Loading
 
 
 
Loading
 
"A sede de nada que faz adoecer", tema de uma das meditações de hoje
Loading
 
20 de Fevereiro de 2018 / 0 Comentários
 
Imprimir
 
 

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 20-02-2017, Gaudium Press) Nesta terça-feira teve prosseguimento as reuniões dos exercícios espirituais de Quaresma dos quais participa o Papa Francisco, na Casa Divino Mestre, em Ariccia, próximo a Roma, o pregador, Pe. José Tolentino Mendonça, refletiu sobre o contrário da sede: a preguiça - a 'atonia' da alma - e seus efeitos.

20-02-2018 A sede de nada que faz adoecer.jpg

Então, numa das reuniões de hoje, o Papa Francisco e seus colaboradores da Cúria ouviram o pregador, Pe. José Tolentino Mendonça, propor uma meditação intitulada:
"Esta sede de nada que nos faz adoecer".

Renunciar a sede e o começo da morte

Padre Tolentino afirmou que o contrário da sede é a preguiça.
Quando perdemos a curiosidade e nos fechamos ao inédito ficamos apáticos e começamos a ver a vida com indiferença.

A sede, porém, ensina a arte de procurar, de aprender, colaborar, a paixão de servir. " Quando renunciamos à sede, começamos a morrer ", disse o pregador.

Para ele, existem muitos sofrimentos escondidos dos quais devemos descobrir suas origens, eles se escondem no mistério da solidão humana.

Bom Samaritano desiludido

Um dos problemas mais comuns hoje é o chamado ‘burnout', diz o pregador. Ele consiste em sentir-se em curto-circuito, esvaziado de energias físicas e mentais.

É um esgotamento emocional definido por alguns como ‘síndrome do bom samaritano desiludido' e, na maioria das vezes, atinge pessoas que fazem da ajuda e da cura do próximo sua ocupação principal. Como acontece, por exemplo, os sacerdotes.

Uma pesquisa realizada entre o clero da Diocese de Pádua (Itália), indicou que os sacerdotes com maior risco de burnout, afirma o Padre Tolentino, são os jovens (25-29 anos) e os mais idosos, com mais de 70 anos.

Dentre as causas deste mal-estar, diz o pregador, citando a pesquisa, estão o peso excessivo das expectativas (pessoais e dos outros), a ausência de uma vida espiritual, o temor do juízo, a exposição demasiada a situações humanas difíceis, pouca solidariedade entre os sacerdotes, incapacidade de se comunicar...

Cratera existencial, sem amor de Deus...

Segundo o sacerdote português, quando nos sentimos amados como pessoas, amparados com afeto e acompanhamento, sabendo que nosso trabalho interessa, envolve e apaixona, temos a certeza de existir.

Mas, ressalta ele, quando nos sentimos abandonados, incompreendidos e com o coração ferido por dores que não sabemos curar, temos a impressão de não contar nada para ninguém:

" Fica só um vazio, uma ‘cratera' existencial a ser preenchida com angústias e mundanidades: álcool, redes sociais, consumismo ou hiperatividade "

O padre recordou, então, que somos todos diferentes, cada um com sua beleza e fragilidades.

A beleza humana é aceitar-se como somos; não viver nos sonhos ou ilusões, na raiva e na tristeza. Ter o direito de ser o que somos... e seremos amados por Deus e preciosos a seus olhos.

Jonas ou a necessária terapia do desejo

O Padre Tolentino cita o livro bíblico de Jonas que, segundo ele, nos faz sorrir salutarmente de nós mesmos, ao invés de dramatizar.
O livro nos diz, afirma, que a sabedoria está nos anunciadores de esperança e não nos apocalíticos pregadores de tragédias.

Tristeza, atonia da alma

‘Um dos sinônimos da preguiça, a ‘atonia' da alma, é a tristeza', afirmou o pregador:
" Nem sempre o problema é o excesso de atividade, mas atividades mal vividas, sem motivação adequada, sem a espiritualidade que a torna desejável "

A preguiça pode ter diferentes origens, em relação à pastoral, por exemplo: insistir em projetos irrealizáveis; não aceitar a evolução dos processos; perder o contato real com as pessoas, não saber esperar, querer dominar o ritmo da vida... a ansiedade de obter resultados imediatos... a sensação de fracasso, de ser criticado, de cruz.

Superar tudo em Deus

Essa quarta meditação do Retiro foi concluída com o Pe. Tolentino relacionando a nossa sede ‘de água' com a palavra que revela a necessidade profunda, íntima e dolorosa ‘vem', que a Igreja experimenta com a chegada no Espírito.

Nesta palavra está o sinal de tudo o que precisamos, a razão de nossa esperança e ao mesmo tempo, a razão de nosso fracasso, cansaço... e a necessidade de superar tudo isso em Deus. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Vatican News)

 

Loading
"A sede de nada que faz adoecer", tema de uma das meditações de hoje

Cidade do Vaticano (Terça-feira, 20-02-2017, Gaudium Press) Nesta terça-feira teve prosseguimento as reuniões dos exercícios espirituais de Quaresma dos quais participa o Papa Francisco, na Casa Divino Mestre, em Ariccia, próximo a Roma, o pregador, Pe. José Tolentino Mendonça, refletiu sobre o contrário da sede: a preguiça - a 'atonia' da alma - e seus efeitos.

20-02-2018 A sede de nada que faz adoecer.jpg

Então, numa das reuniões de hoje, o Papa Francisco e seus colaboradores da Cúria ouviram o pregador, Pe. José Tolentino Mendonça, propor uma meditação intitulada:
"Esta sede de nada que nos faz adoecer".

Renunciar a sede e o começo da morte

Padre Tolentino afirmou que o contrário da sede é a preguiça.
Quando perdemos a curiosidade e nos fechamos ao inédito ficamos apáticos e começamos a ver a vida com indiferença.

A sede, porém, ensina a arte de procurar, de aprender, colaborar, a paixão de servir. " Quando renunciamos à sede, começamos a morrer ", disse o pregador.

Para ele, existem muitos sofrimentos escondidos dos quais devemos descobrir suas origens, eles se escondem no mistério da solidão humana.

Bom Samaritano desiludido

Um dos problemas mais comuns hoje é o chamado ‘burnout', diz o pregador. Ele consiste em sentir-se em curto-circuito, esvaziado de energias físicas e mentais.

É um esgotamento emocional definido por alguns como ‘síndrome do bom samaritano desiludido' e, na maioria das vezes, atinge pessoas que fazem da ajuda e da cura do próximo sua ocupação principal. Como acontece, por exemplo, os sacerdotes.

Uma pesquisa realizada entre o clero da Diocese de Pádua (Itália), indicou que os sacerdotes com maior risco de burnout, afirma o Padre Tolentino, são os jovens (25-29 anos) e os mais idosos, com mais de 70 anos.

Dentre as causas deste mal-estar, diz o pregador, citando a pesquisa, estão o peso excessivo das expectativas (pessoais e dos outros), a ausência de uma vida espiritual, o temor do juízo, a exposição demasiada a situações humanas difíceis, pouca solidariedade entre os sacerdotes, incapacidade de se comunicar...

Cratera existencial, sem amor de Deus...

Segundo o sacerdote português, quando nos sentimos amados como pessoas, amparados com afeto e acompanhamento, sabendo que nosso trabalho interessa, envolve e apaixona, temos a certeza de existir.

Mas, ressalta ele, quando nos sentimos abandonados, incompreendidos e com o coração ferido por dores que não sabemos curar, temos a impressão de não contar nada para ninguém:

" Fica só um vazio, uma ‘cratera' existencial a ser preenchida com angústias e mundanidades: álcool, redes sociais, consumismo ou hiperatividade "

O padre recordou, então, que somos todos diferentes, cada um com sua beleza e fragilidades.

A beleza humana é aceitar-se como somos; não viver nos sonhos ou ilusões, na raiva e na tristeza. Ter o direito de ser o que somos... e seremos amados por Deus e preciosos a seus olhos.

Jonas ou a necessária terapia do desejo

O Padre Tolentino cita o livro bíblico de Jonas que, segundo ele, nos faz sorrir salutarmente de nós mesmos, ao invés de dramatizar.
O livro nos diz, afirma, que a sabedoria está nos anunciadores de esperança e não nos apocalíticos pregadores de tragédias.

Tristeza, atonia da alma

‘Um dos sinônimos da preguiça, a ‘atonia' da alma, é a tristeza', afirmou o pregador:
" Nem sempre o problema é o excesso de atividade, mas atividades mal vividas, sem motivação adequada, sem a espiritualidade que a torna desejável "

A preguiça pode ter diferentes origens, em relação à pastoral, por exemplo: insistir em projetos irrealizáveis; não aceitar a evolução dos processos; perder o contato real com as pessoas, não saber esperar, querer dominar o ritmo da vida... a ansiedade de obter resultados imediatos... a sensação de fracasso, de ser criticado, de cruz.

Superar tudo em Deus

Essa quarta meditação do Retiro foi concluída com o Pe. Tolentino relacionando a nossa sede ‘de água' com a palavra que revela a necessidade profunda, íntima e dolorosa ‘vem', que a Igreja experimenta com a chegada no Espírito.

Nesta palavra está o sinal de tudo o que precisamos, a razão de nossa esperança e ao mesmo tempo, a razão de nosso fracasso, cansaço... e a necessidade de superar tudo isso em Deus. (JSG)

(Da Redação Gaudium Press, com informações Vatican News)

 

Conteúdo publicado em gaudiumpress.org, no link http://www.gaudiumpress.org/content/93257--A-sede-de-nada-que-faz-adoecer---tema-de-uma-das-meditacoes-de-hoje. Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte.



 

Deixe seu comentário
O seu endereço de email não será publicado. Os campos marcados (*) são obrigatórios.



 
Loading
GaudiumRightPubli
Loading

No próximo domingo, 24 de junho, a Catedral de Turim celebrará a festa do seu Padroeiro, São Joã ...
 
A proximidade dos Salesianos aos iemenitas fez com que a ordem religiosa promova neste sábado, 23, ...
 
Encontrar apoio na própria família é uma grande ajuda para os que dão este passo, e é uma grand ...
 
Conferência Episcopal do Peru comunica abertura de Centro de Auxílio a migrantes venezuelanos. ...
 
Confiança, Anúncio e Fraternidade: três palavras sobre as quais o Papa propôs aos verbitas uma r ...
 
Loading


O que estão twitando sobre o

Loading


 
 

Loading

Loading