Loading
 
 
 
Loading
 
Arcebispo de Hong Kong fala sobre a criação estatal de Departamento de Assuntos Religiosos
Loading
 
19 de Janeiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

China - Hong Kong (Sexta-feira, 19-01-2018, Gaudium Press) Vinte anos se passaram desde que Hong Kong deixou de estar sob o domínio colonial britânico e passou à tutela do Governo central Chinês. Passado este mesmo lapso da hipotética aplicação do princípio "um país, dois sistemas".

Arcebispo de Hong Kong fala sobre a criação estatal de Departamento de Assuntos Religiosos.jpg

Estas duas décadas viram crescer a influência do comunismo nos aspectos educativos, eleitorais e jurídicos da ilha, que conta com uma povoação de 7,35 milhões de habitantes. Esta tendência se reforçou no ano passado, quando o partido comunista da China reelegeu ao Presidente Xi Jingping.

O Papa Francisco nomeou como Arcebispo a Dom Michael Yeung Ming-Cheung, nascido em Xangai no dia 1º de dezembro de 1945. Ele tem 72 anos e todos reconhecem sua serenidade, seu espírito reflexivo e conciliador, capaz de liderar a influente comunidade católica de Hong Kong de cinquenta mil habitantes. O Arcebispo Yeung sucede ao Cardeal John Tong Hon, que serviu como Arcebispo deste território desde os anos 2009 até 2017.

No ano passado, o Cardeal Tong assegurou que existe uma aproximação para um possível acordo-chave entre o Governo Comunista e a Santa Sé. Em uma entrevista realizada pelo correspondente de 'National Catholic Register' Victor Gaetan ao Prelado Yeung, se falou sobre temas-chave, como a aproximação entre a China e a Santa Sé, tendo como 'ponte' a Hong Kong.

O Arcebispo também se referiu à situação na China, onde convivem as igrejas "subterrâneas", com a chamada Igreja Patriótica.

Uma das políticas mais influentes da ilha, Carrie Lam, Chefe executiva de Hong Kong eleita e que também frequentou uma escola católica e é praticante, recebeu críticas pelo anúncio da criação de um departamento para assuntos religiosos.

"O que de tão ameaçador seria para a Igreja Católica?" este departamento, foi uma das perguntas feitas ao Bispo. "Creio que os antecedentes sobre isso foram alguns grupos religiosos, como budistas ou taoístas, que tem informado ao governo que gostariam de ter mais escolas: 'Por que a Igreja Católica tem tantas?'. E eu acho que ela disse, com boas intenções: 'Por que não ter um departamento religioso para resolver alguns desses problemas?'", respondeu.

Enquanto acrescentou Dom Yeung: "Mas quando escutamos o termo 'departamento religioso', pensamos na China continental, pensamos na Associação Patriótica [China Católica], é claro, e não queremos ser controlados. Queremos manter nossa liberdade, nossa liberdade de oferecer educação para as pessoas", disse em declarações entregues a 'National Catholic Register'. (EPC)

Loading
Arcebispo de Hong Kong fala sobre a criação estatal de Departamento de Assuntos Religiosos

China - Hong Kong (Sexta-feira, 19-01-2018, Gaudium Press) Vinte anos se passaram desde que Hong Kong deixou de estar sob o domínio colonial britânico e passou à tutela do Governo central Chinês. Passado este mesmo lapso da hipotética aplicação do princípio "um país, dois sistemas".

Arcebispo de Hong Kong fala sobre a criação estatal de Departamento de Assuntos Religiosos.jpg

Estas duas décadas viram crescer a influência do comunismo nos aspectos educativos, eleitorais e jurídicos da ilha, que conta com uma povoação de 7,35 milhões de habitantes. Esta tendência se reforçou no ano passado, quando o partido comunista da China reelegeu ao Presidente Xi Jingping.

O Papa Francisco nomeou como Arcebispo a Dom Michael Yeung Ming-Cheung, nascido em Xangai no dia 1º de dezembro de 1945. Ele tem 72 anos e todos reconhecem sua serenidade, seu espírito reflexivo e conciliador, capaz de liderar a influente comunidade católica de Hong Kong de cinquenta mil habitantes. O Arcebispo Yeung sucede ao Cardeal John Tong Hon, que serviu como Arcebispo deste território desde os anos 2009 até 2017.

No ano passado, o Cardeal Tong assegurou que existe uma aproximação para um possível acordo-chave entre o Governo Comunista e a Santa Sé. Em uma entrevista realizada pelo correspondente de 'National Catholic Register' Victor Gaetan ao Prelado Yeung, se falou sobre temas-chave, como a aproximação entre a China e a Santa Sé, tendo como 'ponte' a Hong Kong.

O Arcebispo também se referiu à situação na China, onde convivem as igrejas "subterrâneas", com a chamada Igreja Patriótica.

Uma das políticas mais influentes da ilha, Carrie Lam, Chefe executiva de Hong Kong eleita e que também frequentou uma escola católica e é praticante, recebeu críticas pelo anúncio da criação de um departamento para assuntos religiosos.

"O que de tão ameaçador seria para a Igreja Católica?" este departamento, foi uma das perguntas feitas ao Bispo. "Creio que os antecedentes sobre isso foram alguns grupos religiosos, como budistas ou taoístas, que tem informado ao governo que gostariam de ter mais escolas: 'Por que a Igreja Católica tem tantas?'. E eu acho que ela disse, com boas intenções: 'Por que não ter um departamento religioso para resolver alguns desses problemas?'", respondeu.

Enquanto acrescentou Dom Yeung: "Mas quando escutamos o termo 'departamento religioso', pensamos na China continental, pensamos na Associação Patriótica [China Católica], é claro, e não queremos ser controlados. Queremos manter nossa liberdade, nossa liberdade de oferecer educação para as pessoas", disse em declarações entregues a 'National Catholic Register'. (EPC)


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

“Quando vamos à comunhão recebemos a vida mesmo de Deus e para ter essa vida é necessário nutr ...
 
“O restauro resgata a história, e nós temos sempre que olhar para o nosso passado para podermos ...
 
“O Museu Paroquial Matriz Museu conta a trajetória de fé do povo de Maricá”, explicou o Padre ...
 
Na crise religiosa e confusão de doutrina onde o mundo atual está imerso. Às vezes os que procur ...
 
Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading