Loading
 
 
 
Loading
 
“Mensagem de Fátima é verdadeira pedagogia para Vivência da Quaresma”, diz Reitor do Santuário de Fátima
Loading
 
19 de Fevereiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Fátima -Portugal (Segunda-feira, 19-02-2018, Gaudium Press) Na Basílica da Santíssima Trindade, o reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, apresentou em homilia neste primeiro domingo da Quaresma, 18/02, reflexões que levam à conclusão de que o período de 40 dias de preparação para a Páscoa é um tempo de conversão, que deve ser vivido em oração mais intensa, em penitência e numa maior atenção aos outros e às suas necessidades.
Para ele, a Mensagem de Fátima apresenta-se como uma verdadeira pedagogia para a vivência da Quaresma como tempo de conversão".

19-02-2018-?Mensagem de Fátima é verdadeira pedagogia para Vivência da Quaresma?, diz Reitor do Santuário de Fátima .jpg

Em sua homilia, o pregador partiu do relato das tentações de Jesus no deserto, proposto pela Liturgia para o primeiro domingo do tempo quaresmal. Caminhando dentro dos ensinamentos do Evangelho do dia, o sacerdote disse que "viver a Quaresma é imitar o modelo de esforço e conversão de Jesus, na sua ida para o deserto para orar, jejuar, combater e vencer a tentação."
Deserto, 40 dias, Tentação

O reitor do Santuário apresentou uma análise simbólica de cada um dos três elementos presentes na narração do evangelista: o deserto, os 40 dias e a tentação.

Em relação ao deserto, ele recordou que no mundo bíblico, este "era o local do encontro íntimo e intenso com Deus, porque foi ali que Ele fez a Aliança com o seu povo". E, então, o pregador concluiu que, também nós, na Quaresma, somos convidados a "parar para escutar Deus, através da sua Palavra e da oração".

O deserto nas Sagradas Escrituras, é o "lugar de encontro com Deus", mas ele foi também "lugar de tentação". Foi lá que "o povo foi tentado e sucumbiu à tentação, murmurando contra Deus, fazendo ídolos e prestando-lhes culto", lembrou o reitor para, logo acrescentar que "Indo para o deserto, Jesus assume as nossas próprias tentações, fragilidades, desvios e os nossos esquecimentos de Deus, assume-os para nos transformar, para os salvar. Se a Quaresma é imitar Jesus no deserto, então somos convidados a assumir a atitude de Jesus que vence a tentação, que supera a própria fragilidade e que se deixa conduzir e guiar pela mão de Deus."

Os 40 dias

Para tratar dos 40 dias, terceiro elemento que traz a narração de São Marcos, o padre Cabecinhas começou por estabelecer uma relação simbólica deste período com vários momentos do Antigo Testamento:

Os 40 anos de peregrinação do povo de Deus, pelo deserto, a caminho da Terra Prometida; os 40 dias que Moisés esteve no Sinai, em jejum e oração, na presença do Senhor e concluiu que: "os 40 dias da Quaresma também nos remetem para um período de empenhamento e esforço que nos conduz a Deus".

Recordar o Batismo

Lembrando em sua homilia da segunda leitura do dia, quando São Pedro compara o Batismo cristão com o dilúvio, nos tempos de Noé, como acontecimento de salvação, o sacerdote relacionou a conversão com o Batismo e apresentou a Quaresma como "uma ferta do Senhor para renovar os compromissos batismais e procurar a comunhão com Deus, indo à raiz da nossa relação com Ele."

Para o Reitor do Santuário de Fátima, "Falar de conversão só tem sentido para nós, que fomos batizados, e que nem sempre conseguimos viver com esta nossa condição. Este tempo da Quaresma convida-nos a recordar e a procurar a brancura original do ser batizado, limpando a sujidade que a vida foi imprimindo na veste batismal. "

Foi, então que Padre Carlos Cabecinhas convidou a assembleia a seguir o modelo que Jesus nos indicou e que a Tradição da Igreja apresenta para a vivência da Quaresma, como tempo de conversão:

A oração mais intensa e a escuta mais frequente da Palavra de Deus; as práticas penitenciais, como sinal do desejo de conversão, como o jejum e a abstinência das sextas-feiras; e uma renovada atenção aos outros e às suas necessidades.

Relação com Fátima

"Também a Mensagem de Fátima, com o seu veemente apelo à conversão, nos conduz a uma vivência séria e intensa deste tempo quaresmal. Com o convite a dar a Deus o primeiro lugar nas nossas vidas e a conduzir a nossa vida pela sua vontade, com o apelo insistente à oração, a fazermos sacrifícios e a amarmos os irmãos, a Mensagem de Fátima apresenta-se-nos como uma verdadeira pedagogia para a vivência da Quaresma como tempo de conversão", concluiu o reitor do Santuário de Fátima, Padre Carlos Cabecinhas. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Pagina Oficial Santuário de Fátima)

 

Loading
“Mensagem de Fátima é verdadeira pedagogia para Vivência da Quaresma”, diz Reitor do Santuário de Fátima

Fátima -Portugal (Segunda-feira, 19-02-2018, Gaudium Press) Na Basílica da Santíssima Trindade, o reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, apresentou em homilia neste primeiro domingo da Quaresma, 18/02, reflexões que levam à conclusão de que o período de 40 dias de preparação para a Páscoa é um tempo de conversão, que deve ser vivido em oração mais intensa, em penitência e numa maior atenção aos outros e às suas necessidades.
Para ele, a Mensagem de Fátima apresenta-se como uma verdadeira pedagogia para a vivência da Quaresma como tempo de conversão".

19-02-2018-?Mensagem de Fátima é verdadeira pedagogia para Vivência da Quaresma?, diz Reitor do Santuário de Fátima .jpg

Em sua homilia, o pregador partiu do relato das tentações de Jesus no deserto, proposto pela Liturgia para o primeiro domingo do tempo quaresmal. Caminhando dentro dos ensinamentos do Evangelho do dia, o sacerdote disse que "viver a Quaresma é imitar o modelo de esforço e conversão de Jesus, na sua ida para o deserto para orar, jejuar, combater e vencer a tentação."
Deserto, 40 dias, Tentação

O reitor do Santuário apresentou uma análise simbólica de cada um dos três elementos presentes na narração do evangelista: o deserto, os 40 dias e a tentação.

Em relação ao deserto, ele recordou que no mundo bíblico, este "era o local do encontro íntimo e intenso com Deus, porque foi ali que Ele fez a Aliança com o seu povo". E, então, o pregador concluiu que, também nós, na Quaresma, somos convidados a "parar para escutar Deus, através da sua Palavra e da oração".

O deserto nas Sagradas Escrituras, é o "lugar de encontro com Deus", mas ele foi também "lugar de tentação". Foi lá que "o povo foi tentado e sucumbiu à tentação, murmurando contra Deus, fazendo ídolos e prestando-lhes culto", lembrou o reitor para, logo acrescentar que "Indo para o deserto, Jesus assume as nossas próprias tentações, fragilidades, desvios e os nossos esquecimentos de Deus, assume-os para nos transformar, para os salvar. Se a Quaresma é imitar Jesus no deserto, então somos convidados a assumir a atitude de Jesus que vence a tentação, que supera a própria fragilidade e que se deixa conduzir e guiar pela mão de Deus."

Os 40 dias

Para tratar dos 40 dias, terceiro elemento que traz a narração de São Marcos, o padre Cabecinhas começou por estabelecer uma relação simbólica deste período com vários momentos do Antigo Testamento:

Os 40 anos de peregrinação do povo de Deus, pelo deserto, a caminho da Terra Prometida; os 40 dias que Moisés esteve no Sinai, em jejum e oração, na presença do Senhor e concluiu que: "os 40 dias da Quaresma também nos remetem para um período de empenhamento e esforço que nos conduz a Deus".

Recordar o Batismo

Lembrando em sua homilia da segunda leitura do dia, quando São Pedro compara o Batismo cristão com o dilúvio, nos tempos de Noé, como acontecimento de salvação, o sacerdote relacionou a conversão com o Batismo e apresentou a Quaresma como "uma ferta do Senhor para renovar os compromissos batismais e procurar a comunhão com Deus, indo à raiz da nossa relação com Ele."

Para o Reitor do Santuário de Fátima, "Falar de conversão só tem sentido para nós, que fomos batizados, e que nem sempre conseguimos viver com esta nossa condição. Este tempo da Quaresma convida-nos a recordar e a procurar a brancura original do ser batizado, limpando a sujidade que a vida foi imprimindo na veste batismal. "

Foi, então que Padre Carlos Cabecinhas convidou a assembleia a seguir o modelo que Jesus nos indicou e que a Tradição da Igreja apresenta para a vivência da Quaresma, como tempo de conversão:

A oração mais intensa e a escuta mais frequente da Palavra de Deus; as práticas penitenciais, como sinal do desejo de conversão, como o jejum e a abstinência das sextas-feiras; e uma renovada atenção aos outros e às suas necessidades.

Relação com Fátima

"Também a Mensagem de Fátima, com o seu veemente apelo à conversão, nos conduz a uma vivência séria e intensa deste tempo quaresmal. Com o convite a dar a Deus o primeiro lugar nas nossas vidas e a conduzir a nossa vida pela sua vontade, com o apelo insistente à oração, a fazermos sacrifícios e a amarmos os irmãos, a Mensagem de Fátima apresenta-se-nos como uma verdadeira pedagogia para a vivência da Quaresma como tempo de conversão", concluiu o reitor do Santuário de Fátima, Padre Carlos Cabecinhas. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Pagina Oficial Santuário de Fátima)

 


 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

O Coro da Catedral realizou seu tradicional Concerto Coral Anual de Natal, e se destacou pelo carát ...
 
Papa Francisco recebeu em audiência funcionários TV italiana Telepace, nos seus 40 anos de fundaç ...
 
Os sacerdotes católicos não podem revelar os pecados dos penitentes sob pena de excomunhão, e nem ...
 
O Papa dedicou a homilia de hoje a São José e pediu aos fiéis que não percam a capacidade de s ...
 
Belém é um dos lugares da Terra Santa mais visitados por ocasião do Natal. E não é para menos, ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading