Loading
 
 
 
Loading
 
Papa: não somos eternos, a morte é um fato, uma herança e uma memória
Loading
 
1 de Fevereiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 01-02-2018, Gaudium Press) A certeza da morte guiou a reflexão do Papa Francisco na homilia proferida na missa que ele presidiu nesta manhã (01/02) na Capela da Casa Santa Marta.

O Papa inspirou-se na primeira leitura indicada para a liturgia que trata morte do Rei Davi.
Davi, o grande Rei, aquele que consolidou o próprio Reino também morreu. Sua hora chegou, acabou-se o tempo do qual ele não era dono.

O Papa recordou que "Nós não somos nem eternos nem efêmeros: somos homens e mulheres em caminho no tempo, tempo que começa e tempo que acaba".

Foi a partir desta constatação que o Pontífice propôs uma reflexão sobre três ideias: fato, herança, memória.
A morte é um fato, uma herança e uma memória.

A Morte é um Fato

A morte é um fato que inquestionavelmente acontece para todos os homens. Podemos até imaginar que somos eternos, mas o fato ‘morte', acontece. Cedo ou tarde, chega. É um fato que toca todos nós: nós estamos em caminho.

Mas existe a tentação do momento que toma conta da vida e o leva a girar no momento deste labirinto egoísta do momento sem futuro, sempre ida e volta, ida e volta, não? E o caminho acaba na morte, todos sabemos disso. E por isso a Igreja sempre buscou refletir sobre este nosso fim: a morte, reflexionou Francisco.

"Eu não sou o dono do tempo", "repetir isso ajuda", diz Francisco, "porque nos salva daquela ilusão do momento, de ter a vida como sendo um cadeia de anéis de momentos, que não tem sentido". "Estou em caminho e devo olhar avante."

Uma Herança que se deixa

Em seguida o Pontífice tratou da segunda ideia: a herança.
Eu vou embora e deixo uma herança. Não é a herança de dinheiro, das propriedades, das posses, mas a herança do testemunho.

Davi, disse o Papa para exemplificar, deixou a herança da conversão, de saber adorar Deus antes de si mesmo, depois de levado uma vida de pecados.

Quando pensamos num morto, sempre pensamos numa pessoa santa, recordou Francisco:
"Existem duas maneiras de canonizar as pessoas: na Praça S. Pedro e nos funerais, porque se torna sempre um santo e porque não representa mais uma ameaça para nós. Mas, ao invés disso, devemos sempre fazer uma pergunta:

Que herança eu deixarei como testemunho de vida? É uma bela pregunta a nos fazer. E assim nos preparar porque todos nós, nenhum de nós ficará "como relíquia". Não, todos vamos percorrer este caminho.


A Memória que fica

A morte é memória, disse o Papa. É uma memória antecipada para refletir:

"Quando eu morrer, o que eu gostaria de ter feito hoje nesta decisão que eu tenho que tomar hoje, no modo de viver de hoje? É uma memória antecipada que ilumina o momento do hoje. Iluminar com o fato da morte as decisões que eu tenho que tomar todos os dias."

Morrerei. O que deixarei...

Na conclusão de sua homilia, Francisco convidou os presentes a lerem o capítulo II do Primeiro Livro dos Reis.

Que lessem e reflexionassem:

"eu estou em caminho, o fato - eu morrerei -, qual será a herança que deixarei e como é importante para mim a luz, a memória antecipada da morte, sobre as decisões que devo tomar hoje. Nos fará bem a todos". (JSG)

 

Loading
Papa: não somos eternos, a morte é um fato, uma herança e uma memória

Cidade do Vaticano (Quinta-feira, 01-02-2018, Gaudium Press) A certeza da morte guiou a reflexão do Papa Francisco na homilia proferida na missa que ele presidiu nesta manhã (01/02) na Capela da Casa Santa Marta.

O Papa inspirou-se na primeira leitura indicada para a liturgia que trata morte do Rei Davi.
Davi, o grande Rei, aquele que consolidou o próprio Reino também morreu. Sua hora chegou, acabou-se o tempo do qual ele não era dono.

O Papa recordou que "Nós não somos nem eternos nem efêmeros: somos homens e mulheres em caminho no tempo, tempo que começa e tempo que acaba".

Foi a partir desta constatação que o Pontífice propôs uma reflexão sobre três ideias: fato, herança, memória.
A morte é um fato, uma herança e uma memória.

A Morte é um Fato

A morte é um fato que inquestionavelmente acontece para todos os homens. Podemos até imaginar que somos eternos, mas o fato ‘morte', acontece. Cedo ou tarde, chega. É um fato que toca todos nós: nós estamos em caminho.

Mas existe a tentação do momento que toma conta da vida e o leva a girar no momento deste labirinto egoísta do momento sem futuro, sempre ida e volta, ida e volta, não? E o caminho acaba na morte, todos sabemos disso. E por isso a Igreja sempre buscou refletir sobre este nosso fim: a morte, reflexionou Francisco.

"Eu não sou o dono do tempo", "repetir isso ajuda", diz Francisco, "porque nos salva daquela ilusão do momento, de ter a vida como sendo um cadeia de anéis de momentos, que não tem sentido". "Estou em caminho e devo olhar avante."

Uma Herança que se deixa

Em seguida o Pontífice tratou da segunda ideia: a herança.
Eu vou embora e deixo uma herança. Não é a herança de dinheiro, das propriedades, das posses, mas a herança do testemunho.

Davi, disse o Papa para exemplificar, deixou a herança da conversão, de saber adorar Deus antes de si mesmo, depois de levado uma vida de pecados.

Quando pensamos num morto, sempre pensamos numa pessoa santa, recordou Francisco:
"Existem duas maneiras de canonizar as pessoas: na Praça S. Pedro e nos funerais, porque se torna sempre um santo e porque não representa mais uma ameaça para nós. Mas, ao invés disso, devemos sempre fazer uma pergunta:

Que herança eu deixarei como testemunho de vida? É uma bela pregunta a nos fazer. E assim nos preparar porque todos nós, nenhum de nós ficará "como relíquia". Não, todos vamos percorrer este caminho.


A Memória que fica

A morte é memória, disse o Papa. É uma memória antecipada para refletir:

"Quando eu morrer, o que eu gostaria de ter feito hoje nesta decisão que eu tenho que tomar hoje, no modo de viver de hoje? É uma memória antecipada que ilumina o momento do hoje. Iluminar com o fato da morte as decisões que eu tenho que tomar todos os dias."

Morrerei. O que deixarei...

Na conclusão de sua homilia, Francisco convidou os presentes a lerem o capítulo II do Primeiro Livro dos Reis.

Que lessem e reflexionassem:

"eu estou em caminho, o fato - eu morrerei -, qual será a herança que deixarei e como é importante para mim a luz, a memória antecipada da morte, sobre as decisões que devo tomar hoje. Nos fará bem a todos". (JSG)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/92890-Papa--nao-somos-eternos--a-morte-e-um-fato--uma-heranca-e-uma-memoria-. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Coro da Catedral realizou seu tradicional Concerto Coral Anual de Natal, e se destacou pelo carát ...
 
Papa Francisco recebeu em audiência funcionários TV italiana Telepace, nos seus 40 anos de fundaç ...
 
Os sacerdotes católicos não podem revelar os pecados dos penitentes sob pena de excomunhão, e nem ...
 
O Papa dedicou a homilia de hoje a São José e pediu aos fiéis que não percam a capacidade de s ...
 
Belém é um dos lugares da Terra Santa mais visitados por ocasião do Natal. E não é para menos, ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading