Loading
 
 
 
Loading
 
Uma viagem penosíssima
Loading
 
19 de Fevereiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Redação (Segunda-feira, 19-02-2018, Gaudium Press) Após terem deixado São João Batista na casa de um parente de São Zacarias, livrando-o assim da matança dos inocentes, a Sagrada Família continuou sua caminhada em direção ao Egito.

19-02-2018Uma viagem penosíssima.jpg

Faltou água e comida

A viagem deveria ser longa, pois "de Belém ao Cairo há uns quinhentos quilômetros de distância, o que supõe, a pé ou em caravana, cerca de quatorze dias de caminho".

O Anjo da guarda de São José o orientava. "Após dez dias, porém, a estrada que conduzia ao Egito terminou e começou o deserto, com suas incertezas. Não havia uma árvore, uma pousada, nada... só areia e sol escaldante. À noite a temperatura caía e o único abrigo que o pai virginal podia oferecer a Nossa Senhora e ao Menino era uma minúscula
tenda armada com seu próprio manto [...].

"Passadas algumas jornadas, a água e a comida vieram a faltar." Mas São José Os conduzia com segurança, como observa o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira: "Ele vai à frente para abrir caminho, atentíssimo ao que acontece com o Divino Infante e Nossa Senhora. Ela confia em seu esposo e confia em Deus, e, portanto, está recolhida em oração com o Menino como que dormindo e agarrado à Mãe."

Embora o Anjo de São José tivesse cessado de lhe dar orientações para provar sua fé, o varão fidelíssimo continuou a caminhada.

"A viagem foi penosíssima, e certos demônios aproveitaram para tornar os diversos contratempos ainda mais árduos... Surgiram tantas dificuldades e problemas no trajeto, que São José pensou em mudar de destino; só não o fez por causa do mandato celeste e das profecias que anunciavam a passagem do Redentor pelo Egito.

Reparando todas as infidelidades cometidas pelos hebreus

"Havia, entretanto, uma razão de sabedoria divina nas duras vicissitudes dessa viagem [...]: ‘Na fuga para o Egito era a Santa Igreja que, sozinha, peregrinava pelo deserto.' Estando ali as primícias do Cristianismo, Deus desejava que a Sagrada Família reparasse todas as infidelidades cometidas pelos hebreus ao saírem daquela nação.

"Tais pecados, de fato, foram os que mais O ofenderam na História da salvação anterior ao deicídio, pois a luz primordial dos filhos de Abraão, ou seja, o aspecto do Criador que eram mais chamados a representar, consistia na fé no impossível e no irrealizável, em acreditar quando tudo parecesse perdido. Os feitos de Abraão (cf. Gn 22, 10-12), Jacó (cf. Gn 27, 22-23), Ester (cf. Est 14, 1-19) ou dos três jovens na fornalha ardente (cf. Dn 3, 14-93), entre tantos outros, mostram bem que a virtude dos grandes Santos deste povo se alçava ao angélico, quando eles se encontravam num quadro sem solução humana.

"Com esse objetivo, ao longo de todo o percurso a Sagrada Família parou nos locais mais simbólicos da revolta do povo contra Deus, fazendo atos de desagravo. Estiveram, por exemplo, junto à pedra de Meriba, onde houve a rebelião pela escassez de água (cf. Ex 17, 1-7; Nm 20, 1-13). Ali rezaram, muito recolhidos, com o intuito de reparar aquele pecado contra a fé. E Nossa Senhora, Mãe de Misericórdia, pediu especialmente por Moisés, para que, por ocasião de sua morte, tivesse sua falta apagada, e esta não lhe fosse imputada no momento de entrar no Céu.

Feras, caminho de rosas, família de ladrões

"Diversas fontes antigas a respeito dessa viagem ao Egito narram ainda grande quantidade de fatos maravilhosos que, embora seja impossível atestar sua autenticidade, servem para alimentar a confiança em tudo aquilo que Deus todo-poderoso fez para amparar a Sagrada Família, sobretudo nas horas em que sua fé foi provada até os extremos limites.

"Em algumas ocasiões, quando mais dúvidas São José abrigava sobre o itinerário a seguir, as feras do deserto apareciam e, em atitude amistosa, indicavam-lhe a direção. Outras vezes, abria-se um belo caminho de rosas de Jericó para mostrar a rota correta.

"Certa vez a Sagrada Família devia atravessar a garganta de uma montanha cheia de assaltantes. O chefe destes, encantado com a distinção de Nossa Senhora e de São José, em vez de roubá-los, quis dar-lhes pousada naquela noite. Tratava-se de uma família de ladrões, habituada a investir contra os viajantes que passavam pela inóspita região. Entre eles havia uma senhora cujo filho mais novo era leproso.

"Na manhã seguinte, antes de partir, Nossa Senhora banhou o Menino Jesus e recomendou àquela mulher que lavasse seu filho nas águas por Ela usadas. Fazendo isso, a criança ficou curada. O maior milagre, entretanto, não foi o físico, mas o que Nosso Senhor operou, com anos de antecedência, para a salvação do pequeno.

"Era ele Dimas, o futuro bom ladrão, que trinta e três anos mais tarde estaria junto a Jesus no alto do Calvário! Aquela graça dada pelo Salvador foi o ponto de partida para que, depois de todos os crimes cometidos ao longo da vida, São Dimas se arrependesse na hora da morte!"

Que São Dimas interceda por nós junto a Nossa Senhora a fim de adquirirmos uma confiança inabalável de que, por maiores que sejam nossos pecados, Ela obterá de Deus o perdão se tivermos um coração contrito e humilhado.

 

Por Paulo Francisco Martos
(Noções de História Sagrada - 140)


............................................................................................................................

1 - TUYA, OP, Manuel de. Biblia Comentada. Evangelios. Madrid: BAC, 1964, v. V, p. 42.
2 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio, conferência. São Paulo, 30 nov. 1988.
3 - Idem. Palestra. São Paulo, 6 mar. 1993.
4 - CLÁ DIAS, João Scognamiglio, EP. São José: quem o conhece?... São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae. Arautos do Evangelho. 2017, p. 279.282. 284 passim.

 

 

Loading
Uma viagem penosíssima

Redação (Segunda-feira, 19-02-2018, Gaudium Press) Após terem deixado São João Batista na casa de um parente de São Zacarias, livrando-o assim da matança dos inocentes, a Sagrada Família continuou sua caminhada em direção ao Egito.

19-02-2018Uma viagem penosíssima.jpg

Faltou água e comida

A viagem deveria ser longa, pois "de Belém ao Cairo há uns quinhentos quilômetros de distância, o que supõe, a pé ou em caravana, cerca de quatorze dias de caminho".

O Anjo da guarda de São José o orientava. "Após dez dias, porém, a estrada que conduzia ao Egito terminou e começou o deserto, com suas incertezas. Não havia uma árvore, uma pousada, nada... só areia e sol escaldante. À noite a temperatura caía e o único abrigo que o pai virginal podia oferecer a Nossa Senhora e ao Menino era uma minúscula
tenda armada com seu próprio manto [...].

"Passadas algumas jornadas, a água e a comida vieram a faltar." Mas São José Os conduzia com segurança, como observa o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira: "Ele vai à frente para abrir caminho, atentíssimo ao que acontece com o Divino Infante e Nossa Senhora. Ela confia em seu esposo e confia em Deus, e, portanto, está recolhida em oração com o Menino como que dormindo e agarrado à Mãe."

Embora o Anjo de São José tivesse cessado de lhe dar orientações para provar sua fé, o varão fidelíssimo continuou a caminhada.

"A viagem foi penosíssima, e certos demônios aproveitaram para tornar os diversos contratempos ainda mais árduos... Surgiram tantas dificuldades e problemas no trajeto, que São José pensou em mudar de destino; só não o fez por causa do mandato celeste e das profecias que anunciavam a passagem do Redentor pelo Egito.

Reparando todas as infidelidades cometidas pelos hebreus

"Havia, entretanto, uma razão de sabedoria divina nas duras vicissitudes dessa viagem [...]: ‘Na fuga para o Egito era a Santa Igreja que, sozinha, peregrinava pelo deserto.' Estando ali as primícias do Cristianismo, Deus desejava que a Sagrada Família reparasse todas as infidelidades cometidas pelos hebreus ao saírem daquela nação.

"Tais pecados, de fato, foram os que mais O ofenderam na História da salvação anterior ao deicídio, pois a luz primordial dos filhos de Abraão, ou seja, o aspecto do Criador que eram mais chamados a representar, consistia na fé no impossível e no irrealizável, em acreditar quando tudo parecesse perdido. Os feitos de Abraão (cf. Gn 22, 10-12), Jacó (cf. Gn 27, 22-23), Ester (cf. Est 14, 1-19) ou dos três jovens na fornalha ardente (cf. Dn 3, 14-93), entre tantos outros, mostram bem que a virtude dos grandes Santos deste povo se alçava ao angélico, quando eles se encontravam num quadro sem solução humana.

"Com esse objetivo, ao longo de todo o percurso a Sagrada Família parou nos locais mais simbólicos da revolta do povo contra Deus, fazendo atos de desagravo. Estiveram, por exemplo, junto à pedra de Meriba, onde houve a rebelião pela escassez de água (cf. Ex 17, 1-7; Nm 20, 1-13). Ali rezaram, muito recolhidos, com o intuito de reparar aquele pecado contra a fé. E Nossa Senhora, Mãe de Misericórdia, pediu especialmente por Moisés, para que, por ocasião de sua morte, tivesse sua falta apagada, e esta não lhe fosse imputada no momento de entrar no Céu.

Feras, caminho de rosas, família de ladrões

"Diversas fontes antigas a respeito dessa viagem ao Egito narram ainda grande quantidade de fatos maravilhosos que, embora seja impossível atestar sua autenticidade, servem para alimentar a confiança em tudo aquilo que Deus todo-poderoso fez para amparar a Sagrada Família, sobretudo nas horas em que sua fé foi provada até os extremos limites.

"Em algumas ocasiões, quando mais dúvidas São José abrigava sobre o itinerário a seguir, as feras do deserto apareciam e, em atitude amistosa, indicavam-lhe a direção. Outras vezes, abria-se um belo caminho de rosas de Jericó para mostrar a rota correta.

"Certa vez a Sagrada Família devia atravessar a garganta de uma montanha cheia de assaltantes. O chefe destes, encantado com a distinção de Nossa Senhora e de São José, em vez de roubá-los, quis dar-lhes pousada naquela noite. Tratava-se de uma família de ladrões, habituada a investir contra os viajantes que passavam pela inóspita região. Entre eles havia uma senhora cujo filho mais novo era leproso.

"Na manhã seguinte, antes de partir, Nossa Senhora banhou o Menino Jesus e recomendou àquela mulher que lavasse seu filho nas águas por Ela usadas. Fazendo isso, a criança ficou curada. O maior milagre, entretanto, não foi o físico, mas o que Nosso Senhor operou, com anos de antecedência, para a salvação do pequeno.

"Era ele Dimas, o futuro bom ladrão, que trinta e três anos mais tarde estaria junto a Jesus no alto do Calvário! Aquela graça dada pelo Salvador foi o ponto de partida para que, depois de todos os crimes cometidos ao longo da vida, São Dimas se arrependesse na hora da morte!"

Que São Dimas interceda por nós junto a Nossa Senhora a fim de adquirirmos uma confiança inabalável de que, por maiores que sejam nossos pecados, Ela obterá de Deus o perdão se tivermos um coração contrito e humilhado.

 

Por Paulo Francisco Martos
(Noções de História Sagrada - 140)


............................................................................................................................

1 - TUYA, OP, Manuel de. Biblia Comentada. Evangelios. Madrid: BAC, 1964, v. V, p. 42.
2 - CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio, conferência. São Paulo, 30 nov. 1988.
3 - Idem. Palestra. São Paulo, 6 mar. 1993.
4 - CLÁ DIAS, João Scognamiglio, EP. São José: quem o conhece?... São Paulo: Instituto Lumen Sapientiae. Arautos do Evangelho. 2017, p. 279.282. 284 passim.

 

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/93236-Uma-viagem-penosissima. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

A cerimônia foi presidida pelo vigário-geral da Arquidiocese de Braga e presidente da Confraria do ...
 
A igreja está consagrada à Nossa Senhora do Bom Conselho, cumprindo desta maneira um voto feito pe ...
 
Para Francisco, estes vícios são a vergonha da vida pública e colocam em perigo a paz social. ...
 
Esta foi a primeira glória de São José, a especial bem-aventurança de ter sido rejeitado no mome ...
 
O Papa Francisco completa nesse 17 de dezembro, 82 anos de vida. Uma trajetória de estudos e trabal ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading