Loading
 
 
 
Loading
 
No Santuário do “Señor de los Milagros”, no Peru, Papa fala a freiras contemplativas
Loading
 
22 de Janeiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Lima - Peru (Segunda-feira, 22-01-2018, Gaudium Press) O último dia de sua estada no Peru, ao iniciar sua jornada, o Papa esteve com cerca de 500 religiosas vindas de diversos mosteiros com vida de estrita observância de clausura e vida contemplativa. A elas o Papa recomendou "que fizessem com sua oração que a miséria dos homens se aproxime do poder de Deus".

O encontro com as religiosas enclausuradas deu-se no "Santuário del Señor de los Milagros", patrono do Peru.

Após a saudação da Madre Soledad, Superiora das Irmãs Carmelitas, iniciou ele uma breve homilia.

Antes de iniciar suas reflexões e para ter um ponto de apoio para inicia-las, Francisco disse:
"Ao vê-las aqui, me veio um mal pensamento: que estavam aproveitando a saída do mosteiro para fazer um passeiozinho..."

Importância da vida dedicada à oração

O Papa disse-lhes que a vida religiosa dedicada à contemplação e à oração ultrapassa para além dos muros dos conventos e mosteiros em que vivem e faz muito bem às pessoas pelas quais rezam.

"As senhoras são como os amigos que levaram o paralítico diante do Senhor para que Ele o curasse. (...) No tiveram vergonha de fazer um buraco no teto para poder baixar o paralítico. Não tenham vergonha de fazer com a oração com que a miséria dos homens se aproxime do poder de Deus", afirmou-lhes Francisco.

O Papa reconheceu que oração das religiosas cura as chagas de muitas pessoas e por isso convidou-as a religiosas a ter sempre um coração aberto.

"Por isto mesmo, podemos afirmar que a vida de clausura não fecha nem encolhe o coração, porém, o alarga. "
"Ai da monja, da religiosa que tem o coração encolhido! Por favor, procure um remédio, não se pode ser monja contemplativa com o coração encolhido... Que volte a respirar, que volte a respirar, que volte a ser um coração grande", advertiu Francisco.

Finalmente, ao encerrar seu contato com as religiosas, o Papa pediu-lhes que prestassem atenção e cuidassem de que a atmosfera do ambiente dos mosteiros fossem de bem-querença e de convívio ameno, com a sacralidade própria devida a todos os mosteiros.

Que evitassem um clima de relacionamento que propiciasse o aparecimento de "monjas terroristas", aquelas que com diz-que-diz e maledicências acabam por destruir tudo.
(JSG)

 

Loading
No Santuário do “Señor de los Milagros”, no Peru, Papa fala a freiras contemplativas

Lima - Peru (Segunda-feira, 22-01-2018, Gaudium Press) O último dia de sua estada no Peru, ao iniciar sua jornada, o Papa esteve com cerca de 500 religiosas vindas de diversos mosteiros com vida de estrita observância de clausura e vida contemplativa. A elas o Papa recomendou "que fizessem com sua oração que a miséria dos homens se aproxime do poder de Deus".

O encontro com as religiosas enclausuradas deu-se no "Santuário del Señor de los Milagros", patrono do Peru.

Após a saudação da Madre Soledad, Superiora das Irmãs Carmelitas, iniciou ele uma breve homilia.

Antes de iniciar suas reflexões e para ter um ponto de apoio para inicia-las, Francisco disse:
"Ao vê-las aqui, me veio um mal pensamento: que estavam aproveitando a saída do mosteiro para fazer um passeiozinho..."

Importância da vida dedicada à oração

O Papa disse-lhes que a vida religiosa dedicada à contemplação e à oração ultrapassa para além dos muros dos conventos e mosteiros em que vivem e faz muito bem às pessoas pelas quais rezam.

"As senhoras são como os amigos que levaram o paralítico diante do Senhor para que Ele o curasse. (...) No tiveram vergonha de fazer um buraco no teto para poder baixar o paralítico. Não tenham vergonha de fazer com a oração com que a miséria dos homens se aproxime do poder de Deus", afirmou-lhes Francisco.

O Papa reconheceu que oração das religiosas cura as chagas de muitas pessoas e por isso convidou-as a religiosas a ter sempre um coração aberto.

"Por isto mesmo, podemos afirmar que a vida de clausura não fecha nem encolhe o coração, porém, o alarga. "
"Ai da monja, da religiosa que tem o coração encolhido! Por favor, procure um remédio, não se pode ser monja contemplativa com o coração encolhido... Que volte a respirar, que volte a respirar, que volte a ser um coração grande", advertiu Francisco.

Finalmente, ao encerrar seu contato com as religiosas, o Papa pediu-lhes que prestassem atenção e cuidassem de que a atmosfera do ambiente dos mosteiros fossem de bem-querença e de convívio ameno, com a sacralidade própria devida a todos os mosteiros.

Que evitassem um clima de relacionamento que propiciasse o aparecimento de "monjas terroristas", aquelas que com diz-que-diz e maledicências acabam por destruir tudo.
(JSG)

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

“Quando vamos à comunhão recebemos a vida mesmo de Deus e para ter essa vida é necessário nutr ...
 
“O restauro resgata a história, e nós temos sempre que olhar para o nosso passado para podermos ...
 
“O Museu Paroquial Matriz Museu conta a trajetória de fé do povo de Maricá”, explicou o Padre ...
 
Na crise religiosa e confusão de doutrina onde o mundo atual está imerso. Às vezes os que procur ...
 
Segundo o purpurado, “um cristão não pode deixar de ser alegre, otimista, e ter uma concepção ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading