natalino para tratar junto à Cúria Romana de assuntos do trabalho da Igreja Católica, a partir do ponto de vista interno e também do ponto de vista do mundo.

"Superar" na Igreja Católica "uma lógica desequilibrada e degenerada de intrigas e de pequenos grupos que na realidade representam -apesar das suas justificações e boas intenções- um câncer que leva à autorreferencialidade", foi para o que deu importância e sublinhou em suas palavras, salientando ainda que este é um contexto "que se infiltra também nos organismos eclesiásticos e, em particular, nas pessoas que neles trabalham".

Reforma da Cúria

Francisco não deixou de falar da "reforma" que é levada em curso na Cúria Romana e das pessoas que nela trabalham, alertando para "o perigo da quebra de confiança, dos que se aproveitam da maternidade da Igreja":

"Pessoas que foram selecionadas com cuidado para dar corpo e vigor à reforma mas, sem compreenderem a importância das suas responsabilidades, se deixam corromper pela ambição e a vanglória, que quando são delicadamente retiradas auto intitulam-se como mártires do sistema, do Papa desinformado, da velha guarda, em vez de reconhecer culpa própria", disse.

Porém, "junto a estas pessoas há outras que seguem o seu trabalho na Cúria, a quem é dado tempo para retomar o caminho justo, com a esperança de que encontrem na paciência da Igreja uma ocasião de conversão e não para aproveitamento pessoal", ressalvou o Papa, para logo destacar:

"Estou ciente da grande maioria de pessoas que aqui trabalham com admirável compromisso, fidelidade, competência, dedicação e também santidade".

Santa Sé e as Nações, o mundo

Sobre a relação da Santa Sé com as nações, Francisco disse que o único objetivo da diplomacia do Vaticano deve ser o de trabalhar a favor da paz e do diálogo entre os povos, "independente de qualquer interesse mundano ou material".

O Papa realçou que é fazendo da diplomacia um "serviço à humanidade e ao Homem" que a Igreja cumpre a sua missão:
"A Santa Sé está presente no plano internacional para colaborar com todas as nações e pessoas de boa vontade e para reforçar sempre a importância de preservar a nossa Casa Comum de todos os egoísmos destrutivos, para afirmar que a guerra leva apenas à morte e à destruição (...) para construir solidamente o futuro e salvaguardá-lo para as novas gerações", afirmou.

(JSG)

 

 

Loading
Nas Saudações de Natal à Cúria Romana, Papa dá “recados” internos e externos

Cidade do Vaticano Quinta-feira, 21-12-2017, Gaudium Press) Essa quinta-feira foi o dia escolhido pelo Papa Francisco para apresentar seus votos de Natal e cumprimentar os membros da Cúria Romana.

2112-Nas Saudações de Natal à Cúria Romana, Papa dá ?recados? internos e externos.jpeg

O Papa deixou mensagens tanto para dentro como para fora dos organismos da Santa Sé.

Uma Cúria fechada atraiçoa

"Deus que se fez Homem para devolver à humanidade a dignidade filial que havia perdido por culpa do pecado e da desobediência".
Foi como o Papa iniciou sua intervenção após apontar o Natal como sendo uma "festa de fé". Uma ocasião em que Deus faz "germinar" nas pessoas "sementes de esperança, de caridade e de fé", que necessita também brotar dentro da Igreja Católica.

Desejou o Papa: "Que este Natal nos faça abrir os olhos e abandonar o que é supérfluo, falso, malicioso e enganoso, e perceber o que é essencial, verdadeiro, bom e autêntico (...). "

Para Francisco, "Uma Cúria encerrada em si mesma atraiçoaria o objetivo da sua existência e esta acabaria por cair na autorreferencialidade, e condenada à autodestruição".
Superação de Intrigas

O Papa utilizou o tradicional encontro natalino para tratar junto à Cúria Romana de assuntos do trabalho da Igreja Católica, a partir do ponto de vista interno e também do ponto de vista do mundo.

"Superar" na Igreja Católica "uma lógica desequilibrada e degenerada de intrigas e de pequenos grupos que na realidade representam -apesar das suas justificações e boas intenções- um câncer que leva à autorreferencialidade", foi para o que deu importância e sublinhou em suas palavras, salientando ainda que este é um contexto "que se infiltra também nos organismos eclesiásticos e, em particular, nas pessoas que neles trabalham".

Reforma da Cúria

Francisco não deixou de falar da "reforma" que é levada em curso na Cúria Romana e das pessoas que nela trabalham, alertando para "o perigo da quebra de confiança, dos que se aproveitam da maternidade da Igreja":

"Pessoas que foram selecionadas com cuidado para dar corpo e vigor à reforma mas, sem compreenderem a importância das suas responsabilidades, se deixam corromper pela ambição e a vanglória, que quando são delicadamente retiradas auto intitulam-se como mártires do sistema, do Papa desinformado, da velha guarda, em vez de reconhecer culpa própria", disse.

Porém, "junto a estas pessoas há outras que seguem o seu trabalho na Cúria, a quem é dado tempo para retomar o caminho justo, com a esperança de que encontrem na paciência da Igreja uma ocasião de conversão e não para aproveitamento pessoal", ressalvou o Papa, para logo destacar:

"Estou ciente da grande maioria de pessoas que aqui trabalham com admirável compromisso, fidelidade, competência, dedicação e também santidade".

Santa Sé e as Nações, o mundo

Sobre a relação da Santa Sé com as nações, Francisco disse que o único objetivo da diplomacia do Vaticano deve ser o de trabalhar a favor da paz e do diálogo entre os povos, "independente de qualquer interesse mundano ou material".

O Papa realçou que é fazendo da diplomacia um "serviço à humanidade e ao Homem" que a Igreja cumpre a sua missão:
"A Santa Sé está presente no plano internacional para colaborar com todas as nações e pessoas de boa vontade e para reforçar sempre a importância de preservar a nossa Casa Comum de todos os egoísmos destrutivos, para afirmar que a guerra leva apenas à morte e à destruição (...) para construir solidamente o futuro e salvaguardá-lo para as novas gerações", afirmou.

(JSG)

 

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

As homenagens a Padroeira do Rio Grande do Sul foram inspiradas pelo tema “A jovem chamada Maria, ...
 
Curso vai ser ministrado na Pontifícia Universidade Lateranense, de Roma ...
 
Esta será a segunda visita de um Papa ao Marrocos, nação que acolheu São João Paulo II, em 1985 ...
 
Os escoteiros do Brasil têm atuado em convênios com os comitês locais da JMJ e o comitê interame ...
 
"Que esse lamentável fato em Niterói, no Ano do Leigo, possa nos aproximar mais de Deus", expresso ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading